Arquivos mensais: Janeiro 2018

GOVERNO DO ESTADO CEDE PRÉDIO PARA JALES INSTALAR LABORATORIO DE SAÚDE

O imóvel, localizado na Rua Nove, entre a Quatorze e a Dezesseis, fica no mesmo quarteirão do prédio do AME. A notícia é da assessoria de imprensa do deputado Carlão Pignatari:

O Governo do Estado autorizou a concessão de um imóvel ao município de Jales, para a instalação de um laboratório médico. O decreto autorizando a cessão do prédio para a Prefeitura de Jales foi publicado no início deste mês no Diário Oficial do Estado. O deputado estadual Carlão Pignatari (PSDB) agradece ao governador Geraldo Alckmin pela autorização da permissão de uso.

De acordo com o decreto que autoriza a concessão, o imóvel, localizado na Rua 9, nº 2.747, no centro da cidade, poderá ser utilizado pelo prazo de 20 anos. Possui 1.208 m² de terreno e 433,34 m² de construção.

De acordo com o prefeito de Jales, Flá Prandi, o prédio será destinado à instalação de um laboratório, que presta atendimento à população local e regional de abrangência do município.

“Tenho certeza que neste novo local, o laboratório funcionará muito melhor e poderá atender a população de forma mais objetiva e rápida. É uma grande conquista para a cidade de Jales, que poderá utilizar o imóvel por 20 anos, sem qualquer despesa”, destaca o deputado Carlão Pignatari.

COLÉGIO RECURSAL CONFIRMA INDENIZAÇÃO A MOTOCICLISTA POR ACIDENTE EM BURACO DO ASFALTO

A 3ª Turma do Colégio Recursal de Jales, integrada pelos juízes Marcelo Bonavolontá, Tiago Octaviani e Renato Soares de Melo Filho, confirmou sentença do juiz da Vara Especial Cível e Criminal, Fernando Antonio de Lima, que condenou a Prefeitura de Jales a indenizar uma motociclista que sofreu acidente por conta de um buraco no asfalto.

O acidente ocorreu em maio do ano passado, quando a motociclista transitava pela Rua Itararé, cruzamento com a Rua Braz Polízio, lá pelos lados do Jardim Oiti. Na queda, ela sofreu lesões e foi socorrida pelo SAMU.

A Prefeitura tentou jogar a culpa na vítima que, afinal, deveria prestar mais atenção aos buracos, mas a tese da defesa não colou. Para o juiz, “não é obrigação da vítima fugir dos buracos, mas dever do Poder Público não permitir a existência deles”.

No Colégio Recursal, a Prefeitura tentou a anulação da sentença, mas, mais uma vez, não obteve êxito. Para os magistrados da 3ª Turma, a sentença do juiz Fernando deve ser mantida, uma vez que “os danos materiais e morais foram fixados com retidão”.

A condenação não deverá, no entanto, causar grandes abalos à periclitante situação financeira da nossa Prefeitura. A vítima pleiteava R$ 10 mil em danos morais, mas a Justiça fixou a indenização em R$ 7 mil, devidamente corrigidos.

SERRA LEVOU R$ 52,4 MILHÕES EM PROPINA, DIZ ODEBRECHT

Com informações do Valor Econômico:

Ex-presidente da Odebrecht de 2002 a 2008 e delator da Lava-Jato, Pedro Novis acusou o atual senador José Serra (PSDB-SP) de receber para si ou solicitar para o partido um total de R$ 52,4 milhões, de 2002 a 2012.

Ele relatou pagamento de propina de R$ 23,3 milhões em 2010, como contrapartida à liberação, pelo governo paulista, de R$ 170 milhões em créditos devidos a uma empresa do grupo Odebrecht, em 2009. Os R$ 29,1 milhões restantes teriam sido transferidos como caixa dois eleitoral para as campanhas de 2002, 2004, 2006, 2008 e 2012, segundo Novis.

Serra diz que as acusações são falsas. Procurado por meio da assessoria de imprensa, o senador disse que “jamais recebeu nenhum tipo de vantagem indevida de empresa ou indivíduo, especialmente da Odebrecht”. Serra afirmou que “nunca tomou medidas que tenham favorecido a Odebrecht em nenhum dos diversos cargos que ocupou em sua longa carreira pública, como afirmou o ex-presidente da empresa Pedro Novis em depoimento”.

Ouvido pela Polícia Federal (PF) no grupo de inquéritos do Supremo Tribunal Federal (STF), em junho, Novis mostrou documentos e explicou a origem dos R$ 23,3 milhões que conforme sua versão irrigaram a campanha presidencial de Serra em 2010.

O delator entregou à PF contrato do pagamento por créditos feito pela Dersa à Companhia Brasileira de Projetos e Obras (CBPO), do grupo Odebrecht. Novis disse que foram pagos R$ 160 milhões líquidos, e que calculou em R$ 23,3 milhões a parte do PSDB. A vinculação do contrato com o dinheiro pende de comprovação.

CANTEIROS DA SANTA CASA ESTÃO CHAMANDO A ATENÇÃO DA POPULAÇÃO

A notícia é da assessoria de imprensa da Santa Casa de Jales:

Criado há dois anos, o projeto “Saúde e Natureza” tem como objetivo cuidar do meio ambiente. Todos que passam em frente a Santa Casa de Jales podem notar que os canteiros ao redor do hospital e central estão chamando a atenção pelo cuidado e também por estarem sempre floridos. 

 Os colaboradores responsáveis pelo projeto são integrantes da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA da Santa Casa. O projeto é discutido com frequência em todas as reuniões da CIPA. A Santa Casa cuida do meio ambiente e de alguma maneira incentiva a população.  

 Para a presidente da CIPA, Aparecida Sebastiana Gonçalves Ramos, é uma maneira de influenciar a população a cuidar do meio ambiente “Eles estão bem cuidados graças a dedicação dos cipeiros, eles jogam água três vezes na semana e fazem a limpeza dos canteiros, exceto quando chove que não há necessidade, esse resultado é fruto do comprometimento dos colaboradores” destacou.

 O provedor Junior Ferreira notou a beleza dos canteiros e parabenizou os responsáveis pelo trabalho realizado “Tenho a certeza de que todas as pessoas que transitam aos redores da Santa Casa notam a beleza das flores, chama a atenção e incentiva os moradores a cuidar do meio ambiente também”.

 

FLÁ AUTORIZA REAJUSTE DAS PASSAGENS DO TRANSPORTE COLETIVO

A notícia é do portal A Voz das Cidades:

Com o novo reajuste a tarifa ou passe passará a custar R$ 2,90 para as linhas de transporte coletivo urbano de Jales

O novo reajuste foi solicitado pela empresa Auto Viação Jauense Ltda, atual concessionária dos serviços de transporte coletivo urbano, publicado no Diário Oficial do Município de sexta-feira (05).

Segundo o texto em seu principal artigo descreve o motivo pelo qual os usuários deverão desembolsar este novo valor da tarifa unitária do passe/passagem das linhas de transporte coletivo urbano de Jales que será de R$ 2,90 (dois reais e noventa centavos).

“Conforme contrato de concessão nº. 030/2007, onde solicita o reajuste da tarifa do passe/passagem unitária, em face à manutenção do equilíbrio-econômico financeiro da empresa”.

No início de mês de dezembro do ano passado, a empresa de transporte coletivo Jauense ameaçou encerrar suas atividades, mesmo com o contrato em vigor. Representantes da empresa estiveram na Câmara Municipal protocolando um documento em que alega sérios prejuízos na execução do transporte coletivo.

Mesmo com um subsídio no valor de R$ 15.000 (quinze mil reais), mensais e com o preço da passagem defasado, segundo alega a Jauense, o alto número de aposentados e idosos, aliado a concorrência dos mototaxistas vem fazendo com que a empresa tenha dificuldades em cumprir as rotas estabelecidas em contrato.

Segundo o Secretário de Planejamento da Prefeitura de Jales na época, Nilton Suetugo, foi enfático ao afirmar que a prestação deste serviço pela Jauense não iria parar, uma vez que existiu um contato com os diretores para a renovação do contrato e consequentemente o aumento do subsídio pela prefeitura.

Este aumento de subsídio ainda não foi divulgado, mas por enquanto quem pagará a conta será a população que necessita deste meio para transporte.

JORNAL DE JALES: EM ENTREVISTA, FLÁ DIZ QUE REAJUSTE DE IMPOSTOS VAI VALORIZAR IMÓVEIS DE JALES

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cuja principal manchete destaca entrevista do prefeito Flávio Prandi(DEM). Na entrevista, Flá diz que o polêmico georreferenciamento – aquele projeto que fez fotos aéreas de todos os imóveis da cidade – promoveu, na verdade, equidade e justiça para todos os contribuintes, além de proporcionar uma reorganização tributária para o município. O prefeito garantiu, também, que a revisão do valor venal dos imóveis – aquele projeto que resultou em reajuste de 22,08% no IPTU – “vai proporcionar uma valorização no setor imobiliário da cidade que, ao longo dos anos, trará investimentos significativos”.

O jornal está destacando, também, o final de ano violento na região, que resultou em quatro homicídios. De acordo com o JJ, a região – normalmente calma durante o período das festas de fim de ano – foi surpreendida por uma onda de assassinatos, provocados por motivos diferentes, segundo a polícia que continua investigando para tentar descobrir os detalhes sobre duas das ocorrências. Os crimes aconteceram em Urânia, Santa Albertina, Suzanápolis e Riolândia, sendo dois no dia 30 de dezembro e os outros dois no dia 1º de janeiro.

O recorde das chuvas ocorridas em Jales durante 2017, que registraram um volume de 1.781 milímetros, ou 35% a mais que a média anual medida desde 1995; as vendas de fim de ano, que confirmaram a força do comércio jalesense; o balanço da Central de Polícia de Jales, que registrou 4.500 ocorrências durante o ano, mas, de outro lado, não registrou nenhum homicídio; o lançamento do aplicativo “Aqui tem Jales” que, segundo sua criadora, está sendo bem recebido pelos empresários locais; e o 47º Campeonato Aberto de Futsal, que começou no dia 03 de janeiro e tem sua final marcada para o dia 02 de fevereiro, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior destacou a visita que o deputado federal Paulo Teixeira(PT) fez a Jales no final do ano. Segundo o colunista, Teixeira teria vindo à nossa cidade especialmente para cumprimentar a cúpula da Diocese de Jales e “pedir a benção” do bispo titular dom Reginaldo Andrietta e do bispo emérito, dom Demétrio Valentini. Em entrevista à Rádio Assunção, o deputado disse ter ficado impressionado com a repercussão do texto que o bispo dom Reginaldo publicou sobre a reforma da previdência proposta pelo governo Temer. No texto, o bispo convoca o povo brasileiro para sair às ruas em protesto contra o projeto.

BOLSONARO E FILHOS MULTIPLICAM PATRIMÔNIO NA POLÍTICA

A Folha de S.Paulo, a Veja, a Globo e outros membros do PIG, que propagaram o discurso do ódio e a criminalização da política, são os responsáveis pela criação do “fenômeno” Bolsonaro. E agora os criadores tentam cortar as asas da criatura. A notícia é do Brasil 247, com informações da Folha:

O deputado federal e pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e seus filhos multiplicaram seu patrimônio desde que entraram na política, segundo levantamento do jornal Folha de S.Paulo.

Bolsonaro e seus três filhos que exercem mandato, Eduardo, Carlos e Flávio, são donos de 13 imóveis com preço de mercado de pelo menos R$ 15 milhões em pontos valorizados no Rio de Janeiro, como Copacabana, Barra da Tijuca e Urca.

Os apartamentos e casas foram comprados, na última década, com preço abaixo da avaliação da Prefeitura à época na cidade, segundo a Folha. Quando entrou na política, em 1988, Bolsonaro declarava ter apenas um Fiat Panorama, uma moto e dois lotes de pequeno valor.

Até 2008, a família declarava à Justiça Eleitoral bens em torno de R$ 1 milhão, o que incluía apenas 3 dos atuais 13 imóveis. As principais aquisições ocorreram nos últimos dez anos. A evolução patrimonial dos quatro se mostra, portanto, acelerada. Todos se dedicam hoje apenas à política.

SHOW DE CHICO BUARQUE TERMINA COM PÚBLICO HOMENAGEANDO LULA

Depois de cinco anos ausente dos palcos, Chico Buarque resolveu que não iria começar 2018 “se guardando pra quando o carnaval chegar“. Muito pelo contrário, ele começa o ano novo trabalhando. Chico está na praça com o show “Caravanas”, que passou por Belo Horizonte e chegou ao Rio de Janeiro ontem (04).

Ao final do show, o público da casa de espetáculos Vivo Rio saudou Chico e encerrou a noite com um coro que certamente deixou o cantor/compositor/escritor arrepiado. Veja (e ouça) no vídeo abaixo: 

MESÓPOLIS: EX-PREFEITO E EX-VEREADORA SÃO CONDENADOS PELA JUSTIÇA DE JALES POR IMPROBIDADE

O ex-prefeito de Mesópolis, Otávio Cianci – recordista da região em ações de improbidade administrativa – e a ex-vereadora Eunice Camilo da Silva, a Nice do Sapo, foram condenados pela Justiça de Jales por ato de improbidade. A ação foi ajuizada pelo Ministério Público em setembro de 2015 e a sentença do juiz da 2ª Vara de Jales, Alexandre Yuri Kiataqui, é de dezembro de 2017.

Sucedeu assim: em 2011, quando Eunice era a presidente da Câmara de Mesópolis, o então prefeito Tavinho autorizou a utilização de um caminhão do município para transporte de material usado na reforma da residência da vereadora. Com o detalhe de que o motorista do caminhão – Luiz Olímpio – também era vereador. Além disso, o prefeito ainda designou um servidor municipal para executar a repaginação da casa de Eunice.

Em sua defesa, Eunice – como se ela não tivesse que dar exemplo – alegou que era costume da Prefeitura ceder o caminhão para atendimento dos munícipes em obras particulares. Alegou também que o pedreiro designado pelo prefeito trabalhou por apenas quatro dias na reforma, o que gerou certa polêmica, pois uma testemunha da vereadora disse que foram apenas um dia e meio de trabalho, enquanto o próprio servidor – Genésio Cavelani – garantiu que foram quinze dias de exaustivo trabalho na casa da vereadora.

Resumo da ópera: Eunice foi condenada a pagar multa correspondente a três vezes o prejuízo causado aos cofres públicos, enquanto Tavinho terá que pagar multa relativa a duas vezes o mesmo prejuízo, cujo valor ainda vai ser calculado. Além das multas, os dois personagens foram condenados, também, a ressarcir os cofres municipais pelos prejuízos oriundos da conduta ímproba de ambos.

A ex-vereadora Nice do Sapo é um dos agentes políticos que está requerendo na Justiça de Jales o pagamento do 13° salário e do 1/3 de férias relativos ao período em que prestou serviços ao ordeiro povo de Mesópolis. O pedido dela – R$ 12 mil – foi julgado procedente, em primeira instância, mas não se pode dizer que a fase da ex-vereadora é das melhores.

Não bastasse a multa e o ressarcimento a que foi condenada, ela está sendo acionada na Justiça pela Prefeitura de Mesópolis, por conta de uma dívida de R$ 13 mil. Ou seja, o 13° salário – se vier – não será suficiente para a ex-vereadora acertar suas contas com os cofres públicos.

1 2 3 4 5