O DIABO EM CRISE

Parece que o sete-peles anda preocupado com a concorrência. O texto é da roteirista Flávia Boggio, na Folha de S.Paulo:

O elevador panorâmico desce pelo subsolo em direção ao gabinete mais profundo. Kesabel, o assessor, passa pelas salas com o pior da humanidade -criminosos, banqueiros, despachantes e pessoas que colocam a faca suja de sardela na manteiga. Ele bate na porta e entra no gabinete de seu chefe, o rei das trevas, o Diabo.

“Estamos com ótimos trabalhos na Terra, Vossa Alteza. Conseguimos a liberação da caça às baleias no Japão. Coreia do Norte voltou a disparar mísseis no Pacífico. E o regente André Rieu anunciou mais uma turnê mundial”, comemora Kesabel, o assessor do tinhoso. O demônio ouve desinteressado, enquanto folheia o livro “Cozinhando com Soja”.

O assessor continua: “Queria destacar as ações no Brasil. Nossos agentes elegeram um presidente que, há pouco mais de 200 dias, causa estragos diários”. O Diabo fica confuso. Tenta se lembrar dos últimos trabalhos que fez pelo Brasil.

Passa por represa de Itaipu, Sarney, reforma do Maracanã e a coreografia do impeachment. Não, não havia recrutado aquele homem.

O assessor replica: “Pois ele liberou 290 agrotóxicos. Tem veneno que deixa cego, sangra pelos poros e extermina milhões de abelhas”. O Pai-do-Mal calculou: “Extinção das abelhas acabaria com a humanidade. Como não pensei nisso antes?”.

“Tem mais”, continua Kesabel. “Só nesta semana, ele incentivou a invasão de terras indígenas, o trabalho infantil, o trabalho escravo, questionou a CNH, a cadeirinha das crianças e as mortes na ditadura.” “Eu nunca vi tanta diarreia pela boca. Seria um concorrente?”, indaga o capeta.

“Se for, é dos bons. Até a fome no Brasil ele disse que é mentira.” O demônio se enfurece: “Eu inventei a fome! Quinze pessoas morrem por dia no país graças a mim”. O assessor relativiza: “Parece que ele não liga muito para morte, chefe. Nem ele nem a turma dele, uns tais de ‘cidadãos de bem'”.

O Diabo se preocupa: “Onde foi que erramos?”. “Eu disse que você deveria ter acreditado nas redes sociais”, relembra o assessor.

“Como eu iria imaginar que os humanos gostariam de ver fotos de viagem? Ficamos para trás, Kesabel”, choraminga o demônio, enquanto acaricia Cérbero, seu cachorro de três cabeças.

15 comentários

  • É SACUDO.......

    Esse presidente realmente é SACUDO, coisa que em 16 anos de governo, os PTralhas corruptos não fizeram, estou dizendo sobre a Itaipú Binacional, nós brasileiros, estamos pagando pela energia que os paraguaios consomem, muito bom neh, o que fez HOJE o presidente Bolsonaro, REVOGOU o contrato, foi ameaçado, mas com o sua firmeza de MILITAR, aguentou a pressão paraguaia, agora a noite, os vizinhos voltaram atrás nas ameaças, e o acordo será revisto, isso é governar para o POVO, não como era os PTralhas, que governavam para os seus BOLSOS, seus corruptos.

  • Antonio Carlos Pinto

    Gente como o cara distorce a realidade dos fatos! O Presidente do Paraguai, foi ameaçado de ser cassado por acordo desvantajoso para seu País, e agora o bobo alegre “o sacudo” diz que foi o Bozo que revogou o acordo! É pra acabar com o pequi de Goiás! Se o Paraguai voltou atras no acordo, significa que o outro lado o Brasil, tinha levado vantagem de forma, sabe lá como… acorda sacudo!

  • E o saco do presidente!

    Cardozinho
    Apesar de todos os defeitos do Bolsonaro. Alias mais defeitos do que virtudes. O presidente é sacudo! kkkkk

  • Tiririca

    É SACUDO—–BABACA mal informado, preste atenção nesta noticia antes de escrever sobre o assunto:—–

    “ESCÂNDALO INTERNACIONAL ENVOLVE BOLSONARO E PRESIDENTE DO PARAGUAI.”!

    O Jornal ABC do Paraguai estourou novo escândalo envolvendo o presidente do brasileiro Jair Bolsonaro, Presidente Paraguaio Abdo Benítez e Vice-Presidente Velázquez , segundo o jornal um consultor jurídico do vice-presidente Hugo Velázquez intermediou os negócios da ANDE com uma empresa brasileira supostamente ligada à família de Jair Bolsonaro.
    O advogado invocou o Presidente Paraguaio Abdo Benítez e Vice-Presidente Velázquez instruindo que o ponto 6 solicitado pela ANDE não seja incluído no acordo devido a inconveniência. O ponto 6 que eles não incluíram foi que a ANDE poderia ter comercializado sua energia no Brasil.
    O advogado José Rodríguez González confirmou ontem ao jornal ABC do Paraguai, que trabalha para o vice-presidente Hugo Velázquez como assessor jurídico, embora ainda não tenha sido nomeado pelo cargo público para a vice-presidência da República. E como tal, a pedido do vice-presidente, ele estava intermediando negócios com a ANDE em nome da empresa brasileira LÉROS COMERCIALIZADORA, localizada em um bairro exclusivo de São Paulo no Brasil.
    Em suas mensagens, o advogado diz que o grupo LEROS está ligado à família presidencial brasileira (o Bolsonaro). O primeiro encontro com os brasileiros foi organizado pelo vice-presidente paraguaio.
    Segundo testemunhas, foi no gabinete do presidente Mario Abdo Benítez que o vice-presidente Hugo Velázquez notificou o ex-diretor da ANDE, Pedro Ferreira, que o advogado José Rodríguez González entraria em contato com ele em seu nome. E, nessa qualidade, Rodríguez González negociava e invocava o Presidente da República e o Vice-Presidente do Paraguai.
    Em 23 de maio deste ano, às vésperas do dia em que o acordo secreto foi assinado em Brasília, o assessor jurídico do vice-presidente da República enviou aos executivos da ANDE uma das mensagens mais comprometedoras. Nele, ele invocou o Presidente da República Mario Abdo Benítez e o Vice Presidente Hugo Velázquez (veja foto) para solicitar que o item 6 do ANDE Memo não fosse incluído no Acordo Bilateral com o Brasil (a possibilidade de a ANDE vender eletricidade Itaipu no mercado brasileiro).
    O advogado escreveu textualmente por mensagem que o item 6 não deveria ser incluído
    “porque em conversas com o mais alto comando do país vizinho, concluiu-se que não é o mais favorável, a fim de proteger o manuseio prudencial da informação para que o A operação em andamento é efetivada com o maior sucesso. Eles também concluíram que, dada a existência da referida permissão, enquadrada no tratado em sua seção número 14, que permite ao Paraguai dispor deste excedente de energia, a autorização de ambos os mandatórios já é verbalmente aceita ”(SIC).
    As instruções imperativas enviadas pelo assessor do vice-presidente em 23 de maio tiveram efeito em Brasília, já que os negociadores presentes, o embaixador Hugo Saguier Caballero e o diretor técnico da Itaipu, José Sánchez Tillería, não incluíam o item 6 que a ANDE pretendia incluir. no acordo bilateral a ser assinado com o Brasil. O ponto 6, até então, estava no projeto que a ANDE queria aprovar no Brasil e afirmou claramente que a estatal paraguaia seria capaz de comercializar energia da Itaipu Paraguaia no mercado brasileiro com um bloco mínimo inicial de até 30 MW.
    A instrução do advogado do vice-presidente era clara e sem lugar para mal-entendidos: não incluir o ponto 6 para não “prejudicar” a “operação em curso” … Para prejudicar quem? Tudo indica que o COMERCIALIZADOR LÉROS.
    Ligado ao Bolsonaro?
    Gostou seu babaquinha!!!!!!!!!!
    O advogado Rodríguez González também foi consultado sobre o que ele disse, que a empresa estava ligada à família presidencial de Jair Bolsonaro como verdadeiros condutores do negócio com a LÉROS. “Foi assim que me disseram”, ele disse ontem. Em Ciudad del Este, havia vários executivos para negociar, dois brasileiros, um deles com credenciais de senador.
    De acordo com relatórios oficiais, a LÉROS ENERGIA E PARTICIPACOES SA é uma empresa com um capital social de 5.680.000 reais, aproximadamente US $ 1.500.000, e está vinculada ao Léros Group com atividades financeiras, imobiliárias, consultoria, aluguel de máquinas, manutenção e deposição. resíduos não perigosos Eles aparecem como o diretor Adriano Tadeu Deguirmendjian Rosa e como o presidente Edval Falcão da Silva.
    É necessário se pedir ao congresso nacional brasileiro para que se abra imediatamente a CPI de Itaipu, para averiguar em que termos houve a participação do presidente da República Jair Bolsonaro na negociação, em que termos os parlamentares da família Bolsonaro foram privilegiados, pois caso tudo seja provado estamos diante de um crime de tráfico de influência, tal medida adotada por Bolsonaro, pode até parecer vantajoso para o Brasil, mas, na verdade só beneficia a empresa LÉROS que pode sim está ligada ao presidente da República e usar outras pessoas de faixada.

  • O inferno não é um lugar tão ruim,o que estraga é o capeta, e qdo o capeta não está o secretário é pior ainda, faz de tudo pra mostrar serviço . Antes de puxar o saco do capeta faça amizade com o secretário e se tiver o privilégio de visitar o inferno dê um abraço no capeta, fica amigo dele senão vc tá ferrado.

  • usuario

    Para todos os comunistas fdp que rastejam por aqui e pelo mundo:

    “É O CU DA SUA AVÓ!”

    Para todas as suas citações, essa será sempre a resposta adequada para vocês bando de parasitas fdp!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *