PARLAMENTARES REPERCUTEM SUSPEITAS DO FINANCIAL TIMES SOBRE CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO

O ex-urubólogo Alexandre Garcia – que disputa com o Augusto Nunes o posto de maior baba ovo do governo Bolsonaro – anunciou hoje, com grande entusiasmo, o pib de 0,6% do terceiro trimestre como um extraordinário sinal de recuperação da economia. 

O resultado, no entanto, está sendo colocado sob suspeita pelo principal jornal de economia do planeta, o britânico Financial Times. O jornal diz que uma revisão feita pelo Ministério da Economia nos números das exportações gera dúvidas e desconfianças sobre as estatísticas brasileiras, além de resultar em um “superfaturamento” do pib.

As desconfianças repercutiram, é claro, entre deputados oposicionistas. A notícia é do Brasil 247:

Parlamentares criticam duro o ministro da Economia, Paulo Guedes, após uma reportagem do jornal Financial Times apontar que dados econômicos do governo Jair Bolsonaro têm falhas sobre as exportações. A matéria trouxe como título “Falha nos dados econômicos brasileiros desperta preocupações entre analistas”.

De acordo com o texto do jornal britânico, as estatísticas econômicas do governo brasileiro têm falhas nos números sobre as exportações, que influenciam a cotação da moeda, e superfaturado o pibinho para 0,6%. O FT registra que o IBGE admite que pode ter que revisar os dados do terceiro trimestre, o que normalmente seria feito em apenas um ano.

“Sabemos que transparência e verdade nunca importaram para esse governo”, afirmou a deputada federal Sâmia Bomfim (PSOL-SP). “Ainda assim, a suspeita levantada pelo jornal Financial Times de que informações sobre a atividade econômica brasileira foram manipuladas é algo surpreendente e muito grave. O que Paulo Guedes tenta esconder?”, questionou.

Para a deputada Erika Koaky (PT-DF), a reportagem demonstra que o Brasil passa “vergonha internacional”. “Jornal inglês Financial Times questiona dados apresentados pelo governo Bolsonaro sobre crescimento de 0,6% do PIB no último trimestre. O jornal questiona estatísticas econômicas e aponta falhas nos números apresentados, entre outras dúvidas de analistas”, destacou.

A deputada Margarida Salomão (PT-MG) ressaltou que é “questionada a própria qualidade do governo, a competência mínima de saber coligir dados”.

De acordo com o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), “se confirmada a desconfiança do Financial Times, sobre maquiagem nos números da economia brasileira, estaremos diante de fato gravíssimo, com potencial para ferir de morte a confiabilidade do governo”. “Bolsonaro terá elevado a fake news à condição de política econômica”.

3 comentários

  • Quem é o Financial Times e a esquerda para criticar o governo?

    Com a economia brasileira melhorando era de se esperar que, desde o exterior, o movimento comunista internacional começasse a tentar enlamear os números positivos da pujança tupiniquim, a ponto de um pasquim qualquer chegar a questionar os dados divulgados.
    Juntando ao jornal, aparecem os deputados da esquerda para as suspeitas do crescimento econômico do pais.
    Depois de deixarem o país nesta situação de desemprego alto e recessão. A esquerda critica o ministro Guedes pelas reformas prometidas e necessárias.
    Claro que a esquerda jornalistica e politica não querem o crescimento econômico. Trata-se a antiga “quanto pior, melhor”.
    Lamentável

  • Marco Antonio Poletto

    Os mercados ficaram entusiasmados com as perspectivas de reformas liberais que estavam por vir.
    Mas as esperanças logo começaram a desmoronar. Uma série de erros do governo – disputas políticas internas, a tentativa desajeitada de intervenção do Estado na política de combustíveis e a falta de liderança no Congresso – dificultaram as perspectivas de crescimento. A maioria dos analistas reduziu pela metade suas expectativas de crescimento para o Brasil e agora acredita que até 2020 não haverá crescimento significativo.Quem paga o preço são os trabalhadores brasileiros. O número de desempregados aumentou de 5,6 milhões em 2012 para 13,4 milhões neste ano. FORA MILICIANOS.

    • Cleber

      Sim, Mas será que podemos atribuir todos esses dados negativos ao miliciano ? Qual é a sua sugestão política para resolver esse fiasco que a quadrilha de esquerda nos deixou ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *