Categoria: Cidade

JALES PERDE ELEITORES

Parece que o governo Parini está conseguindo mais uma proeza. Segundo informações, Jales foi o único entre os dez municípios atendidos pelo Cartório Eleitoral de Jales a registrar uma diminuição no número de eleitores aptos a votar nas eleições de outubro. 

Segundo dados do Cartório, Jales tinha 37.334 eleitores em 2010. Findo o prazo para alistamento eleitoral e transferências de título, Jales contabiliza, neste ano, 37.325 eleitores aptos. Ou seja, nove a menos que em 2010.

Pode parecer pouco, mas o dado é significativo, considerando que, em todas as demais cidades da região, o número de eleitores aumentou. Exemplo: Urânia, a segunda cidade em número de habitantes, saltou de 4.558 para 4.769 eleitores, isto é, 211 títulos eleitorais a mais. No total, as demais nove cidades vinculadas ao Cartório de Jales tiveram um acréscimo de 1.628 eleitores.

Mas o que o Parini tem a ver com isso, dirão os fãs do estadista. Ora, a diminuição só pode ser consequência da falta de empregos, uma das promessas de campanha não cumpridas pelo prefeito. Dados extraoficiais demonstram que Jales está perdendo muita gente na população que vai dos 18 aos 30 anos. São pessoas que vão embora da cidade, em busca de oportunidades de emprego.   

NA TRIBUNA DE DOMINGO: MULHER PROCESSA PREFEITURA POR TOMBO EM CALÇADA REVITALIZADA

A “revitalização” promovida pelo prefeito Humberto Parini no centro da cidade vai ficar mesmo para a história. De vez em quando, nós ouvimos relatos de comerciantes sobre pessoas – principalmente mulheres – que já passaram pelo vexame de sofrerem quedas na nova calçada.

E pelo menos uma dessas pessoas está processando a Prefeitura, por danos morais. A mulher alega que, além do vexame – ela caiu bem em frente as Casas Bahia – teria fraturado um pé. O assunto estará na edição do próximo domingo do jornal A Tribuna

FUNCIONÁRIOS DA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE JALES GANHAM AÇÃO E, DEPOIS DE 13 ANOS, RECEBEM DIFERENÇA SALARIAL

Cerca de 80 funcionários ou ex-funcionários da Associação Educacional de Jales – AEJA, do grupo Soler, tiveram uma boa surpresa neste início de semana. Eles foram chamados a Fernandópolis, pelo Sindicado dos Profissionais de Educação da Noroeste Paulista, para tratar de assuntos referentes a um processo que tramita na Vara do Trabalho de Jales.

Quem foi, saiu de lá com um cheque nas mãos. O processo refere-se a uma defasagem salarial ocorrida em 1999, quando os salários do funcionalismo da AEJA deixaram de ser reajustados de acordo com a lei. Entre os funcionários, alguns já não moram em Jales e há até alguns que já faleceram, como é o caso dos saudosos professores Orlando Norberto  Cavenaghi e Gema Aparecida Prandi Rosa.

No total, estão sendo pagos R$ 200 mil aos beneficiários da ação, mas há quem diga que ainda  restou uma segunda parcela para ser paga posteriormente. A relação completa dos beneficiários está na página A14 da edição de domingo, de A Tribuna.

PREFEITURA FAZ RECAPE EM 80 QUARTEIRÕES, MAS TRECHO DA RUA ITÁLIA CONTINUA ESQUECIDO

Eu já escrevi sobre esse trecho da Rua Itália, mas, considerando que nenhuma providência foi tomada e a situação está piorando a cada dia, creio que é válido voltar ao assunto. Como vocês podem ver, na foto acima, o trecho fica bem próximo da Avenida Francisco Jalles, que foi recentemente recapeada.

Aliás, nem sei se foi uma boa medida recapear aquele pedaço da Francisco Jalles, pois agora o pessoal do radar móvel está sempre nas redondezas.  Ontem, uma amiga me ligou para reclamar que passa por ali todos os dias e  já tomou três multas de R$ 127,00 cada. Se a Avenida ainda estivesse esburacada, certamente que ela andaria mais devagar.

Voltando à Rua Itália, é importante ressaltar que, um pouco adiante, na mesma rua, a Prefeitura recapeou uns três quarteirões. Fica difícil saber quais os critérios utilizados pelo pessoal da Secretaria de Obras para escolher os locais que serão recapeados. Vejam que a Rua possui várias residências e três empresas, as quais recebem vários clientes diariamente.

Acima, o mesmo trecho da Rua Itália visto por outro ângulo.

Vejam como está a situação da Rua, em frente à oficina do Mair Motos.     

JALES REALIZOU III CONFERÊNCIA DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

Ontem, 15, tivemos a 3ª Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência, realizada na sede da Associação dos Deficientes Físicos da Região de Jales – ADERJ, no Jardim do Bosque. Cerca de trinta pessoas compareceram ao evento, que acontece a cada dois anos. Neste ano, o destaque ficou por conta da palestra proferida pelo promotor André Luiz de Souza. 

A palestra focou o tema principal da Conferência: “O olhar através da convenção sobre os direitos da pessoa com deficiência: novas perspectivas e desafios”. Segundo o palestrante, alguns temas, como a acessibilidade, precisam ser discutidos e tratados com a sociedade que vai saber opinar e criticar quando for necessário.

O promotor falou ainda sobre a questão de descentralização da saúde, obrigações do Estado e do Município, aquisição de órteses e próteses, entre outros assuntos. “Direito de locomoção é um direito garantido em Constituição, portanto, precisamos oferecer aos portadores de necessidades especiais o direito ao movimento e à locomoção. Precisamos, urgentemente, discutir isso em conferência”, afirmou o doutor André.

NOVA ENQUETE: O PREÇO DA ZONA AZUL É JUSTO?

Estamos iniciando, hoje, uma nova enquete. O blog quer saber a sua opinião sobre o valor que será cobrado pelo estacionamento na chamada Zona Azul. Como se sabe, o prefeito definiu, via decreto, que a empresa ganhadora da licitação para exploração da Zona Azul deverá cobrar R$ 1,00 por hora, ou, se o usuário preferir, R$ 1,50 por duas horas. Você acha que é um preço justo? Participe da enquete aí do lado direito.

Quando à enquete anterior, 189 pessoas – ou 61% dos votantes – consideraram uma medida equivocada a instalação dos semáforos no cruzamento da Rua Dezessete com a Avenida João Amadeu. Outras 119 pessoas preferiram achar que a instalação dos semáforos foi uma boa idéia ou um mal necessário. No total, 308 pessoas participaram da enquete.

Aparentemente, as reclamações contra os tais semáforos cessaram depois que a Prefeitura providenciou algumas alterações no tempo de espera e proibiu o retorno em alguns pontos da Avenida João Amadeu. No entanto, nem todos os comerciantes daquele trecho da avenida ficaram satisfeitos, uma vez que, segundo as reclamações, as novas medidas afugentaram clientes e provocaram queda no faturamento.

Como se vê, é impossível agradar a gregos e baianos. Deve ser por isso que, de vez em quando, o nosso premiado estadista se vê obrigado a tirar uma folga.

EMPRESA DE GOIÁS DEVE FICAR COM EXPLORAÇÃO DA ZONA AZUL DE JALES

Além de exportar duplas sertanejas, cachoeiras e quejandos, Goiás também possui empresas especializadas nas mais diversas áreas. Para quem não se lembra, são de Goiânia as duas empresas que estão sendo investigadas no caso da Facip 2009. E, agora, parece que teremos mais uma representante de Goiás entre nós.

Trata-se da empresa Soluções em Tecnologia de Trânsito Ltda. Se não houver nenhum contratempo, ela deverá ser anunciada como a vencedora da concorrência aberta pela Prefeitura de Jales para administração da nossa Zona Azul.

A concorrente de Goiás apresentou a melhor proposta na abertura dos envelopes, que aconteceu hoje. Ela está oferecendo 20,50% do seu faturamento mensal à nossa Prefeitura. Uma empresa de Jales – a Guincho J.G. Ltda – concorreu, mas teve sua proposta desclassificada. Mesmo que tivesse sido classificada, a proposta da empresa jalesense perderia, pois ela ofereceu 18,50% do faturamento, ou seja, 2% a menos que a Soluções em Tecnologia de Trânsito Ltda.

As empresas desclassificadas terão cinco dias úteis para recorrer. A Zona Azul em Jales, como já foi divulgado, custará R$ 1,00 por hora ou R$ 1,50 por duas horas. Ultrapassadas as duas horas, o usuário terá que pagar outro cartão, ou ficará sujeito a guincho.  

PREFEITURA DE FERNANDÓPOLIS REALIZA SORTEIO DE 577 CASAS POPULARES

Trabalho escravo à parte, a Prefeitura de Fernandópolis realizou, no sábado passado, o sorteio de 577 casas populares construídas através do Programa Minha Casa Minha Vida. Segundo a notícia divulgada pela Prefeitura, 2.609 famílias fernandopolenses tinham feito a inscrição no Programa.

Reparem na diferença com relação às 368 “casas populares” que o prefeito Humberto Parini diz estar construindo em Jales, através do Minha Casa Minha Vida. Em Fernandópolis, as casas beneficiarão famílias com renda mensal até R$ 1,8 mil e a prestação custará algo próximo de R$ 80,00.

Em Jales, as casas estão sendo construídas por uma empresa privada e não tem essa história de sorteio. Leva quem tiver dinheiro para uma boa entrada. Elas estão sendo vendidas para famílias com renda mensal entre 3 e 6 salários mínimos e as prestações não ficam abaixo de R$ 350,00, podendo chegar, em alguns casos, a algo em torno de R$ 600,00.

Eis aí a vantagem de se ter um prefeito que se dizia amigo do Lula.

PRAZER E COMEMORAÇÃO

O presidente da Câmara, Luiz Henrique Viotto, é um assíduo frequentador de velórios. E está sempre aprontando das suas. No dia em que foi sepultada a mãe de um ex-secretário da administração Parini, Macetão já  ia deixando as dependências do cemitério, quando deu de cara com outro enterro.

Ao chegar na porta do cemitério, o cortejo deu uma parada e o caixão foi aberto para que os familiares se despedissem do finado. Rápido no gatilho, Macetão postou-se ao lado do caixão, colocou uma mão no peito do defunto, levantou a outra em direção ao céu e começou a dizer coisas ininteligíveis, como se estivesse encomendando a alma do falecido  diretamente ao próprio São Pedro. E ele nem conhecia o defunto.

No velório do ex-prefeito Honório Amadeu, que foi realizado na Câmara Municipal, mais uma gafe. A certa altura do velório, Macetão agarrou o microfone e, em meio ao seu discurso mal ensaiado, anunciou, com ar compungido, que era um “prazer” para a Câmara para receber o ex-prefeito.

Pior do que isso, só mesmo o apresentador da Globo, Ivan Moré, que, no dia primeiro de maio, disse que estavam sendo realizados alguns eventos em São Paulo para “comemorar” os dezoito anos do falecimento do Ayrton Sena.    

ABRIGO DE VAGABUNDOS: NO CENTRO DA CIDADE, CASA ABANDONADA VIRA ‘LAR, DOCE LAR’ PARA MORADORES DE RUA

O caso já foi registrado pelo repórter Alexandre Ribeiro, na edição de A Tribuna, de domingo, com direito ao depoimento de uma trabalhadora que passa pelo local todos os dias. A matéria pode ser vista aqui.

Localizada a menos de 200 metros da nossa Prefeitura, a casa onde funcionava a Associação dos Vigilantes de Jales, situada na Rua Sete, esquina com a Dez, encontra-se totalmente abandonada e transformou-se em ponto de encontro para alguns moradores de rua.

A casa faz parte do conjunto de prédios que pertencia à massa falida da Teleoesp, do empresário Francisco Vianna. Levado a leilão, o imóvel teria sido arrematado por um empresário aqui da cidade. Segundo informações, apesar de procurado por fiscais da Prefeitura, o novo proprietário – por sinal, muito amigo do prefeito Parini – não teria tomado nenhuma providência quanto à limpeza do local.

Visto por outro ângulo, é possível constatar um pouco da sujeira do local, que está cheio de caixas de papelão, garrafas vazias e outras coisas. Não bastasse a sujeira, o mau cheiro que o local exala também incomoda quem passa por ali.

Nos fundos da casa, alguns moradores de rua fazem as “refeições” e tomam suas “biritas” em meio a um ambiente de desleixo e sujeira.

De bem com a vida, eles até usam um dos antigos aparelhos telefônicos da Teleoesp para fingir que estão mandando notícias à família. Eldenir, o da frente, disse que veio de Votuporanga para trabalhar em Jales, mas o emprego micou. Os dois do telefone são de Pereira Barreto, mas nem sabem o que vieram fazer em Jales.

1 405 406 407 408 409 442