INSCRIÇÕES PARA VESTIBULINHO DA ETEC JALES COMEÇAM NESTA TERÇA-FEIRA

A Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho comunica que as inscrições para o Vestibulinho para o 1º Semestre de 2021 estarão abertas do dia 24/11 até às 15h do dia 14/12/2020, exclusivamente pelo site www.vestibulinhoetec.com.br. Este ano, em função da pandemia de COVID-19, NÃO TEREMOS PROVA. O processo classificatório será realizado mediante análise de rendimento escolar (através do Histórico Escolar). A taxa de inscrição foi mantida em R$ 19,00.

Para o próximo ano serão oferecidas 320 vagas na Etec Sede e 40 na Classe Descentralizada instalada na Fatec Prof. José Camargo, em Jales.

Os cursos oferecidos na Escola Agrícola, localizada na Zona Rural de Jales, são:

Já no Prédio Urbano, localizado na Rua 13, nº 2422, Centro, em Jales, serão oferecidos os seguintes cursos:

Os cursos técnicos modulares (período da noite) oferecidos são desenvolvidos em 3 ou 4 semestres, em que o aluno deve, no ato da matrícula, ter concluído o Ensino Médio ou estar cursando pelo menos a 2ª série do Ensino Médio.

Já nos cursos integrados os alunos devem ter concluído o 9º ano do Ensino Fundamental, e são desenvolvidos em 3 anos, com a formação do Ensino Médio e Técnico juntos.

A Etec oferece aos seus alunos lanches e refeições, de acordo com as necessidades nutricionais estabelecidas e acompanhadas por profissional Nutricionista.

Para os alunos dos cursos desenvolvidos na Escola Agrícola existe a possibilidade de utilizarem acomodações da Residência Estudantil.

Através da Classe Descentralizada instalada na Fatec Jales (Prof. José Camargo), localizada na Rua Vicente Leporace, 2630 – Jardim Trianon – Jales, em uma parceria inovadora chamada “Articulação do Ensino Médio com o Ensino Superior – AMS”, onde o aluno ingressa na Etec através do Vestibulinho, no curso de Ensino Médio com Habilitação Profissional de Técnico em Desenvolvimento de Sistemas, ao final da 3 série do curso de Ensino Médio + Técnico acessa o curso superior de Análise e Desenvolvimento de Sistemas oferecido pela Fatec, sem a necessidade de prestar Vestibular e com a duração do curso superior reduzida para apenas 2 anos.

Por tratar-se de uma Instituição de Ensino pública, não há o pagamento de mensalidades de qualquer espécie, ou seja, os cursos são TOTALMENTE GRATUITOS. Para mais informações acesse o site: www.etecjales.com.br ou ligue para: (17) 3632-9004 ou 3632-1024. Temos também o atendimento via WhatsApp e Telegram através do número (17) 99615.3474.

HOMEM DEVE INDENIZAR MULHER NEGRA POR CULPAR LEI ÁUREA PELOS PROBLEMAS DO PAÍS

Segundo o general que ocupa a vice-presidência, não existe racismo no Brasil. A charge é do Fraga e a notícia é do site jurídico Conjur:

Proferir injúria racial com intenção de difamar a imagem da vítima gera dever de indenizar. Com esse entendimento, a 8ª Vara Cível de Brasília condenou um homem que ofendeu uma estagiária a indenizá-la por danos morais..  

A autora, que é negra, contou que dividia o elevador com o réu e mais algumas pessoas num prédio comercial no centro de Brasília, quando ele proferiu frases afirmando que “o Brasil não ia para frente porque a princesa Isabel teria assinado a Carta de Alforria dos escravos”, uma referência à Lei Áurea, que aboliu a escravidão no Brasil em 1888.

Ela afirmou ainda que, antes de sair do elevador, o homem a olhou e fez novas agressões verbais. Os fatos ocorreram em maio de 2018 e a autora alegou que lhes causaram danos psicológicos e morais, diante dos quais pediu indenização.  

Em sua defesa, o réu negou que os fatos tenham ocorrido e que não há provas de que tenha pronunciado expressões de injúria contra a autora. Requereu, assim, a improcedência dos pedidos.  

Ao julgar, o magistrado destacou que as provas dos autos não deixam dúvida quanto às expressões usadas pelo réu, visto que foi filmado conversando com a autora e a terceira pessoa dentro do elevador. Para o magistrado, há elementos suficientes que mostram que o réu cometeu ato ilícito, uma vez que agiu com intenção de atingir a honra da autora.  

“Note-se que o réu não se limitou simplesmente a externar sua insatisfação com fatos anteriores relativos à educação ou o que quer que seja, mas fez questão de denegrir a imagem da autora fazendo referência a fatos inerentes à cor da pele da autora, numa infeliz manifestação de ódio e preconceito, que não pode ser tolerada pelo ordenamento jurídico”, explicou. 

O magistrado pontuou ainda que, no caso, é explícito o dano moral causado à autora. Isso porque, segundo o juiz, “violados os direitos de sua personalidade ao experimentar constrangimentos, aborrecimentos e desgastes que ultrapassaram — e muito — a esfera do mero aborrecimento cotidiano, ferindo seus direitos subjetivos”.  

Dessa forma, o réu foi condenado a pagar a autora a quantia de R$ 20 mil a título de danos morais. Cabe recurso da sentença.

ADVOGADA ATACA ARTISTAS E FUNCIONÁRIOS EM PADARIA DE SÃO PAULO

A moça está visivelmente com algum problema e precisa de tratamento. A notícia é do site Ponte Jornalismo:

Dois artistas e funcionários de uma padaria tradicional da zona oeste da cidade de São Paulo foram alvos de ataques homofóbicos de uma cliente, na noite da última sexta-feira (20/11). Vídeos mostram os ataques verbais e físicos praticados pela advogada de 45 anos. 

De acordo com a assessoria da padaria Dona Deôla, os ataques da mulher começaram quando os dois artistas tentaram impedir que ela humilhasse funcionários do estabelecimento. Imagens mostram a agressora jogando papéis no chão e dizendo: “sabe para que você presta? Para pegar meus restos” para uma atendente.

Neste momento, um dos artistas se aproxima e fala que a mulher “não tem o direito de fazer isso com ela”. Em outro vídeo, o segundo artista conversa com a agressora, que diz: “eu não sou prostituta, meu amor, sou advogada internacional. Cala sua boca, sua bicha do caralho”.

A reportagem tenta contato com a agressora por telefone e e-mail. As redes sociais atribuídas a ela foram encontradas fora do ar na tarde deste domingo (22/11). Segundo a padaria, Lidiane Biezok, como foi identificada, é cliente do local e, embora não conste nos inscritos da OAB, a Secretaria de Segurança Pública afirma que ela é advogada.

Em um outro vídeo que a Ponte teve acesso, a mulher grita com empregados da padaria e diz que os alimentos servidos ali são “lixo”. Diante dos pedidos para ela falar baixo, novamente ela tem ataques homofóbicos. “Cala boca, viado do caralho”, disse apontando o dedo para o rosto de um funcionário. 

Depois dos ataques verbais com os funcionários, a mulher também partiu para agressão física contra um dos artistas. Vídeos que circulam nas redes sociais mostra a agressora jogando objetos e puxando o cabelo da vítima, que não reage. E mesmo sem esboçar nenhuma reação, a mulher fica o chamando de “agressor de mulher” e manda ele colocar a mão nela.

Segundo a padaria, a agressora é cliente do estabelecimento e já teve ataques outras vezes, quebrando pratos e xingando a comida do local, no entanto, essa foi a primeira vez que ela teve ataques racistas e homofóbicos.

O vídeo com o destempero da advogada pode ser visto aqui

BOLSONARO DEIXA PARTICIPANTES DO G-20 “EM CHOQUE” AO FALAR DE RACISMO

Depois de virar piada internacional ao ameaçar uma guerra contra os Estados Unidos, o Bozo agora causa espanto com um discurso totalmente desconexo e extemporâneo. A notícia é do respeitadíssimo jornalista Jamil Chade, para o UOL:

A decisão de Bolsonaro de usar a cúpula do G-20 para reclamar de protestos contra o racismo no Brasil gerou um amplo constrangimento e choque entre algumas delegações estrangeiras e até indignação entre as agências da ONU.

Ao discursar na abertura da reunião virtual, o presidente fez uma alusão à morte de João Alberto Silveira Freitas. Mas não como muitos esperavam. “O Brasil tem uma cultura diversa, única entre as nações. Somos um povo miscigenado”, afirmou Bolsonaro.”Foi a essência desse povo que conquistou a simpatia do mundo. Contudo, há quem queira destruí-la, e colocar em seu lugar o conflito, o ressentimento, o ódio e a divisão entre raças, sempre mascarados de ‘luta por igualdade’ ou ‘justiça social’. Tudo em busca de poder”, disse.

Uma parcela das delegações não entendeu imediatamente do que se tratava. Mas, para quem acompanhava a situação no Brasil, a atitude foi considerada como um ato “sem sintonia” com o discurso de direitos humanos das entidades internacionais, principalmente num momento em que a pandemia afeta de forma desproporcional a parcela mais vulnerável da população.

Uma negociadora de alto escalão de um país europeu que acompanha a reunião confessou à coluna que ela e outros ficaram “em choque” ao ouvir a “tese de conspiração” sobre o racismo no Brasil. “Como é que, em pleno século 21, ainda escutamos tais discursos”, questionou a diplomata, na condição de anonimato.

Fontes ainda confirmaram que diplomatas estrangeiros trocaram mensagens comentando a atitude do brasileiro, enquanto outros, sem saber o motivo da declaração, buscavam entender do que Bolsonaro falava.

Na delegação de uma das agências da ONU, a reação foi de indignação. Chamou ainda a atenção que nenhuma referência tenha sido feita pelo presidente sobre a vítima e nem sobre a necessidade de uma resposta que leve em consideração a Justiça.

O discurso de Bolsonaro gerou críticas até mesmo dentro do Itamaraty. Enquanto alguns diplomatas apontavam para o resgate da ideia da “democracia racial”, outros alertaram que a narrativa tenta restabelecer a ideia de um “homem cordial” no Brasil e a construção de uma imagem fictícia de um país onde negros, indígenas e brancos tinham participações iguais na formação do “brasileiro”.

ADVOCACIA PERDE FERNANDO NETO CASTELO, QUE FALECEU AOS 70 ANOS

O registro, merecidíssimo, é do Jornal de Jales:

A advocacia jalesense está de luto desde a sexta-feira, dia 20 de novembro, quando circulou a notícia do falecimento do colega Fernando Neto Castelo, depois de 30 dias de internação decorrente de problemas no coração, diabetes e rins.

Ele faleceu aos 70 anos e deixa a esposa Tereza Moreira Castelo e as filhas Daniela e Cristina.

Ele era muito querido e respeitado na classe tanto por seus conhecimentos jurídicos quanto pelo seu comportamento ético, considerado exemplar para os que iniciavam na profissão.

O advogado Fernando foi um caso típico de superação. Ele era policial militar e passou a estudar Direito, após o que dedicou-se à profissão durante 31 anos.

Ele também era grande colaborador de entidades especialmente da Apae, de cuja diretoria fez parte durante muitos anos.

JORNAL DE JALES: LUÍS HENRIQUE PROMETE REFORMA ADMINISTRATIVA E CORTE DE GASTOS

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cuja principal manchete destaca que o prefeito eleito, Luís Henrique Moreira(PSDB) está anunciando uma ampla reforma administrativa na Prefeitura de Jales. Em entrevista ao jornal, ele disse que “em relação ao enxugamento da máquina, pretendemos gerar economia aos cofres públicos desde uma simples conta de telefone, revisão de contratos já existentes, manutenção em geral, dentre outras medidas administrativas que com certeza vai gerar um resultado de economia aos cofres públicos. LH disse, ainda, que a vice-prefeita Marynilda Cavenaghi será seu braço direito.

O jornal está destacando, também, a eleição de três jalesenses para as câmaras municipais de Formosa(GO), Florianópolis(SC) e Araraquara(SP). Uma delas é a delegada de polícia Fernanda Lima, que passou para a história da cidade de Formosa ao ser eleita com a maior votação entre mais de 200 candidatos. Outro conterrâneo que se deu bem nas urnas foi o petista Paulo Paes Landim, reeleito para a Câmara de Araraquara aos 61 anos. A terceira jalesense eleita em outras plagas é a cientista social Carla Ayres, que, nas eleições de 2016, ficou na suplência e, nestas eleições de 2020, foi a candidata mais votada do PT de Florianópolis, com 2.094 votos.

Os estreantes eleitos para a Câmara Municipal de Jales, que serão maioria no Legislativo; a romaria dos 60 anos da Diocese, que acontece neste domingo com a realização de uma carreata; o alerta da ACIJ para os golpes que estão acontecendo em Jales no pagamento de boletos; o falecimento da professora Zuleika Carvalho, primeira presidente da APAE de Jales; o falecimento do advogado Fernando Neto Castelo, também colaborador da APAE; e o caso de uma mulher que caiu em um buraco de sete metros de profundidade, na ponte que liga o São Judas ao Jardim do Bosque, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior comenta que o empresário e professor Rivelino Rodrigues(PP) voltou com força à cena política local, obtendo 809 votos, o terceiro mais votado. O colunista ressalta que Rivelino é do ramo em termos de campanha e lembra que ele foi o pioneiro no uso das redes sociais em campanhas eleitorais em Jales tendo estreado em 2000. Deonel não citou, mas, por conta desse pioneirismo, Rivelino ganhou do vereador Cartucheira o sarcástico apelido de “dabliu, dabliu, dabliu”. Cartucheira não botava fé nessa história de internet e rede social. 

ALCIONE – “ESTRANHA LOUCURA”

Com quase 50 anos de carreira, Alcione, a Marrom, é uma das mais consagradas sambistas do Brasil e uma intérprete reconhecida por sua voz grave e inconfundível. A cantora preferida do meu amigo Tinhoso está completando 73 anos neste sábado, dia 21.

Antes do aniversário, Alcione voltou aos palcos com seus sucessos em seu primeiro show aberto ao público, o que não acontecia desde o início da pandemia do coronavírus. O evento aconteceu na quinta, dia 19, no Bar Alcione, a Casa da Marrom, recém-inaugurado no Casa Shopping, na Barra da Tijuca.

Em homenagem à artista, o Ecad (Escritório Central de Arrecadação e Distribuição), dono de um dos maiores bancos de dados da América Latina, fez um levantamento das músicas gravadas por ela mais tocadas nos últimos cinco anos.

Alcione tem 1.272 gravações cadastradas no banco de dados do Ecad. De todas, a mais tocada no Brasil nos últimos cinco anos foi “Meu ébano”, canção lançada há 15 anos e que fez parte do vigésimo sétimo álbum de estúdio da cantora, chamado “Uma Nova Paixão”. 

Alcione Dias Nazareth nasceu em São Luís, Maranhão no dia 21 de novembro de 1947. O nome de batismo foi ideia do pai, inspirado na personagem Alcione, a protagonista do romance espírita “Renúncia”, psicografado por Chico Xavier.

Foi o pai, que era maestro da banda da Polícia Militar do Maranhão e professor de música, quem ensinou Alcione a tocar alguns instrumentos de sopro, como trompete e clarinete.

Aos 18 anos de idade formou-se como professora primária na Escola de Curso Normal. Lecionou por dois anos, mas foi demitida aos 20 anos, por ensinar a seus alunos como se tocava trompete, querendo passar o aprendizado que recebeu, mas isso não agradou a direção da escola, que na época era muito rígida.

Depois disso, Alcione se mudou para o Rio de Janeiro, para tentar a carreira artística. As primeiras aparições foram no programa A Grande Chance, de Flávio Cavalcanti.

Alcione foi criada no catolicismo, mas converteu-se ao espiritismo há alguns anos, depois de ter sido curada de problemas nas cordas vocais. Com um tumor na laringe, a medicina a avisou de que só poderia cantar por mais um ano. Ela então se submeteu a uma operação espírita e, para surpresa dos médicos, se curou e pôde continuar cantando normalmente.

No vídeo, Alcione canta um de seus grandes sucessos – “Estranha Loucura” – que, segundo o levantamento do Ecad, está entre as cinco músicas de Alcione mais tocadas nos últimos cinco anos. Veja aqui.

PREFEITURA VAI À JUSTIÇA PARA COBRAR R$ 130 MIL DA CORPORAÇÃO MUSICAL DE JALES

O Tribunal de Contas do Estado e a Prefeitura de Jales parecem empenhados em por um fim a uma das poucas coisas da qual Jales pode se orgulhar na área cultural: a nossa Corporação Musical, que sobrevive há vários anos graças ao esforço de músicos abnegados.

Ontem, 20, a Prefeitura protocolou no Fórum local uma Ação de Execução de Título Extrajudicial, no valor de R$ 129.965,38, na qual a Corporação Musical de Jales aparece como executada.

Na ação, a municipalidade pede que a Justiça determine que o pagamento seja efetuado em três dias e, caso isso não ocorra, que seja providenciada a penhora bancária com o bloqueio de valores suficientes para o pagamento da obrigação.

Caso não sejam encontrados valores na conta corrente da Corporação – o que é bem provável – que seja, então, determinada a penhora de bens da entidade. Resumindo, a Corporação corre o risco de ter seus instrumentos penhorados.

A dívida é consequência de um decisão do conselheiro Josué Romeiro, do Tribunal de Contas do Estado. Em julho deste ano, ele condenou a Corporação Musical a devolver R$ 84,8 mil aos cofres públicos municipais. O valor é parte dos R$ 92 mil transferidos pela Prefeitura para a Corporação em 2017, cuja prestação de contas foi julgada irregular.

Atualizados, os R$ 84,8 mil já estão calculados em quase R$ 130 mil.

A TRIBUNA: ADVOGADO FLAGRA DESPEJO IRREGULAR DE LIXO POR EMPRESA E REGISTRA BOLETIM DE OCORRÊNCIAS NA POLÍCIA

No jornal A Tribuna deste final de semana, a principal manchete destaca frase do prefeito eleito Luís Henrique Moreira, onde se lê que “teremos uma Jales antes e outra depois de nossa administração”. A matéria diz que na primeira entrevista concedida pelo prefeito eleito, logo após a confirmação da sua vitória, ele garantiu que fará uma administração histórica e descartou que pretenda se candidatar a deputado em 2022. “O nosso projeto é fazer um mandato de quatro anos muito bem feito para ser um divisor de águas”, disse LH. Em entrevista ao jornal, LH reafirmou algumas propostas de campanha, como o corte de despesas, comentou a nova formação da Câmara Municipal e falou sobre abstenção.

Destaque, também, para a renovação da Câmara Municipal que, de acordo com o jornal, será de 70% para a próxima legislatura. Apenas três dos atuais vereadores foram reeleitos – Bismark (PSDB), Deley(DEM) e Zanetoni(PSD) – enquanto outros quatro tentaram a reeleição mas não conseguiram. Outra novidade foi a eleição de duas mulheres – Carol Amador(MDB) e Andrea Moreto(PODE) – algo que só tinha acontecido uma vez na história da Câmara, nas eleições de 2009, quando o PT elegeu duas vereadoras. Por outro lado, duas mulheres do Republicanos foram as menos votadas para vereador: Francieli Rizzi (zero votos) e Sônia Nazário (um voto).

A entrega do Kit Merenda pelo sexto mês consecutivo para famílias de alunos das escolas municipais; a campanha de vacinação contra a poliomielite, que foi prorrogada para o dia 30 de novembro; o alerta da ACIJ a respeito de golpes no pagamento de boletos em Jales; o despejo irregular de lixo praticado por uma empresa e flagrado por um advogado; os números da pandemia de coronavírus em Jales, que já registra 64 óbitos; e os agradecimentos dos candidatos Luís Especiato(PT) e Ailton Santana(PV) aos seus eleitores, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, este aprendiz de blogueiro comenta que o ex-vereador Rivelino Rodrigues continua em forma, apesar de afastado da política há oito anos. Ele foi o terceiro mais votado nas eleições de domingo passado, com 809 votos. Desde 2000, quando estreou na política, Rivelino disputou quatro pleitos e foi eleito na quatro ocasiões, sempre com mais de 800 votos. De outro lado, o vereador Luiz Henrique Viotto, o Macetão, que é o candidato mais votado na história das eleições para a Câmara – ele obteve 2.338 votos em 2008 – foi uma das decepções do pleito deste ano, com apenas 264 votos.   

1 2 3 4 5 1.497