Categoria: Região

EX-PREFEITO DE DOLCINÓPOLIS JÁ COLECIONA 11 NOVAS AÇÕES EM 2018

Este modesto blog já mencionou várias vezes que o ex-prefeito de Mesópolis, Otávio Cianci, é o recordista regional no quesito “processos na Justiça”. Tudo indica, porém, que, em breve, ele deverá perder esse honroso posto para o ex-prefeito de Dolcinópolis, José Luiz Reis Inácio de Azevedo, que foi preso pela PF no início de 2017 e continua trancafiado.

Dados do Tribunal de Justiça mostram que somente nos primeiros quinze dias de 2018, José Luiz já viu sua vasta coleção de processos acrescida de mais 11 (vou repetir por extenso: onze) novas ações, nas quais o ex-prefeito é acusado por “pagamentos indevidos” e de “enriquecimento sem causa”. Juntas, as 11 ações somam R$ 606,9 mil.

Os tais “pagamentos indevidos” referem-se, segundo informações extraoficiais, aos pagamentos que, em tese, teriam sido feitos a fornecedores ao final do mandato de José Luiz. O detalhe é que os fornecedores – incluindo um supermercado de Jales – garantem que não viram a cor desse dinheiro, que, tudo indica, teria tomado outros rumos.

A encrenca estaria só começando, uma vez que, segundo fontes, ainda restariam outros pagamentos sob suspeita. Por enquanto, além do ex-prefeito, estão igualmente encrencados o ex-procurador jurídico do município, Mizael Fábio Inácio Batista, e a ex-tesoureira Natália Manente Barrado Trindade.

Natália, por sinal, chegou a ser presa preventivamente pela Polícia Federal na operação “Catatau”, a mesma que foi buscar o ex-prefeito José Luiz em Porto Seguro(BA). Ela teria deixado a Prefeitura para se dedicar a atividades empresariais, como dona de um supermercado em Guarani D’Oeste.

POLÍCIA CIVIL DIVULGA DETALHES SOBRE HOMICÍDIO REGISTRADO EM URÂNIA

As informações foram enviadas pela Gabriela Garnica, da assessoria de imprensa da Polícia Civil de Jales:

Policiais civis de Urânia e do Plantão Permanente de Jales identificaram, na quarta-feira, dia 10, os autores do homicídio ocorrido na última sexta-feira, dia 05.

A equipe de investigadores da Polícia Civil de Urânia, após várias diligências, e informações compartilhadas com as equipes da Polícia Civil de Jales, conseguiu esclarecer, identificar e prender os autores de um crime ocorrido sexta-feira, dia 05, na vicinal conhecida como “Estrada da Uva”.

A partir das características do veículo, uma camionete Mitsubishi Triton L200 prata, os policiais civis chegaram a C.P. (31) e seu primo L.P.P. (31). Indagados, negaram a princípio a autoria do crime, mas com as evidências levantadas e devido às contradições entre as versões apresentadas, acabaram confessando terem atropelado e matado Célio José da Silva (ao lado), de 34 anos. 

Segundo o apurado nas investigações, os investigados L.P. é irmão, e C.P. é primo de P.C.P., de 29 anos, que teria tido um relacionamento com a vítima. Com o fim do namoro a moça vinha recebendo ameaças, tanto que registrou Boletim de Ocorrência na quarta-feira, dia 04, requerendo medidas protetivas, depois que a vítima Célio José da Silva foi até sua casa na zona rural, à sua procura. Naquela noite, a jovem conseguiu fugir. Sem sucesso na abordagem,

Célio arrombou as portas da casa e acabou por agredir e lesionar gravemente seus pais, que estavam dormindo na residência.

No interrogatório dos autores, L.P. e C.P. deixaram claro que ficaram transtornados com a atitude da vítima, mas que nenhum dos dois conhecia Célio pessoalmente, apenas por foto. 

Segundo os autores, na sexta-feira, dia 05, quando transitavam pela “Estrada da Uva” com a camionete Mitsubishi Triton L200 de C.P., passaram por um indivíduo com características semelhantes às de Célio. O motorista naquele momento, L.P., disse em interrogatório que retornou com o veículo para certificar se de fato se tratava de Célio, quando, em velocidade considerável, atingiu a vítima jogando-a ao solo. 

À polícia os autores disseram que retornaram e constataram que o atropelado ainda estava vivo, pois respirava. Decidiram socorrê-lo à Santa Casa mas, no trevo da cidade, verificaram que a vítima não apresentava mais, sinais de respiração. 

Com medo das consequências, decidiram ocultar seu corpo em um canavial que fica no Córrego Comprido, município de Urânia. Para isso, cavaram um buraco de aproximadamente um metro de profundidade e depositaram o corpo. 

Após serem identificados os autores levaram os policiais até o local. O Corpo de Bombeiros de Jales esteve no local, porém, diante das dificuldades para a remoção do corpo, foi necessária a presença de uma máquina retroescavadeira.

A vítima Célio José da Silva, apresentava diversas passagens policiais no estado de Minas Gerais e, segundo sua ex namorada, esteve recentemente internado em uma clínica de reabilitação para dependentes químicos, de onde conseguiu fugir.

Os dois autores foram indiciados pelos crimes de Homicídio Qualificado e Ocultação de Cadáver. Por terem se apresentado espontaneamente à Polícia e por não se tratar de situação flagrancial, foram liberados, sob compromisso, pelo Delegado de Polícia, Dr. Nilton Moreira Cangussú.

O delegado seccional, Dr. Charles Wiston de Oliveira, que esteve na delegacia em Urânia acompanhando à apresentação dos envolvidos, destacou a resposta rápida da polícia, especialmente, por se tratar de um crime brutal contra a vida.

O delegado responsável pelo caso, Dr. Nilton Moreira Cangussú, disse que as investigações vão continuar, que outras pessoas devem ser ouvidas e novos fatos poderão ser juntados ao longo do inquérito policial.

URÂNIA: DOIS SUSPEITOS SÃO PRESOS POR ATROPELAR HOMEM E ENTERRAR CORPO EM CANAVIAL

A notícia é do Diário da Região:

Dois primos foram presos pela DIG de Jales por ter atropelado de proposito um homem de 34 anos, na estrada da Uva, em Jales e depois ocultado o corpo em Urânia. Célio José da Silva foi morto por vingança após ter agredido a ex-namorada e seus pais, que são pais de um dos autores do crime.

O delegado Sebastião Biasi afirma que Célio tinha terminado o relacionamento com a moça, mas no dia 2 de janeiro, foi até a casa dela para tentar reatar o namoro. Como a jovem não aceitou o pedido, ele começou a agredi-la. Os pais dela tentaram defender a filha, mas também apanharam do rapaz.

“O homicídio ocorreu por volta das 12h, na estrada vicinal, conhecida como Estrada da Uva, em Jales. Após o atropelamento, o corpo foi colocado na caçamba de uma caminhonete Triton L200, de cor prata, ocupada pelos dois individuos, que enterraram o corpo próximo ao córrego Cumprido, em Urânia”, relata o delegado.

Com base em investigações feitas em conjunto entre a DIG e Delegacia de Urânia, a polícia conseguiu prender os dois suspeitos do crime em Jales.

“Os dois informalmente já confessaram o crime. Inclusive só conseguimos encontrar o local onde o corpo do Célio estava enterrado, com ajuda deles”, diz o delegado.

O corpo de Célio foi enviado para o Instituto Médico Legal de Fernandópolis. Os dois suspeitos foram levados para Cadeia de Santa Fé do Sul. Caso seja confirmado o crime eles poderão pegar até 30 anos de prisão.

MESÓPOLIS: EX-PREFEITO E EX-VEREADORA SÃO CONDENADOS PELA JUSTIÇA DE JALES POR IMPROBIDADE

O ex-prefeito de Mesópolis, Otávio Cianci – recordista da região em ações de improbidade administrativa – e a ex-vereadora Eunice Camilo da Silva, a Nice do Sapo, foram condenados pela Justiça de Jales por ato de improbidade. A ação foi ajuizada pelo Ministério Público em setembro de 2015 e a sentença do juiz da 2ª Vara de Jales, Alexandre Yuri Kiataqui, é de dezembro de 2017.

Sucedeu assim: em 2011, quando Eunice era a presidente da Câmara de Mesópolis, o então prefeito Tavinho autorizou a utilização de um caminhão do município para transporte de material usado na reforma da residência da vereadora. Com o detalhe de que o motorista do caminhão – Luiz Olímpio – também era vereador. Além disso, o prefeito ainda designou um servidor municipal para executar a repaginação da casa de Eunice.

Em sua defesa, Eunice – como se ela não tivesse que dar exemplo – alegou que era costume da Prefeitura ceder o caminhão para atendimento dos munícipes em obras particulares. Alegou também que o pedreiro designado pelo prefeito trabalhou por apenas quatro dias na reforma, o que gerou certa polêmica, pois uma testemunha da vereadora disse que foram apenas um dia e meio de trabalho, enquanto o próprio servidor – Genésio Cavelani – garantiu que foram quinze dias de exaustivo trabalho na casa da vereadora.

Resumo da ópera: Eunice foi condenada a pagar multa correspondente a três vezes o prejuízo causado aos cofres públicos, enquanto Tavinho terá que pagar multa relativa a duas vezes o mesmo prejuízo, cujo valor ainda vai ser calculado. Além das multas, os dois personagens foram condenados, também, a ressarcir os cofres municipais pelos prejuízos oriundos da conduta ímproba de ambos.

A ex-vereadora Nice do Sapo é um dos agentes políticos que está requerendo na Justiça de Jales o pagamento do 13° salário e do 1/3 de férias relativos ao período em que prestou serviços ao ordeiro povo de Mesópolis. O pedido dela – R$ 12 mil – foi julgado procedente, em primeira instância, mas não se pode dizer que a fase da ex-vereadora é das melhores.

Não bastasse a multa e o ressarcimento a que foi condenada, ela está sendo acionada na Justiça pela Prefeitura de Mesópolis, por conta de uma dívida de R$ 13 mil. Ou seja, o 13° salário – se vier – não será suficiente para a ex-vereadora acertar suas contas com os cofres públicos.

QUATRO HOMICÍDIOS MARCAM VIRADA DO ANO NA REGIÃO

A notícia é do Jornal de Jales:

A violência marcou a passagem de ano na região, com o registro de pelo menos quatro homicídios, dois dos quais ainda estão sendo investigados pela polícia.

Um dos crimes aconteceu em Urânia, no dia 30 de dezembro, sábado, onde um homem de 32 anos foi morto a facadas em um bar próximo ao cemitério.

O suspeito, de 47 anos, que segundo informação da polícia, morava com a vítima em uma república, foi preso em flagrante. O agressor disse aos policiais que os dois se desentenderam porque a vítima não teria pago sua parte das despesas da república

Segundo a polícia, a vítima estava no bar quando o suspeito apareceu de repente, já desferindo golpes com uma faca que chegou a quebrar. A vítima foi atendida pelo Samu, mas não resistiu aos ferimentos e morreu logo em seguida.

O agressor fugiu, mas passou a ser procurado pelos policiais de Urânia e Aspásia, até ser encontrado em uma mata, portando outra faca.

DEGOLA

Outro homicídio foi registrado no dia 1º de janeiro, desta vez em Santa Albertina, durante um desentendimento entre o criminoso e seu cunhado. Segundo informações de familiares, o agressor teria levado um tapa no rosto, foi em casa, pegou uma faca e degolou a vítima.

Na sequencia, o criminoso foi até a delegacia e se entregou. Segundo os policiais, ele disse que tinha matado seu cunhado e queria pagar pelo que fez. Ele foi ouvido pelo delegado de plantão e encaminhado para a delegacia de Santa Fé do Sul.

VIRADA DO ANO

Em Suzanápolis, um homicídio aconteceu em plena virada do ano, quando uma grande confusão se armou no centro da cidade, por volta das cinco horas da madrugada do dia 1º. Segundo a polícia, logo depois da confusão, um rapaz de 22 anos morreu, ao levar uma facada. Outro jovem também foi esfaqueado pelo mesmo agressor e chegou a ser atendido na Santa Casa de Pereira Barreto, onde foi medicado e liberado.

Os policiais que atenderam a ocorrência informaram que o jovem que morreu levou uma facada no abdômen, perdeu muito sangue e morreu a caminho do hospital.

O suspeito fugiu tomando rumo de Aparecida d’Oeste. A polícia está investigando para procurar saber detalhes sobre os motivos da confusão e do crime.

PRAINHA

Também na noite de sábado, dia 30, um rapaz de 28 anos morreu depois de receber vários tiros, na prainha de Riolândia. Ele participava de uma festa de confraternização quando o agressor apareceu e segundo a polícia, foi logo atirando.

Os motivos do crime ainda estão sendo investigados, mas sabe-se que o homem levou pelo menos 8 tiros à queima-roupa. Ele era operador de máquina em uma usina da região e deixa dois filhos, um de 9 anos e uma menina de 1 ano e nove meses.

JUSTIÇA JULGA PROCEDENTES AÇÕES DE VEREADORES DE MESÓPOLIS QUE PEDEM O PAGAMENTO DO 13o SALÁRIO

O juiz da Vara Especial Cível e Criminal de Jales, Fernando Antônio de Lima, julgou procedente pelo menos sete das oito ações ajuizadas por vereadores e ex-vereadores de Mesópolis, em que eles pedem o pagamento do 13º salário e do 1/3 de férias, retroativo aos últimos cinco anos. Apenas a ação do ex-vereador Luiz Olímpio(PSB), no valor de R$ 31,6 mil, ainda aguarda julgamento.

No total, as sete ações julgadas procedentes somam R$ 200 mil. Antes, a Justiça já tinha julgado procedente a ação movida pelo ex-vice-prefeito Aparecido Vieira da Silva, também de Mesópolis, que está requerendo o pagamento de R$ 43,8 mil. O caso de Aparecido é o único que já chegou ao Colégio Recursal de Jales, onde um recurso será julgado pela 2ª Turma, sob a relatoria do juiz Heitor Katsumi Miúra.

Em suas sentenças, o juiz Fernando Antônio de Lima ressaltou que “ao vereador não se sonega o desfrute dos direitos sociais de qualquer trabalhador, como o 13º salário e as férias”. Segundo o magistrado, ao menos dois artigos da Constituição Federal garantem esse direito.

O juiz mencionou, também, dois julgamentos do Tribunal de Justiça de São Paulo, favoráveis aos agentes políticos, bem como um julgamento do Colégio Recursal de Votuporanga, no qual os juízes da 1ª Turma reconheceram o direito do ex-prefeito de Pedranópolis, Sidnei de Sá, que pleiteava o pagamento das férias não gozadas.

O assunto, porém, é polêmico. Em outro julgamento, também envolvendo o município de Pedranópolis, a 2ª Turma do Colégio Recursal de Fernandópolis negou a um ex-vereador (Aguinaldo Coelho) o direito ao recebimento do 13º salário.

Na sentença, o Colégio Recursal concordou com o juiz da Vara Especial de Fernandópolis, para quem não se justifica o pagamento das verbas sociais a vereadores de pequenos municípios“, uma vez que eles não se dedicam exclusivamente ao cargo e, normalmente, possuem outras atividades.

Como se vê, mesmo diante de recente decisão do STF, que reconheceu a constitucionalidade do pagamento do 13º salário e outros direitos sociais a vereadores, prefeitos e vice-prefeitos – não interessando se de pequenos, médios ou grandes municípios – ainda vamos ter muita discussão sobre esse assunto.   

APÓS INSTALAÇÃO DE CPI, PREFEITO DE PONTALINDA CANCELA SHOWS DE FINAL DE ANO

Deu no portal A Voz das Cidades, do Beto Mariano:

O prefeito de Pontalinda,  Elvis Carlos de Souza(PTB), cancelou na manhã desta quinta-feira (14/12) os dois shows que aconteceriam em Praça Pública nos próximos dias 24 e 31 de dezembro, em comemoração ao Natal e à virada do ano.

Segundo informações, a decisão veio depois que os nove vereadores da Câmara de Pontalinda resolveram, em sessão realizada ontem (13/12), aprovar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as possíveis irregularidades cometidas pelo prefeito Elvis.

Comenta-se que, com essa decisão, o prefeito tentou promover retaliações contra a Câmara Municipal, mas, ao que parece, o feitiço virou contra o feiticeiro: a maioria da população está bastante revoltada com o prefeito e agora, mais que nunca, acredita cada vez menos na inocência do nobre alcaide.

POLÍCIA CIVIL REALIZA OPERAÇÃO CONTRA TRÁFICO DE DROGAS EM MARINÓPOLIS

A notícia é da assessoria da Polícia Civil:

A Polícia Civil, com o apoio da Polícia Militar e Ambiental, deflagrou na manhã desta quinta-feira (14), nova operação dirigida ao combate ao tráfico de drogas e outros crimes. O foco da ação foi o município de Marinópolis, onde os policiais, após levantamento investigativo, cumpriram sete mandados de busca e apreensão. 

A operação contou com a participação de 65 policiais, entre civis, militares e ambientais de toda a região, tendo resultado na prisão em flagrante de um indivíduo pela prática do crime de porte ilegal de arma de fogo, bem como na elaboração de dois termos circunstanciados por crimes ambientais (artigo 29 da lei 9605/98). 

Foram localizados e apreendidos, nove pacotes de cigarros, 135 CDs e 34 DVDs piratas, uma arma de fogo (revólver calibre 38), 19 cartuchos do calibre 38, a quantia de R$ 19.690,00, além de dois pássaros.  

Ao final da lavratura dos autos de prisão, por decisão do Delegado de Polícia, o autuado foi liberado após o pagamento de fiança.

VEREADOR QUER CASSAR MANDATO DE PREFEITO DE PONTALINDA

O vereador de Pontalinda Fernando Donizeth França(PSD) – aquele mesmo cuja admissão como contador da Câmara de Aspásia está sendo questionada pelo Tribunal de Contas – protocolou na segunda-feira, 11, um pedido de cassação do mandato do prefeito Elvis Carlos de Souza(PTB), que deverá ser lido na Câmara de Pontalinda nesta quarta-feira.

No pedido, o vereador acusa o prefeito de ter cometido algumas irregularidades no exercício do mandato, entre elas a apropriação indébita de valores descontados dos salários dos servidores e não repassados ao INSS e à Previdência Municipal. As dívidas seriam de R$ 76,7 mil com e INSS e de R$ 68,2 mil com o IPREM.

Ainda de acordo com o vereador, Elvis teria feito compras sem licitação, num total de R$ 300 mil, além de não prestar contas à Câmara Municipal e não dar publicidade a atos oficiais, como decretos e portarias. O vereador diz, também, que o prefeito já gastou mais de R$ 88 mil com viagens, em 2017.

ALUNO AGRIDE INSPETOR DE ESCOLA COM VOADORA EM PONTALINDA

A notícia é do G1:

Um inspetor de alunos foi agredido com uma voadora por um estudante, de 15 anos, da Escola Estadual Zélia Lourdes Zacarelli Lopes, em Pontalinda (SP). Câmeras de segurança da unidade de ensino registraram a agressão.

De acordo com informações da Polícia Civil, o aluno estava atrapalhando a aula e o inspetor o retirou da sala. O jovem ficou nervoso com a situação, discutiu com o profissional e o agrediu. O caso ocorreu na quarta-feira (6).

O profissional ficou ferido e precisou receber atendimento médico, segundo a polícia. Todos os envolvidos serão ouvidos e o caso será encaminhado ao Ministério Público.

Em nota, a Diretoria de Ensino de Jales lamentou o caso de violência e informou que a direção da unidade entrou em contato com a mãe do estudante e acionou o Conselho Tutelar. O aluno é menor de idade e foi suspenso por 10 dias. O funcionário agredido registrou boletim de ocorrência, fez exame de corpo de delito e está afastado de suas funções temporariamente.

1 2 3 4 89