Arquivos mensais: novembro 2018

JORNAL DE JALES: PREFEITO FLÁ PRANDI TERÁ A FACA E O QUEIJO NAS MÃOS NO PRÓXIMO GOVERNO

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cujo principal destaque é a participação do engenheiro físico jalesense Fernando Henrique de Sá na equipe do Sirius, maior projeto científico do país. A matéria lembra que o Sirius foi inaugurado na quarta-feira, 14, pelo presidente Michel Temer, e diz que durante a solenidade foram, pela primeira vez, acelerados elétrons na maior e mais complexa instalação científica já construída no Brasil. Em 2016, quando concedeu entrevista ao JJ, o engenheiro destacou a importância do projeto que coloca o Brasil entre os maiores produtores de tecnologia, assumindo a liderança mundial quando se trata de luz síncroton.

Destaque, também, para a deputada estadual Analice Fernandes(PSDB), que, em entrevista ao jornal, garantiu que vai manter o escritório político que funciona em Jales há vários anos, onde ela atende lideranças locais e regionais. A deputada falou sobre sua votação em Jales, que caiu bastante nas eleições de outubro passado. Na opinião dela, que foi a mais votada em Jales em várias eleições, essa eleição de 2018 foi diferente porque os eleitores preferiram votar “no novo pelo novo”, ou seja, preferiram dar seus votos em pessoas que nunca participaram da política como candidatos. “Agora vamos ver como essa renovação vai funcionar na Assembleia”, disse Analice.

O encontro que discutiu os riscos climáticos para a produção de uva em Jales e região; as eleições da subseção da OAB de Jales, que terão duas chapas concorrendo; os quarenta anos de ministério pastoral do pastor Elias Fernandes de Matos, da 1ª Igreja Batista de Jales; a volta para casa da médica cubana Dania Cabrera, de São Francisco, por conta do imbróglio Bolsonaro x Cuba; o falecimento do jalesense Yuji Uchyama, juiz aposentado, que foi sepultado em Bauru; e o vestibular da Unijales, marcado para o próximo sábado, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior comenta que o prefeito Flávio Prandi(DEM) não terá dificuldades em chegar perto de quem terá poder de mando no próximo governo estadual. Segundo o colunista, a partir do dia 02 de janeiro, quando o novo governo assume, o prefeito estará com a faca e o queijo na mão. Um dos motivos para o otimismo de Deonel é o fato de o vice-governador Rodrigo Garcia – homem forte do futuro governo – ser o padrinho político de Flá, tendo levado nosso atual prefeito para funções relevantes em todas as secretarias que ocupou no governo Alckmin.

SIMONE – “MEDO DE AMAR No. DOIS”

O prezado leitor e a estimada leitora devem ter visto, mais embaixo, a notícia sobre a deputada que pretende proibir que se fale sobre masturbação. Suponho que “Ex-amor”, do Martinho da Vila, não mais poderá ser tocada nas escolas. Falemos, então, do erotismo na Música Popular Brasileira, antes que, nesses tempos sombrios que se avizinham, o assunto seja igualmente proibido.

Acho que a Simone é uma das cantoras que mais canta o erotismo. Na versão original de “Medo de Amar nº 2”, composição da Sueli Costa, Simone começa com gemidos e sussurros para depois cantar coisas como “Você me deixa surda e cega/Você me desgoverna/Quando me pega/Assim nos flancos e nas pernas/E me morde na boca/E me lambe na nuca…”.

A boca e a nuca, por sinal, são temas de outra música da Sueli Costa – “Porque Te Amo” – com letra igualmente sensual e cantada pela mesma Simone: “Andarei no teu corpo/Por cima do teu corpo/Dentro do teu corpo…/Andarei na tua boca desvairada/Andarei na tua nuca perfumada…”, e por aí vai.

Ana Carolina, em “Cantinho”, canta um verso que não ouso reproduzir. Assim como não acho necessário reproduzir os versos de “Pra Fuder”, que a Elza Soares gravou aos 78 anos de idade. Gonzaguinha, em “Avassaladora”, fala de uma mulher que “Senta no seu colo/Lambe o pescoço/ Morde a orelha/Enfia a língua…./Ela é louca, muito louca/E ele adora sua mão/Apertando o que deseja….”.

Roberto Carlos, antes do TOC e da religião, cantou coisas que iam além daquele amasso no portão, como em “Cavalgada”, onde ele dizia “Vou cavalgar por toda a noite/Por uma estrada colorida/Usar meus beijos como açoite/E a minha mão mais atrevida…”. Em “Seu Corpo”, o Rei dizia que só se encontrava quando se perdia no corpo da amada, onde se deixava ser levado “Por um caminho encantado/Que a natureza me ensina”.

Erasmo, o parceiro preferido do Roberto, também já foi bem safadinho. Em “Kamasutra”, ele perguntava: “Frontal, de pé, por trás ou de lado…/Coqueirinho ajoelhado/Trapézio ou carrinho de mão/Gangorra de cabeça pra baixo/
Em que posição?”. Já a Vanessa da Mata, em “Ilegais”, não tem muita dúvida e pede, quase implorando, “Eu quero você dentro de mim/Eu quero você em cima de mim…”.

O erotismo está presente, também, em músicas como “Deixa Eu Te Amar” (Agepê), “Paixão” (Kleiton e Kledyr) e “Amanhã é Sábado” (Roberta Sá). Ou em “O Meu Amor”, do Chico Buarque, onde a personagem da música diz que “O meu amor tem um jeito manso que é só seu/De me fazer rodeios, de me beijar os seios/Me beijar o ventre e me deixar em brasa…”.

Por fim, temos a titia Rita Lee que – ela não esconde de ninguém – compôs “Mania de Você” depois de uma boa transa com o maridão, o Roberto Carvalho. Na obra de Rita Lee, o erotismo está presente em outras canções, como “Amor e Sexo”, “Flagra” e “Lança Perfume”, na qual ela pede: “Me faz de gato e sapato/Me deixa de quatro no ato/Me enche de amor…”.

Fiquemos agora com o vídeo em que a Simone, diferentemente da versão original, canta “Medo de Amar nº 2” sem os gemidos, sussurros e suspiros iniciais. Em Tempo: a música se chama “Medo de Amar nº 2” porque a número um é do Vinícius. E a Adriana Calcanhoto compôs a “Medo de Amar nº 3”.

 

NOVO PLANO DIRETOR PODE INVIABILIZAR INVESTIMENTOS EM JALES E ATRAVANCAR CRESCIMENTO

Enquanto a cidade dorme distraída e feliz – depois ajudar a eleger, com 77,48% de seus votos válidos, o capitão Bozonaro – nossa Prefeitura Municipal tenta aprovar, na Câmara, um novo Plano Diretor que, após duas ou três audiências públicas, já está sendo discutido por nossos diligentes vereadores e pode ser votado numa das próximas sessões.

E, se for aprovado como está, poderá atravancar a cidade ao inviabilizar novos loteamentos. Na terça-feira, 13, por exemplo, representantes de quatro loteamentos – Residencial Aurora, Vila Nobre, Monte Líbano 2 e Loteamento Fazenda Ponte Pensa – estiveram na Prefeitura para uma reunião com o prefeito, visando discutir as novas regras que estão sendo propostas no projeto do Plano Diretor.

Juntos, os quatro loteamentos planejam comercializar 1.864 lotes populares, ou seja, lotes menores e com preços mais baixos. O novo Plano Diretor prevê, porém, que a testada mínima de um lote passará de seis para oito metros, enquanto a largura mínima das ruas passará de 12 para – um exagero! – 17 metros.

Somente esses dois pontos já farão diminuir o número de lotes de cada loteamento e, evidentemente, aumentar o valor de cada terreno, dificultando as coisas para as pessoas de menor poder aquisitivo, que são o público alvo dos quatro loteamentos. Existem, ainda, outros pontos que estão sendo criticados.

O imposto progressivo é um deles. O objetivo do imposto progressivo – impedir a especulação imobiliária – é justo, mas esse tipo de tributo deveria se restringir ao quadrilátero central, onde ainda existem lotes sem construção, esperando valorização maior. Cobrar o imposto progressivo de assalariados que compram um lote em 60 parcelas, afastado do centro da cidade, é penalizar os mais pobres.

Voltando à reunião de terça-feira, o prefeito, por algum bom motivo, não participou do encontro. Igualmente ausente o secretário de Planejamento, Niltinho Suetugo, principal mentor do projeto. A Prefeitura esteve representada pelo procurador geral Pedro Callado e pelos chefes de gabinete, Manoel Andreo de Aro e Wellington Assunção.

Até onde se sabe, os representantes dos loteamentos deixaram claro aos interlocutores do prefeito que, em prevalecendo as regras previstas no novo Plano Diretor, estarão inviabilizados os investimentos de cerca de R$ 20 milhões que eles pretendem fazer em Jales. Chamado às pressas para a reunião, o vereador Deley(PPS), líder do prefeito, criticou o projeto e prometeu fazer emendas.

Antes dele, na sessão da Câmara de segunda-feira, 12, o vereador Macetão(PP), também criticou, em discurso, o novo Plano Diretor que está sendo proposto. Macetão, prenhe de razão, foi ao cerne da questão, afirmando que o projeto, como está, vai espantar os investidores – como já está espantando – e dificultar aos mais pobres a realização do sonho da casa própria.

Voltaremos ao assunto.

PRIMEIROS 196 “ESCRAVOS” JÁ RETORNARAM A CUBA

Os primeiros 196 médicos cubanos chegaram na madrugada de quinta-feira (15) a Cuba depois que o Ministério da Saúde Pública daquele país tomou a decisão de não continuar participando do programa Mais Médicos no Brasil por causa de referências “depreciativas e ameaçadoras” feitas pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL).

O médico José Angel Véliz afirmou que concorda com a decisão do governo de Cuba e que Bolsonaro é um “lacaio do império”.

“Nós ratificamos a decisão do nosso governo de não seguir participando do programa Mais Médicos no Brasil devido às manifestações servis desse lacaio do império, o novo presidente eleito do Brasil, que não tem preparação para ser presidente daquele grande país”, criticou o Dr. Véliz ao chegar a Cuba.

A Dra. Leidis Caballero, outra que integrou o voo de retorno, disse que vai sentir falta do povo brasileiro, “que é uma gente muito querida”.

Enquanto isso, aqui em terras tupiniquins, o futuro presidente Bolsonaro diz – e os bolsominions acreditam! – que está preocupado com os direitos humanos dos médicos cubanos, submetidos, segundo ele, a uma “situação de prática de escravidão”. Isso porque os médicos ficam com apenas 30% dos salários pagos a eles, enquanto os outros 70% vão para a “ditadura” de Cuba.

Bolsonaro, bom samaritano que é, defende que os médicos devem ficar com todo o salário e que deveriam ter o direito de trazer a família para o Brasil. Detalhe: Cuba não proíbe que eles tragam a família, como bem explicou a médica cubana Tatiana Lago (ao lado), em entrevista ao Diário de Olímpia.

Mas, será que Bolsonaro gosta tanto assim dos cubanos? Aumentem o volume e ouçam, no vídeo abaixo, o que ele disse há exatamente um mês atrás sobre os médicos cubanos:

 

 

A TRIBUNA: PREFEITO FLÁ PRANDI PEDE AUTORIZAÇÃO À CÂMARA PARA FAZER EMPRÉSTIMO DE R$ 11 MILHÕES

No jornal A Tribuna deste final de semana, o principal destaque é para o caso envolvendo a APAE de Jales, que divulgou, nesta semana, um aviso às famílias de pacientes de Jales que recebem atendimento no Ambulatório  médico da entidade. O aviso alerta que os serviços prestados pelo Ambulatório poderão ser suspensos para os pacientes de Jales, por falta de apoio financeiro do município. Segundo a matéria, o fim do atendimento vai se restringir à área da saúde e não vai afetar os pacientes das outras dez cidades atendidas, que se encontram com suas contribuições em dia. A Prefeitura, de seu lado, distribuiu nota garantindo que está providenciando um Termo de Fomento, através do qual deverá repassar R$ 5,3 mil mensais para a entidade.

Destaque, igualmente, para o novo empréstimo, no valor de R$ 11 milhões,  que o prefeito Flá Prandi está pretendendo contratar, dessa vez junto ao governo federal, através do Ministério das Cidades. A matéria lembra que nossa Prefeitura já tem dois empréstimos no valor total de R$ 7,8 milhões junto à Agência Desenvolve SP, do governo estadual. O pedido do prefeito Flá para que os vereadores autorizem a contratação do novo empréstimo já está tramitando na Câmara Municipal. Segundo o prefeito, o dinheiro será utilizado para solução dos problemas crônicos do Jardim do Bosque e do Distrito Industrial 3.

A entrega das 99 casas da CDHU, construídas nas proximidades do novo cemitério; o desmentido do prefeito Flá, que está desmentindo que vá trocar a Prefeitura pela direção da CDHU, a convite do vice-governador Rodrigo Garcia; o caso da empresa de Araçatuba que recorreu à Justiça para receber R$ 7,2 mil da Prefeitura; os novos brinquedos instalados pela BVLX na Praça “Maria Gabriela”; o caso da moradora que está processando a Elektro e a Prefeitura por conta do acidente sofrido por ela em uma rua escura e esburacada; e a indenização que a Prefeitura terá que pagar a uma contribuinte, por ter protestado uma dívida que já estava paga, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, destaque para o secretário de Planejamento e Trânsito, Niltinho Suetugo, que, em entrevista radiofônica, classificou algumas críticas à administração como sendo uma “oposição burra”. Na página de opinião, o bispo dom Reginaldo Andrietta escreve sobre a Semana da Solidariedade, da Igreja Católica, enquanto o doutor Valmir Bolan escreve sobre a ida do juiz Sérgio Moro para o Ministério da Justiça. No caderno social, destaque para a reinauguração de MotorBat, agora na esquina das avenidas “João Amadeu” e “Alfonso Rossafa Molina”, para os dois anos da Boutique Originatto e para a coluna do Douglas Zílio. 

DEPUTADA QUER APROVAR PROJETO QUE TORNA A MASTURBAÇÃO UM ASSUNTO IMPRÓPRIO PARA ADOLESCENTES

Deu no blog do Esmael:

A deputada federal pelo Estado de Alagoas, Rosinha da Adefal (Avante), apresentou na Câmara dos Deputados um projeto de lei chamado “Infância sem pornografia” que impede professores, agentes de saúde e outros servidores públicos de falar sobre masturbação, poligamia, sexo anal, entre outros assuntos.

De acordo com o projeto, o impedimento também se aplica a qualquer material impresso, sonoro, audiovisual ou de imagem, ainda que didático ou paradidático, entregue ou colocado ao acesso de crianças e adolescentes sobre esses conteúdos.

“A lei não permite a professores ou agentes de saúde, ou qualquer outro servidor público, ministrar ou apresentar temas da sexualidade adulta a crianças e adolescentes abordando conceitos impróprios ou complexos como masturbação, poligamia, sexo anal, bissexualidade, prostituição, entre outros, sem o conhecimento da família ou até mesmo contra as orientações dos responsáveis”, diz a deputada no projeto.

Se aprovado, qualquer pessoa jurídica ou física, inclusive pais ou responsáveis, poderá fazer denúncia à Administração Pública e ao Ministério Público quando houver a violação da lei.

O projeto, que tramita conclusivamente, será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

DEU NA FOLHA NOROESTE DE HOJE

O principal destaque da edição digital da Folha Noroeste deste sábado é o vestibular da Unijales, que está marcado para o sábado, 24. Sob o lema “Unijales. Quem Faz, Acontece!”, a instituição, que tem convênios com prefeituras de Jales e região, está oferecendo vagas em cursos de Administração, Artes Visuais, Biomedicina, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Educação Física, Enfermagem, Fisioterapia, Geografia, História, Letras, Matemática, Pedagogia, Serviço Social e o curso superior de Tecnologia em Estética e Cosmética. As inscrições, cujo valor é de R$ 30,00, poderão ser feitas até a sexta-feira, 23, pelo site www.unijales.edu.br ou na secretaria da Unijales. As provas serão realizadas a partir das 14 horas do próximo sábado.

Destaque, igualmente, para as eleições da OAB que, no estado de São Paulo, acontecerão no dia 29 de novembro. Segundo o jornal, Jales receberá a visita, na segunda-feira, 19, do atual secretário geral da OAB-SP e candidato a presidente estadual da Ordem por uma das chapas oposicionistas, Caio Augusto Silva dos Santos. Em Jales, a diretoria da OAB local estará sendo disputada por duas chapas. Uma delas – a do atual presidente, Marlon Luiz Livramento, que concorre à reeleição – está apoiando Caio Augusto contra o favorito Marcos Costa. O advogado jalesense Aislan Queiroga Trigo, que já foi presidente da 63ª Subseção da OAB (Jales, Urânia e Palmeira D’Oeste), integra a chapa de Caio Augusto, como candidato ao cargo de secretário geral da OAB estadual.

Na coluna FolhaGeral, o irrequieto redator-chefe Roberto Carvalho está noticiando que a CEI da Farra do Tesouro ouviu duas pessoas nesta semana, mas faz uma ressalva, dizendo que estaria faltando transparência às investigações da Câmara. Segundo o colunista, o contribuinte – o dono do dinheiro que foi roubado – tem direito de saber o que está sendo dito pelas testemunhas. Roberto critica também a Comissão de Sindicância instalada na Prefeitura para investigar o mesmo assunto. Na avaliação do entojado colunista, a atuação da Sindicância estaria pior ainda que a da CEI, uma vez que, segundo ele, ninguém ouve falar dela.

MORADORA PROCESSA ELEKTRO E PREFEITURA POR ACIDENTE EM RUA ESCURA E ESBURACADA

Pelo visto, o péssimo serviço prestado pela Elektro no quesito iluminação pública vai continuar dando o que falar. Na semana passada, uma moradora de Jales recorreu à Justiça com uma ação por danos materiais e morais contra a Elektro e a Prefeitura, por conta de um acidente ocorrido em uma rua escura e esburacada.

Na ação ela está pleiteando uma indenização de R$ 14 mil (R$ 7 mil de cada uma), por danos morais, e mais R$ 2,6 mil para ressarcimento dos estragos sofridos por sua moto Honda Biz.

O acidente ocorreu no dia 17 de outubro passado, quando a moradora trafegava com sua Biz pela Avenida América do Sul, no Jardim Santo Expedito. Ao deixar a avenida e adentrar pela Rua Venezuela, ela se deparou com um quadro de total escuridão, visto que iluminação pública estava apagada.

A falta de iluminação pública foi só um dos problemas. Além da completa escuridão, a rua estava tomada por buracos no asfalto e a moradora, ao tentar desviar de um cachorro, viu-se dentro de um desses buracos. Na queda, sofreu escoriações e teve que ser levada para a UPA, onde foi medicada e passou por diversas radiografias, ficando dez dias afastada do trabalho.

Segundo a advogada da vítima, testemunhas afirmaram que o local estava sem iluminação há vários dias e, depois do acidente, continuou às escuras por mais uma semana.

Para a advogada, as duas requeridas – a Elektro e a Prefeitura – foram negligentes pois tinham conhecimento da falta de iluminação pública e dos buracos da rua.

“Se a Elektro tivesse fornecido adequadamente o serviço de iluminação pública, como é de sua obrigação, a minha cliente poderia ter visto o cachorro e percebido os buracos, evitando assim o acidente. Por outro lado, se a Prefeitura tivesse cuidado do asfalto, ela provavelmente não teria se acidentado ao desviar do cachorro”, concluiu a advogada.

O caso tramita na 2ª Vara Judicial de Jales.

“MAIOR PREJUDICADA SERÁ A POPULAÇÃO MAIS POBRE”, DIZ MÉDICO CUBANO QUE VAI CONTINUAR NO BRASIL

O Rio Grande do Norte tem 282 médicos atuando no programa Mais Médicos, em 67 municípios. Pelo menos 142 desses profissionais são cubanos. A notícia é do G1:

Há futuro para os profissionais cubanos do Mais Médicos que queiram ficar no Brasil, considera Osmany Garbey Charadan, de 37 anos. O médico chegou ao país na primeira leva de profissionais do país caribenho, em 2013, casou-se com uma brasileira anos depois e formou sua família no Rio Grande do Norte. A maior preocupação dele, no entanto, é com o público atendido pelo programa. “O maior prejudicado vai ser a população mais pobre. São oito mil médicos a menos”, comenta.

Osmany chegou ao país logo após o lançamento do programa e deixou o Mais Médicos em 2016, quando se casou com a potiguar Merley Maria Charadan, de 23 anos. O casal tem um filho de 1 ano e 9 meses. Desde então, revalidou o seu diploma, trabalha no Programa Saúde da Família (PSF) no município de Serra de São Bento e faz plantões na rede pública, em outras cidades potiguares. Atualmente, também faz uma pós-graduação em Pernambuco.

“Não sei quantos (médicos) vão ficar no Brasil. Depende dos projetos de cada um, muitos têm filhos, família. Eu vim em uma situação diferente, era solteiro e não pensava em ficar. Eu sabia que o programa não era para sempre. Mas conheci minha esposa, me apaixonei”, disse.

Apesar de não fazer mais parte do Mais Médicos, o profissional considera que as dúvidas do governo quanto à formação dos cubanos não são válidas. Ele afirma que todos os médicos têm formação de seis anos e mais dois anos de residência, com especialidade em medicina familiar.

“O presidente fala mal dos médicos cubanos, duvidam de nossa formação. Os 8 mil e poucos médicos cubanos que estão ainda no programa todos são especialistas em medicina familiar, com mais de 5 anos de experiência, e todos trabalharam em algum momento fora de Cuba, têm experiência internacional”, afirmou.

Ele também considerou que todos os médicos se inscrevem no programa e vêm ao país sabendo das condições salariais. “Ninguém vem enganado. Quem quer vir, vem. Quem não quer, não vem, e não acontece nada”, pontuou.

1 2 3 7