O PRESENTE DA ODEBRETCH AO EX-PRESIDENTE LULA

images_cms-image-000521399

Do jornalista Cleyton Netz, que já dirigiu algumas das principais publicações econômicas do país, como a Exame e a Istoé Dinheiro:

Esse Lula é um exagerado. Depois do fabuloso triplex do Guarujá, o homem “ganhou” um estádio de futebol, o “Itaquerão”, de presente do generoso Emilio Odebrecht, que recebeu cerca de R$ 1 bilhão pela a obra.

Trata-se da piada de domingo, publicada pela Folha de S.Paulo, que, infelizmente, não saiu na coluna do Sensacionalista.

Piada à parte, a história do “presente” (ou seria um “agrado”), que a empreiteira queria fazer ao ex-presidente, faltou lembrar, em primeiro lugar, que a ideia de investir no Itaquerão, surgiu do risco de São Paulo, uma das cidades-sede da Copa do Mundo, de não contar com um estádio à altura para o evento. A tentativa de utilização do estádio do Morumbi não prosperou diante da impossibilidade do São Paulo FC em assumir os R$ 630 milhões necessários ao atendimento às exigências da Fifa. Daí a opção pela Arena Corinthians, cujo projeto inicial, diga-se, era bem mais modesto do que aquele que acabou prevalecendo.

Em segundo lugar, é preciso deixar claro que o entusiasmo do então já ex-presidente Lula com a opção pelo Itaquerão foi compartilhado pelo governo estadual e pela prefeitura de São Paulo, que a construção do estádio serviria para valorizar e desenvolver a Zona Leste da capital.

O governador Geraldo Alckmin decidiu investir nada menos de R$ 365 milhões em obras de melhoria da acessibilidade à região. O prefeito Gilberto Kassab, não apenas destinou R$ 105 milhões para a modernização do sistema viário, como assinou decreto concedendo R$ 420 milhões em incentivos fiscais para a construção do estádio, na forma de títulos batizados de Certificados de Incentivo ao Desenvolvimento (CDIs).

Resumo da ópera: ao contrário do que previam os urubólogos de plantão, o estádio foi construído a tempo e a cidade de São Paulo acabou sediando o jogo inaugural da Copa do Mundo. E sobrou para o Timão um papagaio de R$ 900 milhões, que vem sendo pago às duras penas à construtora baiana, inclusive com atraso.

Presente do generoso Emilio ao corintiano Lula? Só se for presente de grego. A piada publicada pela Folha com estardalhaço em sua edição deste domingo, 23, só se equipara à denúncia do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de que a agricultora Maria Geni do Nascimento, candidata a vereadora pelo PDT de Santa Cruz do Baixo Verde, em Pernambuco, teria recebido uma doação de nada menos de R$ 75 milhões de um beneficiário do Bolsa Família.

Seria mais uma “prova” de que o programa estaria sendo utilizado fraudulentamente para ocultar contribuições eleitorais e foi aceita também alegremente e sem contestação pela imprensa (na verdade, a doação foi de R$ 750). Ora, com essa grana, dona Geni, que acabou recebendo parcos 13 votos, poderia não apenas ter comprado folgadamente o mandato, como o próprio município de Santa Cruz, conhecido como a capital da rapadura, cujo “PIB” mal chegou a R$ 53 milhões, em 2012.

9 comentários

  • Ostentando

    Lula está ostentando mais que nosso amigo do cartório! Kkkkkkkk KKKKKKKKKK KKKkkkkkkk KKKkkkkkkk

  • Chacrinha

    LULA É DONO DE TODOS OS ESTÁDIOS FEITOS PARA A COPA DO MUNDO E O PRESENTE QUEM DEU FOI A Odebrecht .
    Folha de São Paulo ( Golpista ) de ontem deixa claro. “A Lava Jato vai chegar ao Itaquerão.” A reportagem de Mario Cesar Carvalho revelou que “Emílio, presidente do conselho de administração do grupo que leva o seu sobrenome, afirmou em acordo de delação, em fase de negociação, que o estádio construído pela empreiteira foi uma espécie de presente ao ex-presidente Lula, torcedor do time.
    O agrado, na versão de Emílio, foi uma retribuição à suposta ajuda de Lula ao grupo nos oito anos em que o petista comandou o país, de 2003 a 2010.”

    A acusação é gravíssima. O presidente de um país privilegia uma construtora, com obras não só no Brasil, como na África e outros lugares onde é influente. E como agrado, seu clube do coração ‘ganha’ um estádio.
    Andrés Sanches, o intermediário entre Corinthians e Lula, se apressou em dar sua versão ontem mesmo. Por meio de sua assessoria de imprensa.
    “(…)Alguém, por mais mal informado que seja, afirmar que o estádio foi um presente para quem quer que seja, quando a Arena Corinthians custou R$ 985 milhões mais juros do empréstimo, é no mínimo não ser razoável em sua forma de pensar.
    Como alguém dá algo para outro alguém e depois exige pagamento por isso?
    E mesmo não sabendo qual conotação desejou-se dar, faz-se necessário deixar claro que, através dos trabalhos que estão sendo realizados pela auditoria geral da obra, há objetivos bem definidos.
    O Corinthians cobrará da Construtora Odebrecht tudo o que deve, seja pelo não executado, superfaturado, o que tiver de ser refeito ou o que mais for detectado em prejuízo à instituição Corinthians.
    E ainda, quaisquer pessoas que participaram de atos que prejudicaram o Clube, também serão cobradas
    O Clube em qualquer caso é a vítima, o lesado, logo deve ser ressarcido.(…)”

  • 3 petralhas roubam. Os corintianos pagam?

    Certamente Lula, o dono da Odebrecht e o ex presidente do Corintians (agora deputado do PT) roubaram ou ganharam muito com a obra do estádio.
    Mas, hoje, Lula está com 5 processos (ou investigações) na Lava Jato e está para ser preso . A empresa está falindo com uma dívida de R$ 110 bilhões e sem crédito por isso o Emilio quer a delação premiada de seu seu filho Marcelo para sair da cadeia.
    Os Corintianos ficaram com a dívida, que não conseguem pagar R$ 5,7 milhões/mes e podem perder o estádio. Alem disso, vendeu seus principais jogadores e não consegue vender os CDIs (R$ 420 mi) que o Kassab arrumou para fazer a obra.
    Resta saber se Emilio quer delatar o seu amigo Lula que, no governo do PT, multiplicou o faturamento em sete vezes.

  • NOIS

    COXINHAS A CASA ESTA CAINDO::::::::::este texto ou reportagem escrita pelo jornalista Erich Decat, foi retirada do Estadão. UOL, O Globo deem uma passada de vista pelo mesmo seus fascistas, golpista e capitalistas:
    Autor da denúncia que originou a operação da Polícia Federal no Senado na sexta-feira passada, o policial legislativo Paulo Igor Bosco Silva afirmou que seus colegas cumpriram uma missão “secreta” no escritório particular do ex-presidente da Casa José Sarney (PMDB-AP), em Brasília. O objetivo, como em outros pedidos feitos pelos parlamentares, era descobrir se o local estava grampeado por eventuais escutas ambientais e telefônicas.
    Silva recebeu o Estado na tarde de sábado e detalhou a denúncia apresentada ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal. A varredura de grampos realizada no escritório de Sarney, de acordo com ele, foi feita por meio de uma “ordem de missão oculta”, não numerada, em julho de 2015, quando o ex-parlamentar não exercia mais cargo público.
    “Muitas vezes a emissão de ordem de missão vinha não numerada. Uma ordem de missão não numerada é aquela que está inscrita no papel, mas não entra no controle. Tem a ordem 1,2,3,4, 5 e, a partir do momento que emito uma sem numeração, significa que ela não está entrando no controle. Isso aconteceu na do Sarney”, afirmou Silva. “Ordem de missão não numerada não é normal porque todo documento oficial tem que ter um controle do órgão”, completou.
    Afastado das atividades por motivos de saúde, Silva, de 29 anos e há quatro funcionário concursado da Polícia Legislativa, diz que fez a denúncia após suspeitar que as ações de varreduras tinham como objetivo embaraçar as investigações da PF no âmbito da Operação Lava Jato. Ele nega relação com o fato de estar respondendo a um procedimento interno sob a acusação de dar aulas em um cursinho em horário de expediente. “Não tem fundamento, porque a denúncia que fiz foi de maio e a sindicância é de 31 de agosto.”
    Desdobramentos das investigações da PF apontam que um grupo de policiais legislativos, liderado pelo diretor da Polícia do Senado, Pedro Ricardo Araújo Carvalho, “tinha a finalidade de criar embaraços às ações investigativas da PF para favorecer senadores e ex-senadores, utilizando-se de equipamentos de inteligência”. Entre os beneficiados também foram citados os senadores Fernando Collor (PTC-AL) além do ex-senador Lobão Filho (PMDB-MA).
    Carvalho e mais três policiais legislativos foram presos pela PF, mas apenas o diretor continua detido. Em nota divulgada na sexta-feira, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), defendeu a atuação dos policiais subordinados a ele e afirmou que as varreduras não acarretam em outros tipos de monitoramento.
    Lava Jato. Silva relatou também uma ordem de “missão não numerada” nos escritórios particulares de Lobão Filho no Maranhão. Na ocasião, porém, houve resistência por parte dos agentes do Senado destacados para a operação.
    “Como era algo que causava estranheza, o pessoal acabou entendendo, por bem, que não seria cumprido se não tivesse a ordem por escrito. E foi feito, apareceu a ordem por escrito e eles foram cumprir. Mas eu me recusei”, afirmou.
    Segundo ele, a recusa ocorreu após notar uma associação do pedido de varredura com uma ação da Lava Jato. “A PF fez uma operação que envolveu o Lobão e pouco tempo depois foi determinado uma varredura nos escritórios particulares e na residência lá no Maranhão.”
    A mesma iniciativa teria ocorrido após batida da PF nas residências do senador Fernando Collor (PTC-AL), realizadas em 15 de julho, em Brasília. “Assim que a Polícia Federal saiu da Casa da Dinda, o pessoal entrou para fazer a varredura. Assim que saíram do apartamento funcional dele, o mesmo procedimento foi feito” disse Igor.
    “Isso me causava estranheza. Se a Operação Lava Jato estava com a autorização judicial e a PF cumpriu uma decisão também com autorização, como é que eu vou, na sequência, no mesmo endereço, fazer uma operação de contrainteligência verificando se existe ou não o grampo? Você pode até me falar: mas o grampo não poderia ser externo, de outro lugar? Poderia, mas também poderia ser da PF. E obviamente não vou saber identificar qual é qual, encontrando um, vou tirá-lo. E evidentemente que isso poderia atrapalhar o andamento das investigações.”
    O policial legislativo afirmou desconhecer de quem partiam as ordens para as missões. “É a dúvida que surge, mas eu também não posso tirá-la. Desconheço se havia alguma determinação superior, alguma combinação. Para cima não sei o que acontecia, sei o que acontecia do Pedro(diretor da Polícia Legislativa) para baixo.”
    Ele revelou ainda que, após a operação de sexta, foi ameaçado por um agente próximo do diretor da Polícia Legislativa. Em um grupo de mensagens utilizado pelos policiais, ele escreveu que “após resolverem tudo isso (prisão de Carvalho), deveriam resolveu o destino dele”.

  • BEXIGA

    COXINHAS:–Michel Temer aparece na planilha da Odebrecht com o codinome “Sem Medo”.
    A Revista Veja publicou uma matéria informando que teve acesso a parte da delação premiada de Marcelo Odebrecht.
    O documento relata que , durante um jantar ocorrido em maio de 2014, no Palácio do Jaburu, Michel Temer, Eiiseu Padilha e Marcelo Odebrecht fizeram um acordo sobre ‘supostos’ incentivos para o PMDB.
    O organizador do jantar teria sido o empresário e presidente da FIESP Paulo Skaf, porém o mesmo não compareceu ao encontro.
    A delação narra que Michel Temer pediu apoio financeiro para Marcelo Odebrecht.
    O “apoio para o PMDB” foi dado: Marcelo Odebrecht ‘doou’ R$ 10 milhões em dinheiro vivo ( R$ 4 milhões foram para Eliseu Padilha e R$ 6 milhões para Paulo Skaf).
    Segundo a Veja, Temer, Padilha e Skaf negaram ter recebido a bolada.
    O que não bate é que os 10 milhões de reais em espécie ao PMDB apareceram na contabilidade clandestina da Odebrecht.
    É tudo dinheiro roubado dos cofres públicos!
    E agora como fica.

  • Resumindo...

    vamos avaliar aquele elefante branco, tem uma estrutura razoável… Paulo Nobre tem interesse em transformar aquilo no centro de treinos do Palestra.

  • Eleitor

    Cardosinho, impetuoso blogueiro: “se foi um presente da Odebrecht pro Lula, o Corinthians não tem que pagar nada;”

  • Torcedor do Timão

    A Folha de S.Paulo é um jornal gosmento, mentiroso e manipulador. Essa do estadio do Curintia ser um presente pro Lula, ultrapassou os limites do exagero e do ridículo. É uma piada absurda para alegrar coxinhas desinformados.

  • BEXIGA

    COXINHAS

    “QUEM PENSA QUE VAI ME DERROTAR COM MENTIRAS OU CONVICÇÕES VAI CAIR DO CAVALO”DIZ LULA. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva rebateu, nesta terça-feira , a notícia de que ele seria o “Amigo” que consta numa planilha apreendida e analisada pela Polícia Federal para dar corpo a uma investigação contra o ex-ministro Antonio Palocci.
    “Daqui a pouco eu serei a Sereia, ou o Careca, ou o Inimigo, ou o Português etc…. o que eles querem é me pegar, mas não tem como, pois do mesmo jeito que entrei na presidência eu sai, abriram todas as caixas que eu tinha como lembranças ganhas e guardadas, não acharam nada, mas não colocaram na mídia, tinha garrafa de pinga, farinha, quadros sem expressões financeira etc……
    “Se o Power Point não deu certo, agora a Lava Jato inventa acusações contra Lula com uma tabela de Excel, sem nenhuma base em provas ou movimentações financeiras, feitas por um delegado que sequer cuida das investigações sobre Lula. O ex-presidente teve todas as suas contas devassadas e jamais recebeu qualquer recurso ilegal”, afirma o post publicado em sua página no Facebook.
    O relatório da PF que indiciou criminalmente Palocci por corrupção passiva, divulgado na segunda-feira, 24, pela Operação Lava Jato, afirma que codinome “Amigo” em planilhas de propinas da Odebrecht se referia ao ex-presidente. Em um documento do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht – o chamado departamento de propinas da empresa -, “Amigo” é destinatário de R$ 23 milhões.
    No relatório de indiciamento, a PF afirma que, deste total, R$ 8 milhões teriam sido efetivamente repassados ao petista e “debitados” do “saldo” da “conta-corrente da propina, que correspondia ao agente identificado pelo codinome de Amigo”. A planilha indica ainda, segundo o documento da PF, que R$ 6 milhões teriam sido pagos a “Italiano” – que seria Palocci – e R$ 50 milhões a “Pós Itália”, referência ao ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.
    “Quem pensa que vai me derrotar com mentiras, com chantagem, com safadeza, vai cair do cavalo.
    Eu posso perder uma eleição, aliás eu já perdi 4 eleições. Perdi para governador em 1982, perdi em 89, 94, 98 e não desanimei. Agora vou me desanimar porque perdi uma para a prefeitura? Aqui (em São Paulo) a gente só ganhou 3 vezes”, afirma o ex-presidente em um vídeo que acompanha a publicação
    Lula frisa que a vida dele é lutar, “sonhando em conquistar coisas para esse país. Tentar provar que é possível melhorar a vida das pessoas”. E que só Deus pode fazê-lo parar.
    ” Só faltam dizer que o dinheiro que deram para Maria Geni do Nascimento primeiro 750 milhões, depois 750 reais fui eu quem dei também e o Itaquerão como foi um presente dado para mim, vou levar para casa, para ornamentar a sala “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *