O PROCURADOR QUE ESTÁ À PROCURA DE LULA

Do portal do jornalista Luís Nassif, o GGN:

Antes de se tornar personagem nacional, atuando em parceria com a revista Época em casos envolvendo o ex-presidente Lula, o procurador Douglas Kirchner foi aprovado em um concurso em 2012 e alocado no Ministério Público Federal de Rondônia.

Lá envolveu-se em problemas religiosos-amorosos. 

O procurador é fiel de uma seita em Porto Velho, a Igreja Evangélica Hadar, acusada de explorar crianças e adolescentes, obrigando os menores a vender sanduiches em vias públicas, de madrugada, a realizar serviços de faxina no templo.  Em agosto de 2014 a seita foi denunciada à DEPCA (Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente) (http://migre.me/t3ORW).

Na última semana de julho de 2014, Douglas foi denunciado ao Juizado de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, acusado de agressões físicas contra sua esposa, Tamires Souza Alexandre.

Segundo o GNotícias, da gospel.com.br, após o casamento, ambos foram residir no alojamento da igreja. Quando tentou se separar de Douglas, ele e uma pastora da igreja espancaram a moça com cipó e cinto. Depois, Tamires ficou em cárcere privado, só podendo se alimentar depois que os outros comessem. Foi obrigada a dormir no chão, com ventilador e sem cobertor, tendo adoecido por conta disso (http://migre.me/t3P5U).

Segundo o portal Rondônia ao Vivo, em uma das ocasiões a esposa teria ficado dois dias sem comer e, depois, foi trancafiada no alojamento da igreja. Mais tarde, conseguiu fugir e foi dormir na rua, sendo acolhida na casa de pessoas que a encontraram (http://migre.me/t3Paq). Era um crime previsto na Lei Maria da Penha.

No dia 8 de setembro de 2014, o Procurador Geral da República Rodrigo Janot dispensou Douglas do cargo de substituto eventual do Procurador-Chefe da Procuradoria do Estado de Rondônia (http://migre.me/t3Peg). Em seguida, Douglas foi promovido para o Distrito Federal.

Apenas um ano depois, em 5 de outubro de 2015, a corregedoria nacional do Ministério Público instaura um processo administrativo contra ele. O crime cometido por Douglas foi transformado em “infração disciplinar” e submetido a julgamento pelo CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público). O processo ainda não chegou ao fim. Não o impediu de ocupar cargos relevantes no Ministério Público do Distrito Federal.

Segundo relatório do CNMP, paira contra Douglas a acusação de ter mantido a esposa em cárcere privado, sem produtos essenciais para higiene pessoal, incluindo papel higienênico, pasta de dente. Tamires precisou rasgar a própria roupa para usar como absorvente. E era humilhada na frente de todas, tratada como “prostituta” pela pastora.  Teria ficado anêmica e o marido, influenciado pela pastora, recusou-se a comprar medicamentos.

23 comentários

  • Eu

    Não tem nenhum coxinha ficha limpa para fazer o serviço encomendado do PSDB?

  • Esse jornalista estatizado se preocupa em mostrar a ficha do procurador.
    Mas e a ficha do procurado?
    E as refinarias que o barbudo deu para o índio boliviano?

  • anonimo

    Cardosinho vc tem certeza que está falando de um procurador ou de um…….nem tenho adjetivo para qualificar um camarada desse, e é capaz de ser promovido.

  • BLOG DO MORTADELA

    Patético isso, atacar pra defender o indefensável!

  • Anônimo

    Tá todo mundo errado menos o lula… Meu deus quanta ingenuidade ou seria propósito mesmo.

  • Leitor

    Como pode acreditar que o Lula é correto. Não acredito.

    É só analisar quebraram a Petrobrás, desemprego, corrupção, déficit e ainda tenho que ler isso.

    PT é bom no discurso.

  • Jalesense

    E pelo jeito está encontrando pra desespero dos trouxinhas…

  • Abraham Lincoln

    Eu acho muito, mas muito, mas muito pouco provável que tudo isso seja verdade. Se for, esse cara merece muita cadeia. Passagens como esta, só mesmo em filmes de terror. Hoje, nesta sociedade em que vivemos, dado aos avanços proporcionados pela lei e pela conscientização da população de um modo geral, uma conduta como esta jamais teria ficado impune. Contudo, em sendo verdadeira a narrativa, correto é a remessa da investigação a outro membro do MP e punição exemplar a este indivíduo maligno, asqueroso, covarde e cretino. Penso, no entanto, que o caráter duvidoso daquele que conduz a investigação não pode macular os atos até então praticados, já que estes, se processados de acordo com os ditames legais, em nada se confundem com a vida pessoal daquele que os supervisionou a confecção. Situações que envolvem o nobre ex-presidente devem ser esclarecidas, até mesmo porque ele merece que sua inocência seja esfregada na face de todos os coxinhas que o perseguem.

  • Lula e seus processos

    Com quase 4 processos de investigaçao, na justiça, o ex presidente Lula nao consegue justificar, principalmente, os casos do triplex e do sitio.
    Estamos vendo os seus filhos (Luiz Claudio e o milionario Lulinha) sendo investigados como tambem seus amigos presos Buomlai, (o coordenador de sua campanha) Joao Santana e outros.
    Com idas e vindas, na policia federal, Lula e o PT estao com mania de discutir a vida do juiz e promotores assim como a estancia do processo, o que certamente nao importa muito.
    Agora esta’ sendo pressionado pelo senador Delcidio Amaral para nao abrir o bico portanto a sua vida nao esta’ facil.
    Sera’ que ele aguenta mais 3 anos de operaçao Lava Jato?

  • Márcio

    E a oposição ainda não sabe pq perde eleição …

    • Lula e seus processos

      MARCIO
      O PT e o PMDB fuderam o país com suas roubalheiras porem deram dinheiro ao povo atraves de bolsas : familias, fies, emprestimos aos idosos, etc
      Alem disso, deram dinheiro aos empresarios atraves da Petrobras e outras estatais alem disso quebraram o BNDES para emprestimos a eles
      Deram dinheiro, ou melhor, compraram os politicos para votarem nas emendas propostas pelo governo.
      E assim ganharam eleiçoes por muitos anos

  • Carlos Rocha e Silva

    A VERDADE NUNCA É ACEITA PELOS FASCISTAS GOLPISTA, SEMPRE A UM DUVIDA, PRINCIPALMENTE POR AQUELES QUE SE JULGAM INTELIGENTE. AI VEM A DESCULPA DE QUE SE FOSSE VERDADE AS INFÂMIAS DO PROCURADOR ELAS JÁ ESTARIAM SENDO INVESTIGADAS E NÃO FICARIAM IMPUNIS. ISSO É UMA BALELA, PARA LOGO DIZER QUE SE FOR VERDADE DEVERIA HAVER PUNIÇÃO. PUNIÇÃO DEVERIA HAVER PARA O CORRUPTO PROCURADOR E PARA QUEM, COM PALAVRAS SUTIS, TENTA MANIPULAR A POPULAÇÃO. AGORA A VERDADE OU NÃO VIRÁ A TONA, POIS O FUTURO PRESIDENTE, NÃO SE DEIXA ABALAR POR PALAVRAS FÚTEIS QUE SÃO COLOCADAS, PARA SE TORNAREM VERDADES, MAS QUE JAMAIS SERÃO, A NÃO SER PELA MÍDIA GOLPISTAS OU PELOS QUE TIVERAM SUAS MENTES LAVADAS, PELA INVEJA E PELO O ÓDIO.

    Procurador que quer pegar o Lula.
    Quem é o jovem procurador que quer pegar o Lula.
    O concurseiro que está se tornando a cara do MPF.
    Nos próximos dias os advogados do ex-presidente Lula encaminharão uma representação junto ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) e ao Procurador Geral da República Rodrigo Janot, “denunciando os reiterados abusos e ilegalidades que têm sido cometidos contra Lula no âmbito da Procuradoria da República do Distrito Federal”.

    As acusações são amplas:

    1. Promove, a partir de ilações fantasiosas, verdadeira devassa sobre a vida pessoal e atividades profissionais do ex-presidente Lula, invadindo dados fiscais, bancários, comerciais e até viagens e hospedagem no exterior;
    2. Impede o pleno acesso da defesa ao teor do procedimento, mas nada faz para impedir que dados sigilosos e partes injuriosas dos autos vazem sistemática e ilegalmente para a revista Época, das Organizações Globo;
    3. Estabeleceu um rodízio de procuradores no comando do procedimento, o que prolonga sua duração, dificulta o direito de defesa e dilui as responsabilidades pelos abusos e ilegalidades cometidos.
    As acusações, divulgadas pela revista Época, são a de que em 2011 Lula teria hipoteticamente ajudado o BNDES a receber parcelas atrasadas do governo da Venezuela. “Tratar tal hipótese como crime seria desmerecer não só o dever de imparcialidade do Ministério Público mas até a capacidade cognitiva de alguns de seus membros”.
    Para chegar a essa brilhante conclusão de cometimento de crime, o MPF consumiu dez meses de investigações.
    Na nota dos advogados fica-se sabendo que o procurador que conduziu as investigações, que geraram matérias com tal teor de denúncia contra um ex-presidente da República, é Douglas Kirchner.
    Contra ele pesa também a acusação de não permitir o acesso dos advogados aos autos através de uma esperteza. “Ao passar transitoriamente perante o 1º Núcleo de Combate à Corrupção do MPF/DF – onde o procedimento foi deflagrado – teria feito uma redistribuição do feito ao 5º Núcleo de Combate à Corrupção do MPF/DF. E o titular do 5º Núcleo de Combate à Corrupção do MPF/DF é o próprio procurador Douglas”.
    Afinal, quem é o procurador Douglas Kirchner que, em nome do Ministério Público Federal, age com toda naturalidade distribuindo notícias para os jornais, lançando acusações desse teor contra um ex-presidente da República?
    Segundo o G1 de 13/12/2012, trata-se de um jovem concurseiro, com 23 anos na época – logo, hoje com 27 anos (http://migre.me/t3srT),
    Segundo a reportagem do G1, “para ser aprovado no concurso dos sonhos, com garantia de estabilidade e altos salários, jovens se dedicam a fazer vários concursos públicos abdicando de festas e viagens em família para estudar. O objetivo deles é ser procurador da República, cargo com salário de R$ 22 mil”.
    Antes, Douglas prestou concurso para analista processual do MPF em Porto Velho, para delegado de polícia civil e juiz do Tribunal Regional do Trabalho. “Já fiz tantos concursos que já perdi a conta”, disse ele à reportagem do G1. “O importante é fazer concurso até passar”. Quando conseguiu a vaga no MPF, em Rondônia, Douglas aposentou sua carreira de concurseiro.
    É o jovem concurseiro que se apropria das atribuições e competências que a Constituição conferiu aos procuradores para dar o tom do MPF, sem ser incomodado por nenhum órgão, para brincar de fazer acusação e de interferir no jogo político.
    Pergunto, é possível um nível de autonomia de tal ordem, que permite a qualquer procurador gerar fatos políticos de tal repercussão valendo-se abusivamente das prerrogativas do cargo? Será que esse modelo não encerra uma profunda distorção institucional?
    O procurador consegue as informações que quiser, por força de suas atribuições. Seleciona as informações a seu modo e providencia a publicação em veículo empenhado em derrubar o governo. É crível um país sério aceitar tal nível de intromissão de um jovem sem vivência, sem experiência, sem história?
    Será que não é hora dos procuradores responsáveis que compõem o Ministério Público Federal começarem a discutir seriamente as formas de autocontrole? Afinal, cada vez mais a falta de controle está conferindo ao MPF a cara de jovens que gostam de “causar”, em vez das referências que firmaram a reputação do MPF como órgão responsável de defesa da cidadania.

  • Puxa Saquinho

    O fim do PT esta próximo, foi cutucar onça com vara curta agora aguenta, a Rede Globo constrói e destrói quem ela quiser!

  • NOIS

    ALGUNS ATOS PRATICADOS PELO TUCANOS–MAS NÃO VISTOS PELO PODER JUDICIÁRIO CORRUPTO BRASILEIRO–LIDERADO PELO JUIZ MORO QUE GOSTA DOS TUCANOS E DO $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$—O QUE VEIO OU VAI PARA O PT É CORRUPÇÃO E O VEIO OU VAI PARA OS TUCANOS É DENTRO DA LEI:
    1.Fernando Capes ( PSDB-SP) um dos líderes da máfia da Merenda participa de protesto contra a Dilma em março de 2015 ( hipocrisia ) e o STF nada.
    2.Na época da eleição presidencial o PSDB acusou Dilma de ser a favor do Aborto.Agora descobre o aborteiro FHC, que pagou dois abortos com dinheiro público e o STF nada.
    3.Cunha e Delcidio ameaçam: se nos cassarem, levamos a metade do Congresso, e o STF nada.
    4.Margrit Dutra Schmidt-assistente de Serra e irmã da amante de FHC, vive vida de aposentada com salário de 9.456,13 reais, e o STF nada.
    5.Com FHC a direita ficou nua. Abortos, testes falsos de DNA, contratos falsos, remessa ilegal de $$$$$$$$$$ tudo isso feito por quem acusa o PT, e o STF nada.
    .6.O luxuoso apartamento em Paris de FHC jamais atraiu atenção como o triplex de 80 metros quadrado que dizem ser de Luila, e o STF nada.
    7. O Juiz corrupto Moro e promotores devem explicar à nação por que são vazado apenas nomes do PT e não do PSDB–DEM–PMDB, sabendo que eles também foram delatados, e o STF nada.
    8.STF–PGR—MPF—PF… o que esses órgãos faziam antes dos governos do PT? e em São Paulo agora? Não existiam ?
    9.Merenda Escolar do Estado de São Paulo desviada–tucanos roubavam crianças sem dó ………
    10.Frase da ministra corrupta da Justiça–não tenho prova cabal contra Dirceu, mas vou condená-lo porque a literatura jurídica me permite.
    Tem muito mais mas vamos ficar por aqui, acreditando na honestidade do Promotor DOUGLAS KIRCHNER, como alguns babacas.

  • FUTURO

    A UM BABACA FASCISTA E GOLPISTA AI DE CIMA MOSTRAMOS A FICHA DO CORRUPTO PROCURADOR DOUGLAS E AGORA A SEU PEDIDO OTÁRIO A FICHA DO NÃO PROCURADO E FUTURO PRESIDENTE DO BRASIL EM 2018:

    Educação e trabalho

    Memorial aos retirantes no Parque Dona Lindu, parque localizado no Recife, projetado por Oscar Niemeyer, que recebeu esse nome em homenagem à mãe de Lula. O memorial, concebido pelo escultor pernambucano Abelardo da Hora, representa Dona Eurídice e seus oito filhos.
    Durante o período em que as duas famílias de seu pai conviveram, Lula foi alfabetizado no Grupo Escolar Marcílio Dias, apesar da falta de incentivo do pai, analfabeto, que entendia que seus filhos não deveriam ir à escola, mas apenas trabalhar. Ainda quando morava no Guarujá, aos 7 anos, trabalhou vendendo laranjas no cais. Tinham que andar quilômetros para buscar água de poço para a segunda mulher de Aristides. Aos domingos, era obrigado pelo pai a ir ao mangue para retirar lenha, marisco e caranguejo.
    Já em São Paulo, a fim de contribuir na renda familiar, começou a trabalhar, aos doze anos, em uma tinturaria. Durante o mesmo período também trabalhou como engraxate e auxiliar de escritório. Aos catorze começou a trabalhar nos Armazéns Gerais Colúmbia, onde teve a carteira de trabalho assinada pela primeira vez, permanecendo ali por seis meses. Com esta idade, se viu obrigado a deixar a escola e foi trabalhar em uma siderúrgica que produzia parafusos. Foi ali que, em 1964, em um torno mecânico esmagou seu dedo, tendo que esperar por horas até o dono da fábrica chegar e levá-lo ao médico, que optou por cortar o resto do dedo mínimo da mão esquerda. A mutilação lhe deixou alguns anos com complexo. Ficou 11 meses na empresa e, devido ao acidente, ganhou uma indenização de 350 mil cruzeiros, utilizado para comprar móveis para sua mãe e um terreno.
    Trabalhou então na Frismolducar por seis meses, sendo demitido porque se recusou a trabalhar aos sábados. No ano de 1965 ficou muito tempo desempregado, assim como seus irmãos, época em que passaram por privações, sobrevivendo de trabalhos eventuais (“bicos”). Em 1966 foi admitido nas Indústrias Villares, uma grande empresa metalúrgica de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. Em 1973, fez um curso na AFL CIO nos Estados Unidos sobre sindicalismo.
    Operário e sindicalista
    Em 1968, durante a ditadura militar, filiou-se ao Sindicato de Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema. Lula relutou em filiar-se e candidatar-se, pois à época tinha uma visão negativa do sindicato e seu grande hobby era jogar futebol. Apesar de não ter qualquer vivência sindical, já era apontado como uma pessoa com espírito de liderança e com carisma. Convencido a integrar a chapa, sob influência de seu irmão, José Ferreira da Silva – conhecido como Frei Chico, militante do Partido Comunista Brasileiro e do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano do Su Lula foi eleito, em 1969, para a diretoria do sindicato dos metalúrgicos da cidade, dentre os suplentes, continuando a exercer suas atividades de operário.
    Em 1972, foi eleito como 1º secretário do Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, continuando a exercer suas atividades de operário. tendo sido criada, no sindicato, uma Diretoria de Previdência Social e FGTS, que lhe foi atribuída.[carece de fontes] Ao ser eleito, ficou à disposição do sindicato, cessando suas atividades de operário. Sua atuação na diretoria lhe deu grande destaque, sendo então eleito presidente do mesmo sindicato em 1975. Ganhou projeção nacional ao liderar a reivindicação em 1977 da reposição aos salários de índice de inflação de 1973, após o próprio governo reconhecer que aquele índice havia sido bem maior que o inicialmente divulgado e então utilizado para os reajustes salariais. Apesar de ampla cobertura na imprensa, ainda na vigência do AI-5, o governo não cedeu aos pedidos. Reeleito em 1978, passou a liderar as negociações e as greves de metalúrgicos de sua base que passaram a acontecer em larga escala a partir de 1978 e que haviam cessado de ocorrer desde o endurecimento repressivo da ditadura militar na década anterior.
    Por liderar as greves dos metalúrgicos do Região do ABC no final dos anos 1970 e início dos anos 1980, Lula foi preso, cassado como dirigente sindical e processado com base na Lei de Segurança Nacional.
    Durante o movimento grevista, a ideia de fundar um partido representante dos trabalhadores amadureceu-se, e, em 1980, Lula se juntou a sindicalistas, intelectuais, representantes dos movimentos sociais e católicos militantes da Teologia da Libertação para formar o Partido dos Trabalhadores (PT), do qual foi o primeiro presidente.

    Carreira política

    Lula falando no plenário da Câmara dos Deputados.
    Em 1980, no curso de uma greve no ABC paulista, o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo sofreu intervenção aprovada por Murilo Macedo, então ministro do Trabalho do general João Batista Figueiredo, e Lula foi detido por trinta e um dias nas instalações do DOPS paulista. Em 1981, foi condenado pela Justiça Militar a três anos e meio de detenção por incitação à desordem coletiva, tendo porém recorrido e sido absolvido no ano seguinte.
    Alterou judicialmente seu nome de Luiz Inácio da Silva para Luiz Inácio Lula da Silva, visando a usar o nome em pleitos eleitorais; a legislação vigente proibia o uso de apelidos pelos candidatos.
    Em 1982, Lula participou das eleições para o governo de São Paulo e perdeu. Em 1984, participou, ao lado de Ulisses Guimarães, Fernando Henrique Cardoso, Eduardo Suplicy, Tancredo Neves, entre outros, da campanha Diretas Já, que clamava pela volta de eleições presidenciais diretas no país.
    A campanha Diretas Já não teve sucesso e as eleições presidenciais de 1984 foram feitas por um Colégio Eleitoral de forma indireta. Lula e o PT abstiveram-se de participar desta eleição. O processo indicou o governador de Minas Gerais Tancredo Neves, que participou ativamente na campanha das Diretas Já, como novo presidente do Brasil.
    Com a morte de Tancredo Neves, antes da sua posse como presidente, assume a presidência o vice José Sarney. Lula e o PT decidem firmar uma posição independente, mas logo se encontram no campo da oposição ao novo governo.
    Em 1986, foi eleito deputado federal por São Paulo com a maior votação para a Câmara Federal até aquele momento, tendo participado da elaboração da Constituição Federal de 1988. Foi favorável à limitação do direito de propriedade privada, ao aborto, à jornada semanal de 40 horas, à soberania popular, ao voto aos 16 anos, à estatização do sistema financeiro, à criação de um fundo de apoio à reforma agrária e ao rompimento de relações diplomáticas com países que adotassem políticas de discriminação racial.[31]
    Em 1989, realizou-se a primeira eleição direta para presidente desde o golpe militar de 1964. Lula se candidatou a presidente e ficou em segundo lugar. No segundo turno Fernando Collor de Mello, candidato do PRN, primeiro colocado no turno inicial das eleições, recebeu apoio dos meios de comunicação e empresários, uma vez que estes se sentiam intimidados ante a perspectiva do ex-sindicalista, radical e alinhado às teses de esquerda chegar à presidência, é eleito presidente.[28]
    A campanha de Fernando Collor no segundo turno foi fértil em práticas tidas, na época, por moralmente duvidosas, e que combinavam preconceitos políticos e sociais: Lula foi identificado como um trânsfuga do comunismo, a quem a queda do Muro de Berlim havia transformado em anacronismo, e seus atos político-eleitorais (comícios, passeatas) foram descritos com conotações desmoralizantes (segundo o acadêmico Bernardo Kucinski tal teria sido facilitado pela infiltração de agentes provocadores de Collor nos comícios do PT). Collor acusou ainda Lula de desejar sequestrar ativos financeiros de particulares (o que a equipe econômica do futuro governo Collor fez após sua eleição).
    Articulistas da grande imprensa pronunciaram-se de forma indecorosa sobre Lula: o comentarista Paulo Francis o chamou de “ralé”, “besta quadrada” e disse que se ele chegasse ao poder, o país viraria uma “grande bosta”. Além disso, uma antiga namorada de Lula, Míriam Cordeiro, com a qual ele teve uma filha, surgiu na propaganda televisiva de Collor durante o segundo turno das eleições para acusar seu ex-namorado de “racista” e de ter lhe proposto abortar a filha que tiveram
    O PSDB, hoje maior rival eleitoral do PT, na época declarou apoio oficial a Lula no segundo turno. O candidato tucano, Mário Covas, que havia ficado em 4º lugar naquela eleição, subiu em palanques ao lado de Lula em defesa da candidatura petista.[35]
    Às vésperas da eleição, a Rede Globo promoveu um debate final entre ambos os candidatos e, no dia seguinte, levou ao ar uma versão editada do programa em sua exibição no Jornal Nacional. O então diretor do Gallup Carlos Eduardo Matheus, entre outros, sustentou que a edição foi favorável a Collor e teria influenciado o eleitorado (fato este admitido mais tarde por várias memórias de participantes do evento, mostrado no documentário Beyond Citizen Kane). A eleição propriamente dita comportou ainda a alegada manipulação política do sequestro do empresário do setor de supermercados Abílio Diniz, que, libertado de seu cativeiro no dia da eleição, seus sequestradores foram apresentados pela polícia vestindo camisetas do PT (aberto inquérito para apurar se coube à polícia vestir os criminosos, foi dois anos depois arquivado por falta de provas).
    Apesar da sua derrota em 1989, Lula manteve sólida liderança no PT, bem como prestígio internacional, como no destaque obtido[carece de fontes] quando da fundação do Foro de São Paulo, em São Bernardo do Campo, em 1990. Tratava-se de um encontro periódico de lideranças partidárias que visava congregar e reorganizar as esquerdas latino americanas, que estavam politicamente desorganizadas com a expansão do neoliberalismo após a queda do muro de Berlim.
    Há no congresso uma minoria que se preocupa e trabalha pelo país, mas há uma maioria de uns trezentos picaretas que defendem apenas seus próprios interesses.
    — Luiz Inácio Lula da Silva, em 1993
    Em 1994, Luiz Inácio Lula da Silva voltou a candidatar-se à presidência e foi novamente derrotado, ainda no primeiro turno, dessa vez pelo candidato do PSDB, Fernando Henrique Cardoso. Em 1998, Lula saiu pela terceira vez derrotado como candidato à presidência da República, em uma eleição novamente decidida no primeiro turno. No entanto, manteve papel de destaque na esquerda brasileira[carece de fontes] ao apresentar-se numa chapa que tinha como candidato à vice-presidência o seu antigo rival Leonel Brizola, que havia disputado arduamente com Lula sua ida ao segundo turno das eleições de 1989 como adversário de Collor. Lula tornou-se um dos principais opositores da política econômica do governo eleito, sobretudo da política de privatização de empresas estatais realizadas nesse período.
    Lula e o seu vice José Alencar em 2004, durante o embarque de militares brasileiras para o Haiti.
    A desvalorização do real em janeiro de 1999, logo após a eleição de 1998, as crises internacionais, deficiências administrativas como as que permitiram o apagão de 2001, e principalmente o pequeno crescimento econômico no segundo mandato de Fernando Henrique Cardoso fortaleceram a posição eleitoral de Lula nos quatro anos seguintes. Abdicando dos “erros” cometidos em campanhas anteriores, como a manifestação de posições tidas por radicais, Lula escolhe para candidato à vice-presidência o senador mineiro e empresário têxtil José Alencar, do PL, partido ao qual o PT se aliou. A campanha eleitoral de Lula optou em 2002 por um discurso moderado, prometendo a ortodoxia econômica, respeito aos contratos e reconhecimento da dívida externa do país, conquistando a confiança de parte da classe média e do empresariado.
    Em 27 de outubro de 2002, Lula foi eleito presidente do Brasil, derrotando o candidato apoiado pela situação, o ex-ministro da Saúde e então senador pelo Estado de São Paulo José Serra do PSDB. No seu discurso de diplomação, Lula afirmou: “E eu, que durante tantas vezes fui acusado de não ter um diploma superior, ganho o meu primeiro diploma, o diploma de presidente da República do meu país.”
    Em 29 de outubro de 2006, Lula é reeleito no segundo turno, vencendo o ex-governador do Estado de São Paulo Geraldo Alckmin do PSDB, com mais de 60% dos votos válidos. Após esta eleição, Lula divulgou sua intenção de fazer um governo de coalizão, ampliando assim sua fraca base aliada. O PMDB passa a integrar a estrutura ministerial do governo.
    primeiro mandato de Lula.
    Na área econômica a gestão do Governo Lula é caracterizada pela estabilidade econômica e por uma balança comercial superavitária. O endividamento interno cresceu de 731 bilhões de reais (em 2002) para um trilhão e cem bilhões de reais em dezembro de 2006, diminuindo, todavia a proporção da dívida sobre Produto Interno Bruto. Concomitantemente, a dívida externa teve uma queda de 168 bilhões de reais. O seu início de governo chegou a ser elogiado pelo presidente do FMI na época.
    Lula cumprimenta populares no município de Salto, durante visita às futuras instalações do Centro Federal de Educação Tecnológica.
    Durante o governo Lula houve incremento na geração de empregos. Segundo o IBGE, de 2003 a 2006 a taxa de desemprego caiu e o número de pessoas contratadas com carteira assinada cresceu mais de 985 mil, enquanto o total de empregos sem carteira assinada diminuiu 3,1%. Já o total de pessoas ocupadas cresceu 8,6% no período de 2003 a 2006.
    Na área de políticas fiscal e monetária, o governo de Lula caracterizou-se por realizar uma política econômica conservadora. O Banco Central goza de autonomia prática, embora não garantida por lei, para buscar ativamente a meta de inflação determinada pelo governo. A política fiscal garante a obtenção de superávits primários ainda maiores que os observados no governo anterior (4,5% do PIB contra 4,25% no fim do governo FHC). No entanto, críticos apontam que esse superávit é alcançado por meio do corte de investimentos, ao mesmo tempo em que aumento de gastos em instrumentos de transferência de renda como o Bolsa Família, salário-mínimo e o aumento no déficit da Previdência.
    Em seu primeiro ano de governo, Lula empenhou-se em realizar uma reforma da previdência, por via de emenda constitucional, caracterizada pela imposição de uma contribuição sobre os rendimentos de aposentados do setor público e maior regulação do sistema previdenciário nacional.
    Luiz Inácio Lula da Silva cumprimentando o jogador Ronaldinho Gaúcho antes do jogo amistoso entre as seleções de futebol do Brasil e da Inglaterra
    A questão econômica tornou-se consequentemente a pauta maior do governo. A minimização dos riscos e o controle das metas de inflação de longo prazo impuseram ao Brasil uma limitação no crescimento econômico, o qual porém realizou-se a taxas maiores do que foram alcançados durante o governo anterior, com um crescimento médio anual do PIB de 3,35%, contra 2,12% médios do segundo mandato de FHC mas abaixo da média republicana do país. Segundo o economista Reinaldo Gonçalves, professor da UFRJ, em uma comparação de todos os 29 mandatos presidenciais desde a proclamação da república, Lula fica na 19ª posição.
    Ressalvam os críticos, no entanto, que os baixos índices inflacionários foram conseguidos a partir de políticas monetárias restritivas, que levaram a um crescimento dependente, por exemplo, de exportações de commodities agrícolas (especialmente a soja), que não só encontraram seus limites de crescimento no decorrer de 2005, como também tem contribuído para o crescimento dos latifúndios.
    Ao fim de seu governo, sua popularidade era maior do que a que possuía ao ser eleito, como ocorreu com poucos presidentes nas democracias do mundo.
    Agora seu Babaca mostre a ficha corrida do Homem dos dois ABORTOS e de um DNA Falso, o Mafioso dos Tucanos, igual a você.

  • Rolando Caio da Rocha

    CARLOS ROCHA E SILVA, NOIS, FUTURO… Vulgos pão com mortaNdela… Qual o problema mental que lhes aflige??? Já tentaram tomar remédio??? Dizem que Gardenal é bom pra isso…

    • Lula e seus processos

      ROLANDO CAIO DA ROCHA
      Nao brigue com os poucos petralhas que sobraram pois para defender o Lula precisa ter coragem e um pouco de loucura
      Perdoe, pois eles nao sabem o que falam

  • Carlos Rocha e Silva

    Rolando Caio da Rocha–meu caro a Mortadela já tem lugar é na sua genitora e o problema mental é sua Burrice mental, cuja falta mentalidade desinformada levou-o, a ser um débil mental, e a se acostumar ao gardenal e também ao rivotril.
    Por isso não tira os dois da boca e da mente doentia que tens e isso vale também para o desinformado de seu colega Lula e seus Processos outro irracional e achacador. Duas mentes doentia de onde só sai merda.

  • Carlos Rocha e Silva

    Rolando Caio da Rocha****acabei de estudar seu caso mental e cheguei a seguinte conclusão: —vê se entendes quem é você consequentemente sua mente doente:—Nas áreas da psiquiatria e da psicologia, a despersonalização é entendida como uma desordem dissociativa, caracterizada por experiências de sentimentos de irrealidade, de ruptura com a personalidade, processos amnésicos e apatia. Pode ser um sintoma de outras desordens como transtorno bipolar, transtorno de personalidade borderline, depressão, esquizofrenia, estresse pós-traumático e ataques de pânico. A despersonalização pode ainda surgir com o consumo de drogas, como Cannabis ou Ecstasy; mas há outras causas: esta pode desenvolver-se devido a uma exposição prolongada a estresse, mudanças repentinas no contexto pessoal, laboral ou social, entre outros factores. A despersonalização encontra-se intimamente relacionada com a ansiedade. Enquanto desordem isolada, é desencadeada pela vivência de uma situação traumática, como maus tratos (de natureza física ou psicológica), acidentes, desastres. Esta pode ainda despoletar-se no indivíduo se este atravessar um conflito interno insuportável: a mente passa por um processo inconsciente de dissociação – separa (dissocia) conhecimento, informações ou sentimentos incompatíveis ou inaceitáveis oriundos do pensamento (realidade) consciente. Foi descrita pela primeira vez pelo psiquiatra francês Ludovic Dugas.
    Isso é você sem sombra de duvida . Recomendo-lhe um Psiquiatra e um Psicologo e rápido.

  • Carlos Rocha e Silva

    ROLANDO CAIO DA ROCHA E LULA E SEUS PROCESSOS—DOIS IMBECIS, POR FAVOR ME RESPONDA:

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=197811827245194&set=a.104391269920584.1073741828.100010491334272&type=3

  • DEMORONANDO

    SERÁ QUE A TUCANADA VAI OU NÃO GOSTAR DA NOTICIA ?

    Uma obra indecente: o legado de Eurípides
    Muito pouco, muito tarde.

    A remoção do diretor da Veja Eurípides Alcântara chegou com anos de atraso, e a rigor não significa quase nada exceto o desespero da Editora Abril.
    É como um time de futebol que troca o técnico diante da ameaça do rebaixamento.
    O novo diretor, André Petry, embora com uma longa passagem pela Veja no passado, é menos comprometido com o jornalismo criminoso adotado pela revista na Era PT.
    Para mudar alguma coisa verdadeiramente você teria que mudar os donos da Abril, os Civitas.
    E mesmo assim seria virtualmente impossível reconquistar a credibilidade destruída semana após semana. Recuperar a credibilidade jornalística é como recuperar a virgindade.
    Há aspectos financeiros e comerciais no movimento. A Veja de 2016 não tem mais nenhuma condição de pagar o salário de um diretor como Eurípides, promovido nos dias de fausto da Abril.
    Também deve ser considerada a esperança de voltar a receber dinheiro do governo mediante publicidade. Depois da capa indecente pró-Aécio no fim de semana da eleição, o Planalto, com fabuloso atraso, parou de anunciar na Veja e na Abril.
    Nenhuma empresa jornalística brasileira sobrevive sem o governo, tanto mais na Era Digital. É uma dependência visceral, coisa de bebê com mãe.
    Recentemente, um representante da Abril foi a Brasília pedir – suplicar – pelo retorno das verbas suprimidas. A missão foi um fracasso, naturalmente. Como dar dinheiro a uma revista e a uma empresa tão empenhadas num golpe a qualquer preço?
    É presumível que a Abril retorne em breve a Brasília para mais uma vez mendigar recursos públicos, mas agora com um “fato novo”, um gesto de boa vontade.
    Para que haja alguma chance, por absurdo que seja dar nova oportunidade a uma empresa com uma folha de crimes de tal monta, a Veja teria que ser reinventada imediatamente.
    Aí começam os problemas.

    O que você faz com os leitores de hoje, que se habituaram a um jornalismo primitivo, manipulador, sob medida para analfabetos políticos ávidos por bater panelas, ir para a Paulista embalados em camisas da seleção e pedir coisas como a volta do regime militar?
    O que você faz com símbolos editoriais de tudo isso, como Reinaldo Azevedo e Augusto Nunes?
    Há um toque de comédia em tudo isso. Eurípides vivia, pelas páginas da revista, anunciando a queda de Dilma.
    Mas quem caiu foi ele.
    Foi, de longe, o pior diretor da Veja. Se ele poderia atribuir a Roberto Civita a linha abjeta da revista, depois da morte do patrão essa desculpa deixou de existir.
    Fora um editor inepto e mal-intencionado Eurípides será lembrado como o pai do boimate, a mistura de boi e tomate que a Veja publicou nos anos 1980 ao tomar como verdade uma piada de Primeiro de Abril de uma revista científica americana.
    Foi ele que editou essa aberração.
    O historiador e colunista britânico Paul Johnson disse que não há nada mais morto que um editor aposentado.
    Há sim: um ex-editor canalha.
    A Abril Cultural esta acabando por falta de patrocínio, consequentemente de dinheiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *