JORNAL DE JALES: OPERAÇÃO CONTRA CORRUPÇÃO INVESTIGA 80 PREFEITURAS DA REGIÃO NOROESTE

O Jornal de Jales chegou às bancas e aos assinantes, neste domingo, trazendo como destaque a “Operação Fratelli”, que apreendeu mais de 20 mil folhas de documentos de licitações e convênios, além de R$ 250 mil em casas de empresários e ex-prefeitos. Foram apreendidas, também, 20 armas, algumas de uso restrito.

O preocupante aumento do déficit da nossa Santa Casa é outro dos assuntos destacados pelo JJ. Um dos motivos, segundo o provedor do hospital, José Pedro Venturini, é que algumas pequenas cidades da região estão fechando suas Santas Casas e enviando pacientes para Jales.

Outro assunto que está na capa do Jornal de Jales é o calendário de eventos divulgado em cima da hora pela Prefeitura, como parte das comemorações do aniversário da cidade. O calendário previa, entre outras coisas, a realização do 2º Encontro Aéreo, marcado para ontem e hoje.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior informa que, em Três Fronteiras – onde a Prefeitura também foi interditada durante boa parte da terça-feira, por conta da “Operação Fratelli” –  a assessoria jurídica do município registrou B.O. contra o Ministério Público, por abuso de autoridade.

4 comentários

  • Anônimo

    Agora o errado é o Ministério Público? Que vergonha esses políticos!

  • anonimo

    bloqueio de bens de Lula
    O Ministério Público Federal (MPF) de Brasília pediu à justiça o bloqueio dos bens do ex-presidente Lula da Silva, a quem acusa de improbidade administrativa por ter usado verba pública com claro intento de promoção pessoal.
    23 de Fevereiro, 13h38Nº de votos (508) Comentários (303)
    Por:Domingos Grilo Serrinha, Correspondente no Brasil

    O bloqueio de bens tem como finalidade garantir a devolução aos cofres públicos de quatro milhões de euros que Lula, segundo o MPF, usou indevidamente.
    A acção interposta pelo MPF refere-se ao gasto desses quatro milhões de euros com a impressão e o envio pelo correio de mais de dez milhões de cartas enviadas pela Segurança Social a reformados entre Outubro e Dezembro de 2004, segundo ano do primeiro mandato de Lula.
    A missiva avisava os reformados que um convénio estabelecido entre a Segurança Social e o até então desconhecido Banco BMG lhes permitia a partir de então pedirem empréstimos a juros baixos e sem qualquer burocracia àquela instituição bancária, com o desconto das parcelas sendo feito directamente nas reformas.
    Até aí não haveria problema, não fossem dois detalhes, que chamaram a atenção dos promotores. O BMG, único banco privado a ser autorizado na altura a realizar esse tipo de empréstimo, conseguiu a autorização em menos de duas semanas, quando o normal seriam vários meses, e as cartas, simples correspondência informativa, eram assinadas por ninguém menos que o próprio presidente da República, algo nada comum para esse tipo de aviso.
    Para o Ministério Público, não há dúvida de que Lula e o então ministro da Segurança Social, Amir Lando, que também assinou as cartas e é igualmente acusado na acção, usaram a correspondência para obterem promoção pessoal e lucro político e que a acção do presidente da República favoreceu a extrema rapidez com que o BMG conseguiu autorização para operar o negócio, desrespeitando as normas do mercado. A 13.ª Vara Federal, em Brasília, a quem a acção foi distribuída, ainda não se pronunciou sobre o pedido do MPF.
    CorrigirFeedback

  • Josmarildo

    E agora parini ,,,, !!!!! Essa opercao e perseguicao a vsa? Vai matutando a quem vc vai recorrer, pois todos vao tiar o corpo fora,,,,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *