OPERAÇÃO ‘ARQUIVOS DESLIZANTES’: MACETÃO FOI OUVIDO PELA JUSTIÇA NESTA QUARTA-FEIRA

O vereador Luiz Henrique Viotto(PP), o Macetão, prestou depoimento à juíza Maria Paula Branquinho Pini, nesta quarta-feira, por conta do processo relativo à operação “Arquivos Deslizantes”, deflagrada em setembro de 2017 pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público.

Macetão é um dos acusados de crime contra a lei de licitações. Além da ação penal, na qual ele foi ouvido hoje, Macetão responde também a uma ação civil pública, por dano ao erário.

A operação “Arquivos Deslizantes” investigou um esquema criminoso comandado pelo vereador de Catanduva, Daniel Palmeira de Lima, que, segundo o Ministério Público, fraudava licitações em pelo menos três estados. Daniel chegou a ficar preso alguns dias.

Macetão está envolvido nessa encrenca porque, em 2012, quando ele era o presidente da Câmara, autorizou a compra de um arquivo deslizante, no qual foram gastos R$ 67,9 mil. Os arquivos foram comprados de uma das empresas de Daniel Palmeira de Lima, mediante uma licitação que, de acordo com as investigações teria sido fraudada.

Daniel já tinha tentado vender o tal arquivo para a Câmara de Jales, quatro anos antes, em 2008. Na ocasião, ele teria oferecido R$ 10 mil à então presidente do Legislativo – a vereadora Tatinha – a fim de que ela autorizasse a compra. A vereadora recusou o “presente” e suspendeu as tratativas para a aquisição do arquivo.

Além de Macetão, o ex-motorista da Câmara, Renato Preto, também está sendo processado. O MP juntou como prova, alguns e-mails trocados entre Macetão, Renato Preto e Daniel Palmeira de Lima, que, supostamente, evidenciam a fraude na licitação.

A sentença sobre o caso, que tramita na 4ª Vara de Jales, ainda deverá demorar alguns meses. A Justiça ainda não ouviu o principal acusado – o vereador Daniel – que deverá ser ouvido ainda em abril pela Justiça de Catanduva, através de carta precatória.

Falta ouvir, também, o ex-motorista Renato Preto, cujo depoimento ainda não foi marcado pela Justiça de Pontaporã(MS), onde ele está morando atualmente.

10 comentários

  • KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    Tomara que esse tenha o mesmo destino que o irmão: cassação.
    Um político demagogo, que só sabe se aparecer e na prática, nada faz.
    Era coligado do Flá e do nada, começou a criticá-lo.
    Cria projetos de lei que não trás nenhum benefício a população e os mesmos nunca são executados. Alguém aí conhece algum banco que tenha intérprete de libras????????? Pois é, uma, das várias “leis” que esse vereador cria.
    Jales está farta de políticos desse naipe, temos que por um fim já!

  • BETY

    O cara caga na moita e sai fora? Porque será que esse sujeito está residindo em Ponta Porã? Quem tem tem medo!

    • Adauto

      To sabendo que ele vai voltar e se candidatar a prefeito e vai acabar com essa bagunça que está em Jales.

      Voltar com FACIP, FESTA DA UVA E MEL, CARNAVAL DE RUA, CLUBE DO YPE, EZPO SHOW,ETC.

      NÃO VOTEM EM BRANCO VOTEM…

      RENATO PRETO PREFEITO.

  • BETY

    Volta pra cá sujeitinho, precisamos de você pra organizar outra EXPO!

  • Adauto

    Sei tbm que vão solicitar a nulidade, pois seu pararete é da digitação do forum e como sua ex é parte no processo será em???

  • Eu

    Esse vereador tirou 2 ou afastamento para buscar coisas para Jales.
    Cadê? ?????????

  • Cidadão

    Macetões nunca mais, nenhum dos dois.
    Abra para prefeito!!!

  • Candango

    Eu chamo de corruptos todos os eleitores desse embuste.

  • Justiça tarda mas não falha

    Certamente o vereador ganhou algo, quando, em 2012, ele era o presidente da Câmara. Neste caso, autorizou a compra de um arquivo deslizante, por R$ 67 mil. Uma mixaria mas se vê que teve treta!
    Deu azar porque o fornecedor entregou o esquema.
    Se a policia federal investigar os seus contratos vai achar mais irregularidades

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *