VOTUPORANGA APROVA LEI QUE PERMITE CRIAÇÃO DE ATÉ TRÊS GALINHAS EM CADA IMÓVEL URBANO

Eis aí uma boa ideia para os nossos vereadores que andam ansiosos por criar leis que irão mudar a nossa vida. E reparem no nome do biólogo que se disse favorável à criação de galinhas na área urbana. Ele poderia ser contra? A notícia é do Diário da Região:

cidades_GalinhaUma polêmica envolvendo galinhas tem movimentado a “Cidade das Brisas Suaves”. É que a Câmara de Vereadores de Votuporanga aprovou por unanimidade, na última semana, projeto que permite a criação de até três galinhas por imóvel urbano. O objetivo é ajudar a combater o aparecimento de escorpiões e outras pragas nos quintais da cidade.

O projeto é de autoria do próprio prefeito, João Dado. Com a aprovação, moradores como Edson Oliveira, 52 anos, podem ficar tranquilos com os bichos que criam no quintal. “Eu tenho galinha em casa desde que nasci”, disse o pedreiro, que sempre soube da ausência de leis que permitiam a criação dos animais na área urbana, mas mesmo assim criou os bichos.

“Sei que era errado, mas sempre tratei e cuidei e nunca passou doença para ninguém, pelo contrário, elas deixam o quintal limpo”, explicou Edson, que atualmente possui dois galizés e uma galinha. “Além de ajudar na limpeza, eu sou apaixonado pelo cantar dos galos. Eu amo eles”, disse.

No entanto, a permissão para a criação dos bichos possui algumas regras. De acordo com o projeto, cada residência poderá ter até três exemplares de galinha caipira, galinha de granja ou galinha-d’angola, além de até cinco pintinhos com no máximo 40 dias de vida. Outra ressalva que faz o texto é que os animais também não poderão ser criados dentro das residências ou em galinheiros, mas soltos nos quintais.

Desde que foi aprovada, a lei repercutiu em toda a cidade e região. Diversos moradores contrários e a favor à lei se pronunciaram nas redes sociais e comentaram sobre o assunto. O biólogo Felipe Ferrari Gallo se mostrou a favor. “A única coisa que consegue deixar um quintal limpo, melhor que qualquer veneno, é a galinha”, argumentou Felipe, que disse que ações como essa são importantes especialmente para eliminar escorpiões.

“Uma picada de escorpião não me mata, mas mata uma criança de 3 anos, então pode ajudar a fazer a diferença.” O principal motivo para os que ficaram contra, segundo Felipe, é a questão das fezes. “Cheguei a ler comentário dizendo que a cidade ficaria suja e cheia de fezes de galinha, mas é só cuidar e rastelar os restos. Não vejo mal algum”, disse.

Em nota, a Prefeitura Municipal de Votuporanga informou que o projeto tem como objetivo permitir um controle efetivo sobre o número de galinhas mantidas em quintais e não estimular a criação das aves, restringindo, portanto, a prática a até três galinhas e reforçou que a lei determina que os quintais sejam mantidos em condições adequadas de limpeza. Ainda de acordo com a Prefeitura, um estudo técnico mais detalhado foi solicitado por técnicos da Secretaria de Saúde do Estado e já está em andamento, podendo trazer alterações na lei.

2 comentários

  • Meus vizinhos criam muito mais do que três,nada contra,o problema é quando elas sobrevoam o muro e acaba com o meu canteiro de cebolinha e salsinha.As galináceas adoram cheiro verde.

  • Green

    Que retrocesso em votoporanga!!! Isso pq vcs ficam zoando em Jales, toma!!! Tinha que proibir em área urbana. Frango é no sítio, zona rural.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *