PROCURADORIA DIZ QUE TERRENO NO DISTRITO INDUSTRIAL PERTENCE A QUEM POSSUI A ESCRITURA

DSC00129

Chamada a dar opinião sobre o caso do terreno doado duas vezes, no Distrito Industrial, a Procuradoria Geral do Município já emitiu parecer. E ele diz que o terreno pertence à empresa Antônio de Almeida Munch ME, que possui a escritura do imóvel.

Como não poderia deixar de ser, os advogados da Prefeitura confirmaram que a escritura, devidamente registrada em Cartório, tem muito mais validade do que os termos de doação emitidos pela Secretaria de Planejamento.

Como o blog informou há alguns dias, o terreno foi doado à empresa em 2012, ainda no governo Parini. Em outubro de 2014, o ex-supersecretário Aldo Nunes de Sá dividiu em três o lote de 900m² e os doou a três outras empresas.

O dono do terreno só descobriu a novidade quando uma das empresas – uma fábrica de sorvetes – começou a construção de um prédio no local.

Na Câmara, o vereador Tiago Abra disse que essa não é a única herança ruim deixada pela passagem de Aldo na Secretaria de Planejamento. O vereador confirmou que já recebeu diversas reclamações e que o ex-secretário terá que responder por suas ações à frente da pasta.

Enquanto isso, os donos da fábrica de sorvete – pessoas simples e trabalhadoras, que já investiram cerca de R$ 30 mil na construção do prédio – esperam, preocupados, que os prejuízos sejam ressarcidos pelo município.  

26 comentários

  • pedrinho

    investimento de 30 mil no que ai não tem nada feito isso e uma piada de mal gosto

  • José Atônio

    Boa tarde Cardosinho.
    Fiquei sabendo que hoje uma nova empresa iniciou o serviço de coleta de lixo.
    Não vi vc falar nada sobre ela.
    Gostaria de saber onde é a garagem da empresa para entregar curriculum.
    Obrigado.

  • Rafael

    Isso é “intriga da oposição”. O Aldo foi escolhido para o cargo de “super secretário” pelas suas capacidades técnicas!

    Na verdade, a ideia dele foi boa e ele só queria é fazer alguém carpir o lote (Para o bem do município!!). rsrs…

  • invisível

    Quem compraria uma bateria de veículo do Aldo?

  • Anônimo

    Parabéns aldo e Nice vcs me representam! Jales tem o que merece

  • Palmeirense

    Meu Deus…
    Em 3 meses, já teve recape asfáltico em frente a casa do prefeito.
    Teve também capinagem dos matos nas sargetas, no quarteirão da casa do prefeito, por 2 vezes…
    E aqui no Jardim Pires de Andrade, é mato, buracos, água parada….
    ….
    Jales!!!

  • FALA PRO DONO DA FABRICA DE SORVETE QUE O SUPER TEM CAVALO DE RAÇA QUE PASTA LA NA FACIPE SO TOMAR DELE PRA RESSARCIR PREJUIZO .OU ENTAO VENDER A SUPER CAMIONETE DELE QUE PAGA UM POUCO .

  • Ilda Luiza

    Impressionante como uma pessoa pode confiar um cargo importante a um Indivíduo com o Aldo, pois sei que onde ele coloca a mão só pode dar sujeira, a prova tai agora, mas eu sei disso mais ou menos há uns 25 anos ! Nunca confiei nele ! É uma pena que tudo tem que acontecer para mostrar a falta de caráter !

  • Romeu e Julieta

    Aqui em jales tem AUTO ELETRICO possa fazer a troca de bateria e instalação de som meu carro

  • Piada

    Dono da fabrica de sorvete procure a justiça e faça que SuperSecretario burro-Aldo e a Ungida Nice a pagar prejuízo dono da fabrica de sorvete teve

  • Anônimo

    Difícil e ser Deputado Federal e assessor de deputado Federal que nem o Pedrinho e o Fausto!

  • Prof Zico

    Neste caso só cadeia.

  • Questionadora

    Pessoa simples que aceita doação de terreno? Meu pai sempre me ensinou a duvidar do que é de graça. Nada é de graça nessa vida. Desconfie de “bondades”. Não sei se essas pessoas são tão simples e coitadinhas assim, tenho minhas dúvidas.

    • Quer dizer que as pessoas simples e trabalhadoras não podem receber a doação de um terreno em um distrito industrial cuja finalidade é doar terrenos para incentivar a criação de empregos e geração de renda? Guardemos, então, os terrenos para entrega-los aos especuladores.

  • galinha de ouro

    Para nao discutir se o ex secretario tem ou nao competencia, acredito que ele revendeu essa area por falta de informaçao ou arquivo da escritura.
    O Parini deve ter assinado e os assessores nao pegaram a copia.
    Parece que nao tem R$ 30 mil investido no local mas como a prefeitura era a galinha de ouro, todos exageram.
    Mas tudo se negocia

  • Fumo goiano

    Um breve roteiro desta tragédia:
    Como não havia reuniões do conselho do PRODIJAL, bem provavelmente o mega super secretário tomou a decisão por conta própria e “mandou” fazer o documento de posse para os “novos proprietários” dos terrenos, passando por cima de tudo e de todos, até porque, o ilustre super secretário achava-se acima do bem e do mal e tudo podia.
    Muito provavelmente, o iluminado secretário contou com o aval da excelente ex-prefeita e tudo foi resolvido, “atropelando” todas as regras e etapas necessárias, como por exemplo, dar busca no cartório de registro de imóveis e pedir uma certidão do terreno para saber em nome de quem o mesmo se encontrava.
    Agora o desfecho é um só: Transfiram o problema para a esfera judicial, apurando as responsabilidades e quem assinou os documentos de doação que pague pelo erro.
    O cidadão não tem camioneta, chácara, cavalo de raça etc. Que se penhorem seus bens para pagar os prejuízos causados aos empresários que na boa fé, foram enganados.

  • anonimo

    Nada que o Dr. Pedro GoGó não possa resolver, não é Cardosinho?

  • ANOMIMO

    eu tambem tenho terreno no distrito 3 e ja está construido,eu só gostaria de saber como foi que esse proprietario conseguiu fazer escritura só do terreno,sendo que,quando doado a prefeitura deixa bem claro que só será liberado a escritura após a construção.

  • Justiceiro

    Quem fez a cacada deve ser responsabilizado. Isso não pode ficar assim. A prefeitura deve tomar as medidas judiciais cabíveis.

  • galinha de ouro

    Se o Parini assinou a escritura pois nao deveria assinar porque nao existe construçao, ele devera’ ser o responsavel.
    Por isso, sumiram com a copia da escritura logo, pela 2a. vez, quem deu o terreno para outro, nao e’ culpado pois nao sabia

  • Anônimo

    Nossa!! Esse assunto está ficando interessante. O primeiro a receber a doação do terreno tem uma escritura de um terreno vazio e abandonado a 3 anos, quando a escritura só poderia ser concedida depois de ser construído no local? Então em que se baseou a procuradoria geral do município para emitir esse parecer? Seria uma pressa assoberbada para responsabilizar o super secretário? E falou muito bem o blogueiro, a finalidade das doações de terrenos nos distritos é incentivar a criação de empregos e a geração de renda. Mas que emprego e renda se gera num terreno abandonado? Parece que o segundo contemplado está mais afinado com o que é mais correto.

  • Eu acho que essa pessoa foi vítima de má fé,porém foi mto ingênua, ou tbém tava querendo tirar alguma vantagem, onde se viu confiar em político,eu não confiaria nem no meu pai se ele fosse político no brasil, primeiro a escritura,lavrada em cartório e registrada, com compromisso firmado em cartório qto ao prazo de construção. Política no Brasil é pé de meia pra malandro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *