Categoria: Geral

CORONA: HOMEM DE 45 ANOS MORRE EM SP E FILHA DIZ QUE ELE FOI INFECTADO EM SUPERMERCADO

Enquanto isso, o ignorante que elegeram para a presidência garante aos seus devotos que a covid-19 só mata os velhinhos e os doentes crônicos. A notícia é do UOL

Saudável, o segurança particular Edson Oenning, 45, foi liberado por seus patrões do trabalho por causa da pandemia de coronavírus e estava havia quase três semanas em quarentena, junto de sua mulher e três filhos na casa da família, localizada no Brás, região central de São Paulo. Na manhã de ontem, ele morreu em um hospital particular na zona oeste da cidade, em decorrência da covid-19.

No início da semana passada, Edson foi ao mercado com a esposa para comprar alimentos e álcool gel. Logo depois, sentiu falta de ar e dor no corpo, principalmente na região do peito.

Ele e a família suspeitaram de que ele pudesse estar com coronavírus e decidiram ir a um pronto-socorro particular na terça-feira (24). Lá, segundo os parentes de Edson, foram orientados a voltar para casa.

Na quinta (26), o segurança voltou ao hospital porque não conseguia respirar. Ao chegar, de acordo com a família, foi transferido para outra unidade hospitalar particular e, em seguida, entubado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

Na terça-feira desta semana (31), o hospital informou aos familiares de Edson que o estado de saúde do segurança tinha melhorado. Ontem, no entanto, disseram que o rim havia parado de funcionar e que ele estava com água no pulmão. Às 6h de ontem, informaram que ele teve uma parada cardiorrespiratória e não resistiu.

“Desde quando começou a quarentena, a gente não saiu muito. Na única vez que ele saiu, meu pai saiu de casa para ir ao mercado com a minha mãe. Então, a gente acredita que tenha sido infectado lá. Nós moramos em cinco: ele, minha mãe e meus dois irmãos, mas, por enquanto, está tudo bem com a gente, a gente não teve sintomas”, diz a filha Jaqueline Gomes da Silva, 22, estudante de psicologia.

EM CAMPANHA PRÓ-ISOLAMENTO SOCIAL, PREFEITURA USA MURO DO CEMITÉRIO E AVISA: “NÄO QUEREMOS VOCÊ AQUI”

Deu na Folha de S.Paulo:

A prefeitura de Jussari (498 km de Salvador) pintou nos muros do cemitério da cidade uma campanha contra a disseminação do coronavírus.

Desde o início da semana, o muro passou a trazer a seguinte mensagem: “Fica em casa. Não queremos você aqui”. A inciativa seguiu orientação do prefeito Antonio Valete (PSD).

A prefeitura divulgou a foto em suas redes sociais com uma mensagem de defesa do isolamento social.

“De forma lúdica mas com uma mensagem séria a prefeitura de Jussari intensifica campanha de prevenção contra o Coronavírus”. 

PADRE DE SANTA CATARINA ADOTA ‘DRIVE THRU’ PARA OUVIR CONFISSÕES

Deu no portal Metrópoles:

Em meio à pandemia do novo coronavírus, o padre Fábio Bosco, da Paróquia Nossa Senhora Aparecida, em São Francisco do Sul, norte de Santa Catarina, começou a atender as confissões dos fiéis por meio de “drive-thru”.

O religioso adotou a ideia como forma de seguir as orientações para evitar contato físico devido ao risco de contágio do coronavírus. O padre Fábio Bosoco adaptou um espaço no pátio da igreja para o acesso de carros.

As confissões começaram no domingo (29/03). “Eu recebi essa ideia de um padre amigo meu que é de Portugal, e sei que outros sacerdotes também fizeram aqui no Brasil. O importante é que a pessoa tenha feito uma boa preparação antes, com um exame de consciência adequado”, afirmou o religioso.

MÉDICOS E PROFISSIONAIS DA SAÚDE ESTÃO SENDO INFECTADOS EM MASSA PELO CORONAVÍRUS

Deu no Brasil 247:

Um sem-número de médicos, médicos, enfermeiras, técnicos e fisioterapeutas estão sendo infectados pelo coronavírus nos hospitais de São Paulo. Só em quatro hospitais de São Paulo, mais de 600 profissionais foram afastados do trabalho desde o início da epidemia no país, informa a jornalista Mônica Bergamo na Folha de São Paulo. O número em apenas quatro instituições indica que pode estar já na casa dos milhares a quantidade de profissionais de saúde infectados em todo o país.

Segundo levantamento da jornalista, o cenário em alguns dos principais hospitais de São Paulo é dramático. O infectologista Pedro Mathiasi, do HCor, diz que “Há tensão e medo e um sentimento de autoproteção”, que os profissionais têm também uma sensação “de impotência” quando recebem a notícia de que um colega foi contaminado e que “a situação é agravada por muitos permanecerem longe das famílias, para preservá-las do risco”.

Veja o levantamento de Mônica Bergamo:

Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, maior hospital público do país: 125 afastados, 108 já testaram positivo para a Covid-19. 50 aguardam o resultado do exame.

Hospital Albert Einstein: 348 profissionais diagnosticados com a doença.

Hospital Sírio Libanês: 104 funcionários estão afastados.

HCor: 32 médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e fisioterapeutas foram afastados.

RODÍZIO NA QUARENTENA DO PANAMÁ: HOMENS E MULHERES NÃO PODEM SAIR ÀS RUAS NO MESMO DIA

Para quem está reclamando do isolamento social aqui no Brasil, é oportuno lembrar que, em outros países, como é o caso do Panamá, a quarentena é bem mais rigorosa. Deu no UOL:

O governo do Panamá anunciou uma medida controversa para enfrentar o coronavírus. A partir de amanhã, homens e mulheres não poderão sair no mesmo dia para fazer suas compras básicas.

Desde o dia 25 está vigorando no país um sistema de rodízio que obriga os cidadãos que estão nas ruas a apresentarem um documento de identidade. O número final do documento determina se a pessoa pode estar na rua ou não.

Por exemplo, uma pessoa que tem o documento com final 7 pode estar nas ruas das 6h30 às 8h30 da manhã. Já quem tem o final 1 pode fazer compras ou resolver emergências médicas das 12h30 às 14h30.

Com a nova regra do gênero, homens poderão sair de casa às terças, quintas e sábado, enquanto as mulheres poderão circular às segundas, quartas e sextas. Sempre respeitando o horário do rodízio. A multa para quem não obedecer as regras varia entre US$ 50 mil a US$ 100 mil (cerca de R$ 259 mil a R$ 518 mil).

 

MENINA BELGA DE 12 ANOS É A MAIS JOVEM VÍTIMA FATAL DO CORONAVÍRUS NA EUROPA

A Bélgica, onde se fala três idiomas – holandês, francês e alemão – tem cerca de 11,4 milhões de habitantes, um pouco menos que a cidade de São Paulo, cuja população já passa dos 12 milhões. Deu no portal Notícias ao Minuto:

Uma menina belga de 12 anos de idade se tornou a pessoa mais jovem a morrer na Europa por causa do novo coronavírus, informou nesta terça (31) o governo da Bélgica.

A menina teve febre por três dias e piorou subitamente, segundo Steven Van Gucht, que coordena a equipe científica de combate à pandemia no país. O teste para coronavírus deu positivo. O governo não informou o nome da menina, a cidade em que ela estava nem se ela tinha outros problemas de saúde.

“Pessoas de todas as idades podem ter complicações, ainda que elas sejam mais raras entre os mais jovens. Cada caso precisa ser tratado individualmente”, afirmou Van Gucht.

Foi a primeira morte de uma criança na Bélgica desde que o coronavírus foi detectado pela primeira vez, em 3 de fevereiro.

Até esta terça, a pessoa mais jovem a morrer na Europa por causa do coronavírus era Vitor Godhino, 14 anos, do Porto, em Portugal, que morreu no domingo (29). Na semana passada, Julie Alliot, 16 anos, morreu em Paris.

Em quarentena há 15 dias, a Bélgica registra quase 12 mil casos confirmados (11º maior número no mundo) e 513 mortes (10º maior número no mundo).

Os hospitais belgas têm cerca de mil pacientes em unidades de tratamento intensivo, 786 deles em aparelhos de respiração. Segundo o centro belga de combate à pandemia, a taxa de ocupação das UTIs é de cerca de 53%.

Em tempo: No Rio de Janeiro, a vítima mais jovem é uma mulher de 32 anos. Ela trabalhava como ambulante na Rodoviária do Rio, onde tinha contato com muita gente. Em São Paulo, a vítima mais jovem é um homem de 33 anos. Ele tinha uma doença pré-existente, que não foi divulgada.

TWITTER TIRA DO AR VÍDEOS ENGANOSOS PUBLICADOS POR BOLSONARO. E DE FLÁVIO BOLSONARO TAMBÉM

O Twitter está adotando medidas que preveem a exclusão de conteúdos que neguem ou distorçam orientações dos órgão de saúde em relação ao combate e prevenção ao novo coronavírus. Desse modo, publicações sobre o assunto, feitas por mentirosos compulsivos e propagadores de notícias falsas, estão sendo deletadas.

A novidade é do portal Notícias ao Minuto:

O Twitter deletou duas publicações feitas na conta do presidente Jair Bolsonaro na noite deste domingo, 29, por violação às normas da rede social. Os tuítes foram feitos durante passeio de Bolsonaro a regiões do Distrito Federal durante a manhã, na qual conversou com apoiadores e vendedores de rua e defendeu a reabertura do comércio, apesar das orientações de órgãos de saúde.

Além de defender a volta da população ao trabalho, o que contraria as orientações do próprio Ministério da Saúde, o presidente da República diz, no vídeo, que um medicamento usado para malária, produzido no Brasil, “está dando certo em tudo quanto é lugar.” A declaração aconteceu no dia em que o governo da Bahia divulgou que o primeiro paciente que morreu no estado fazia uso de tal medicamento.

Num segundo vídeo apagado pelo Twitter, Bolsonaro aparece entrando em uma casa de carnes em Sobradinho, também na região metropolitana de Brasília. Ele diz que “o desemprego tem apavorado as pessoas” e diz, sem apresentar de qual estudo tirou tal informação, que o País só fica imune ao coronavírus depois que 60 a 70% for infectada.

E nesta segunda-feira, 30, o Twitter tirou do ar, também, dois tuítes do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e um do senador Flávio Bolsonaro, que republicavam vídeo antigo do médico Dráuzio Varella. As postagens teriam violado as normas sobre conteúdos enganosos, visto que a gravação era datada de janeiro, mas os tuítes passavam a ideia de ser algo recente.

SÃO PAULO TEVE SEIS VEZES MAIS MORTES QUE A CHINA NOS PRIMEIROS 13 DIAS DE CORONAVÍRUS

Da coluna da Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo:

O Estado de São Paulo chega, neste domingo (29), à contabilização de 98 mortes relacionadas à Covid-19. Já há 1.451 casos confirmados da doença no estado.

De acordo com o balanço feito pela Secretaria da Saúde, estão morrendo em média 7,5 pessoas por dia desde que o primeiro óbito foi registrado, no dia 17 de março.

Em um intervalo similar, de 13 dias, a China teve uma média diária de 1,3 óbitos, de acordo com o levantamento feito pelo governo.

“A primeira morte no país asiático ocorreu em 11 de janeiro. No dia 23 daquele mês, a China contabilizava 17 mortes. Nesse período de treze dias, o país também saltou de 41 para 571 casos confirmados”, diz o balanço.

Os 14 novos óbitos contabilizados neste domingo (29) são de pessoas atendidas na rede particular.

A maioria deles, 13, ocorreu na capital paulista. Uma das mortes, de um homem de 89 anos, foi em São Bernardo do Campo.

Na capital morreram cinco mulheres (71, 84, 84, 87 e 90 anos), seis homens idosos (60, 67, 79, 76, 63, 83) e dois jovens de 26 e 33 anos, em fase de investigação sobre eventuais comorbidades e histórico clínico.

Até o meio desta semana, apenas a Capital paulista registrava óbitos relacionados à Covid-19. Agora, os municípios de Vargem Grande Paulista, Guarulhos, Taboão da Serra, Embu das Artes, Sorocaba, São Bernardo do Campo e Ribeirão Preto também contabilizam pelo menos um óbito.

1 2 3 206