MAIS DE 5 MIL ESTUDANTES FORAM ÀS RUAS CONTRA ‘REORGANIZAÇÃO’ DO ENSINO PROPOSTA POR ALCKMIN

1-bnocj3mrk1cip8wrwvg9yg_0

A “reorganização” da rede estadual de ensino está prometendo mexer com a vida de muita gente. Em Fernandópolis, por exemplo, cerca de 200 estudantes, familiares e professores saíram às ruas na quarta-feira, 07, para protestar contra as mudanças.

Em Jales, chegou-se a cogitar a concentração do Ensino Médio na escola “Dom Arthur” e do Ensino Fundamental no “Euphly Jalles”, mas parece que a ideia foi atropelada pela existência da linha férrea que corta a cidade. Até onde se sabe, as alterações, em Jales, ficarão restritas ao fechamento do período noturno da escola “Juvenal Giraldelli”.

Na visita que fez a Jales, ontem, o governador Alckmin falou sobre o assunto (aqui). Vejamos, também, a notícia postada na página “Jornalistas Livres”, no Facebook:

PROTESTO ENSINO SÃO PAULOEstudantes de escolas estaduais, pais, professores e diretores realizaram nessa sexta-feira (9) um protesto pedindo o não fechamento das escolas estaduais, consequência da “reorganização” que o Governo Alckmin pretende aplicar na rede de ensino.

O ato começou por volta das 8h da manhã na região da rua augusta, seguiu em passeata pela Av. Paulista e percorreu as vias da região central de São Paulo.

A medida, que divide as escolas em ciclos, irá causar o fechamento de pelo menos 86 estabelecimentos de ensino do Estado de São Paulo e agravar a já existente superlotação nas salas de aula.

Em São Paulo, o protesto foi marcado por muita luta e força da juventude, mas, também, pela conhecida truculência Polícia Militar. No meio da manhã, o congestionamento resultante do protesto chegou a cerca de 1,5 quilômetros, segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET).

1_eKtT2ehcZkk-1IzJX-ackQDurante o ato, a Policia Militar utilizou violência contra estudantes. Os PMs usaram spray de pimenta para “deter quem só estava ali fazendo bagunça” e atacaram um grupo de estudantes secundaristas. Alunos e jornalistas foram agredidos.

Além do protesto na capital, mais de 25 cidades realizaram manifestações na manhã dessa sexta-feira (9).

Os Professores, ligados ao Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), também realizaram ato contra a proposta na Rodovia Régis Bittencourt, em Taboão da Serra, na região metropolitana de São Paulo.

17 comentários

  • Isso é Jales, no meu coração!

    Como assim por conta da linha férrea? Não entendi…

  • ana alice

    Cardosinho publica no seu blog a materia do g1 …..as 25 cidades brasileiras com a melhor educação. …paranapua esta no 7°lugar…

  • fora dilma e leva o psdb junto

    querem tirar o pt, é trocar 6 por meia duzia. o petrolão começou pelo psdb e agora q a dilma descobriu esta caindo somente em cima do pt, vai continuar a mesma coisa

  • Saci Pereré

    Bem feito para os Professores, para os Coordenadores, para os Supervisores e para alnos que votaram no Alkimin, serão 28 mil professores sem emprego e olha que este ano não tiveram aumento, to morrendo de rir, mas vão colocar a culpa na Dilma e olha que a grande São Paulo, ta bebendo água de esgoto e nada sobre o Trensalão, o Metro, a Sabesp e jales se ferrando com esse diretório porcaria comandado pela Analice, pois o Calado só faz o que a Analice manda.kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

  • Rogério

    Cada povo tem o governo que merece, estes imbecis que falam que o PT não presta, so mostra a falta de conhecimento político, pois no âmbito estadual esta merda de governo PSDB também não vale nada, que raiva que dá deste povo Paulista, eita povo cego! E o pior de tudo que na próxima eleição vai eleger novamente esta porcaria de partido, agora quem será que não presta o governo ou o eleitor!!!!

    • Em terra de tucano, PTralha nao voa

      Aos petralhas SACI PERERE e ROGERIO
      Eu sugiro que os petralhas vao morar em Minas Gerais onde a prefeitura e o governador e’ petista, todos votaram no PT
      Todos estao felizes com a educaçao e com o governo Dilma
      Esqueci de dizer que o governador esta’ envolvido com propinas como sempre ele e’ do PT

  • Anônimo

    APEOESP, ligada a CUT que e’ PT, conseguiu organizar 5 mil alunos, em SP, que e’ pouco. Sera’ que eram alunos?
    Para protestar contra a reorganizaçao de escolas. Nao se sabe de como e’ isso?
    Vai fechar 86 escolas que nao deve dar nem 5 % das escolas
    Como se sabe os governos federal, estadual e municipal estao passando por crise portanto precisa economizar, infelizmente
    Com certeza vamos ter demissoes, infelizmente como em todas empresas inclusive a prefeitura que tem folha de pagamento alta

  • BRASIL LIVRE

    Causa estranheza essa irritabilidade dos professores com o Governo do Estado. Faz 20 anos que ouço as mesmas reclamações. No entanto, basta haver uma convocação ou concurso do governo, que milhares de professores se apresentam para ocupar as vagas. Vai entender!!! Se as condições são tão ruins, por que continuam a desejar trabalhar para o estado? Com a palavra, o professores:

  • SACI PERERÊ

    AOS ABESTADOS COXINHAS

    Professores, pais e alunos tentam evitar que Alckmin superlote e feche escolas em SP

    EducaçAO Geraldo Alckmin Protesto São Paulo–Superlotação
    Em praticamente todo o estado de S. Paulo estão acontecendo manifestações contra o governador Geraldo Alckmin (PSDB) por causa da chamada reestruturação o ensino.
    Uma das medidas anunciadas é a separação física total entre as escolas dos anos iniciais do Ensino Fundamental, escolas dos anos finais do Ensino Fundamental e escolas de Ensino Médio. Mas, para o sindicato dos professores, a medida poderá fechar escolas e superlotar salas de aula.
    É exatamente o que fez a ex-Secretária Rose Neubaeur em 1995, também no governo do PSDB. Na época, a reestruturação causou “vinte mil demissões de professores, professores adidos (que ficaram sem aulas em suas escolas), desorganização e transtornos nas famílias dos estudantes e uma série de outros prejuízos à educação pública estadual.
    Também representou o início do processo de municipalização do ensino no estado de São Paulo.
    A redução do número de alunos é uma janela histórica para melhoria da escola que é oferecida pelo estado de São Paulo. Em vez de investir mais, tornar o ensino integral e reduzir o número de alunos por sala de aula, o governo de São Paulo vê uma oportunidade de reduzir custos.
    ENTENDERAM SEUS COXINHAS.

  • SACI PERERÊ

    ANÕNIMO E BRASIL LIVRE=======

    300 alunos abraçam escola contra seu fechamento em Ibitinga

    Com as mãos entrelaçadas, cerca de 300 alunos deram um “grande abraço” para protestar contra o fechamento da escola estadual Iracema, no bairro Vila Izolina, em Ibitinga (100 quilômetros de Bauru).

    Com as mãos entrelaçadas, cerca de 300 alunos deram um “grande abraço” para protestar contra o fechamento da escola estadual Iracema, na manhã desta segunda-feira (5), no bairro Vila Izolina, em Ibitinga (100 quilômetros de Bauru).
    Alunos abraçaram todo o quarteirão onde fica a escola Iracema
    O ato do abraço coletivo durou cerca de uma hora e tem o intuito de sensibilizar o governo estadual contra o projeto de reestruturação das escolas estaduais. A escola Iracema é uma das mais antigas da cidade, com 28 anos de existência.
    O aluno, Geovani Vitor Pereira, 17 anos, estuda nesta escola há 13 anos e não concorda com o encerramento das atividades, pois diz que se os alunos precisarem ser remanejados terão que conviver com salas de aula superlotadas. “Isso irá prejudicar muito os meus estudos e também o de outros alunos”, desabafou o estudante.

    Ainda nesta tarde, às 17h, um novo protesto está sendo organizado pelos alunos em frente à escola Victor Maida, onde funciona o polo de ensino de Taquaritinga, que responde pela escola Iracema.
    Processo de reorganização do governo do Estado prevê a unificação dos ciclos de ensino e disponibilização de prédios escolares para os municípios, alterando o cenário de diversas escolas do Estado, entre elas, a escola Iracema.
    Em nota, a assessoria de imprensa da Secretaria de Educação do Estado informou que a Diretoria Regional de Ensino de Taquaritinga esclarece que nem todas as unidades de ensino passarão pela reorganização proposta.
    As escolas com mais de um ciclo ainda funcionarão, devido às diferenças demográficas e as necessidades por escolas para diversas faixas etárias em algumas regiões. O estudo que definirá as escolas selecionadas está em andamento, e por isso, ainda não há como definir quais unidades passarão pelo processo, nem mesmo a unidade citada na reportagem.

  • SACI PERERÊ

    ANÕNIMOS E BRASIL LIVRE dois imbecis que não entendem de educação, querendo se meter, ou dar opinião sem conhecimentos de causas, essas serão as primeiras escolas fechadas no estado seus [email protected]@@@@@

    Confira abaixo a lista divulgada pela Apeoesp com 155 escolas que receberam aviso de que estão no processo de reestruturação e podem ser fechadas em 2016. O levantamento ainda não foi finalizado pelo sindicato e, por isso, ainda pode aumentar.

    CAPITAL
    EE Dom João Maria Ogno (vai virar DE) – DE Leste 1
    EE Pedro de Alcântara – DE Leste 1
    EE Profª. Esther Frankel Sampaio – DE Leste 1
    EE Profº. Otacilio Carvalho Lopes – DE Leste 4
    EE Profº. Augusto Bailot – DE Leste 4
    E.E. Prof. Andre Xavier Gallicho
    E.E. Profª. Ana Teixeira Zacharias
    E.E. Arthur Chagas Jr.
    E.E. Beatriz R. B. Astorino
    E.E. Branca de Castro C. Melo
    E.E. Carolina A. C. Galvão
    E.E. Isair Leiner
    E.E. Joaquim Braga de Paula
    E.E.Jose Chediak
    E.E. Julia Macedo Pantoja
    E.E. Julieta Farão
    E.E. Luiza Mendes Correa
    E.E. Maria da Gloria C. Silva
    E.E.Secundino Domingues Filho
    E.E. Stefan Sweig
    E.E. Valdir Fernandes
    EE. Francisco Voccio – Norte 2
    EE. Rita Bicudo – Norte 2
    EE. Castro Alves – Norte 2
    EE. Carmosina Viana – Norte 2
    EE. Gabriela Mistral – Norte 2
    EE. Vistor dos Santos Cunha – Norte 2
    EE. Octavio Mendes – Cedom
    EE. Barão Homem de Mello – Centro
    E.E Laís Amaral – SUL 1
    E.E João Ernesto Faggin – SUL 1
    E.E Martha Figueira – CENTRO SUL
    E.E Euridice Zerbini – CENTRO SUL
    EE Parque Saboya de Medeiros
    EE Salvador Rocco
    E.E Profº. Geraldo Homero de F. Ottoni
    E.E Prof. Antonio Emílio de Souza Penna
    E.E Prof. Elésio Teixeira Leite
    E.E Prof, Mathias Ayres
    E.E Profº. João Nogueira Lotufo
    E.E Profº Carlos Verneck Lacerda
    E.E Profº. Otto de Barros Vidal
    EE. Pedro Brasil Bandechi
    EE. Henrique Smith Bayma
    EE. Astrogildo Arruda
    EE. Laurinda R. Pereira
    EE. Cartano Zamith Mamana
    EE. Eunnice Marques
    EE. Pedro Viriato Panigot
    EE. Carlos Gomes
    EE. Francisco Parente
    EE. Maria Regina Machado de Castro Guimarães

    CARAPICUÍBA
    EE. Odete Algodoal Lanzara
    EE. Celestino Correa Pina
    EE. Maria Andrelina Vieira Nastureles
    EE. Oscar Graciano
    EE. Adalberto Mecca Sampaio (Noturno)
    EE. Maria Alice Crisciúma Mesquita (Noturno)
    EE. Alberto Kenwhorty (Noturno)
    EE. José Benício dos Santos (Noturno)

    COTIA
    E.E. Pequeno Cotolengo de Dom Orioni
    E.E. Roberto Corte Real Jornalista

    GUARULHOS
    E.E. Alayde Maria Vicente
    E.E. Mário Nakata
    E.E. Bruno Ricco
    E.E Joaquim Garcia
    E.E Waldomiro Pompeu

    FRANCO DA ROCHA
    EE. Albino Fiore
    EE. Armando Cestini – (fecha noturno)
    EE. Alfredie Weiszflog (fecha noturno)
    EE. Pedro Galvão (fecha noturno)
    EE. Tenente Marques (fecyha noturno)
    EE. Benedito Tavares (fecha noturno)
    EE. Paulo Duarte (fecha noturno)

    ITAQUAQUECETUBA
    EE Cicero Antônio de Sá Ramalho

    ITAPEVI
    EE Marechal Cândido Rondon
    EE Celina de Barros Bairão
    EE Dimarães Antonio Sandei
    EE José Neyde Cesar Lessa
    EE Maria Soares dos Santos
    EE Paulo de Abreu
    EE Dr. Raul Briquet

    OSASCO
    E.E. Deputado Guilherme de Oliveira
    E.E. Leonardo Villas Boas
    E.E. Graciliano Ramos
    E.E. Antonio de Almeida Junior
    E.E. José Edson Martins Gomes
    E.E. Antonio Paiva de Sampaio
    E.E. Antonio Carlos da Trindade

    POÁ / FERRAZ
    EE Elizeu Jorge – (Poá)
    EE Benedita Garcia – (Poá)
    EE Zelia Gatae – (Ferraz)
    EE. Justino (Ferraz)

    ARARAQUARA
    EE. Iracema Oliveira Carlos – (Ibitinga)

    ARAÇATUBA
    EE. José Cândido
    EE. Maria do Carmo Lelis
    EE. Dr. Joubert de Carvalho
    EE. Abranches José
    EE. Luis Gama

    BAIXADA SANTISTA
    E.E Cleóbulo Amazonas Duarte (Santos)
    E.E Brás Cubas (Santos)
    E.E Renê Rodrigues de Moraes (Antigo CEFAM) (Guarujá)
    E.E Lâmia Del Cistia (Guarujá)
    E.E Maria Tereza Cunha Pedroso (São Vicente)

    BAURU
    EE. Ayrton Busch
    EE. Alto Jaraguá
    EE. Raymi

    BOTUCATU
    EE. Armando Salles de Oliveira
    EE. Pedretti Neto

    GUARATINGUETÁ
    EE. Flaminio Lessa (Escola referência)
    E.E Regina Pompéia (Cach. Paulista)
    E.E Bairro Imbauzinho (Cach. Paulista)
    E.E Jardim Trabalhista (Cach. Paulista)

    JAÚ
    E.E Major Prado
    MACATUBA: E.E Profª Fanny Altafim Maciel

    JUNDIAÍ
    E.E Profº. Albino Melo de Oliveira
    E.E Profº. Luiz Rivelli
    E.E Bispo Dom Gabriel

    PENÁPOLIS
    EE. Profª. Luiza Nory
    EE. Profª. Yone Dias de Aguiar

    PEREIRA BARRETO
    E.E Cel. Francisco Schmidt

    PINDAMONHANGABA
    E.E Profª. Gabriela Monteiro de Atoíde Marcondes
    E.E. Professora Yonne César Guaycuru de Oliveira

    PRES.PRUDENTE
    EE. Profª. Marieta Ferraz de Assunção
    EE. Profº Antonio Fioravanti de Menezes
    EE. Profº. José Giorgio (Rancharia)

    RIO CLARO
    E.E Profº. Oscar de Almeida (única do bairro)

    TUPÃ
    EE. Dr. Lélio Toledo Pizza e Almeida
    EE. Profº. Anísio Carneiro

    AGUDOS
    EE. Padre João Batista de Aquino

    LENÇOIS PAULISTA
    EE. Profa. Antonieta Grassi Malatrase

    VALINHOS
    EE. Leme do Prado (escola tradicional)

    COSMÓPOLIS
    EE. Profº. Alberto Fierz

    TABOÃO DA SERRA
    EE Alipio de Oliveira e SilvaSILVA

    SÃO BERNARDO
    EE Profª. Yolanda Noronha do Nascimento
    EE. Prof. Tito Lima
    EE. ProfªVilma Aparecida Anselmo Vieira
    EE Profª Julieta Viana Simões Santiana

    SANTO ANDRÉ
    EE. Dr. Américo Brasiliense
    EE. Profº Sérgio Milliet Costa e Silva
    EE. Profº Valdomiro Silveira
    EE. Profº Adamastor de Carvalho
    EE. Profª Carlina Caçapava de Mello
    EE. Dr. Celso Gama

    MAUÁ
    EE. Profª. Emília Crem dos Santos
    EE. Profª Martha Terezinha Rosa

    DIADEMA
    EE. Profº Adonias Filho (noturno)
    EE. Profº Soldado José Yamamoto (noturno)
    EE. Osvaldo Lacerda Gomes Cardim (noturno)
    EE. Diadema (CEFAM) (noturno)
    EE. Jardim Arco-Iris (noturno)S JOSÉ DO RIO PARDO
    EE Profº Cândido Rodrigues

    ARARAS
    EE Profª Altamira Pink

    Conta quais são os números de escolas fechadas na primeira leva. Onde irá o dinheiro?

  • SACI PERERÊ

    ANÕNIMO E BRASIL LIVRE novos assuntos sobre o fechamento de escolas no Estado de São Paulo, leiam, para depois darem seus palpites de pessoas, que não sabem e nem conhecem quais serão os resultados, para o Estado, Alunos, Professores,Coordenadores,Serventes,escriturários, inspetores de Alunos etc…….o mal que desejam a Educação em São Paulo, recaíram em vocês ou em alguém de vossa família. Pois tudo que vai volta em dobro.

    Medo de escolas fechadas cria onda de protestos em SP
    Estadão

    São Paulo – O medo do fechamento de algumas escolas da rede estadual de ensino paulista tem causado uma série de protestos de alunos e professores em todo o Estado de São Paulo. Ao menos 12 cidades registraram manifestações na frente das unidades, além da capital – onde um ato de estudantes e professores na Avenida Paulista terminou ontem com dois detidos.
    O receio teve início depois de a Secretaria Estadual de Educação ter anunciado, em setembro, uma reestruturação de toda a rede, que terá unidades separadas em três ciclos – ensino médio, anos finais (6.º ao 9.º) e anos iniciais (1.º ao 5.º) do ensino fundamental. A Apeoesp, maior sindicato de professores de São Paulo, divulgou lista que aponta o fechamento de ao menos 155 colégios no Estado.
    Já a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo afirmou que “desconhece a lista de escolas apresentada”. “O sindicato se utiliza da boataria para mudar o foco do benefício pedagógico que a reorganização trará aos estudantes da rede estadual de ensino. A divisão de alunos por faixa etária não tem qualquer compromisso com o fechamento de unidades. Ao contrário. No caso de algum prédio ficar ocioso, ele será transformado em instrumento educacional: creche, escola técnica ou escola de tempo integral, por exemplo. Não haverá desativação de prédios escolares.”
    O ato realizado na Avenida Paulista bloqueou todas as faixas da via. Dois homens – um professor que não teve o nome divulgado e o jornalista freelancer Caio Castor – foram detidos durante a manifestação por desacato, mas liberados mais tarde. Segundo a União Municipal dos Estudantes Secundaristas (Umes), 1 mil estudantes de 36 escolas estavam no local. Outras cidades, como Campinas, Jundiaí, Bauru e São Bernardo do Campo, também registraram protestos isolados.
    Tensão. Na Escola Doutor Octávio Mendes, em Santana, na zona norte, a possibilidade de fechamento deixa professores e pais tensos. “Na semana que vem, vamos ter reunião de pais e não tenho o que dizer para eles porque nós também não temos certeza se a escola vai continuar aberta”, disse um funcionário, que pediu para não ser identificado.
    A unidade tem 18 salas de aula, mas só sete turmas à tarde – e está na lista da Apeoesp. O mesmo ocorre com a Escola Castro Alves, na Vila Mariza Mazzei, também na zona norte, onde um grupo de pais fez um protesto no início da tarde de ontem e iniciou um abaixo-assinado contra o fechamento. “Além de levarem nossos filhos para mais longe, ainda vão ‘entupir’ as escolas de alunos e a qualidade do ensino vai cair”, disse a secretária Roberta Garcia Felipe, que tem filhos no 5.º, 6.º e 8.º anos.
    Para o especialista em Educação da Ação Educativa Roberto Catelli Junior, a reestruturação é de caráter econômico. “Não existe nada do ponto de vista pedagógico que diga que a escola focada neste ou naquele nível forneça um ganho no ensino. Seria melhor diminuir o número de alunos por sala, por exemplo”, afirmou.
    Para o diretor do Instituto Ayrton Senna, Mozart Neves Ramos, faltou diálogo com a comunidade. “Não deveria ser tudo feito em uma cartada só. Deveriam implementar aos poucos.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.
    O que desejas aos professores se reverterão a vocês.

  • SACI PERERÊ

    ANÔNIMO E BRASIL LIVRE dois desconhecedores dos problemas educacionais no estado de São Paulo, querendo se aparecer, com suas imbecilidades e desconhecimentos dos fatos, ou seja das conseguência:–

    Estado fecha 150 salas de aula e superlota classes

    Pais fizeram protesto contra fechamento de salas aulas em escola do bairro Calos Gomes
    O cenário de volta às aulas é caótico na rede Estadual de Ensino de Campinas. Pelo menos 150 salas foram fechadas para o ano letivo de 2015. Na diretoria Oeste, que atende bairros das regiões dos DICs, Jardim São Marcos, Satélite Íris e distrito de Nova Aparecidinha, 96 salas foram fechadas e os alunos remanejados em outras classes. O resultado são salas ainda mais lotados, com quase 60 alunos, e professores desempregados ou alocados em postos como bibliotecas e secretaria.
    Os alunos também vão iniciar o ano sem material escolar, já que os kits distribuídos no início do ano têm previsão de entrega apenas para março. De acordo com Francisco Nery da Silva, representante de escola pelo Sindicato dos Professores, na Escola Eliseu Narciso, no DIC III, 12 salas foram fechadas no Ensino Médio e no Ensino Fundamental. Na Escola Eduardo Barnabé, no DIC I, três salas foram fechadas.

    Consequências

    Na Escola Carlos Alberto Galhiego, no Campo Grande, foram fechadas dez salas de aula. “Estão remanejando os alunos para outras salas e as consequências são salas superlotadas, com mais problemas de convívio com o professor, piora na qualidade do ensino, problemas relativos a brigas. É uma questão grave” , diz Silva.
    Pais e alunos da escola Uacury Ribeiro Bastos de Assis, na região do Jardim Carlos Gomes, fizeram um ato em frente à instituição para protestar contra o fechamento da única sala do 1º ano do Ensino Médio. Cerca de 30 alunos foram matriculados em escolas do Centro da cidade ou em escolas de Jaguariúna, que faz limite com o bairro.
    “Transferiram o Ensino Médio para o noturno e disseram que os alunos do 1º ano não tinham idade suficiente para estudar à noite. O problema é que eles estão indo estudar em outra cidade e vão precisar pagar transporte, sendo que temos uma escola do lado de casa. E 30 alunos é número mais que suficiente para formar uma turma”, reclamou a dona de casa Elaine Sales da Silva, tia de um estudante transferido para Jaguariúna.

    Demissão de professor

    Segundo o diretor do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Eduardo Rosa, o sindicato tem denúncia de salas com até 60 alunos. Além das consequência no processo ensino aprendizado, os professores estão sofrendo com as demissões e remanejamentos para postos diferentes.
    De acordo com Silva, os efetivos estão dando aulas em até três escolas para completar a jornada. A categoria “F” , que tem maior tempo de ensino, mas não é efetiva, ficou com uma jornada reduzida, e a maior parte da categoria “O” , também não efetiva, está sem aula e foi dispensada sem benefícios ou salários.

    Sem material

    “As consequências já foram refletidas na atribuição de aula. Muitos professores estão desempregados, inclusive os efetivos estão sem função. Por conta do fechamento das salas, tem professor cumprindo carga horária na secretária, na biblioteca”, acrescenta Rosa. Os professores acrescentam ainda que foram cortados cargos.
    “O governo fechou algumas funções como a de coordenadores gerais de apoio. Os professores que ocupavam esses postos voltaram para as salas de aula e os professores que davam aula nessas salas foram todos demitidos” , disse Silva.
    Mas a precariedade no ensino público estadual vai além. Professores e alunos terminaram o ano passado sem papel higiênico e irão iniciar o ano letivo sem o kit escolar (composto por caderno, lápis, borracha canetas, mochila, régua e livros) que deveria ser distribuído esta semana. “A suposta previsão passada foi março, mas as aulas começam agora e os alunos vão precisar do material. A orientação que será dada é para que os pais comprem” , afirma Silva.

    Verba

    O sindicato também afirma que a verba em torno de R$ 800 por escola repassada para reformas básicas, como pintura, não chegou até o momento. “As escolas estão sofrendo com prédios precários e falta de investimento. A verba repassada todo fim de ano para pintar a escola até agora não chegou”, complementou.
    Diante da crise grave instalada na educação, professores do grupo Pela Base, junto com pais e alunos planejam um ato para o próximo dia 12. Já a Apeoesp irá convocar professores para assembleia e deliberação de greve no dia 13 de março.
    Aos dois entendidos do assunto, quer mais, alguma explicação ou por enquanto chega. Mais uma vez volto a dizer tudo que desejas ao seu próximo, que volte em dobro a vocês ou alguém de vossa família esse ditado, é velho mais é rigoroso.

  • Professor X

    Causa estranheza a irritabilidades dos professores ???
    O Brasil Livre continua escrevendo abobrinha. Com certeza é um daqueles ignorantes metidos que não sabe que não sabe, pensa que sabe e ainda quer dar palpite.

  • Anônimo

    SACI PERERE
    Como voce nao tem opiniao, copia texto de jornal
    Que coisa feia
    Nao da’ nem para discutir

  • SACI PERERE

    Anônimo tenho minhas opiniões e ideologias e quando acho necessário ou que precisa, para o assunto tornar-se mais claro , copio sim alguns textos mas não de jornais mais de alguns Blogs, que eu acho confiável e para mim não tem nada feio nisso.(antes isso do que Estadão,Folha,Veja,Uol ).
    Mas se queres discutir algum assunto relevante, procure o tema e vamos ver como nos saímos, pois tu escreve também muita cópia e o pior muita bobagem. Pois só um individual igual a tu iria pensar, que eu tinha na mente todas as escolas que iriam fechar no Estado e mais esses assuntos da estruturação e suas consequências para alunos e professores, foram sim partes retiradas do Google, mas varias outros assuntos são de minhas idéias e opiniões, pois tenho vivência e experiência para isso, apesar de que não tenho que lhe dar satisfação nenhuma. Tente mais e veras os resultados.

  • Anônimo

    SACI PERERE
    Voce e’ um petista fanatico que nao le Folha, Estadao, Veja porque eles noticiam as roubalheiras da Petrobras, do impeachment da Dilma e do enriquecimento do Lula
    No seu primeiro texto, voce quer que os professores, coordenadores (sem aumento) e alunos se fodam porque nao votaram no PT .
    Fala que serao demitidos 28 mil professores? e os paulistanos estao bebendo esgoto e depois fala em trensalao, Sabesp, Calado, Nice. Eu pergunto, o que os professores tem a ver com isso?
    De acordo com essas opinioes, nao da’ para discutir nada com voce

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *