Arquivos mensais: março 2019

MPF DE JALES COBRA EXPLICAÇÕES SOBRE COMBATE À DENGUE EM 22 MUNICÍPIOS

A notícia está pendurada no portal do MPF:

O Ministério Público Federal cobrou informações das prefeituras de 22 municípios na região de Jales, no noroeste paulista, sobre medidas adotadas para o combate à dengue. As cidades vêm registrando índices elevados de infestação do mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti, e epidemias em algumas áreas. Em Fernandópolis, uma idosa infectada morreu há duas semanas.

O MPF deu prazo de dez dias para que as prefeituras indiquem quais providências têm sido tomadas este ano nos municípios visando à redução dos riscos de transmissão da dengue. A Procuradoria pede também um levantamento sobre os casos registrados da doença e multas aplicadas a moradores por manterem focos de proliferação do mosquito, como recipientes descobertos que acumulem água parada.

Os ofícios foram enviados para as administrações municipais de Aparecida d’ Oeste, Aspásia, Estrela d’ Oeste, Fernandópolis, General Salgado, Guzolândia, Jales, Macedônia, Mesópolis, Ouroeste, Palmeira d’ Oeste, Paranapuã, Pontalinda, Populina, Rubineia, São João das Duas Pontes, São João do Iracema, Suzanápolis, Três Fronteiras, Turmalina, Urânia e Vitória Brasil.

NA SESSÃO DE HOJE, VEREADORES VOTARÃO PROJETO QUE VEDA NOMEAÇÃO DE SERVIDOR CONDENADO POR VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Da assessoria de imprensa da Câmara:

Na Sessão Ordinária de hoje (25), no Expediente do Dia, serão apresentadas 19 indicações e 1 projeto de lei. Além disso, serão discutidos e votados dez requerimentos.

Na pauta da Ordem do Dia consta a apreciação de um projeto de lei complementar e um projeto de emenda à Lei Orgânica. O projeto de emenda, de autoria dos vereadores Luiz Henrique Viotto – Macetão (PP), Claudecir dos Santos – Tupete (DEM), Tiago Abra (PP) e Adalberto Francisco de Oliveira Filho – Chico do Cartório (MDB), veda a nomeação de cidadão ou servidor público para ocupar cargos na administração pública que tenha sido condenado por violência doméstica contra a mulher. 

A Sessão será realizada às 20h, na Rua 6, nº 2241, Centro. Todos os munícipes estão convidados a participar. As sessões acontecem todas as 1ª, 2ª, e 4ª segundas-feiras do mês e também podem ser acompanhadas, ao vivo, pela Web TV, no site da Câmara Municipal (http://jales.sp.leg.br/) ou pela Rádio Band FM de Jales. 

POLÍCIA FEDERAL INVESTIGA AMEAÇAS SOFRIDAS POR ESTUDANTES DE MEDICINA DA UNIBRASIL EM FERNANDÓPOLIS

A nota é da assessoria de Comunicação da PF de Jales:

A Polícia Federal em Jales/SP instaurou inquérito policial para apurar possíveis ameaças sofridas por alunos do curso de medicina da UNIBRASIL Fernandópolis/SP. As ameaças teriam sido proferidas por oradores em audiência pública ocorrida no dia 14/03/2019 no Teatro Municipal em Fernandópolis/SP.

A PF ressalta que estes alunos são testemunhas de inquérito civil público conduzido pelo Ministério Público Federal de Jales, e por esta razão, tais ameaças, caso confirmadas nas investigações, poderão configurar o crime previsto no artigo 344 do Código Penal (coação no curso do processo) com pena de até quatro anos de prisão.

Com a instauração deste inquérito policial, estes mesmos alunos também passaram à condição de testemunhas não só no âmbito do inquérito civil do MPF, mas também do inquérito policial instaurado na PF.

Por esta razão, quaisquer dirigentes, funcionários, professores, alunos ou até mesmo pessoas não vinculadas à UNIBRASIL, que venham intimidar, ameaçar ou hostilizar os alunos em razão das denúncias em apuração no MPF ou na PF poderão responder pelo crime de coação no curso do processo, que resguarda autoridades, partes ou quaisquer outras pessoas que atuem em processos (policiais, judiciais, administrativos ou em juízo arbitral).

A depender das circunstâncias, como por exemplo, o uso da violência, havendo necessidade de cessação das ameaças, intimidações ou qualquer outra ação nesse sentido, um pedido de prisão preventiva dos responsáveis poderá ser feito pela PF à Justiça Federal de Jales/SP, objetivando proteger a integridade física e moral das testemunhas.

EM CURITIBA, FORMANDOS DA UNESPAR PEDEM LULA LIVRE

Esse não foi o único gesto de solidariedade ao ex-presidente Lula, ocorrido na semana passada. Na quinta-feira, 21, um grupo de juízes (sim, existem magistrados para quem Lula foi preso sem provas) participou do famoso “boa noite, presidente”, na porta da PF de Curitiba. A notícia é do blog do Esmael:

A formatura do curso de Artes Cênicas, Artes Visuais, Música, Dança, Teatro e Musicoterapia da Universidade Estadual do Paraná (Unespar), que aconteceu na noite de sábado (23) em Curitiba, teve pedido de Lula Livre e denúncia de conquistas ameaçadas.

‘Ninguém vai conseguir oprimir o amor, ninguém vai calar a nossa luta que sempre foi e sempre será legitima. Nós somos feitos de amor, de luta e de resistência. E resistir, minhas queridas e queridos, não é nada novo pra nós’, disseram os oradores Clau Lopes e Aline Ramos.

MEDO DO BOLSONARISMO: PROFESSORES UNIVERSITÁRIOS PEDEM AJUDA PARA SAIR DO BRASIL

Deu no portal MSN:

Desde as eleições, as universidades brasileiras têm se tornado um campo de batalha onde crescem as denúncias de assédio, achaques e ameaças contra professores que são identificados como “de esquerda”.

No final de outubro, pouco antes de 17 campi universitários serem invadidos pela polícia por manterem cartazes com mensagens antifascistas, professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) receberam uma carta anônima listando o nome de 15 docentes e estudantes de ciências humanas ameaçados de serem “banidos” da instituição depois da posse de Jair Bolsonaro.

A carta detalha que todas as pessoas nomeadas desenvolvem pesquisas e trabalham com o público LGBT, ou seriam “lésbicas, gays, prostitutas e partidários de esquerda”.

A violência em ambiente universitário já tem alertado a comunidade internacional. Há oito meses, a organização Scholars at Risk, ou Acadêmicos em Risco, em português, tem sido procurada por professores brasileiros que se sentem inseguros no país.

Sediada nos Estados Unidos, a organização é uma rede de instituições de ensino superior que promove a liberdade acadêmica, ajudando pesquisadores e professores ameaçados de morte a sair de seus países por um tempo.

A rede é formada por 520 universidades, como a Universidade de Washington, nos EUA, a Universidade do Chile e a City University, em Londres, no Reino Unido.

Até o ano passado, apenas um brasileiro tinha contatado a organização. Agora, já são 18.

“Devido à mudança significativa para a direita na atmosfera sociopolítica no Brasil que levou à eleição de Bolsonaro, os candidatos do Brasil relatam instabilidade, medo de serem detidos ou presos, assédio e medo de serem mortos ou desaparecerem”, resume Madochée Bozier, assistente do programa de proteção a professores universitários, em entrevista à Pública.

“À luz da mudança na narrativa política e cultural no país, muitos acadêmicos decidiram deixar o Brasil para continuar o seu trabalho fora do país por medo”, completa.

JORNAL DE JALES: POLÍCIA FEDERAL ESTIMA QUE PREFEITURA DEIXARÁ DE PERDER R$ 2 MILHÕES POR ANO COM FIM DOS DESVIOS

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cuja principal manchete trata de nota divulgada pela Polícia Federal sobre as novidades da operação “Farra no Tesouro”. O relatório da PF informa que, até o momento, já foram confirmados desvios de R$ 7 milhões, mas ainda falta analisar pagamentos e transferências suspeitas dos anos de 2005 a 2013. O relatório diz, também, que, com a interrupção dos malfeitos da ex-tesoureira Érica e a cessação dos prejuízos causados pela contratação superfaturada de seguros, estima-se que a Prefeitura deverá economizar R$ 2 milhões por ano, dinheiro que, de acordo com a nota da PF, poderá ser “investido em prol da sociedade local”.

O jornal está destacando, também, o esforço da Santa Casa de Jales para manter suas contas em ordem. A matéria informa que os gastos do hospital em 2018 chegaram a R$ 32 milhões e que o déficit financeiro chega a cerca de R$ 10 milhões anuais. O déficit anual vem sendo coberto graças às emendas parlamentares destinadas por alguns deputados e à ajuda da comunidade, que participa das promoções da Santa Casa para arrecadação de recursos. Na quarta-feira, 20, a administração do hospital realizou uma assembleia geral para prestar contas e divulgar o balanço de 2018. O esforço da Santa Casa inclui a contratação de uma empresa especializada que, a cada três meses, realiza uma auditoria nas contas do hospital.

A iniciativa do prefeito Flá Prandi, que esteve em uma loja maçônica da cidade para prestar contas sobre o que a sua administração anda fazendo; a atuação da jornalista jalesense Giana Rodrigues, responsável pela organização da cerimônia em que o cantor Daniel e sua esposa Aline de Pádua renovaram seus votos; a audiência pública programada pela Câmara para discutir ajustes na Zona Azul de Jales; a preocupação de agricultores, técnicos e autoridades com as mudanças que estão sendo feitas pelo governo estadual na CATI; e o seminário organizado pela AMA (Associação dos Municípios da Araraquarense) para discutir algumas causas ambientais, são outros assuntos do JJ.

Na prestigiada coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior está informando que, depois de 35 anos morando em São José dos Campos, o sociólogo, psicanalista, historiador, cientista político e historiador Roberto Gonçalves, autor do livro “A Jales que vivi-1949/1968”, está de volta a Jales, desta vez de mala e cuia. Segundo o colunista, Roberto pretende comemorar seu aniversário, no próximo dia 27 de março, já em novo endereço: aqui em Jales, no apartamento do Edifício Murano, que ele comprou e onde pretende viver com a esposa Regina nos próximos 50  anos.       

JOÃO BOSCO E LIZ ROSA – “INCOMPATIBILIDADE DE GÊNIOS”

Inspirado por uma reportagem sobre a prisão do ex-presidente Temer, que mostra o Porto do Rio de Janeiro – esse da foto acima, que é vizinho ao prédio da Polícia Federal do Rio – eu pretendia escrever sobre “Mestre-Sala dos Mares”, música do Aldir Blanc e do João Bosco que homenageia João Cândido, um negro que liderou, em 1910, a chamada “Revolta da Chibata”.

A “Revolta da Chibata” foi um movimento contra os maus tratos de que eram vítimas os marinheiros – na maioria negros – que trabalhavam em navios brasileiros. O protesto deixou o Rio de Janeiro em pânico, uma vez que os revoltosos apontaram os canhões dos navios para a “Cidade Maravilhosa” e ameaçavam disparar, caso não tivessem suas reivindicações atendidas.

Estou, porém, a fim de ver um filme da Ashley Judd, de modo que vou apenas postar um vídeo com outra música de Aldir e João Bosco. Por sinal, esses dois compositores fizeram músicas fantásticas. Uma delas – “A Nível de”, de 1976 – narra a história de dois casais muito amigos, que se visitavam todos os domingos.

Tão amigos que, à certa altura, os dois maridos – que trocavam confidências sobre os respectivos casamentos e diziam que os mesmos estavam uma bosta – resolveram deixar as esposas e juntar as escovas de dentes. E as duas esposas, que tinham muita coisa em comum, deram graças a Deus por se livrarem dos maridos e decidiram dividir o mesmo edredom.

Outra canção da dupla de compositores – “Incompatibilidade de Gênios”, também de 76 – narra os dramas de um homem casado com uma mulher muito geniosa, que fazia de tudo para leva-lo à loucura. É essa a música – que Caetano Veloso considera uma obra-prima – que o vídeo abaixo mostra, com João Bosco e a cantora potiguar Liz Rosa.

 

 

A TRIBUNA: NA OPERAÇÃO “FARRA NO TESOURO”, EMPRESÁRIA E SEGURADORA DEVOLVEM R$ 54 MIL AOS COFRES PÚBLICOS

No jornal A Tribuna deste final de semana, o principal destaque é, mais uma vez, a operação “Farra no Tesouro”. A matéria diz que a Polícia Federal divulgou nota com novas informações sobre as duas fases da operação. Uma das informações diz que uma empresária do ramo de estética devolveu os R$ 14 mil que tinham sido recebidos antecipadamente por serviços que seriam prestados por sua empresa à ex-tesoureira. Outra informação diz que uma das seguradoras utilizadas pelo corretor preso na segunda fase da operação devolveu aos cofres públicos mais de R$ 40 mil que foram pagos indevidamente pela Prefeitura na contratação de seguros suspeitos. Além disso, a seguradora descredenciou a empresa do corretor de seguros.

Destaque, também, para os diversos eventos programados pela Prefeitura em comemoração ao aniversário de 78 anos de fundação de Jales. O aniversário ocorre no dia 15 de abril, mas os eventos começam ainda em março, no dia 31, com a realização do Circuito Sesc de Artes, e vai até o dia 1º de maio, quando acontece mais uma edição do Sarau no Ponto. O principal evento – o Jales Rodeio Show, que substitui a Facip – está marcado para o período de 11 a 15 de abril, mas antes disso, no dia 07 de abril, teremos a tradicional Cavalgada que reunirá diversas comitivas.

Os casos suspeitos de dengue, que cresceram bastante nos últimos dias e estão preocupando a Secretaria de Saúde; a licitação aberta pela Prefeitura para aquisição dos uniformes escolares de 2019; as críticas do vereador Tiago Abra ao prefeito Flá Prandi, em função da falta de divulgação do resultado da sindicância que apurou responsabilidades nos desvios da ex-tesoureira Érica; o início dos trabalhos de uma nova CEI, que está solicitando cópia dos contratos firmados pela Prefeitura com dispensa de licitação; e a decisão da Justiça, que mandou o prefeito Flá dar posse a candidatos aprovados em um concurso de 2017, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, escrita por este aprendiz de blogueiro, destaque para a paralisação dos professores estaduais da região, na sexta-feira, em protesto contra a Reforma da Previdência proposta pelo governo Bolsonaro. Na página de opinião, artigo coletivo assinado pela advogada Yasmine Altimare da Silva, em que algumas mulheres jalesenses explicam um fenômeno mundial, que cresceu feito erva daninha nos últimos tempos: o feminismo. No caderno social, destaque para a coluna do Douglas Zílio e para a formatura da psicóloga Mariana Claudino, a linda filha da Débora e do Biscoito.  

PROFESSOR É AFASTADO DE ESCOLA APÓS UTILIZAR CHARGE DE BOLSONARO DURANTE AULA

Deu no portal MSN:

O professor Marcos Antônio Tavares da Silva foi afastado do colégio  Liceu de Humanidades de Campos dos Goytacazes (RJ) depois de utilizar, durante uma aula de português do 3º ano de ensino médio, uma charge ironizando a relação do presidente Jair Bolsonaro com o presidente dos EUA, Donald Trump.  As informações são do jornal O Globo.

“Sempre usei charges para trabalhar em sala de aula (…) Não há doutrinação nenhuma, eu dei liberdade para que se posicionassem livremente sobre o conteúdo”, disse. A charge foi inicialmente exposta em uma página no Facebook chamada “Direita campista”.

Marcos disse ao Globo que foi informado pela diretora que tinha sido afastado a pedido do governador Wilson Witzel.  Quando foi à Coordenadoria Regional de Educação questionar a decisão, foi informado apenas de que tinha sido afastado por “ordens superiores” para “acalmar os ânimos”.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação informou que suspendeu o professor e disse que foi aberta uma sindicância para apurar o caso.

1 2 3 10