A TRIBUNA: ÍNDICE DE MORTES PELA COVID EM JALES É QUATRO VEZES MENOR QUE A TAXA DE LETALIDADE ESTADUAL

No jornal A Tribuna deste final de semana, a manchete principal destaca a abertura da chamada “CEI das Casinhas”. A notícia diz que, finalmente, a Câmara Municipal de Jales abriu, na segunda-feira, 27, uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) para investigar os múltiplos problemas do conjunto habitacional “Honório Amadeu”, que atingem pelo menos 40 das 99 moradias. A matéria informa que, de acordo com o Regimento Interno da Câmara, são necessárias quatro assinaturas para a abertura de uma investigação, sendo que a “CEI das Casinhas” já tinha a adesão de três vereadores – Macetão, Tupete e Zanetoni – mas só se tornou realidade depois da adesão do vereador Chico do Cartório, que deu a quarta assinatura. Depois dele, todos os demais vereadores decidiram apoiar a criação da CEI.

O jornal está destacando, também, que a taxa de letalidade da covid-19 em Jales está abaixo das médias estadual, nacional e mundial. De acordo com a matéria, Jales tem uma taxa de mortes por casos positivos de coronavírus quatro vezes menor do que a média registrada no estado de São Paulo. No município, apenas 1,1% das pessoas infectadas evoluíram para óbito, enquanto no estado a taxa de letalidade é de 4,3% dos contaminados. Em Fernandópolis (1,6%) Votuporanga (2,3%), São José do Rio Preto (2,7%) e Santa Fé do Sul (4,4%) as taxas são maiores que a de Jales. 

A testagem em massa nos servidores municipais que trabalham no Paço Municipal; a decisão da Justiça Federal de Jales, que determinou o pagamento de indenização de R$ 500 mil à família do Ruy Carlos Berbet, morto pela ditadura militar em 1972; a pressão de comerciantes para a flexibilização da abertura do comércio em Santa Fé do Sul; a morte de Marcinho Costa, um dos radialistas mais queridos da região, vítima da covid; a campanha de carinho virtual aos idosos do Lar dos Velhinhos de Jales; a atuação da Polícia Civil de Jales, que recuperou gado furtado e prendeu um dos ladrões; e o Dia D da vacinação contra o sarampo, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, informações sobre os rumores que correm pela cidade, dando conta de que a secretária de Agricultura e Pecuária, Sílvia Avelhaneda Pigari, teria procurado o prefeito Flá Prandi para pedir demissão do cargo, depois de um suposto desentendimento com o vereador Deley. O vereador confirma que esteve com a secretária para pedir melhorias em um estrada rural, mas nega que tivesse qualquer atrito com ela. Se Sílvia pediu ou não demissão, não se sabe. O que se sabe é que ela, dizendo-se cansada, solicitou férias. Na página de opinião, artigo do advogado Gustavo Alves Balbino trata do novo marco regulatório do Saneamento Básico.

6 comentários

  • SÓ CEI QUE NADA CEI

    MAIS UMA TENTATIVA DE SALVAREM A PÁTRIA E ACABAR EM PIZZA!

    ENQUANTO ISSO, AS CASAS ESTÃO CAINDO E NADA É RESOLVIDO

    A PIOR CÂMARA DA HISTÓRIA DE JALES!

  • botelho pinto

    Cardosinho, aquele bar em frente ao correio da rua 20, esta liberado ? ontem a noite parecia que tinha churrasco de graça, tanta gente reunida. policia ou prefeitura?

    • Acho que os dois. Ali é sempre movimentado, principalmente às sextas-feiras. Mas, a bem da verdade, nossa polícia está trabalhando. Veja esta notícia da Gazetaweb, em que JALES é a segunda no número de ocorrências no estado, perdendo apenas para a capital:

      A Polícia Civil registrou 256 casos criminais de pessoas que desrespeitaram de alguma forma às medidas sanitárias determinadas para conter o avanço da Covid-19 durante a quarentena no estado de São Paulo, do dia 24 de março até esta terça-feira, 28 de julho, de acordo com levantamento exclusivo feito pelo Ministério Público a pedido do G1.

      Os registros foram feitos com base no artigo 268 do Código Penal, o qual prevê pena de detenção, de um mês a um ano, além de multa, para quem infringir determinação do poder público destinada a impedir a propagação de doença contagiosa.

      Dos casos acompanhados pelo MP-SP, 13 viraram processo: ou seja, o acusado irá responder criminalmente pelo descumprimento das normas. Nos demais, a Justiça ou arquivou o caso ou homologou algum tipo de acordo ou transação, como, por exemplo, prestação de serviços à comunidade e/ou pagamento de multa.

      A maior parte dos casos se concentra na capital paulista. A cidade de São Paulo registrou 30 casos durante o período (representando 12% do total), EM SEGUIDA, ESTÃO AS CIDADES DE JALES, COM 26 CASOS (10%) e Monte Mor, com 19 ocorrências (representando 7% do total). Do total de crimes registrados na capital paulista, 40% se deram no mês de maio.

      Um dos casos que ainda está sendo avaliado pelo MP refere-se a uma festa clandestina em uma chácara no bairro Recanto das Orquídeas, em Monte Mor, no interior do estado. A celebração foi descoberta durante a “Operação Pancadão” realizada pela Guarda Civil da cidade. No local, havia cerca de 100 pessoas, com bebidas e comidas. A denúncia foi feita pela própria dona do sítio: ela acreditava ter alugado o local para uma festa familiar e se surpreendeu com a multidão.

      Das pessoas envolvidas no caso, apenas uma responde ao processo na capital paulista, outras três respondem na cidade de Taboão da Serra, na Grande São Paulo, a qual encabeça a lista de cidades com andamentos processuais desse tipo.

  • Observador

    Pode um departamento sem secretário ter um chefe de gabinete nomeado????
    Alguem sabe???

    • Rachadinha

      Ótima pergunta. Olhem quanto ganha este rapaz. Teve mês que embolsou mais de 10.000. E muito dinheiro. Rachadinha será?

      • Arrogante eu sou

        Na minha opinião não era nem pra ter voltado, esta andando pelos corredores com o mesmo ar de arrogância, se continuar assim, logo deve cair novamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *