PAI MATA FILHA ESGANADA POR CAUSA DE DINHEIRO DE PENSÃO

Deu no portal MSN:

A Polícia Civil de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba, divulgou nesta sexta-feira, 14, detalhes de um crime que chocou a cidade devido a barbaridade que um pai praticou contra a filha.

Luiz Carlos Nadolny, 48 anos, foi preso e confessou ter esganado a filha Aline Miotto Nadolny, 27 anos. O corpo da moça foi encontrado ao lado da Colônia Penal Agrícola da cidade.

Segundo o delegado, Reinaldo Zequinão, a terapeuta ocupacional morreu por não querer intermediar uma briga entre o pai e a mãe em razão do pagamento de pensão da filha mais nova do casal.

Pai e filha não se encontravam há três anos. Em depoimento, o homem confessou o crime e contou em um momento de raiva esganou a moça dentro do carro. “Quando ele estava matando, a menina falava: ‘pai, eu te amo’”, relatou o delegado.

A defesa de Luiz Carlos não se pronunciou sobre o caso. Já o marido de Aline explicou que ela desapareceu no dia 6, quando saiu a pé, tendo o sinal do celular deixado de funcionar a cerca de dez quadras do apartamento em que eles moravam.

PF DE JALES CUMPRE DOIS MANDADOS DE BUSCA E APREENSÃO NA PREFEITURA DE GUARANI D’OESTE

A notícia é da assessoria de imprensa da PF:

A Polícia Federal cumpriu na manhã desta sexta-feira (14) dois mandados de busca e apreensão na cidade de Guarani d’Oeste/SP. Os mandados foram cumpridos no setor de recursos humanos da prefeitura municipal e na residência do servidor que é chefe desse departamento.

As investigações atuais tratam-se de desdobramentos da Operação Cajado, que foi deflagrada pela PF de Jales/SP em 2017 e apurou pagamentos suspeitos que teriam sido realizados no último mês do mandato do ex-prefeito de Guarani d’Oeste/SP, em dezembro de 2016. Alguns funcionários que ocupavam cargos de confiança à época teriam recebido valores vultosos suspeitos a título de rescisão trabalhista que foram autorizados pelo então prefeito, que foi preso temporariamente na deflagração da referida operação.

O chefe do setor de RH, alvo dos mandados cumpridos na data de hoje, de acordo com as investigações, teria fornecido documentação solicitada pela PF com omissão de dados de servidores e pagamentos suspeitos que foram realizados à época das investigações.

Nas buscas de hoje, vários documentos foram apreendidos e serão minuciosamente analisados pela PF objetivando localizar os dados que foram omitidos pelo referido servidor. O chefe do RH da Prefeitura foi indiciado por falsidade ideológica e também poderá responder por outros crimes que por ventura sejam identificados nas análises dos documentos.

JORNALISTA AMERICANO SOBRE PRÓXIMAS REVELAÇÕES DO CONLUIO MORO-DALLAGNOL: “É MUITO MAIS PESADO”

A notícia é do UOL:

Ontem, em seu programa na rádio Guaíba, o jornalista Juremir Machado da Silva entrevistou Glenn Greenwald, cofundador do site The Intercept Brasil, que está divulgando as conversas secretas de Sergio Moro. Juremir publicou um resumo do que disse Greenwald, em sua coluna no Correio do Povo, num formato que faz uma referência irônica às 10 medidas contra a corrupção proposta pela República de Curitiba.

O norte-americano falou em português claro:

1) O mais explosivo do material de que dispõe ainda está para ser divulgado.

2) Ele quer ver Sérgio Moro ficar no cargo depois que tudo for revelado.

3) Nos Estados Unidos, Moro já teria sido demitido.

4) É inaceitável, do ponto de vista da legislação brasileira e da ética, o conluio entre o juiz e o Ministério Público em desfavor da parte a ser julgada.

5) A Rede Globo queria esconder os vazamentos ou só abordá-los como crime cibernético, focando num possível hacker a narrativa e não no seu conteúdo.

6) O material é vasto e será processado sem pressa para evitar erros.

7) Nada que não seja de interesse público será divulgado.

8) A proteção da fonte é constitucional e ele não exporá a sua.

9) O caso Snowden deu-lhe experiência para lidar com esse tipo de situação.

10) Aguardem.

TIAGO ABRA SOLICITA À PREFEITURA INFORMAÇÕES SOBRE PAGAMENTO DE HORAS EXTRAS

A notícia é da assessoria de imprensa da Câmara:

O vereador Tiago Abra (PP), em Sessão Ordinária (10), encaminhou um requerimento à Prefeitura solicitando dados de servidores municipais que receberam pagamento de horas-extras, entre 1º de janeiro e 31 de maio de 2019.

Abra justificou que a função do Poder Legislativo é fiscalizar as práticas administrativas da Prefeitura e a preocupação deve ser redobrada, pois já houve ocorrências de práticas impróprias à boa gestão dos recursos públicos.

O vereador falou sobre o requerimento: “No mandato passado, gastava-se menos da metade do que o atual prefeito gasta com horas-extras. Será que todo mundo faz esse monte de horas-extras para gastar quase R$ 200 mil por mês? Será que todo mundo que está ganhando por horas-extras faz essas horas-extras? Ou é o chefe que coloca no caderninho? Estamos aqui para fiscalizar o dinheiro do povo”, disse.

O vereador Vanderley Vieira – Deley (PPS) comentou sobre a propositura: “Até parece que pegamos Jales às mil maravilhas de gestões passadas. Lá [Prefeitura] tem pessoas altamente capacitadas. Eu sempre valorizo os funcionários públicos. Se um falhou, não foi todo mundo. Lá teve erros, mas graças à Polícia Federal e ao Ministério Público esses erros estão sendo corrigidos”.

Abra solicitou os nomes dos servidores que receberam horas-extras, das Secretarias às quais estão vinculados, a quantidade de horas-extras pagas, o valor total dos vencimentos e o valor pago de horas-extras.

O requerimento foi aprovado por unanimidade e encaminhado ao Poder Executivo, que tem até 15 dias úteis para enviar resposta ao Legislativo.

JUSTIÇA CONDENA EMPRESÁRIO DE JALES A CINCO ANOS DE RECLUSÃO, POR FURTO DE ENERGIA ELÉTRICA

A Justiça de Jales está punindo com rigor as pessoas acusadas de furto de energia elétrica através de “gatos”, desde que, é claro, as acusações sejam devidamente comprovadas.

Nesta semana, por exemplo, um empresário de Jales foi condenado pela  juíza de 4ª Vara de Jales, Maria Paula Branquinho Pini, à pena de cinco anos de reclusão, em regime inicial semiaberto (aquele em que o condenado dorme na prisão e sai durante o dia para trabalhar), além de 24 dias-multa (algo em torno de R$ 5 mil).

O empresário foi acusado de instalar “gatos” em pelo menos dois medidores de sua empresa. Num deles, a fraude durou 22 meses e teria causado um prejuízo calculado em R$ 32,9 mil à Elektro. No outro, que durou apenas 02 meses, o prejuízo à concessionária de energia teria sido de R$ 14,8 mil. Os “gatos” foram descobertos em julho de 2018.

Em sua defesa, o empresário argumentou que tinha sido enganado por um homem de nome “Claudio”, responsável pela instalação de pelo menos um dos “gatos”. Segundo o empresário, o homem teria se proposto a instalar um aparelho para economizar energia, garantindo que se tratava de algo lícito.

Para a juíza, a versão do empresário não encontra respaldo nos autos. Ela ponderou, ainda, ser de conhecimento geral que qualquer alteração nos medidores de energia elétrica só pode ser feita pela própria concessionária e que o acusado, como empresário experimentado que é, deveria saber disso.

O empresário poderá recorrer em liberdade às instâncias superiores.

MÃE PEDE QUE EX-MARIDO NÃO SEJA CONDENADO À MORTE POR ASSASSINAR OS CINCO FILHOS

A notícia é da BBC News:

Uma mãe americana de cinco filhos que foram mortos pelo pai deles pediu ao júri que poupe o homem da pena de morte. Tim Jones Jr.”não demonstrou a menor compaixão, mas meus filhos o amavam”, disse Amber Kyzer a uma Corte da Carolina do Sul.

O homem de 37 anos foi condenado em maio pelo assassinato das cinco crianças, de idades entre 1 e 8 anos. O crime ocorreu na residência dele, em Lexington, no dia 28 de agosto de 2014.

O júri agora vai decidir se Jones Jr. deve ser executado ou cumprir pena de prisão perpétua. “Eu sei o que meus filhos passaram e tiveram que suportar”, disse Kyzer no tribunal, na semana passada.

“Como mãe, se eu pudesse arrebentar a cara dele, eu faria. É a mãe dentro de mãe, a mãe urso.” Mas Kyzer acrescentou ao júri que, durante grande parte de sua vida, foi contrária à pena de morte.

Ela afirmou que, embora em vários momentos tenha desejado que o sistema penal americano “fritasse” Jones, ela não optaria pela pena de morte ao ex-marido. “Meus filhos o amavam e se eu estiver falando em nome dos meus filhos, não de mim mesma, é o que devo dizer.” Ela destacou, porém, que respeitará qualquer decisão que o júri tomar.

Casamento:

Kyzer e Jones se casaram seis semanas após se conhecerem em 2004, quando ambos trabalhavam num parque infantil em Chicago. Kyzer explicou que o relacionamento começou a desandar quando o marido se tornou muito religioso e passou a defender que mulheres só devem ser “vistas, não ouvidas”.

Ela disse que, quando se separaram, nove anos depois, deu ao marido a custódia das crianças, porque ele tinha um carro e recebia US$ 80 mil dólares por ano como engenheiro de computação. Kyzer se encontrava com as crianças todo sábado num restaurante da rede Chick-fil-A, especializado em frango.

O assassinato:

O júri foi informado que, na noite do assassinato das crianças, o que teria desencadeado a fúria de Jones foi o fato de um de seus filhos, Nathan, um menino de 6 anos, estar brincando com uma tomada, em casa.

Ele matou o filho e decidiu estrangular as outras quatro crianças: Elaine, de um ano, Gabriel, de dois anos, Elias, de sete anos, e Mera, de oito anos. Jones enrolou os corpos em plástico, os colocou no carro e dirigiu com eles por nove dias antes de deixá-los numa área rural do Alabama.

O homem foi preso ao ser parado por guardas de trânsito que teriam reconhecido o “cheiro de morte” vindo do carro. Jones se declarou inocente durante o julgamento – não por não ter cometido o crime, mas alegando “motivo de insanidade”.

A defesa disse que ele sofria de uma esquizofrenia não diagnosticada – doença que a mãe de Jones também teria. Os advogados argumentaram que o homem ficou transtornado depois que a esposa o deixou.

LUCIANO HUCK COMEÇA A APAGAR FOTOS COM SÉRGIO MORO DAS REDES SOCIAIS

Pelo jeito não é só a Xerazedo que está arrependida. A notícia é do iG:

Assim como fez com Aécio, Accioly, Joesley e outros ex-amigos, o apresentador Luciano Huck, candidato virtual à presidência da República nos próximos 50 anos, já está dando sumiço nos retratos com Sergio Moro de suas redes sociais.

Se faltava um sinal de que a casa caiu para o Conje, é esse.

PREFEITURA REFORÇA COMITIVA QUE FOI A SÃO PAULO SOLICITAR NOVO JUIZ PARA A JUSTIÇA FEDERAL DE JALES

A notícia é da Secretaria Municipal de Comunicação:

A Prefeitura de Jales, representada pelo chefe do Poder Executivo, Flávio Prandi Franco, o Flá, e pelo subprocurador-geral do Município, Dr. Benedito Dias da Silva Filho, reforçou a comitiva integrada pela Subseção da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) de Jales e Seção de São Paulo da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB SP), que esteve em São Paulo na segunda-feira, dia 10 de junho, em Audiência no Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), pleiteando melhorias e benefícios para Jales.

O presidente da OAB Jales, Dr. Marlon Luiz Garcia Livramento e o secretário geral da Seção Estadual da Ordem, Dr. Aislan de Queiroga Trigo, acompanhados pelo procurador federal de Jales, Dr. José Rubens Plates, pelo prefeito Flá e o subprocurador-geral Benedito, solicitaram, na oportunidade, mais um Juiz para auxiliar nos trabalhos da Justiça Federal de Jales. 

A comitiva jalesense foi recebida pela presidente do TRF3, Drª Therezinha Kazerta e sua assessora, Drª Raquel Perrini. 

Para o presidente da OAB Jales, Marlon Livramento, “a Audiência em São Paulo junto à presidência do TRF 3 foi bastante produtiva. A presidente, Drª Therezinha foi receptiva e prometeu tomar medidas para amenizar o problema em Jales. Ela ressaltou que o orçamento tem diminuído muito e que a Justiça Federal está com 115 cargos vagos. Também nos informou que em aproximadamente duas semanas vai tentar organizar uma força tarefa para desafogar os processos aqui no município”.

O subprocurador-geral do Município, Benedito Dias da Silva Filho, salientou que “a Vara Federal de Jales atende 40 municípios e conta com apenas um Juiz Federal. O objetivo da reunião foi sensibilizar a presidência do Tribunal para que disponibilize outro Juiz para atender o princípio constitucional de que são assegurados a razoável duração do processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação, atender a demanda e proporcione celeridade no andamento processual”.

O prefeito Flá frisou que é importante somar forças. “Sempre costumo enfatizar aquilo que acredito, que juntos somos mais fortes, por isso fiz questão de integrar o grupo de pessoas que foram requerer um Juiz que auxilie nos trabalhos prestados pela Justiça Federal de Jales, que há 18 anos foi instalada na cidade e que mantém 40 municípios sob sua jurisdição. É inegável a importância histórica da Justiça Federal de Jales, sobretudo com seus impactos sociais, econômicos e jurídicos para a população, servindo inclusive para consolidar a cidade como centro de região”.

CÂMARA APROVA PRORROGAÇÃO DA CEI “FARRA NO TESOURO 2”

Da assessoria de imprensa da Câmara:

O vereador João Zanetoni (PSB), presidente da Comissão Especial de Inquérito (CEI), em Sessão Ordinária (10), apresentou um requerimento solicitando à Mesa da Câmara a prorrogação por mais 90 dias dos trabalhos da Comissão.

Zanetoni justificou que o prazo final da investigação termina no próximo dia 17 de junho, porém os trabalhos ainda não foram concluídos pela Comissão.

No dia 14 de fevereiro, a Polícia Federal deflagrou a operação “Farra do Tesouro 2”, para apurar se as contratações dos planos de seguro de forma unitária pela Prefeitura, sempre com valores abaixo do exigido pela Lei de Licitações, foram feitas para criar uma situação fictícia que não exigia a realização de licitação.

A CEI foi criada para apurar suspeitas de irregularidades nos contratos e compras feitas pela Prefeitura, entre 1º de janeiro de 2013 e 14 de fevereiro de 2019. A Comissão tem como membros o vereador Zanetoni, presidente, Tiago Abra (PP), vice-presidente e Vanderley Vieira (PPS), relator.

O vereador Luiz Henrique Viotto – Macetão (PP) apoiou o requerimento: “Acho importante que seja esclarecida essa questão dos recursos que sumiram na “Farra do Tesouro 2”. Os nossos vereadores estão pedindo mais três meses. Há umas duas semanas, eu vi que há uma pilha de documentos e é salutar contratar uma empresa especializada para ver se existem erros. Essa CEI quer investigar todos os contratos que são parecidos com aquele”.

O vereador Tiago Abra (PP) falou sobre o trabalho da CEI: “São quase 5 mil páginas de contratos feitos sem licitação. Fiz um pedido por escrito ao presidente da CEI para que contrate, o mais rápido possível, uma empresa de auditoria, porque nenhum de nós três têm formação na área contábil. A Polícia Federal também está nos enviando o relatório. Acho que com a empresa de auditoria, o relatório que vamos receber e ouvindo as testemunhas, a população vai conseguir descobrir o que realmente aconteceu”, disse.

A Comissão Especial de Inquérito, criada pelo Requerimento nº 17/2019, iniciou seus trabalhos no dia 20 de março e está analisando os documentos que foram solicitados à Prefeitura.

O requerimento foi aprovado por unanimidade e o prazo para a conclusão da CEI foi prorrogado por 90 dias, contados a partir do dia 18 de junho.

1 2 3 4 1.294