REVISTA VEJA DIZ QUE ‘MINEIRINHO’ RECEBEU PROPINA DA ODEBRECHT EM NEW YORK

images-cms-image-000539766

Parece que o candidato preferido dos coxinhas e do PIG já não é mais tão preferido assim. A Veja – a bíblia do coxinismo – está jogando Aécio na cova dos leões. A notícia é do Brasil 247:

A revista Veja deste fim de semana acaba de decretar a morte (política) do senador Aécio Neves (PSDB-MG) e pôr fim de vez aos seus planos – se é que ainda eram possíveis – de se candidatar à presidência da República em 2018.

Se não bastassem as propinas em Furnas, na Cidade Administrativa (MG) e até o caixa dois em Cingapura, surge uma nova bomba: o ex-­presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Junior, delator da Lava Jato, afirmou que a empresa depositou propina para o senador numa conta em Nova York operada por sua irmã, Andrea Neves, segundo reportagem da revista.

O texto diz que situação de Aécio “é um pouco pior” do que a dos outros caciques tucanos que poderiam concorrer à presidência, José Serra e Geraldo Alckmin, e que “pode se complicar ainda mais”. “BJ era amigo de Aécio e frequentemente era visto jantando com o senador no Rio”, diz a Veja.

“De acordo com BJ, os valores foram pagos como ‘contrapartida’ — essa é a expressão usada na delação — ao atendimento de interesses da construtora em empreendimentos como a obra da Cidade Administrativa do governo mineiro, realizada entre 2007 e 2010, e a construção da usina hidrelétrica de Santo Antônio, no Estado de Rondônia, de cujo consórcio participa a Cemig, a estatal mineira de energia elétrica”, diz trecho da matéria.

“A denúncia de BJ é grave e atinge em cheio a imagem de um político que, até outro dia, firmava-se como a principal liderança da oposição ao governo do PT e, com o impeachment de Dilma, tornou-se figura expressiva, embora atuando nos bastidores, no governo de Michel Temer. Por meio de sua assessoria, Aécio Neves classificou a acusação de ‘falsa e absurda'”, diz ainda a publicação.

Aécio seria o político que recebeu uma das mais altas somas da empreiteira, R$ 70 milhões, considerando-se pagamentos de 2003 até hoje, de acordo com o conteúdo das delações, informa o texto.

11 comentários

  • Revoltado

    Kkkkkkkkkkkkk ,saiu na Veja a revista que mais defende os coxinhas, e aí seus coxinhas é verdade ou mentira está reportagem sobre o Aecio Neves? É lógico que os coxinhas vão dizer que é invenção da veja e coisas do PT Kkkkkkkkkkkkk chora não queridos, é só o começo agora vocês vão provar do próprio veneno.

  • Petistas e o medo de Aécio!

    O Revoltado tem razão pois, na visão dos petistas, a Veja é a maior revista coxinha que os defende
    Pois estão! quando a revista fala mal de Dilma e Lula, ela é golpista, coxinha, reacionaria, etc
    Quando fala mal dos coxinhas aliás só de Aécio e Serra, o blog vibra e publica a noticia dizendo que acabou a carreira deles. De novo!
    Lula é reu de 5 processos e acusado de receber propinas pois os petistas juram que ele é honesto e candidato a presidente.
    Aécio não é reu de nenhum processo e os petistas juram que acabou com a candidatura dele.
    O fanatismo leva a incoerencia
    Os petistas gostam de defender bandidos

  • Aécio chama Veja de covarde e diz que revista persegue homens honestos como ele; SAIBA!
    Apontado pelo ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, como aquele que seria “o primeiro a ser comido”, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) se deu conta, neste fim de semana, de que é a bola da vez.
    O presidente nacional do PSDB foi capa da revista Veja, acusado receber propinas da Odebrecht numa conta no exterior.
    Para tentar rebater as acusações, Aécio chamou a revista de covarde e disse ter a “indignação dos homens de bem”.
    No entanto, dos 83 pedidos de inquéritos da “lista de Janot”, nada menos que seis referem-se a ele.
    Aécio é acusado pela Odebrecht de receber propinas na Cidade Administrativa de Minas Gerais e em obras de usinas hidr

  • ANDRÉA, A MÃO FORTE DE AÉCIO, DEIXA DE SER INVISÍVEL.

    Mais do que indícios, há testemunhos e até documentos que apontam Andréa Neves como operadora ou eminência parda do senador e ex-governador de Minas Gerais Aécio Neves.
    Já no primeiro governo de Aécio, entre 2003 e 2007, era Andréa quem decidia onde e quanto gastar das verbas de publicidade estatal.
    Formalmente, a função dela era cuidar da obra social, mas o empresário Marco Aurélio Carone conta que, logo no início da gestão de Aécio, Andréa o procurou para negociar a compra do título do jornal Diário de Minas, o mais antigo do Estado.
    Foi, segundo ele, um tipo de retribuição pelos serviços prestados durante a campanha, em que Carone foi candidato a governador pelo pequeno PSDC e atuou como muro de contenção de Aécio, para protegê-lo dos ataques de Newton Cardoso.
    Andréa negociou a compra, mas a fatura foi paga, segundo Carone, com cheques do sindicato da construção civil do Estado e por fornecedores da CEMIG, a empresa de energia de Minas Gerais.
    Carone vendeu o jornal, mas continuou na mídia. Com o dinheiro da venda, manteve o Novo Jornal, um site de notícias que se transformou, sob a batuta do experiente e premiado jornalista Geraldo Elísio, no único veículo de comunicação independente do Estado.

    Independência que vai custar a Carone nove meses de prisão e a Geraldo Elísio, a humilhação de ter a casa vasculhada por policiais civis.
    O diretor de jornalismo da Globo, Marco Nascimento, em entrevista para o documentário “Liberdade, essa palavra”, de Marcelo Baêta, revelou que perdeu o cargo logo no início do governo de Aécio, depois que Andréa pediu sua cabeça à direção da emissora.
    Segundo ele, Andréa estava descontente com uma reportagem que mostrava o flagrante do consumo de crack perto de uma delegacia de polícia.
    “Andréa me disse: Marco, esta matéria veio num momento ruim para o governo do Estado”, disse, na entrevista para o documentário.
    “A partir do momento em que eu tenho o flagrante, se vai ser bom para o governo ou não, eu não tenho nada com isso”, acrescentou Marco Nascimento.
    O jornalista lembrou que obrigação jornalística era ouvir o governo do Estado, e isso foi feito, mas o que Andrea queria era evitar a veiculação de reportagens como aquele do consumo de drogas no Estado.
    Outros quatro jornalistas de Minas Gerais, de outros veículos de comunicação, também perderam o emprego nos primeiros meses do governo de Aécio, por publicações interpretadas como negativas para ele.
    Andréa é citada como a mão forte por trás das demissões.
    A blindagem de Aécio feita a partir da pressão exercida por Andréa ultrapassou as fronteiras de Minas.
    Em 2007, a Polícia Federal esteve no apartamento de um casal de doleiros no Rio de Janeiro e apreendeu documentos de contas abertas no exterior, entre os quais uma fundação em nome da mãe e da irmã de Aécio.
    A conta não estava declarada no Brasil, mas o Ministério Público Federal inocentou a família Neves, com uma interpretação elástica da lei, a de que transferências inferiores a 100 mil dólares não precisavam ser declaradas ao Banco Central
    A notícia da existência de uma conta em nome de uma fundação da mãe e da irmã de Aécio no principado de Liechtenstein – com Aécio sendo o beneficiário — só veio à torna muitos anos depois, no calor da disputa entre o PSDB e PT.
    Na Operação Lava Jato, Andréa foi citada no depoimento de delação do doleiro Alberto Yousseff, em outubro de 2014.
    O doleiro Alberto Youssef afirmou que o esquema de Aécio ficou com 4 milhões referentes à propina paga pela construtora Camargo Correa como contrapartida a um contrato para construção de barragem.
    Questionado sobre quem do PSDB teria ficado com o dinheiro, Alberto Youssef afirmou: “Que diz ter tomado conhecimento, entretanto, de que quem teria influência junto à diretoria de Furnas seria o então deputado federal Aécio Neves, o qual receberia recursos por meio da irmã.”
    O Ministério Público Federal tomou novo depoimento de Youssef quatro meses depois.
    Na ocasião, Youssef confirmou que ouviu tanto de seu cliente na época, o deputado José Janene, quanto de um dos pagadores de propina, Airton Daré, dono da empresa Bauruense, que a irmã de Aécio recolhia parte do dinheiro desviado de Furnas – ele cita valores: entre 100 mil e 120 mil dólares por mês, o equivalente hoje a R$ 455 mil.
    Andréa nem sequer foi chamada para depor, embora, no segundo depoimento, Youssef tenha sugerido um caminho para investigar o esquema do PSDB em Furnas: ouvir a diretoria administrativa da Bauruense, que cuidava dos contratos com Furnas.
    Isso não foi feito, e agora o nome de Andréa aparece novamente, em outra delação, a do ex-diretor da Odebrecht, como um painel de neon piscando no alto do Pão de Açúcar.
    O que vai acontecer?
    Se considerado o retrospecto, não se deve esperar nada do Ministério Público ou mesmo do Judiciário.
    Já no campo político, a consequência é evidente: com Andréa na arena, apagam-se as luzes de Aécio e se ilumina o caminho de João Dória.
    UMA PERGUNTA AGORA FICA NO AR:–COMO FICA AÉCIO CHEIRA CHEIRA ?

  • PETISTA E O MEDO DO AÉCIO— gostaria só de lhe informar que és um analfabeto, pois;–

    **não é pois estão o correto é pois então ( isso mé burrice ).
    **não é incoerencia o correto é incoerência ( isso é burrice )
    **não é reacionaria o correto é reacionária ( isso é burrice ).

    Os petistas não gostam de defenderem os corruptos, mas de defender os analfabetos que não conhecem a língua brasileira seu asno. Meu caro achoe eu que esta doido para sentir a mortadela de Lula. Então sai do armário.

  • Visivelmente transtornado, Aécio Neves xinga a Veja ao ser denunciado em polpudo esquema internacional de corrupção!
    Aécio, visivelmente transtornado, xinga a Veja de falsa e tenta se passar por vítima de mais um complô para tentar manchar sua ‘honestíssima reputação’, coisa que hoje no Brasil só ele mesmo acredita
    O senador Aécio Neves (PSDB) foi denunciado mais uma vez de cometer ilícitos em sua já comprometidíssima vida pregressa. A novidade é que agora quem o denúncia é nada mais nada menos que a revista Veja, do Grupo Abril, um de seus mais fortes aliados no projeto fraudulento e corrupto que afastou Dilma Rousseff (PT) da presidência da república e entregou o poder de bandeja para o sem-votos e golpista Michel Temer (PMDB).
    Diz a Veja em matéria de capa (A vez de Aécio) desta semana que o ‘mineirinho’ ‘tarja preta’ foi favorecido por propinas da Odebrecht no valor de R$ 70 milhões. Transações teriam sido feitas com ajuda do ex-­presidente da Odebrecht Infraestrutura, Benedicto Junior, delator da Lava Jato, que afirmou, segundo a revista, que a empresa depositou a dinheirama para o senador numa conta em Nova York operada por sua irmã, Andréa Neves.
    VIVA O PÓ BRANCO.

  • Petistas e o medo de Aécio!

    REVOLTADO
    Voces, petralhas, defendem o Lula que é analfabeto e corrupto que não conhece a lingua portuguesa. Como voce votou nele?
    Pega a mortadela do seu ídolo e enfia no seu c……………………

  • PETISTA E O MEDO DE AÉCIO Lula pelo menos estudos até o primário e você nem o MOBRAL, pois és um burro que não conhece a linguá portuguesa.
    Vou pegar a Mortadela e enfiar no c…….de sua mãe, pois sei que a mesma adora e já esta acostumada.
    kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, quem sabe o papai não aproveita também. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • O sincero

    Revista veja:

    “Cachaceirinho de 9 dedos passava a mão na bunda do povo brasileiro… e ainda tem gente que quer mais”

  • O SINCERO o Cachaceiro passava a mão com nove dedos na bunda da genitora e lá deve ter ficado o décimo. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *