MORADORA DE JALES É PROTESTADA POR DÍVIDA QUE NÃO ERA DELA E QUER SER INDENIZADA PELA PREFEITURA

Uma moradora do Jardim Brasília, em Jales, está recorrendo à Justiça com uma ação de indenização por danos morais contra a Prefeitura, depois de ter sido constrangida em uma loja da cidade, que negou crédito a ela, alegando sua inclusão em um cadastro de maus pagadores.

A confusão começou porque a Prefeitura enviou para o Cartório de Protestos uma dívida relativa a impostos (IPTU) de um imóvel – localizado no Parque São Bernardo – que já não pertencia mais à moradora. Segundo a mulher, o imóvel tinha sido vendido há bastante tempo, sendo que a Prefeitura já tinha sido comunicada da venda e já tinha até lançado débitos de impostos em nome da nova proprietária.

Inconformada com o constrangimento sofrido e vendo-se impedida de fazer compras parceladas no comércio, ela decidiu buscar uma reparação na Justiça e está requerendo o pagamento de R$ 10 mil a título de danos morais.

A moradora alega, entre outras coisas que se viu obrigada a quitar o débito que não era dela, além de pagar as taxas de cancelamento do protesto, a fim de que pudesse financiar sua motocicleta. “Fui exposta a um constrangimento ilegal e desonroso e, por isso, entendo que devo ser indenizada pelos injustos embaraços e prejuízos que me foram causados pelo erro da Prefeitura”, arremata.

7 comentários

  • Só observando os acontecimentos!

    Incompetência de algum funcionário que não fez seu trabalho direito, talvez por preguiça ou ser próximo do horário de sair pra almoço, deixou pra depois e …deu nisso.

    • Puxa saco do teatro

      Agora a culpa é do dos funcionários? Sou do paço e tem cada um que ganha horas extras lá! Isto é culpa do chefe! Pu seja do Fra!

  • SérgioMoro imparcial

    Parabéns Fra pelo belo trabalho em prol da nossa sociedade! Cadê os babas ovos do Fra agora!

  • Observador

    O delegado da PF estava certo quando disse que a prefeitura é uma bagunça.

  • Clodoaldo regonha gallo

    Vou tornar a repetir…..Jales é curva de rio .

  • rapizodia

    No texto diz que a cidadã foi impedida de comprar no comércio local por conta de ter seu nome negativado! Com todo o respeito, duvido muito que isso tenha ocorrido! Em nosso comércio praticamente só se compra com cartão de crédito ou cheque! Compras no crediário praticamente estão extintas e as lojas que ainda praticam essa modalidade de venda só o fazem para clientes de relacionamento pessoal do proprietário, portanto, pode ter acontecido de tudo, menos dificuldade de compra por este motivo. Nos brasileiros estamos abusando de nossos direitos a ponto de subjugar empresas e pessoas, no lugar da cidadã, eu teria ido na Prefeitura levantado informação de como corrigir e apresentar os documentos necessários para a devida correção. Em caso de não conseguir administrativamente, então levaria o problema a justiça e aí sim caberia indenização por danos morais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *