Arquivos do autor: cardosinho

FLÁ VISITA DENIT E ACOMPANHA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE VIADUTO NA RUA DOIS

Fla denit Foto 01

A notícia é da Secretaria Municipal de Comunicação:

O prefeito Flávio Prandi Franco, o Flá, esteve no Denit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte), em Brasília, no dia 21 de fevereiro, acompanhando o projeto que viabiliza a construção do viaduto que passa por cima dos trilhos do trem, na rua Dois.

De acordo com Flá, o diretor de Infraestutura Ferroviária, Charles Magno Nogueira Beniz explicou que o projeto está pronto e aprovado pelo órgão, aguardando recursos para ser viabilizado.

“O nosso trabalho agora é avançar nas negociações com o governo e os deputados da nossa base aliada para liberar o valor necessário e iniciar a obra. A estimativa que o custo fique em torno de R$ 6 milhões”, comentou Flá.

Junto com o prefeito, estavam na reunião, os vereadores jalesenses João Valeriano Zanetoni, Claudecir José dos Santos, Luiz Henrique Viotto, Fábio Kazuto Matsumura, Vagner Selis e Vanderley Vieira dos Santos.

POLÍCIAS FEDERAL, CIVIL E MILITAR DEFLAGRAM OPERAÇÃO CONJUNTA DE COMBATE À CRIMINALIDADE EM JALES

A notícia é da assessoria de Comunicação da PF:

Aproximadamente 130 policiais de todas as forças de segurança pública de Jales/SP e região (federais, civis e militares) participaram, na manhã desta quinta-feira (23), da deflagração da operação denominada “SINERGIA”, que tem como objetivo o combate à criminalidade na cidade. Vinte e um mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Estadual de Jales/SP, estão sendo cumpridos. O Ministério Público Estadual também participa da Operação.

As equipes policiais contam com apoio de helicóptero da Polícia Militar e de cães farejadores da Polícia Militar de São José do Rio Preto e da Polícia Federal de Três Lagoas/MS.

Após recente onda de roubos na cidade, ocorrida no final de 2016 e início de 2017, o fortalecimento da união entre as forças policiais veio à tona e se materializou através da troca de informações de inteligência. Mapeamento contínuo da criminalidade na cidade será realizado objetivando potencializar ações de prevenção.

Os órgãos de segurança da cidade pretendem realizar ações deste tipo com frequência, visando não só a apreensão de armas e drogas, mas a identificação, com antecedência, de pessoas envolvidas com o crime e pontos vulneráveis sujeitos à ação dos criminosos.

O nome da operação “SINERGIA” foi utilizado em alusão à ação e cooperação entre as forças de segurança (PF, PM e Civil) e Ministério Público. A sociedade também pode colaborar com denúncias, que podem resultar em ações como a de hoje, que objetiva o combate ao crime em busca da paz social.

Os suspeitos, caso sejam surpreendidos na posse de drogas, armas, munições ou outros objetos ilícitos, estarão sujeitos aos crimes elencados na legislação penal, e no caso de prisão serão recolhidos em unidades prisionais da região.

DESVIO DE VERBA EM DOLCINÓPOLIS ERA FEITO NA BOCA DO CAIXA, DIZ PROMOTOR

prisão prefeito José Luiz

Um dos agentes que aparece na foto foi meu ex-colega de BB, de sorte que acompanhei a luta dele para ser aprovado no concurso da PF. E essa confusão toda com o ex-prefeito de Dolcinópolis acabou me proporcionando uma boa notícia: o depoimento que eu daria hoje à Polícia Federal, sobre um outro assunto, foi adiado.

Tive alguns problemas de saúde nos últimos dias e somente hoje – graças ao excelente atendimento que tive ontem na UPA de Jales – estou me recuperando. De sorte que, para mim, não ter que sair de casa, no momento, é uma boa notícia.

Um detalhe sobre o caso de Dolcinópolis, que nem todos os leitores do blog talvez saibam. O promotor Claiton Luís da Silva, de Estrela D’Oeste, é filho de um antigo comerciante aqui de Jales, por sinal, meu ex-vizinho. Claiton não é de dar moleza pra ninguém.

Na campanha eleitoral do ano passado, o promotor esteve pessoalmente em Dolcinópolis, acompanhado de alguns policiais, para investigar um churrasco “boca livre” que estaria sendo patrocinado por um dos candidatos a prefeito. O caso está tramitando na Justiça Eleitoral. 

Mas, vamos à notícia do G1. E quem quiser ver o vídeo é só clicar aqui:

O Ministério Público Estadual de Estrela d’Oeste (SP) identificou durante as investigações na Operação Catatau, que terminou com a prisão do ex-prefeito de Dolcinópolis (SP) nesta terça-feira (21), que eram feitos saques na boca do caixa de contas da prefeitura, o que para o MP não é comum.

“De acordo com a documentação apresentada, começamos a identificar também a possibilidade da realização de saques diretamente na boca do caixa de uma das contas da prefeitura de Dolcinópolis, o que para nós não é comum, geralmente os pagamentos são por transferências, depósitos, cheques, e há indícios de levantamento na boca do caixa em espécie por agentes públicos da prefeitura”, afirma o promotor Cleiton Luís da Silva.

A TV TEM tentou entrar em contato com a defesa do ex-prefeito, mas as ligações não haviam sido atendidas.

José Luiz Inácio de Azevedo foi preso em casa, em Porto Seguro (BA). A prisão é temporária, por cinco dias. O ex-prefeito de Dolcinópolis é investigado por desviar recursos públicos. O ex-prefeito mantem negócios em Porto Seguro, onde é dono de um restaurante, uma loja de conveniência e um lava rápido na cidade. “Foi possível localizar com ajuda da Polícia Federal da Bahia que ele estava na cidade e tinha estabelecimentos comerciais, provavelmente aproveitando o dinheiro desviado da prefeitura”, diz o delegado da Polícia Federal Cristiano Pádua da Silva.

Ele se mudou para a Bahia, no fim do ano passado, com a mulher, o filho e a empregada da família. Um assessor do ex-prefeito, que estava morando na antiga casa dele no município paulista, foi levado para a delegacia. A Polícia Federal cumpriu dez mandados de condução coercitiva na região noroeste paulista.

Os policiais federais de Jales (SP) chegaram cedo a Dolcinópolis, que tem pouco mais de dois mil moradores. Os agentes recolheram documentos na casa do ex-prefeito, na prefeitura e numa chácara que, segundo a polícia, também pertence a José Luiz Inácio de Azevedo.

Além de Dolcinópolis, outros mandados de busca e apreensão foram cumpridos em mais quatro cidades da região. As investigações começaram depois que o Ministério Público recebeu uma denúncia de desvio de verbas.

‘Notas fiscais fictícias’
“Recebemos da prefeitura de Dolcinópolis um grande número de notas fiscais, basicamente da segunda quinzena de dezembro e focamos a atenção nos dias 29 e 30 de dezembro, que coincidiram com recebimento de FPM e recursos da repatriação do governo federal e notamos ali um número grande de notas fiscais emitidas por supostos fornecedores, de oficinas mecânicas e outros fornecedores e a partir disso começamos investigar, eventual emissão de notas fictícias para justificar o desvio de recursos da repatriação e do FPM”, diz o promotor.

Um lavador de carros também foi preso. Ele é suspeito de agir como ‘laranja’, nas fraudes do ex-prefeito. Segundo as investigações, o homem , que mora em um bairro simples,  aparece como um dos donos de uma construtora e de uma empresa de consultoria, que prestavam serviços para prefeitura, durante o mandato do ex-prefeito.

“Ele seria um laranja, porque uma das empresas que está no nome dele tem capital social de mais de R$ 1 milhão e a função efetiva dele e encerador de carro de um posto de combustível”, diz o delegado.

O prefeito e os aliados nos supostos esquemas de corrupção podem responder por peculato, que é apropriação indevida de dinheiro público, associação criminosa e falsificação de documentos. A polícia pode pedir que  o ex-prefeito fique na cadeia até o julgamento do caso e ainda  o bloqueio de bens dele.

O ex-prefeito foi conduzido por policiais federais em voo de Porto Seguro até São José do Rio Preto (SP). O avião chegou ao interior de São Paulo por volta das 19h10. Do aeroporto, o ex-prefeito foi escoltado em viatura até Jales para ser ouvido pelas autoridades responsáveis pelas investigações. Ele, posteriormente, será conduzido a presídio da região de Jales onde permanecerá à disposição da Justiça Estadual.

EX-ADVOGADA VIRA PROSTITUTA EM BRASÍLIA

A notícia é da Folha de S.Paulo:

ex-advogadaEm junho do ano passado, Cláudia de Marchi, 34, deu entrada no pedido de licença de sua inscrição na Ordem dos Advogados do Brasil. Devolveu a carteira de número 63.467, tirada em 2005, no Rio Grande Sul.

A justificativa deve ter entrado para os anais da entidade de classe: tornar-se “acompanhante de luxo”.

Para exercer a nova profissão, uma das mais antigas do mundo, a gaúcha de Passo Fundo foi de mala, cuia e laptop para Brasília.

E deixou para para trás ainda uma carreira de professora universitária em Mato Grosso.

A mudança radical foi motivada pela demissão da Faculdade de Sorriso, do grupo Unic, onde dava aulas de direito constitucional, sua especialidade, em fevereiro de 2016.

Em 11 de abril, Cláudia de Marchi iniciava suas atividades como cortesã de luxo na Capital da República e também um blog onde passou a narrar suas aventuras dentro e fora da alcova.

“Eu tomei essa decisão depois de sair do magistério, quando fui demitida sem justa causa, por questão de egos nestas instituições particulares”, relata, sem entrar em detalhes.

A faculdade também não dá maiores informações sobre a dispensa, nem comenta a guinada de vida de sua antiga funcionária.

À desilusão profissional se somava outra com os homens. Cláudia foi casada e vinha de uma sucessão de relacionamentos fracassados. “Tanto no casamento quanto nos meus namoros, o sexo era o que havia de mais especial, então resolvi aproveitar só a cereja do bolo.”

Na entrevista e nos posts diários em sua página na internet, a cortesã e blogger passa a ideia de estar se lambuzando em um banquete sexual iniciado três meses depois da demissão. Há pouco mais de dez meses, a ex-advogada fazia o primeiro programa ao preço de R$ 500 a hora, reajustada recentemente para R$ 600.

PF PRENDE NA BAHIA EX-PREFEITO DE DOLCINÓPOLIS

chegada_do_ex-prefeito_na_pf_em_porto_seguro

Com ligeiro atraso, estou publicando as novidades sobre o ex-prefeito de Dolcinópolis, José Luiz Reis Inácio de Azevedo. As peripécias do conhecido “Zé Paraguai” começaram logo no início de seu mandato, em 2013, quando ele contratou – sem licitação – uma empresa que, até dois meses antes da posse, pertencia a ele mesmo.

zecolmeiadesAinda em 2013, o blog noticiou que o prefeito pagou a uma empresa por uma obra inacabada. Também em 2013, ele foi acusado de “comprar” milho para alimentar as galinhas da granja municipal. Dois detalhes: 1) a granja estava desativada e não tinha uma única galinha; 2) os pequenos agricultores que “venderam” o produto não plantavam um pé de milho há muito tempo.  

E os amigos devem estar curiosos sobre a escolha do nome “Operação Catatau”, certo? Um jornal de Pernambuco explicou: é que o suposto “laranja” do ex-prefeito é conhecido pela alcunha de “Zé Colmeia”. Vamos, agora, à notícia é do G1:

A Polícia Federal de Jales e o Ministério Público Estadual de Estrela d’Oeste (SP) deflagraram na manhã desta terça-feira (21) a Operação Catatau, que investiga a suspeita de desvios de recursos públicos durante gestão do ex-prefeito de Dolcinópolis (SP). Milhões de reais em pagamentos suspeitos, feitos durante a gestão dele, são investigados.

A Justiça Estadual de Estrela d’Oeste (SP) expediu dois mandados de prisão temporária, 10 conduções coercitivas, quando a pessoa é levada a prestar depimento, e 11 mandados de busca e apreensão que estão sendo cumpridos em Porto Seguro (BA), Dolcinópolis (SP), distrito de Fátima Paulista em Turmalina (SP), Cardoso (SP), Pontalinda (SP) e Jales (SP).

O ex-prefeito de Dolcinópolis, José Luiz Reis Inácio de Azevedo (PSDB) foi preso pela PF em Porto Seguro, na manhã desta terça-feira (21). Após o fim do mandato em 2016, ele mudou com a família e uma empregada para Porto Seguro. Nenhum advogado do ex-prefeito foi encontrado para falar sobre o caso.

O ex-prefeito abriu duas empresas naquela cidade, que também são alvos das buscas. A ex-tesoureira da prefeitura também é alvo de dois mandados de busca e apreensão em Fátima Paulista e Dolcinópolis (SP).

O delegado Cristiano Pádua da Silva diz que são investigados serviços, convênios, consultorias, compras e obras com pagamentos suspeitos. “São pagamentos com recursos provenientes da repatriação, recebidos do governo federal e usados nos últimos dias do ano de 2016. Em Dolcinópolis, estes valores foram pagos apenas a alguns servidores, ligados ao ex-prefeito, e fornecedores do município.”

Um sócio do ex-prefeito, que é apontado como ‘laranja’, também foi preso em Dolcinópolis. Após o fim do mandato do ex-prefeito, este sócio voltou a polir veículos e atualmente faz bicos na cidade, sem emprego fixo. Na gestão do ex-prefeito, ele figurou como sócio em construtoras e empresas de consultoria, com capital social acima de R$ 1 milhão, que prestavam serviços para o município de Dolcinópolis.

Em Jales, a casa da irmã do ex-prefeito e de um médico (cunhado do ex-prefeito) foi vasculhada pelos federais em busca de provas de interesse das investigações. Eles também serão conduzidos coercitivamente para prestar esclarecimentos. Contadores, empresários e prestadores de serviços também estão entre os alvos da operação.

O ex-prefeito será conduzido por policiais federais em vôo de Porto Seguro até Rio Preto, onde deve chegar por volta das 19h e será escoltado em viatura até Jales para ser ouvido pelas autoridades responsáveis pelas investigações.

JORNAL DE JALES: BRIGITÃO VOLTA AO CONSIRJ PROMETENDO CORTAR DESPESAS

capa JJ 19.02.17A principal manchete do Jornal de Jales deste domingo destaca a aplicação da Lei Maria da Penha nas relações homoafetivas. Segundo o jornal, a prisão, em Jales, de uma mulher que agredia a companheira levantou a discussão sobre a aplicação da lei em situações diferentes da violência de marido contra mulher. Sobre o assunto, a delegada Maria Letícia Camargo, da Delegacia de Defesa da Mulher, disse que vem aumentando muito os casos de violência de filho contra mãe e de irmão contra irmã. Ela confirmou, ainda, que a lei já foi aplicada em um caso de agressão entre dois homens que mantinham uma relação homoafetiva.

Destaque, também, para a volta de José Roberto Pietrobom, o Brigitão, à diretoria administrativa do Consirj. Ele tomou posse na segunda-feira, 13, prometendo reduzir despesas sem diminuir o número de funcionários e sem prejudicar a qualidade dos serviços prestados à população. Em entrevista ao JJ, ele disse que um dos seus desafios será resolver as pendências dos municípios que estão devendo ao consórcio.

Os cinco casos confirmados de meningite viral que estão deixando a população preocupada; as mudanças na previdência municipal, que foram aprovadas pela Câmara depois de muita discussão; as explicações do provedor da Santa Casa durante sessão da Câmara, onde ele afirmou que o hospital pode ir parar na UTI; a dívida da Prefeitura de Fernandópolis, que passa dos R$ 52 milhões; e a sugestão do vereador Tiago Abra para que a Prefeitura devolva o recinto de exposições da Facip à Unimed, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior está informando que o Cartório do Registro de Imóveis e Anexos – o CRIA – continua funcionando normalmente , mas perdeu um grande filão, que é o setor de protestos. A partir de agora, os protestos de títulos só poderão ser feitos nos cartórios do 1º Ofício (o Cartório do Adauto), e do 2º Ofício (o Cartório do Garça).    

“SEM FANTASIA” – CHICO BUARQUE E MARIA BETHÂNIA

chico e bethânia ao vivoHoje, domingo, é dia de Brasil & Cia, na Regional FM. No domingo passado, uma amiga – a professora Maria Helena – ligou lá na Regional dizendo que gostaria de ouvir “Sem Fantasia”, com o Chico Buarque e a Maria Bethânia.

“Sem Fantasia”, uma música pouco tocada nos tempos atuais, é uma das minhas preferidas da obra do Chico. E ela não está entre as minhas preferidas por acaso. Essa canção era uma das 12 do LP “Chico Buarque – Volume 3”, de 1968, um dos primeiros discos que comprei na antiga Livraria Marisa e, certamente, um dos que mais ouvi em meu velho aparelho Grundig.

Na versão original, a de 1968, Chico, então com 24 anos, cantava com uma de suas irmãs, Cristina, seis anos mais nova que ele. Por sinal, Cristina só se tornou conhecida do grande público em 1974, quando gravou o seu maior sucesso – “Quantas Lágrimas” – um samba de Manacéia, compositor da Velha-Guarda da Portela.

A versão do vídeo abaixo, com Chico e Bethânia, é do show Noite Luzidia, gravado no Canecão, em 2001. Essa não foi, porém, a primeira vez que eles cantaram, juntos, “Sem Fantasia”. A primeira vez foi em 1975, na série de shows que ambos fizeram, também no Canecão, e que virou o disco “Chico Buarque e Maria Bethânia ao Vivo”, cuja capa pode ser vista lá em cima.

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

A TRIBUNA: POPULAÇÃO PEDE FISCALIZAÇÃO SOBRE GUIAS REBAIXADAS E ESTACIONAMENTOS IRREGULARES NO CENTRO

capa tribuna 19.02.17O jornal A Tribuna deste final de semana destaca o provável início do recape de algumas ruas e avenidas da cidade – num total de 138.510 metros quadrados – previsto para o mês de março. Depois de duas suspensões, a licitação – que começou em junho do ano passado – está sendo, finalmente, concluída. A empresa vencedora foi a Conpav, de Santa Fé do Sul, e o contrato, no valor de R$ 3,1 milhões, deverá ser assinado nos próximos dias. O prefeito Flá ficou satisfeito com o resultado e pretende utilizar os R$ 800 mil que sobraram do empréstimo de R$ 4 milhões para recapear outros 32 mil metros quadrados.

Destaque, também, para os cinco casos de meningite viral confirmados em Jales nos últimos quinze dias. Os casos envolvem crianças com faixa etária entre 07 e 09 anos e estão concentrados na região leste da cidade, onde se situam os bairros Jardim Paulista, Vila Nossa Senhora Aparecida, São Judas Tadeu, Roque Viola, entre outros. Das cinco crianças, quatro estudam na escola “Eljácia Moreira”, enquanto a outra estuda na escola “João Arnaldo”. A Secretaria de Saúde diz que não há motivos para pânico e que os pais devem continuar mandando os filhos à escola.

A posse do novo (nem tão novo assim!) diretor administrativo do Consirj; a aprovação do projeto que acabou com a gratificação que era paga aos conselheiros do Instituto Municipal de Previdência; a suspensão, pela Anac, da autorização de funcionamento da escola de aviação civil do comandante Messias; o pedido da população para que a Prefeitura fiscalize guias rebaixadas e estacionamentos irregulares no centro de Jales; e a morte de uma advogada de Estrela D’Oeste, em um acidente com dois ônibus, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, a “alfinetada” que o vereador Tiago Abra deu, durante entrevista radiofônica, no advogado Carlos Alberto Brito Neto. Na página de opinião, o blogueiro Hélio Consolaro escreve sobre “cidades que são uma cagadinha de mosquito”, enquanto o santista Victor Pereira escreve sobre a dura vida de técnico de futebol. No caderno social, destaque para o pré-carnaval do Almería Eventos e para a coluna do Douglas Zílio, que detalha a vinda do “rei” Roberto Carlos a Fernandópolis. 

DEU NA FOLHA NOROESTE DE HOJE

folha noroeste 18.02.17A principal manchete do jornal Folha Noroeste deste sábado destaca iniciativa do vereador Tiago Abra(PP), que está questionando o prefeito Flávio Prandi(DEM) sobre a possibilidade de rescindir o contrato através do qual a Unimed cedeu – por dez anos – o recinto de exposições “Juvenal Giraldelli” para uso da Prefeitura. Assinado pelo ex-prefeito Humberto Parini em 2008, o contrato vence em fevereiro de 2018, mas o vereador está sugerindo que a Prefeitura antecipe a devolução do recinto à sua proprietária, a Unimed, uma vez que o imóvel – cuja manutenção custa cerca de R$ 100 mil/ano – não está sendo utilizado pelo município.

Destaque, também, para a participação do provedor da Santa Casa de Jales, Sebastião Júnior Ferreira, o Júnior Violada, na sessão da Câmara de segunda-feira passada. Júnior utilizou o espaço da Tribuna Livre para falar sobre a situação financeira do hospital, apresentando os números relativos ao atendimento, ao custeio e às despesas da instituição nos últimos dois anos. O provedor esclareceu que os custos da Santa Casa ultrapassam R$ 2,4 milhões por mês e que o déficit mensal está em torno de R$ 150 mil.

Na coluna FolhaGeral, o combativo redator chefe Roberto Carvalho está informando que, segundo comentários ouvidos nos bastidores políticos, pelo menos três figuras conhecidíssimas da política local – entre elas, dois ex-vereadores que tentaram se eleger novamente no pleito do ano passado, mas não obtiveram êxito – estariam aguardando um chamado do prefeito Flávio Prandi para integrarem o time de assessores do alcaide. O colunista, pelo jeito, é favorável. Ele comenta que o prefeito precisa de técnicos eficientes ao seu lado, mas não pode abrir mão de gente que sabe fazer política.

VEREADORES NOVATOS REJEITAM EMENDA QUE ELES MESMOS APRESENTARAM

DSC02902-ed

A Câmara Municipal de Jales produziu, na quinta-feira, 16, mais um interessante capítulo para abastecer o nosso folclore político. Reunidos em sessão extraordinária, eles aprovaram, por unanimidade, um projeto enviado pelo prefeito Flá Prandi(DEM), que promove alterações em uma lei de 1993, que criou o Instituto Municipal de Previdência Social.

O detalhe é que, antes de aprovar o projeto, os vereadores rejeitaram, também por unanimidade, uma emenda apresentada por seis deles – Vagner Selis(PRB), Adalberto Francisco Oliveira Filho(PMDB), Bismark Kuwakino(PSDB), Vanderley Vieira dos Santos(PPS), Fábio Kazuto(PSB) e João Valeriano Zanetoni(PSB). Ou seja, os próprios autores votaram contra a emenda que eles apresentaram.

Não seria mais lógico que eles retirassem a emenda? Talvez fosse, mas não se pode esperar muita lógica de vereadores que estão debutando na política. O dado concreto é que o projeto de Flá – depois de muitas reuniões, discussões, emendas e até um adiamento – foi aprovado sem alterações. Entre outras coisas, ele extingue a gratificação que era paga aos nove conselheiros do Instituto.

Outro detalhe curioso é que o vereador Tiago Abra criticou o projeto e acusou o prefeito Flá de não cumprir acordos, mas aprovou a nova lei.

De outro lado, pessoas próximas ao prefeito Flá garantem que ele não teve participação na lambança promovida pelos vereadores. “O Flá deixou os vereadores à vontade para promover as alterações que julgassem necessárias, inclusive na questão da gratificação. Eles é que não souberam conduzir o caso”, disse uma fonte do blog.

1 2 3 1.021