Categoria: Política

CÂMARAS QUE DÃO BONS EXEMPLOS

Acabo de ler duas novidades no EPTV Notícias. A primeira:

A Câmara de Vereadores de Porto Ferreira votou e aprovou novos salários para os membros do poder executivo e legislativo que assumirão em 2013. Os reajustes são variados.

Hoje, o salário do presidente da Câmara é de R$ 2.880, e vai passar para 5.500,00 – um aumento de 90,97%.

O prefeito, que agora ganha R$ 14 mil, passa a receber R$ 16 mil – aumento de 26,5%. O vice sobe de R$ 3.240 para 4.100 – aumento de 26,5%. Os secretários municipais passam de R$ 4.536 para R$ 7.720 – aumento de 70,19%. Já os vereadores, de R$ 2.159 para R$ 3.689 – aumento de 70,9%.

Em 2013, além dos aumentos salariais, a Câmara passa dos atuais 10 para 11 vereadores.

E agora, a segunda:

A Câmara de Vereadores de São Joaquim da Barra terá mais dois parlamentares a partir de 2013. A cidade tem nove vereadores e passará a ter 11, por força de uma emenda na lei orgânica do município, votada nesta terça-feira (15). Foram seis votos a favor e três contra.

A cidade chegou a ter 15 vereadores, mas teve o número reduzido por uma ação do Superior Tribunal Federal em 2004.

ATÉ MORTOS “ASSINARAM” FICHA DE CRIAÇÃO DO PSD DE KASSAB

Começou bem o partido fundado pelo Kassab. Vejam a notícia do portal Último Segundo:

Partido em fase de criação capitaneado pelo prefeito paulistano, Gilberto Kassab, o PSD usou a assinatura de quatro pessoas mortas na lista de apoiamento para a fundação da sigla em Santa Catarina. O iG teve acesso ao relatório produzido pelo chefe do cartório da 49ª Zona Eleitoral do Estado, Ângelo Eidt Pasquale. Segundo o documento, 140 assinaturas “não tiveram a autencidade comprovada”.

Os indícios de fraude foram identificados nos municípios de Jupiá, Novo Horizonte e São Lourenço do Oeste, que fica a cerca de 600 km de Florianópolis. Em maio deste ano, o governador catarinense Raimundo Colombo anunciou que deixaria o DEM rumo ao PSD. Ontem, o iG já havia revelado que a Justiça Eleitoral solicitou a instalação de um inquérito policial para investigar uma série de irregularidades na documentação do novo partido de Kassab.

 Segundo o chefe do cartório da 49ª Zona Eleitoral, os quatro mortos usados pelo PSD tinham domicílio eleitoral São Lourenço do Oeste. “Quatro eleitores falecidos “assinaram” apoio ao PSD: Ivo Pavan Libardoni (morto em 3.7.2009), Hermino Joacir Cacciatori (morto em 1º.10.2008), Affonso Martignago (morto em 21.9.2009), João Dall Pont (morto em 21.3.2010), Diva Lucena Libardoni (morta em 28.11.2008)”, escreveu Pasquale.

Ainda de acordo com o relatório, seis assinaturas de eleitores de Jupiá não puderam ser comprovadas. Em Novo Horizonte, outras 11 não foram consideradas verdadeiras. Contudo, a maior parte dos problemas ocorreu em São Lourenço do Oeste: “(…) vislumbra-se que dos 130 nomes de eleitores lourencianos apresentados, apenas, e tão somente, 7 assinaturas tiveram sua autenticidade confirmada (5,38 %)”, descreve o relatório.

Observação do aprendiz de blogueiro: a notícia fala em “quatro eleitores falecidos”, mas relaciona cinco.

MACETÃO FOI TENTAR RECURSOS EM SÃO PAULO

(por Roberto Timpurim)

No último dia 10, o vereador e vice-presidente da Câmara Municipal, Luiz Henrique Viotto (sem partido) esteve na Assembleia Legislativa de São Paulo (ALESP). 

Sua viagem foi motivada pela necessidade de conseguir recursos financeiros para serem investidos na infruestrutura urbana, principalmente, na recuperação da pavimentação asfáltica do município de Jales. 

Segundo ele, “as ruas do Jardim Oiti e Pires de Andrade encontram-se intransitáveis e causam transtornos e prejuízos para os motoristas e pedestres”, ressaltou. 

Nesse sentido, Macetão solicitou R$ 200 mil para o deputado estadual pastor Adilson Rossi (PSC). O deputado se comprometeu a providenciar verbas estaduais para serem repassadas ao município, em especial, à Secretaria Municipal de Obras.

PARINI AINDA ESTÁ ATRÁS DE PONTILHÕES

O prefeito Humberto Parini, ao que parece, ainda acredita na possibilidade de conseguir os dois pontilhões prometidos na campanha eleitoral. Vejam a notícia divulgada hoje, pelo portal Santa Cruz News, de Santa Cruz do Rio Pardo:

Prefeito de Jales é recebido no Dnit por Ricardo Madalena

Esteve esta semana, na Sede do DNIT em São Paulo, o Prefeito do Município de Jales, o Sr. Humberto Parini, pedindo a intervenção do Superintendente, o Engº Ricardo Madalena, para viabilizar os recursos necessários para a realização de duas transposições sobre a linha férrea. 

Ricardo Madalena, comentou que os projetos já foram aprovados, agora precisa locar recursos no orçamento para atender as necessidades desta importante obra para a cidade de Jales. 

Assim como tem feito com vários prefeitos de cidades do Estado de São Paulo que o tem procurado Ricardo Madalena foi muito atencioso com o prefeito de Jales que saiu otimista da reunião de que seu pedido será atendido.

O amigo visitante deve estar se perguntando por que essa notícia foi sair lá em Santa Cruz do Rio Pardo. É simples: o Santa Cruz News deve ser um desses sites a serviço de políticos, que se disfarçam de portais de notícias. Ricardo Madalena, o superintendente do Dnit, é um político lá de Santa Cruz do Rio Pardo, ligado ao PR, do mensaleiro Valdemar Costa Neto.  

PARA DEPUTADO PETISTA, MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL PERSEGUE PREFEITURAS PETISTAS

As denúncias do Ministério Público com relação à merenda escolar de Jales já chegaram na Assembléia Legislativa do Estado. O deputado estadual Adriano Diogo(PT), em discurso na Tribuna da Assembléia, deu a entender que o MP vem dando preferência às prefeituras petistas, nas suas investigações. Vejam o resumo do discurso, publicado no Diário Oficial, de hoje:

Adriano Diogo (PT) sobre a Máfia da Merenda, composta por várias empresas envolvidas em irregularidades nas licitações, que esteve atuando em diversos municípios paulistas, dentre eles Jales e Pindamonhangaba. Ele criticou o posicionamento do Ministério Público estadual nas investigações. “Estamos aqui para denunciar a apuração seletiva em relação às prefeituras do PT, que são as únicas investigadas nas denúncias a respeito da Máfia da Merenda”, protestou. (DK)

BRIGA ENTRE VEREADORES DE SÃO JOÃO DA BARRA REPERCUTE NA INTERNET

Pouca gente viu, mas, ao final da sessão camarária de segunda-feira, enquanto o vereador Macetão discursava, os seus colegas Luís Especiato e Rivelino Rodrigues se estranharam por conta do projeto que concede uma ajuda à Cooperativa de Catadores de Lixo Reciclável. No entanto, a áspera discussão entre os dois vereadores jalesenses não foi nada, perto do que aconteceu em São João da Barra-RJ. Vejam, no vídeo abaixo, a briga entre os vereadores Alexandre Rosa e Zezinho Camarão, ambos do PPS:

You need to a flashplayer enabled browser to view this YouTube video

O PT E A CRISE DO MINISTRO PALOCCI

Segundo homem na hierarquia do Partido dos Trabalhadores, o secretário geral Elói Pietá pendurou, na página oficial do PT, um artigo onde explica porque os petistas deixaram de apoiar a permanência do ministro Antonio Palocci no governo Dilma. Eis um trecho:

“Os petistas não contestam o direito que Palocci tinha de exercer uma atividade privada quando saiu do governo em 2006 e de ter sucesso nela. O que causou espanto e levou os petistas a não apoiarem sua permanência no governo, foi a origem de seus ganhos privados (orientar os negócios de grandes empresas), a magnitude dos resultados (dezenas de milhões de reais), e o alto padrão de vida que ele se concedeu (representado pelo investimento em moradia fora de sua própria origem de classe média).”

Alguns petistas locais vivem dizendo que não frequentam o blog, mas eu sei que, nas horas vagas, eles fazem umas visitinhas a este espaço. Então, vou recomendar que eles leiam o artigo do Pietá, por inteiro, aqui.

PRIMEIRA-DAMA E VICE-PREFEITO DE CAMPINAS ESTÃO FORAGIDOS

A notícia é desta sexta-feira e está no portal RAC.com:

A primeira-dama, Rosely Nassim, o vice-prefeito Demétrio Vilagra (PT), o ex-secretário de Comunicação Francisco de Lagos, e Aurélio Cance Júnior, ex-diretor da Sanasa, e Ricardo Cândia, ex-diretor de Planejamento da Prefeitura estão sendo considerados foragidos pela Polícia Civil.

Eles tiveram a prisão preventiva decretada na noite de quinta-feira (9) pelo juiz da 3º Vara Criminal , Nelson Augusto Bernades, devido ao Caso Sanasa. A informação é do corregedor da Polícia Civil de Campinas, Roveraldo Bataglini.

Veja o perfil dos envolvidos abaixo:

Carlos Henrique Pinto (preso) – Ex-secretário de Segurança Pública de Campinas, entrou para o Poder Público da cidade em 2005, na ocasião foi nomeado como secretário de Assuntos Jurídicos. No ínicio de 2011, assumiu a frente da Secretaria de Segurança Pública. Durante o depoimento aos promotores do Gaeco do ex-presidente da Sanasa ele não é citado, porém ligações telefônicas comprovam que ele estaria tentando atrapalhar o trabalho de investigação da Promotoria, assim como o ex-Coordenador de comunicação, Francisco de Lagos. Foi preso nesta sexta-feira (10) em sua casa.

Marcelo Figueiredo (preso) – Ex-diretor financeiro da Sanasa, Marcelo Figueiredo. A denúncia feita por Luiz Augusto Castrillon de Aquino, aponta o ex-diretor como responsável por fraudar os contratos da empresa pública e também buscar dinheiro da propina com agentes públicos, entre eles, a primeira-dama de Campinas e esposa do prefeito Hélio de Oliveira Santos, Rosely Nassim Jorge Santos.

Demétrio Villagra (foragido): Vice-prefeito de Campinas foi citado em conversas telefônicas monitoradas pelo Ministério Público, responsável pela investigação do esquema fraudulento da Sanasa. Em um ponto das gravações, Alfredo Antunes, dono da empresa Global, que teria feito acordos ilegais com a Sanasa fala que Villagra recebia dinheiro. ‘Aquino (ex-presidente da Sanasa) bateu com a língua nos dentes que eu dava dinheiro para o vice-prefeito”. diz a gravação.

Rosely Nassim Jorge Santos (foragida): Primeira-dama de Campinas, foi exonerada do cargo de chefe de Gabinete após ser citada seu envolvimento no caso Sanasa. No relatório do Ministério Público, seu nome aparece como coordenadora do esquema de fraudes pelo ex-presidente da Sanasa, Luiz de Aquino. As investigações da Promotoria apontam que as negociações eram feitas dentro do Palácio dos Jequitibás, coração do Poder Administrativo da cidade. Ela seria a pessoa chave do esquema. Rosely definia qual empresa venceria licitações, em troca de pagamento de propina. 

Francisco de Lagos (foragido):

Ex-coordenador de Comunicação, foi exonerado após ter sua prisão decretada pela justiça. A justiça embasou a sua prisão após gravações de ligações telefônicas serem grampeadas pelo Ministério Público. Assim como Carlos Henrique Pinto, ele estaria atrapalhando o trabalho da Promotoria no processo de investigação.

Aurélio Cance Júnior (foragido): Ex-diretor da Sanasa, também foi exonerado após envolvimento no esquema de fraudes. Cance é acusado de favorecer licitações e encaminhar para a primeira-dama Rosely Nassim os contratos fraudulentos.

Ricardo Cândia (foragido): Ex-diretor da Sanasa e ex-prefeito de Corumbá, Ricardo Chimirri Cândia era diretor de Planejamento da Prefeitura de Campinas. Nas acusações, Cãndia é considerado braço direito da primeira-dama e atuaria como responsável por receber e destinar o dinheiro de propina em nome de Rosely Nassim

PARA PARINI, AÇÃO CIVIL PÚBLICA É OBRA DE “FOGO AMIGO”

Em outros tempos, o prefeito Humberto Parini dizia que um determinado promotor público o perseguia. Agora, ele vê em cada ação do Ministério Público o dedo de pessoas que já fizeram parte da administração e, na opinião dele, dedicam-se, no momento, ao emocionante esporte de tentar desestabilizar o governo Parini. O prefeito Parini é assim mesmo: ele está sempre procurando culpados para expiar seus pecados.

O “fogo amigo” a que ele se refere é, provavelmente, este aprendiz de blogueiro e a vereadora Tatinha. Fico contente que o prefeito nos dê tanta importância, mas não é bem assim. No caso da merenda escolar, por exemplo, eu estou entre os acusados. Não é preciso ser muito inteligente prá desconfiar que eu não iria ao Ministério Público denunciar a mim mesmo.

As denúncias sobre malfeitos na merenda escolar foram levadas ao Ministério Público por algumas ex-funcionárias da empresa Gente. E quem encaminhou as ex-merendeiras ao MP foi o vereador Macetão. O resto ficou por conta da promotoria, que, pelo que sei, ouviu depoimentos, coletou informações e juntou cópias de documentos. No meu caso, acredito que esteja sendo acusado de participação no suposto direcionamento da licitação, mas até o momento não tive acesso ao inteiro teor das acusações.

Um outro caso recente, é o da Certidão com declaração supostamente falsa. O prefeito, dizem alguns de seus assessores, desconfia de que teria sido este aprendiz de blogueiro o autor da denúncia. Lêdo e Ivo engano! A Certidão foi levada ao promotor por um ex-vereador, que, de seu lado, recebeu-a de um funcionário da Prefeitura. Eu não teria receio nenhum em confessar a autoria da denúncia, se tivesse sido o autor.

Tanto é que, no momento, estou preparando a documentação para entrar com uma representação no Ministério Público, contra membros da administração. Se tudo correr bem, na segunda-feira, eu estarei protocolando a denúncia junto ao MP. Devidamente assinada por mim! Tudo às claras! Quanto à merenda escolar, quando eu for chamado a dar meu depoimento tentarei contribuir para que a Justiça prevaleça.

CÂMARA DE FERNANDÓPOLIS TERÁ 13 VEREADORES EM 2013

A Câmara de Fernandópolis poderia ter, no máximo, 15 vereadores, mas preferiu ficar no meio termo. Em 2013, terá 13 vereadores. Aqui em Jales, o assunto está meio embaixo do balaio, mas não se assustem se, de repente, a nossa Câmara aprovar um aumento também para 13. Vamos à notícia  do portal Região Noroeste:

Os dez vereadores da Câmara Municipal de Fernandópolis finalmente chegaram a um acordo sobre o número ideal de vereadores para a próxima legislatura. Eles fizeram a segunda votação do projeto que altera dispositivos da Lei Orgânica Municipal, passando de 10 para 13 o número de vereadores no Legislativo fernandopolense, válido para a legislatura 2013-2016.

Depois da pressão da Associação de Amigos, formada por várias entidades, o projeto que aumenta cadeiras na Câmara foi retirado e um novo projeto foi feito. Após diversos debates internos sobre o número ideal, ficou estabelecido que o Legislativo terá 13 cadeiras.

Chamel, Zambom e Maiza Rio foram contrários ao projeto, pois sugeriram números diferentes.

1 276 277 278 279 280 295