MINISTRO DA AGRICULTURA REBATE ACUSAÇÕES E DIZ QUE REVISTA VEJA PRATICA ‘ASSASSINATO DE REPUTAÇÃO’

Parece que Ribeirão Preto está mesmo na moda! Neste sábado, tivemos  duas interessantes matérias jornalísticas envolvendo o ministro da Agricultura, Wagner Rossi. A primeira é da Veja, com acusações sobre multiplicação de patrimônio. Para ilustrar a matéria e reforçar as acusações, a Veja mostrou a casa do ministro, em Ribeirão Preto-SP, avaliada em R$ 9 milhões. Abaixo, a casa e um trecho da matéria:

Amigo há 50 anos e leal servidor do vice-presidente Michel Temer, Wagner Rossi entrou para a política em 1982, quando concorreu pela primeira-vez a deputado federal. Até então, levava uma vida modesta de professor universitário. Morava em uma casa de classe média em Ribeirão Preto, tinha uma Kombi, uma Belina e um Fusca Laranja, com o qual fez a campanha. “Ele não tinha dinheiro nem para bancar os santinhos”, lembra João Gilberto Sampaio, ex-prefeito de Ribeirão Preto. Depois de dois mandatos como deputado estadual, dois como deputado federal, a presidência da Codesp, da Conab e dois anos como ministro (funções cujo salário máximo é de 26 mil reais), sua ascensão patrimonial impressiona.

O homem do fusca laranja e sua família são, hoje, proprietários de empresas, emissoras de rádios, casas e fazendas. Wagner Rossi mora numa das casas mais espetaculares de Ribeirão Preto, no alto de uma colina, cercada por um bosque luxuriante, numa área de 400 mil metros quadrados. Adquirida em 1996, quando ele era deputado, a mansão é avaliada hoje em 9 milhões de reais. Tudo, nas palavras do ministro, conquistado com o esforço de 50 anos de trabalho e uma herança recebida.

A matéria completa da Veja pode ser lida aqui. Já a outra matéria é do portal Brasil Atual, onde o ministro se defende e acusa a Veja de praticar assassinato de reputação. Vamos ao que saiu no Brasil Atual:

O ministro da Agricultura, Wagner Rossi, emitiu comunicado neste sábado (13) lamentando o jornalismo praticado pela revista Veja, da editora Abril, e desmentindo as novas acusações publicadas contra si.

“Isso não é jornalismo. É assassinato de reputação. Vou pedir à Justiça o direito de resposta”, afirma o integrante do PMDB na nota. Ele diz haver sido procurado pela publicação nas últimas quinta e sexta-feiras. “Todas as perguntas enviadas a mim na quinta-feira foram respondidas em menos de 24 horas. Nada, porém, foi aproveitado por repórteres e editores.”

É a terceira semana seguida em que a revista investe em denúncias contra Rossi. A primeira foi feita por Oscar Jucá Neto, irmão do líder do governo no Senado, Romero Jucá, que acusou haver um esquema de irregularidades dentro da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o que resultou na demissão do secretário-executivo do ministério, Milton Ortolan. Esta semana, Rossi esteve no Congresso para explicar a situação da Agricultura, e recebeu o apoio de seus colegas de partido.

Agora, Veja se debruça sobre o patrimônio pessoal de Rossi para assegurar que o ministro tem uma vida repleta de irregularidades. No comunicado, o peemedebista se defende, garantindo que não cometeu desvios nas passagens pela Conab e pela Companhia Docas de São Paulo (Codesp). Ele acredita que fere o bom senso a acusação de que cobrou R$ 2 milhões de propina em um contrato no valor de R$ 2,9 mi. “Pior. É lançada sem qualquer prova ou indício de materialidade”, defende-se, lamentando que a publicação se baseie unicamente na declaração de um funcionário demitido.

“Essa é mais uma campanha orquestrada com interesses políticos. Não querem apenas desconstruir minha credibilidade ou acabar com minha imagem, mas destruir a aliança política vitoriosa nas urnas em outubro do ano passado”, conclui.

2 comentários

  • Zé Ramalho
    Composição: Livardo Alves – Orlando Tejo – Gilvan Chaves
    Tô vendo tudo, tô vendo tudo
    Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

    Um país que crianças elimina
    Que não ouve o clamor dos esquecidos
    Onde nunca os humildes são ouvidos
    E uma elite sem deus é quem domina
    Que permite um estupro em cada esquina
    E a certeza da dúvida infeliz
    Onde quem tem razão baixa a cerviz
    E massacram – se o negro e a mulher
    Pode ser o país de quem quiser
    Mas não é, com certeza, o meu país

    Um país onde as leis são descartáveis
    Por ausência de códigos corretos
    Com quarenta milhões de analfabetos
    E maior multidão de miseráveis
    Um país onde os homens confiáveis
    Não têm voz, não têm vez, nem diretriz
    Mas corruptos têm voz e vez e bis
    E o respaldo de estímulo incomum
    Pode ser o país de qualquer um
    Mas não é com certeza o meu país

    Um país que perdeu a identidade
    Sepultou o idioma português
    Aprendeu a falar pornofonês
    Aderindo à global vulgaridade
    Um país que não tem capacidade
    De saber o que pensa e o que diz
    Que não pode esconder a cicatriz
    De um povo de bem que vive mal
    Pode ser o país do carnaval
    Mas não é com certeza o meu país

    Um país que seus índios discrimina
    E as ciências e as artes não respeita
    Um país que ainda morre de maleita
    Por atraso geral da medicina
    Um país onde escola não ensina
    E hospital não dispõe de raio – x
    Onde a gente dos morros é feliz
    Se tem água de chuva e luz do sol
    Pode ser o país do futebol
    Mas não é com certeza o meu país

    Tô vendo tudo, tô vendo tudo
    Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

    Um país que é doente e não se cura
    Quer ficar sempre no terceiro mundo
    Que do poço fatal chegou ao fundo
    Sem saber emergir da noite escura
    Um país que engoliu a compostura
    Atendendo a políticos sutis
    Que dividem o brasil em mil brasis
    Pra melhor assaltar de ponta a ponta
    Pode ser o país do faz-de-conta
    Mas não é com certeza o meu país

    Tô vendo tudo, tô vendo tudo
    Mas, bico calado, faz de conta que sou mudo

    Esta letra dispensa qualquer comentário,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *