ESTUDANTES SÃO DETIDOS POR PROTESTAR CONTRA ROUBO NA MERENDA. JÁ OS LADRÕES CONTINUAM SOLTOS

A notícia é da Rede Brasil Atual:

alesp-600x448Estudantes secundaristas que exigiam a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a corrupção na merenda das escolas administradas pelo governo de Geraldo Alckmin (PSDB) foram reprimidos e expulsos do plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo, pela Polícia Militar (PM), na tarde de hoje (1º). Segundo o site Jornalistas Livres, a PM agrediu e deteve alguns estudantes a pedido do deputado estadual Coronel Telhada (PSDB), que os incitou durante seu discurso. A assessoria do deputado não quis comentar o caso.

Dois dos estudantes agredidos, Renata Letícia e outro identificado somente como Douglas, foram encaminhados ao 36º Distrito Policial para registro de boletim de ocorrência de resistência à prisão. Cerca de 50 manifestantes participaram da mobilização. Os secundaristas também protestavam contra a substituição de refeições completas por bolacha e suco em muitas escolas da rede estadual paulista, desde o início do ano letivo.

O esquema de superfaturamento e pagamento de propina em contratos de fornecimento de merenda escolar operava no governo Alckmin e em mais 22 prefeituras do estado de São Paulo. Segundo apuração da Polícia Civil paulista e do Ministério Público Estadual (MPE), desviava entre 10% e 25% do valor das contratações.

Adriano Miller Aparecido, que prestava serviços financeiros à Cooperativa de Agricultura Orgânica Familiar (Coaf), detido na operação, disse que nos contratos de fornecimento de suco de laranja era possível “lucro” de 90%, pois o governo paulista utilizava preços de supermercado para estabelecer o valor de contrato. Assim, o suco que custava R$ 3,70 era adquirido por R$ 6,80.

Eles visavam à verba do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que é distribuído a estados e municípios. Conforme a Lei 11.947, pelo menos 30% do valor repassado ao Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) deve ser utilizado na aquisição de alimentos da agricultura familiar.

Entre os tucanos investigados estão o ex-chefe de gabinete da Casa Civil do governo Alckmin Luiz Roberto dos Santos, o “Moita”. Ele foi flagrado em interceptações telefônicas conversando com o lobista Marcel Ferreira Júlio. Segundo a polícia, Moita operava de dentro do Palácio dos Bandeirantes. Ele está foragido desde 19 de janeiro, quando a Operação Alba Branca foi deflagrada.

Também o ex-chefe de gabinete da Secretaria da Educação Fernando Padula, quadro do PSDB, está sendo investigado. Ele orientava os integrantes da Coaf sobre a forma “correta” de reajustar preços de contratos, contando com orientações de Moita para isso.

10 comentários

  • Fabiana

    É meu preclaro amigo Cardosinho…Como você bem colocou no título da postagem, caberia o subtítulo:Vivendo o paradoxo da atualidade – inversão de valores.
    Cada dia que passa, mais notícias desanimadoras.
    Tem horas que temo pelo futuro dos meus filhos…

  • Sou contra politicos

    Historicamente, as CPIs nao funcionam neste pais pois logicamente os politicos nao vao penalizar os seu amigos politicos portanto nao vira nada.
    Esses estudantes foram pedir para abrir uma CPI para investigar as denuncias de corrupçao na merenda e ainda apanham da policia. Sao uns tontos!
    Porque a bancada do PT, PSOL, PCdoB, etc que sao contra o governo Alckimin nao pedem a CPI?
    Esses estudantes sao instruidos pelos partidos de oposiçao para fazerem arruaça para depois apanharem e aparecerem como vitimas pois os partidos tambem roubam para fazerem campanha milionarias para os deputados.
    Sao massa de manobra dos politicos

  • QUE VERGONHA, ESSE É O BRASIL.

  • Rolando Caio da Rocha

    Estudantes? Sei não… Certeza que são funcionários do PT, a mando do 9 fingers…

  • Olha a turma do pão com mortadela em ação!

  • Vitoria na guerra, irmao!

    A muito tempo, os partidos principalmente, o de oposiçao sao verdadeiras facçoes criminosas e politicas pois comandam os sindicatos, ONGs, como tambem movimentos estudantis e os “sem” (casa, teto, terra, emprego, etc)
    Quando os partidos querem fazer o “toma la’ da’ ca'” acionar os seus comandados para fazerem arruaças nas ruas de SP/Brasilia/Rio e nas assembleias legislativas
    Sao chamadas de manifestaçoes porem quebram tudo (bancos, lojas, etc) e logicamente aparece a policia militar que batem nesses bandidos arruaceiros.
    No outro dia, aparecem nos jornais e tv como coitadinhos e dando entrevistas falando em democracia
    Essa e’ a nossa democracia

  • MÍDIA GOLPISTA

    AOS GOLPISTA, A AS MENTIRAS DA FOLHA, ESTADÃO, UOL, VEJA E ISTOé:##############

    Delcídio prepara nota em que nega delação

    3 de Março de 2016
    Compartilhe no Google +
    Compartilhe no Twitter
    Compartilhe no Facebook
    Geraldo Magela/Agência Senado:
    Neste momento, a assessoria de comunicação do senador Delcídio Amaral prepara uma nota sobre a suposta delação premiada do parlamentar, que movimenta o mercado financeiro: “negando evidentemente”
    Leia, abaixo, reportagem sobre a suposta delação de Delcídio:

    Ibovespa sobe forte em meio a delação premiada de Delcídio do Amaral; dólar cai

    SÃO PAULO – O Ibovespa opera em alta nesta quinta-feira (3), com as bolsas internacionais operando sem direção ainda repercutindo a indefinição no cenário para o petróleo e a possibilidade de mais estímulos na China, além de dados positivos nos Estados Unidos. Por aqui, o cenário político guia o pregão com notícia de vazamento da delação premiada do ex-líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), citando Dilma.
    Às 10h27 (horário de Brasília), o benchmark da Bolsa brasileira subia 1,40%, a 45.524 pontos. Já o dólar comercial cai 1,06% a R$ 3,8466 na venda, enquanto o dólar futuro para janeiro de 2016 recua 1,13% a R$ 3,881. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 sobe 2 pontos-base a 14,08%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 recua 7 pontos-base a 15,19%.
    Delação de Delcídio
    A presidente Dilma Rousseff tentou interferir na Operação Lava Jato, segundo delação do senador Delcídio do Amaral, publicada pela revista Isto É desta quinta. O jornalista Ricardo Boechat, da Bandeirantes e também colunista da revista, adiantou a informação. De acordo com a revista, a presidente conversou com auxiliares e nomeou ministros para tribunais superiores – principalmente o STJ (Superior Tribunal de Justiça) – favoráveis às teses das defesas de acusados, em uma tentativa de ajudar empreiteiras e políticos alvos da Operação, segundo o senador.
    Delcídio foi preso na Operação Lava Jato em 25 de novembro de 2015 e solto há menos de um mês, mas antes prestou depoimento a PF (Polícia Federal).

    MÍDIA GOLPISTA SE FERROU AHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH.

  • Dilmerda

    COMO FICA A MÍDIA GOLPISTA
    Procurador-geral da República, Rodrigo Janot, negou nesta quinta-feira 3 que o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) tenha feito acordo de delação premiada; “Não sei nem se ele fez delação… Ele vai fazer?”, ironizou; Janot afirmou aos jornalistas que não discute “ato jornalístico, que não é jurídico”; vale lembrar que se tivesse havido delação, ela teria sido feita à Procuradoria Geral da República, uma vez que Delcídio é parlamentar e tem foro privilegiado; Janot confirmou esse fato: segundo ele, caberá à PGR, caso haja delação, tomar o depoimento de Delcídio ou de outro parlamentar que venha a fechar acordo de colaboração na Lava Jato; Janot falou após participar da solenidade de posse do ministro da Justiça, Wellington César Lima e Silva, no Palácio do Planalto.

  • Pedro

    E AGORA COMO FICA A DELAÇÃO?

    O escândalo sexual envolvendo a autora da reportagem da Isto É sobre a suposta delação premiada de Delcídio Amaral.

    O mais novo escândalo sexual de Brasília envolve a diretora da IstoÉ em Brasília, Débora Bergamasco, que abandonou o marido, o jornalista Marcelo Moraes, diretor do Estadão, também em Brasília, para ir viver com José Eduardo Cardozo, então ministro da Justiça.
    Débora, antes de ser da IstoÉ, passou uma temporada chefiando a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça, ironicamente indicada pelo marido, que foi obrigado a tirá-la do Estadão por conta de sua ação errática como repórter.
    A autora da matéria: Débora Bergamasco.
    Na IstoÉ, Débora foi autora de uma entrevista com Cardozo, de quem já era namorada, chamada “A resposta de Cardozo”, feita para isentá-lo das responsabilidades em relação à atuação da PF.
    Hoje, Débora Bergamasco publica com exclusividade a delação premiada de Delcídio Amaral, que provavelmente ela já tinha em mãos, graças a sua ligação com Cardozo.
    É uma matéria que, apesar de não ter uma única prova que não sejam as falas de, levanta denúncias graves contra Lula e Dilma, e a autora é atual mulher do atual Advogado Geral da União.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *