AMIGO DE FILHO E DE EX-MULHER DE BOLSONARO COBROU R$ 400 MIL POR INDICAÇÃO A CARGO NO GOVERNO

Na CPI, o amigo do filho 04 do Bozo não se lembrava de nada, mas as mensagens encontradas no celular dele são reveladoras. A notícia é do blog do Octávio Gomes, no G1:

A mamata não acabou. No governo Bolsonaro, ela é tabelada. A CPI da Covid descobriu que o lobista Marconny Albernaz Faria “vendeu” por R$ 400 mil a indicação de Márcio Roberto Teixeira Nunes para um cargo no Instituto Evandro Chagas, no Pará, órgão vinculado do Ministério da Saúde.

Márcio fez os pagamentos para a empresa de Marconny, foi nomeado e acabou preso num escândalo de propinas que envolveu R$ 1,6 milhão.

O esquema funcionou assim: Marconny inicialmente pediu uma propina que chamou de “incentivo” no valor de R$ 25 mil. Só para começar os trabalhos.

Inicialmente, Marconny tentou levar o nome de Márcio ao ex-ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta. Não deu certo. Mandetta vetou a indicação.

Marconny não desistiu, e a conta da propina começou a subir. Ele passou a cobrar por encontros que tinha com outros ministros, inclusive os militares. Até o nome do vice-presidente Hamilton Mourão ele usou para convencer Márcio a fazer os desembolsos.

Quando todas as portas pareciam fechadas, Marconny escreveu: “Agora vai de cima pra baixo”. Foi quando entrou em cena Karina Kufa, advogada do presidente da República. Para encontrar a advogada, Marconny cobrou um incentivo de R$ 40 mil, segundo mensagens trocadas por WhatsApp.

Marconny também avisou que se encontraria com o próprio presidente, mas a reunião não aconteceu. Segundo o lobista, Bolsonaro tinha outra agenda, a posse de uma autoridade em Itaipu que Marconny diz ter indicado.

A CPI já sabe que, além de Karina, Marconny tinha outras duas pontes com o governo: a família Bolsonaro (através do filho Jair Renan e da ex-mulher de Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle) e um senador cujo nome não revelou.

“Não revelou, mas a CPI, com certeza, vai chegar a este nome”, garante o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues.

TJ-PR DECIDE QUE ANIMAIS PODEM SER PARTE EM AÇÃO JUDICIAL

A notícia é do portal Conjur:

O colegiado da 7ª Câmara Cível do TJ-PR decidiu, por unanimidade, reconhecer o direito de animais de serem autores de ações judiciais em defesa de seus próprios direitos.

No processo, uma ONG na cidade de Cascavel, no Paraná, acionou a Justiça em nome de dois cachorros — Skype e Rambo — vítimas de maus tratos. Os animais foram deixados sozinhos por 29 dias após os donos viajarem.

Na ação, os cachorros pediam pensão mensal e indenização por dano moral. O juízo de primeiro grau decidiu extinguir o processo por entender que animais não humanos não podem ser parte de um processo.

Ao analisarem o recurso, os desembargadores da 7ª Câmara Cível do TJ-PR, contudo, tiveram entendimento diverso. Agora o processo irá retornar ao juízo de origem.

Por meio de suas redes sociais, a advogada Evelyne Paludo, que atuou na defesa dos bichinhos, comemorou a decisão que classifica como um “precedente, uma quebra de paradigma e uma nova forma de olhar o Direito”.

Controvérsia:

A decisão do TJ-PR não é consenso nos tribunais do país. O TJ-SP, por exemplo, já negou a participação de cachorros em uma ação contra reintegração de posse. O desembargador relator afirmou que o exercício da advocacia não tem “espaço para invenções ou gracinhas“.

Em outra ocasião, o tribunal concedeu um recurso análogo ao Habeas Corpus a um cavalo, para evitar que ele fosse sacrificado — mas, nesse caso, o animal não era parte no processo.

Na 5ª Vara Cível da Comarca de João Pessoa, por exemplo, o juízo decidiu que um cachorro não tem capacidade processual para figurar como sujeito da ação; a 3ª Vara Cível do Foro Central de Porto Alegre, por sua vez, também negou a participação de oito gatos e dois cachorros em uma ação.

Em fevereiro, o deputado Eduardo Costa (PTB-PA) apresentou na Câmara dos Deputados o PL 124/2021 cujo objetivo é disciplinar a presença de “animais não-humanos” no polo ativo de demandas judiciais.

LUÍS HENRIQUE REDUZ VALOR DA TAXA DE LIXO DOS MAIS ENDINHEIRADOS. E VEREADORES QUEREM ISENTAR IGREJAS

O Diário Oficial do Município publicou na quinta-feira, 16, uma alteração na Lei Complementar n° 350, aprovada recentemente pela Câmara Municipal, que irá beneficiar os mais endinheirados.

Referida lei, para quem não se lembra, é aquela que irá promover mais um ataque ao bolso dos contribuintes jalesenses, com a criação de três novos tributos a serem cobrados a partir de 2022, entre eles a famosa taxa de coleta do lixo.

O que diz a alteração? Diz que os imóveis com mais de 300 metros quadrados de área construída, que pagariam R$ 1,70 por m² relativo à taxa de lixo, agora irão pagar um pouco menos: R$ 1,40 por m². Assim, um imóvel de 400 m², por exemplo, que pagaria R$ 960,00 por ano, aí incluídas as outras duas taxas criadas pela lei, irá pagar R$ 840,00, ou R$ 120,00 a menos.

Essa não é a única novidade nessa seara. Os vereadores Carol Amador(MDB) e Hílton Marques(PT) também estão querendo alterar a lei. Eles apresentaram um projeto de lei propondo que igrejas e entidades sem fins lucrativos fiquem isentas do pagamento dos três novos tributos.

As igrejas, como se sabe, já são isentas de diversos tributos, o que não impede algumas delas de sonegar os poucos impostos que deveriam pagar. A igreja do pastor bolsonarista Silas Malafaia, por exemplo, deve R$ 2,9 milhões relativos a sonegação de imposto de renda e contribuições previdenciárias.

DATAFOLHA: REPROVAÇÃO A BOLSONARO BATE RECORDE E CHEGA A 53%

Deu no G1:

Levantamento do Instituto Datafolha divulgado nesta quinta-feira (16) pelo site do jornal “Folha de S.Paulo” informa que a reprovação ao governo Bolsonaro oscilou 2 pontos percentuais em relação ao levantamento feito em julho: 53% consideram o governo ruim ou péssimo, o pior índice do mandato; na última pesquisa, eram 51%.

22% dos entrevistados consideram o governo Bolsonaro ótimo/bom, enquanto outros 24% o classificam como regular.

A pesquisa ouviu 3.667 pessoas com mais de 16 anos dos dias 13 a 15 de setembro em 190 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Esse é o primeiro levantamento da popularidade do presidente feito depois dos atos com pauta antidemocrática de 7 de setembro.

O recorde de rejeição acontece em meio à alta da inflação, com gasolinagás e alimentos mais caros. O desemprego também permanece em patamar elevado, atingindo 14,4 milhões de pessoas.

Segundo o Datafolha, se na média da população o avanço da reprovação a Bolsonaro foi de dois pontos percentuais, em alguns segmentos essa alta foi mais intensa.

“Foi o que aconteceu entre os mais velhos (de 45% para 51%), na parcela de menos escolarizados (de 49% para 55%), no grupo com renda familiar de 5 a 10 salários (de 41% para 50%) e no conjunto das regiões Norte e Centro-Oeste (de 41% para 48%). Houve recuo, por outro lado, na reprovação entre os mais ricos, com renda superior a 10 salários (de 58% para 46%).”

Entre os evangélicos, a diferença entre a taxa de aprovação e reprovação, que estava negativa em seis pontos em julho (34% a 37%), saltou para 12 pontos em setembro (29% a 41%). A reprovação de Bolsonaro entre os evangélicos aumentou 11 pontos percentuais entre janeiro e setembro (de 30% para 41%).

De acordo com o instituto, os empresários se mantêm como o único segmento em que Bolsonaro tem aprovação (47%) numericamente superior à reprovação (34%).

Bolsonaro é mais rejeitado por quem tem ensino superior (85%), estudantes (73%), quem prefere o PSOL (63%), homossexuais/bissexuais (61%), quem tem de 16 a 24 anos (59%) e pretos (59%).

PLANO DE SAÚDE ESCONDEU MORTES DE PESSOAS TRATADAS COM CLOROQUINA, DIZ REPORTAGEM

O ex-urubólogo Alexandre Garcia e seu oráculo, o Bozo, foram dois dos propagandistas do “kit covid” da Prevent Senior, que, agora se sabe, fraudou um estudo e escondeu mortes de pessoas tratadas com cloroquina e outros remédios ineficazes.

Deu no jornal O Estado de Minas:

O médico Daniel A. Dourado, professor e pesquisador em Direito e Política de Saúde na Universidade de São Paulo (USP), comentou o escândalo do plano de saúde Prevent Senior, que é acusado de ocultar mortes de pacientes que participaram de estudo realizado para testar a eficácia da hidroxicloroquina contra COVID-19. De acordo com o professor, este é o maior escândalo médico de todo o Brasil.

“É o maior escândalo médico da história do Brasil. Esse episódio da Prevent Senior tem que ser investigado e o envolvimento com o governo Bolsonaro precisa ser esclarecido. É gravíssimo”, escreveu no Twitter.

A pesquisa foi apoiada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e divulgada como solução contra a pandemia.

A informação foi publicada em primeira mão pela TV Globo, que afirmou que a CPI da COVID recebeu um dossiê com uma série de denúncias de irregularidades, elaborado por médicos e ex-médicos da Prevent

No documento, é citado que a  disseminação da cloroquina e outras medicações foi resultado de um acordo entre o governo Bolsonaro e a Prevent. Segundo o dossiê, o estudo foi um desdobramento do acordo.

RACIONAMENTO DE ÁGUA JÁ ATINGE 292 MIL MORADORES DA REGIÃO

A notícia é do Diário da Região:

Imagine chegar em casa e não poder tomar banho por falta de água. Essa é a situação enfrentada por 292 mil moradores de sete cidades da região de Rio Preto que já enfrentam racionamento ou diminuição da pressão de água das torneiras por conta do agravamento da estiagem. Somente em Rio Preto, aproximadamente 100 mil moradores estão ficando sem água nas torneiras durante sete horas do dia. Estão nesta situação há quatro meses.

Alberto Carlos Olívio, de 56 anos, é um dos rio-pretenses que estão sentido os impactos da falta de água. Há quatro meses, ele sabe que depois do almoço nem pingo cai da torneira de sua quitanda. “Eu armazeno água para as necessidades básicas, mas é complicado”.

A situação crítica dos principais reservatórios de água da região Noroeste Paulista é reflexo da redução da quantidade de chuvas. Em Rio Preto, dados do Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto (Semae) mostram que houve uma redução de 45% do volume de chuvas neste ano em relação ao ano passado.

Outras cidades com dificuldades no abastecimento de água são Cedral, Catanduva, Uchoa, Santa Fé do Sul, Tabapuã e Suzanápolis. “Em Catanduva, estamos diminuindo a rotação dos motores das bombas para extrair menos água do aquífero e ao mesmo tempo não prejudicar a população com um racionamento completo. Isso acarreta em uma menor pressão de água nas torneiras”, disse o superintende da Superintendência de Água e Esgoto de Catanduva (Saec), Marco Antônio Machado.

Apesar de não decretarem racionamento, outras cidades da região vão de carros de som nas ruas a campanhas nas redes sociais com o objetivo de evitar o desperdício de água. 

Já a Sabesp informou que todas as 64 cidades atendidas pela empresa na região de Rio Preto seguem sem racionamento. “Devido à situação de estiagem, a companhia segue orientando e pedindo o uso consciente de água”, disse a nota.

APAGÃO À VISTA: HIDRELÉTRICA DE ILHA SOLTEIRA OPERA COM RESERVATÓRIO ABAIXO DE 2%

Um amigo deste blogueiro já tratou de comprar um lampião. Deu no DCM

A maior usina hidrelétrica de São Paulo, Ilha Solteira, está com apenas 1,45% de água, conforme os dados do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). Com o agravamento da crise hídrica, a água já está sendo captada abaixo dos canos, por meio de um bombeamento especial. Este índice significa que o reservatório de Ilha Solteira está no chamado “volume morto”.

Os especialistas dizem que se Ilha Solteira parar de funcionar, o risco de apagões aumenta. Além dela, a Usina de Três Irmãos também se encontra numa situação parecida: tem apenas 1,98% de água.

Para as hidrelétricas funcionarem adequadamente, precisam ter um mínimo de 10% de seus reservatórios com água. Abaixo disso, há o risco das turbinas quebrarem, já que começam a turbinar lama. Ilha Solteira está abaixo dos 10% há quase duas semanas.

PUBLICIDADE: EM UM MÊS, LUÍS HENRIQUE GASTOU MAIS DO QUE O EX-PREFEITO FLÁ PRANDI GASTOU EM UM ANO

O vereador Bruno de Paula ainda não se deu por satisfeito com as respostas da Prefeitura a respeito dos gastos com a publicidade institucional. Na sessão de ontem, segunda-feira, ele apresentou mais um requerimento com perguntas sobre a atuação da empresa Preview Propaganda e Marketing Ltda.

Se não estou enganado, é o quarto requerimento protocolado pelo vereador, sobre o assunto. Há alguns dias, em resposta a um desses requerimentos, a Prefeitura informou que, até agosto, já tinha pago R$ 260.189,96 à Preview. Atualmente, o valor já chega a R$ 303.884,73.

Em junho, por exemplo, a Prefeitura pagou cerca de R$ 74 mil à Preview, valor que é superior aos R$ 60 mil gastos durante todo o ano de 2020, último ano da administração Flá Prandi. Registre-se que a Preview é apenas uma intermediadora, que fica com uma comissão que varia de 10% a 20%. A maior parte do dinheiro pago a ela é repassado aos órgãos de imprensa encarregados de fazer a publicidade.

No caso de junho, o dinheiro foi repassado a 04 sites de notícias, 04 jornais e 06 emissoras de rádio. Além dos 14 veículos de imprensa de Jales, também foram beneficiados 01 site de negócios (Negócios em Jales), 02 veículos de Fernandópolis (jornal Extra e Região Noroeste) e 02 de Santa Fé do Sul (Informa Mais e Rádio Terra). 

DEPUTADO BOLSONARISTA É CONDENADO A INDENIZAR ALEXANDRE DE MORAES EM R$ 50 MIL

A notícia é do Conjur:

A 5ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a condenação do deputado Otoni de Paula (PSC-RJ) a indenizar o ministro do STF Alexandre de Moraes por ofensas nas redes sociais.

Nas postagens, em texto e vídeo, o deputado se referiu ao ministro do Supremo com expressões de baixo calão e extremamente ofensivas. A turma julgadora apenas reduziu o valor da reparação, que passou de R$ 70 mil para R$ 50 mil.

Para o relator, desembargador Mônaco da Silva, o comportamento do parlamentar ultrapassou os limites da manifestação do pensamento e da liberdade de expressão, “uma vez que humilha, ofende e ataca, diretamente, a honra e a imagem do autor”. 

O magistrado também afastou o argumento de Otoni de Paula sobre imunidade parlamentar. Citando a sentença de primeiro grau, o relator afirmou que a imunidade parlamentar não pode justificar manifestações ofensivas, proferidas com intuito de atacar à honra e a dignidade da pessoa humana.

“De fato, as expressões ofensivas (…) constantes das manifestações do parlamentar nas mídias sociais não podem ser consideradas um mero dissabor e tampouco conduta de caráter inofensivo, existindo efetiva lesão à honra. Não bastasse isso, não guardam pertinência e/ou nexo causal com o exercício do mandato, extrapolando a atividade parlamentar exercida”, afirmou Silva.

Assim, o desembargador concluiu que as palavras proferidas pelo deputado não estão sob o manto da imunidade parlamentar, justificando a condenação. Porém, ele reduziu a indenização para R$ 50 mil, uma vez que Otoni de Paula cumpriu liminar de primeira instância e apagou os vídeos com as ofensas ao ministro.

FUNCIONÁRIOS FANTASMAS DE CARLUXO TINHAM COMO ENDEREÇO CASA DE JAIR BOLSONARO

Ana Cristina Valle, que teria comprado uma mansão de R$ 3,2 milhões há algumas semanas, já revelava sua vocação para negócios imobiliários durante o casamento com Jaír Bolsonaro. No período em que estiveram casados, eles compraram 14 imóveis, dos quais 7 em dinheiro vivo.

A casa em questão é um desses imóveis. Deu no Brasil de Fato:

Os endereços de quatro funcionários fantasmas do gabinete do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) estão registrados no endereço de uma casa do presidente Jair Bolsonaro na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro. As localizações estão cadastradas na Receita Federal e na Câmara Municipal do Rio e eram utilizadas para envios de comunicações fiscais e administrativas dos funcionários.

O acesso aos dados foi possível a partir da quebra dos sigilos fiscal e bancário de Carlos Bolsonaro (Republicanos), autorizada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a pedido do Ministério Público do Estado (MP-RJ). A informação foi divulgada nesta segunda-feira (13) no jornal Folha de S.Paulo.

O acesso aos dados foi possível a partir da quebra dos sigilos fiscal e bancário de Carlos Bolsonaro (Republicanos), autorizada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, a pedido do Ministério Público do Estado (MP-RJ). A informação foi divulgada nesta segunda-feira (13) no jornal Folha de S.Paulo.

O imóvel foi adquirido em 2002 por Jair Bolsonaro e pela então mulher do presidente, a advogada Ana Cristina Siqueira Valle, que também é investigada no inquérito sobre funcionários fantasmas. Após a separação do casal, a casa se tornou propriedade de Bolsonaro em 2008 e foi vendida no ano seguinte.

Segundo Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ), os funcionários Gilmar Marques (ex-cunhado de Ana Cristina), André Luís Procópio (irmão de Ana Cristina), Andrea Siqueira Valle (irmã de Ana Cristina) e Marta da Silva Valle (cunhada de Ana Cristina) estão cadastrados no endereço e estiveram lotados no gabinete no mesmo período em que Bolsonaro e a ex-mulher viveram na casa.

1 2 3 4 1.606