REFORMA DA PREVIDÊNCIA É “DESCABIDA, BRUTAL E INJUSTA”, DIZ ESPECIALISTA

protesto-contra-a-reforma-da-previdencia

A Globo, o FMI, os banqueiros, o Temer e o Alexandre Garcia são defensores da reforma da Previdência. Eis aí um bom motivo para desconfiarmos de que ela não é boa para o povo.  Deu no Jornal do Brasil:

Mesmo com a aproximação da votação do projeto de reforma da Previdência Social no Congresso, ainda há incertezas se as propostas defendidas realmente são essenciais para a salvação da economia do país, ou mesmo justa para a maior parte da população.

Apesar de o governo afirmar que as mudanças nas regras são essenciais, especialistas questionam os argumentos. “Essa proposta é descabida, brutal e injusta. Não só porque o governo vai levar a população a um empobrecimento brutal, mas uma parte enorme dos brasileiros vai ficar excluída”, afirmou a professora de Economia da UFRJ Denise Gentil.

Autora da tese de doutorado “A falsa crise da Seguridade Social no Brasil: uma análise financeira do período 1990-2005”, Denise afirma que 79% dos aposentados por idade em 2015 não conseguiram contribuir por 25 anos. Dessa forma, eles estariam fora das novas regras e não conseguiriam se aposentar caso elas já estivessem em vigência.

A notícia do Jornal do Brasil é extensa e pode ler lida, na íntegra, aqui

2 comentários

  • Eles roubam e nós pagamos

    Não precisa ser um especialista para saber que a reforma da previdencia é “brutal, descabida e injusta” mas é um remedio amargo que não tomaríamos se os governos anteriores tivessem coragem de cortar os gastos da previdencia
    Os governos do PT (13 anos, no comando) e o PMDB (quase 1 ano, no comando) comandaram por 14 anos, este país, e se preocuparam em roubar o país para encher os seus bolsos.
    Agora, vamos trabalhar mais para pagar o rombo da previdencia e pagar mais pelo preço do combustivel pelo rombo da Petrobras.
    Terrivel é ver alguns ladrões dizendo que vai ser candidato a presidente.
    Somos trouxas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *