PREFEITO TIRA A ROUPA EM PROTESTO CONTRA CORTES DE GOVERNADOR TUCANO

images_cms-image-000457108

A notícia é do blog do Esmael Moraes:

O prefeito de Ipiranga, Roger Selski (PR), presidente da Associação de Municípios dos Campos Gerais (AMCG), radicalizou no protesto contra o “pacote de maldades 3” do governador Beto Richa (PSDB), que corta R$ 400 milhões das prefeituras paranaenses.

O gajo tirou a roupa, ficou pedalão, como veio ao mundo, para denunciar mais essa sacanagem contra os municípios que tramita na Assembleia Legislativa.

Na segunda-feira (21), a Associação dos Municípios do Paraná (AMP) se reúne em Curitiba para debater o terceiro pacote de maldades do governador tucano.

Pela proposta de Richa, 2% das alíquotas do ICMS sobre combustíveis, por exemplo, seriam retirados das prefeituras e poder judiciário repassados a um fundo de combate à pobreza, isto é, para o Caixa Único (CU) do governo do estado ao invés de serem repassados a outros poderes.

 

9 comentários

  • Anônimo

    Se essa moda pega….

  • A nudez como forma de protesto é válida.Eu só achei estranho um político fazer isso.

  • anonimo

    Esse e spfc com certeza

  • Primeira Vez.

    Os coxinhas são contra os aumentos de impostos, propostos pela Presidente e ao mesmo tempo diz que se deve cortar é os gastos do governo, com o qual eu também concordo, mas vejam o que estão fazendo, a quadrilha comandada pelo Cunha e o Renan, juntamente com o PSDB, DEM e alguns puxa sacos do PMDB:–

    Pauta bomba do Congresso anula cortes propostos por Dilma

    20/09/2015

    Apesar de cobrar reduções maiores nas despesas do governo, o Congresso aprovou em 2015 projetos que, se entrarem em vigor, levarão a um gasto extra anual de R$ 22 bilhões, que praticamente anula o corte proposto pelo governo Dilma Rousseff para tentar equilibrar o Orçamento em 2016, que é de R$ 26 bilhões.
    Sob a liderança dos presidentes da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), os congressistas abriram os cofres públicos principalmente para os funcionários públicos e os aposentados.
    Três dos projetos aprovados foram barrados pela caneta presidencial, mas poderão entrar em vigor na próxima terça-feira (22), quando o Congresso tem sessão marcada para analisar os vetos impostos por Dilma.
    O Palácio do Planalto e congressistas consideram grandes as chances de a presidente ser derrotada nessas votações, o que contribuiria para aumentar as desconfianças sobre sua capacidade de reequilibrar as contas públicas.
    Um dos grandes temores do Executivo é o projeto que dá reajuste salarial médio de 59,5% aos servidores do Judiciário nos próximos quatro anos. O impacto previsto pelo Planalto é de R$ 25,7 bilhões até 2018 e de R$ 10 bilhões por ano daí em diante.
    Os servidores fizeram protestos barulhentos no Congresso nos últimos meses e prometem voltar na terça. Para que um veto de Dilma seja derrubado é preciso o voto de, pelo menos, 257 dos 513 deputados e 41 dos 81 senadores.
    Os partidos que dão sustentação a Dilma no Congresso têm no papel número suficiente para evitar uma derrota, mas, na prática, sua fidelidade foi corroída pela baixíssima popularidade da presidente e pelas trombadas políticas dos últimos meses.
    Outros dois projetos da pauta bomba, vetados por Dilma, são o que estende a todos os aposentados a política de valorização do salário mínimo e o que cria uma alternativa ao chamado fator previdenciário, mecanismo que reduz o valor de aposentadorias precoces. A primeira medida, por si só, acarretaria um custo extra de R$ 135 bilhões até 2030, diz o Ministério da Previdência Social.
    O líder do governo no Senado, Delcídio do Amaral (PT-MS), disse que, se o Planalto achar que há risco de derrota, adotará a mesma estratégia usada há mais de cinco meses: tentar esvaziar a sessão para que falte quórum para deliberar no plenário.
    “A gente não pode fazer uma votação no Congresso se a gente não tiver a convicção do resultado com relação aos vetos”, disse Delcídio. “Hoje, uma derrubada de vetos seria muito ruim, geraria uma instabilidade política forte.”
    Segundo Delcídio, a manutenção dos vetos da presidente representaria uma grande vitória e abriria “uma avenidona aí pela frente para debater os projetos econômicos”.

    PATERNIDADE

    O debate sobre a paternidade da aprovação desses projetos em um momento de aperto orçamentário divide opiniões. Reservadamente, o Palácio do Planalto aponta o dedo para Cunha e Renan, responsáveis pela decisão de colocar os temas em votação.
    Os dois peemedebistas, porém, lembram que todos esses projetos foram aprovados com o apoio de ampla margem da base governista, incluindo o PT, e que o Planalto só se moveu de fato para tentar negociar quando o caldo já estava para entornar.
    Em praticamente todos os temas da chamada pauta bomba, a oposição votou pelo aumento de gastos –inclusive a bancada do PSDB, partido que criou o fator previdenciário, com o argumento de que a medida já havia cumprido seu ciclo histórico.
    Um dos deputados que atuou na linha de frente pela aprovação dos projetos pró-aposentados, Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP), acha que não há como negociar um meio-termo com o governo. “Antes da crise política e econômica, há uma crise de credibilidade. Esse governo não tem nenhuma”, disse o deputado.
    Ele afirma ter orientado as associações de aposentados a pressionar os senadores. Em sua avaliação, na Câmara já há votos suficientes para derrubar os vetos de Dilma.
    A recente retirada do selo de bom pagador do Brasil pela agência internacional de classificação de risco Standard & Poor’s também provocou embates entre o governo Dilma e o Congresso.
    A agência rebaixou a nota brasileira apontando como justificativa a situação frágil das contas públicas e a decisão do governo de mandar sua proposta de Orçamento para 2016 com deficit de R$ 30,5 bilhões. Em seu relatório, a Standard & Poor’s apontou a “dinâmica fluida no Congresso” como uma das fontes de risco para a política fiscal do governo Dilma.
    Além dos projetos da pauta bomba, o Congresso também reduziu a economia prevista no pacote de ajuste fiscal elaborado pelo governo Dilma no primeiro semestre.

  • Primeira Vez.

    Vejam como a Quadrilha comandada por Renan e Cunha, juntamente dom o PSDB, DEM e alguns do PMDB, querem contribuir com os cortes de despesas do Governo, para melhorar a situação econômica do Brasil, os cortes que eles querem é só para o governo

    COFRE ABERTO
    Câmara e Senado aprovaram em 2015 projetos que ajudam a piorar as contas públicas

    Beneficiados Projeto Impacto anual, em R$ Quem a aprovou

    APOSENTADOS Regra alternativa ao fato previdenciário, que desestimula as aposentadorias precoces. Dilma vetou, mas editou medida semelhante que trará economia nos primeiros anos 135 bilhões (gasto extra até 2030) Câmara e Senado
    APOSENTADOS Extensão da política de valorização do salário mínimo a todos os aposentados. Dilma vetou 9,2 bilhões Câmara e Senado

    DEPUTADOS E SENADORES Reajuste das verbas destinadas à contratação de assessores, auxílio-moradia e gastos com combustível, alimentação e passagens aéreas, entre outros 150 milhões Câmara
    DEPUTADOS E SENADORES Inclusão na Constituição da obrigatoriedade do pagamento das emendas que os parlamentares fazem ao Orçamento da União. Aos novos deputados, que só poderiam apresentar emendas para o Orçamento de 2016, foi permitido apresentar emendas já para o de 2015 2,5 bilhões

    Câmara
    FUNCIONALISMO Aumento salarial para defensores públicos da união 100 milhões Câmara
    FUNCIONALISMO Reajuste médio de 59,5% aos servidores do Judiciário nos próximos quatro anos. Dilma vetou 6,4 bilhões (média) Senado
    FUNCIONALISMO PEC 443, que eleva o salário de parte da cúpula do funcionalismo público* R$ 2,5 bilhões Câmara

    IMPOSTO DE RENDA Reajuste maior para a tabela do Imposto de Renda do que o proposto pelo governo 1 bilhão (em relação ao que o governo propunha) Câmara e Senado

    Assim não é país que aguente, os apertos , devem existir, mas para toda a categoria, principalmente para o governo e para os burgues, fascistas ,capitalistas e principalmente para a grande mídia golpista ( Globo, Abril Cultural, Folha, Estadão, Bandeirantes etc….).

  • Biba

    O moço (a) te sentadinho onde quería.

  • Thiago

    Olha o nível dos nossos governantes.

  • alegria

    ate que nao é de se joga fora o prefeito Roger Selski, gostei dele . ! ! !

  • Anônimo

    Já pensou o Pedro gogo nesta situação kkkkkkk protesta Callado ou fique Callado kkkk Pedrinho do camarote

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *