TRF-4 MANDA PARA SÃO PAULO AÇÃO DA LAVA JATO DE CURITIBA CONTRA WALTER FARIA E COMPROVA QUE PERSEGUIU LULA

A notícia é do Brasil 247:

Por unanimidade, a 8ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) reconheceu a incompetência da 13ª Vara Federal de Curitiba (PR) para julgar a ação penal em que 20 executivos do Grupo Petrópolis, incluindo o proprietário Walter Faria, respondem a acusações de lavagem de dinheiro.

O colegiado considerou que não há conexão entre os fatos narrados na ação e a Operação Lava Jato. Assim, o processo será encaminhado para a Justiça Federal de São Paulo, competente para analisar o caso.

Na ação penal do Grupo Petrópolis, o Ministério Público Federal do Paraná acusou os réus de lavagem de dinheiro para o Grupo Odebrecht, pagamentos ilegais de dinheiro desviado da Petrobras, além de pagamentos disfarçados de doações eleitorais que, segundo os procuradores, foram feitas pelo Grupo Petrópolis, por interesse da Odebrecht.

A decisão do TRF-4 reforça o argumento da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva de perseguição política da Lava Jato na ação em que Lula foi condenado no caso do triplex do Guarujá. 

Os advogados Valeska Martins e Cristiano Zanin explicam em vídeo o que levou o processo relacionado à propriedade de um apartamento triplex no Guarujá, no litoral do Estado de São Paulo, a ir parar na 13ª Vara Federal de Curitiba, capital do Paraná, onde trabalhava o juiz de primeira instância Sérgio Moro.

O apartamento fica no Guarujá, a verdadeira proprietária, a empresa OAS, tem sede na Bahia, e aquele que acusam de ser o “proprietário de fato” (figura inexistente no Direito brasileiro) reside em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo.

Os procuradores alegaram que o processo deveria ir para Curitiba porque tinha relação com contratos assinados pela OAS com a Petrobras, mas o próprio Moro admitiu posteriormente que nunca “afirmou que os valores obtidos pela Construtora OAS nos contratos com a Petrobras foram usados para pagamento da vantagem indevida para o ex-Presidente.”

Todas as outras pessoas investigadas na questão do triplex foram julgadas (e inocentadas) em São Paulo, menos Lula.

2 comentários

  • Mais um bilionário íntimo de Lula flagrado pela Lava Jato. Inocente, é claro

    Walter Faria, foi denunciado por 12 crimes de lavagem. Virou réu da Lava Jato por esquema de 642 atos de lavagem de dinheiro. O esquema envolveu R$1,1 bilhão.
    Empresário estava preso desde agosto/19, quando se entregou à Polícia Federal do Paraná, para cumprir ordem de prisão preventiva.
    Em dezembro saiu depois de pagar uma fiança de R$ 40 milhões. Deu lucro! O sobrinho de Walter Faria diz que grupo Petrópolis serviu de ‘banco’ à Odebrecht mediante pagamentos no exterior. Ele disse que controlava o departamento de propinas da empreiteira a diversos políticos e partidos, sobretudo… tchan tchan tchan tchan… o PT! Que novidade, não?
    Dezenas de contas clandestinas no exterior. Dezenas de empresas offshore não declaradas. Bilhões de reais usados de forma criminosa. Eis mais um dos operadores da cleptocracia do lulopetismo.

  • Bolsonaro, Lula, políticos do PT e Centrão unidos contra a Lava Jato

    Depois que Bolsonaro mandou embora o Moro. Bolsonaro se uniu ao Lula com o seu PT e mais o Centrão que tem imensas quadrilhas de criminosas processados pela Lava Jato. Uns presos e outros soltos. Tem muita gente a prender.
    Bolso tem amigos e sua família toda envolvida em investigação de corrupção. Ele também tem medo da LV. Por isso, colocou o Procurador Geral Aras para acabar com a LV. Está conseguindo!
    A união de Lula e Bolsonaro, tem um nome. Sergio Moro é pré candidato a eleição a presidente. Lula e o PT querem eliminar as condenações de Lula. Impostas por Moro! Inclusive do Faria.
    O caso de Walter Faria faz parte desse processo de descriminalização de Lula. Já que Walter fazia o roteiro das propinas de Odebrecht, no exterior. É um bilionário a serviço do propinoduto.
    Pela grana que ele ganhou. Até eu “faria”. Não é Walter!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *