Categoria: Política

PT VETA COLIGAÇÕES COM PSDB, DEM E PPS. E COMO FICA A PARCERIA PT-PPS EM JALES?

No debate do 4ª Congresso do PT sobre estratégia eleitoral para as disputas municipais, foi aprovada resolução que veta coligações com os três partidos de oposição à presidenta Dilma Rousseff. Assim, candidatos petistas não poderão fazer alianças com PSDB, DEM ou PPS em 2012. A resolução coloca um problema para o PT de Jales, uma vez que o PPS participa, há três eleições, da coligação que elegeu e reelegeu o prefeito Humberto Parini.

E não é uma participação qualquer: em Jales, o PPS ocupa a vice-prefeitura, com Clóvis Viola, e abriga um dos principais aliados de Parini, o vereador Rivelino Rodrigues. A prevalecer a resolução do Congresso petista, Clóvis e Rivelino terão que procurar novos parceiros, caso pretendam continuar na política.

Vista assim, a situação parece complicada, mas, como todos nós sabemos, toda regra tem exceção: ainda que diminuta, existe a possibilidade de Clóvis e Rivelino continuarem ao lado dos petistas jalesenses nas eleições de 2012, pois, em casos excepcionais, o diretório estadual do PT poderá aprovar uma ou outra coligação com o PPS. Mas só em casos excepcionais.

Sobre o assunto, veja aqui a notícia do G1.

VEREADORES DE MONTE MOR QUEREM CASSAÇÃO DO PREFEITO

Ministério Público, improbidade administrativa, bloqueio de bens, superfaturamento na merenda escolar… Pelo jeito, os cenários estão sempre mudando, mas o enredo continua o mesmo. A notícia é do portal RAC Campinas:

O vereador Walton Assis Pereira (PDT) protocola nesta quinta-feira (1º) na Câmara Municipal de Monte Mor um pedido de abertura de Comissão Especial de Inquérito (CEI) contra o prefeito Rodrigo Maia (PSDB) por susposto envolvimento no superfaturamento de um terreno desapropropiado na cidade. Os veradores devem pedir o afastamento de Maia e a cassação de seu mandato. O tucano autorizou o município a pagar R$ 850 mil por um terreno que , de acordo com imobiliárias da cidade, vale no máximo R$ 450 mil.

A Justiça determinou recentemente o bloqueio dos bens do prefeito após ação de improbidade administrativa ingressada pelo Ministério Público (MP) atribuindo ao prefeito e a outras três pessoas participação no esquema.De acordo com o vereador, já foram reunidas seis assinaturas, das três necessárias para que o pedido seja protocolado. A CEI terá prazo de 90 dias e deve ter os integrantes da Comissão escolhidos na próxima semana. A assessoria de imprensa do prefeito informou que ele não iria se pronunciar até que o pedido da CEI seja votado.

O prefeito também é investigado pelo MP por suposto envolvimento no superfaturamento de merenda escolar na cidade.

MACETÃO, O BRINCALHÃO

O vereador Luiz Henrique Viotto, o Macetão, é mesmo um grande brincalhão. Ou um grande cara-de-pau, se preferirem. Vejam só ao lado de quem ele fez questão de ser fotografado. O encontro se deu hoje, pela manhã, durante a entrega de um cheque ao prefeito Humberto Parini. Reparem como a presença de Macetão, no gabinete do alcaide, deixou o nosso premiado estadista bem à vontade.

CÂMARA DEVOLVE R$ 200 MIL À PREFEITURA PARA AQUISIÇÃO DE ÔNIBUS

(por Roberto Timpurim)

A Câmara de Jales, através de seus vereadores, fez a entrega de um cheque no valor de R$ 200 mil ao prefeito municipal Humberto Parini referente à devolução de recursos. O superávit de recursos é fruto de um trabalho de economia realizado pelo Legislativo Municipal.

O cheque foi entregue em um ato no gabinete do prefeito, nesta sexta-feira, 02, às 9h, com a presença do presidente da Câmara, Claudir Aranda (PDT), e dos vereadores Rivelino Rodrigues (PPS), Luiz Henrique Viotto (sem partido) e Osmar Pereira Rezende (PMDB).

Segundo o presidente da Câmara, o valor do cheque é parte do compromisso que foi feito com a administração para adquirir um ônibus. Claudir reafirmou o compromisso social do Legislativo para com o setor da saúde e que a aquisição vai melhorar as condições dos pacientes que viajam para Barretos em busca de tratamento médico.

Claudir destacou que a economia se deu através de um trabalho conjunto, desenvolvido pelo Poder Legislativo e que os Nobres Edis e funcionários usaram apenas o que foi estritamente necessário para o bom andamento dos trabalhos. “Só foi possível fazer esse repasse graças à compreensão dos vereadores e nossos colaboradores, que entenderam nossa proposta e se prontificaram a reduzir gastos, o que viabilizou a devolução dos recursos”.

VEM AÍ O “DIA DO CATOLICISMO” EM JALES

Depois de criar o “Dia do Combate à Homofobia”, o “Dia do Pastor Evangélico” e o “Dia da Marcha para Jesus”, a Câmara de Jales prepara-se para aprovar o “Dia do Catolicismo” no município. A data deverá ser comemorada anualmente, sempre no último domingo de abril, uma referência à primeira missa rezada no Brasil, em 26 de abril de 1500.

Segundo o autor do projeto, vereador Luiz Henrique Viotto, o Macetão, a nova data comemorativa será um reconhecimento à contribuição inestimável do catolicismo na formação e unidade do nosso Brasil varonil. 

DUPLICAÇÃO DA ‘EUCLIDES DA CUNHA’ GERA EMPREGOS EM URÂNIA

E agora, dois assuntos que não tem nada a ver, mas que, de certo modo tem tudo a ver, pois, em ambos os casos pode-se perceber o senso de oportunidade do nosso premiado estadista.

O primeiro: um dia desses, em entrevista ao Antena Ligada, um vereador de Urânia – não me lembro o nome – destacou a instalação, naquela cidade, do canteiro de obras da empresa S.A. Paulista, responsável pela duplicação do trecho Fernandópolis-Urânia da “Euclides da Cunha”. O vereador destacou o esforço do prefeito Francisco Ayrton Saracuza para conseguir que a empresa instalasse o canteiro de obras em Urânia, e, de outro lado, ressaltou que isso está gerando cerca de duzentos empregos  diretos na vizinha cidade.

Nunca é demais lembrar que Jales ficou sem canteiro de obras, fato que é atribuído à desinteria verbal do prefeito Humberto Parini, que, dias antes do anúncio do início das obras, andou dizendo que a duplicação era apenas  um “estelionato eleitoral” do governo tucano.  

O segundo assunto: o deputado federal Chico Alencar, que já foi do PT e, atualmente, está no PSOL, foi eleito pela terceira vez consecutiva o melhor parlamentar da Câmara Federal. A escolha foi feita pelos jornalistas que cobrem o Congresso Nacional.

Enquanto isso, o programa CQC, da TV Bandeirantes, também realizou uma enquete entre os próprios deputados federais para eleger o pior deles. Vocês já sabem quem foi o grande vencedor? Não? Ele mesmo! O mensaleiro Valdemar Costa Neto(PR). O deputado que teve o apoio do nosso premiado estadista nas eleições do ano passado e saiu das urnas de Jales com 186 míseros votos.   

PREFEITOS DE MIRASSOL E FERNANDÓPOLIS SÃO ALVOS DE DENÚNCIAS NAS CÂMARAS

A notícia é do Diarioweb:

O prefeito de Mirassol, José Ricci Júnior (PDT), é alvo de nova Comissão Processante (CP) na Câmara que pode culminar em outra cassação do seu mandato. Por nove votos a um, foi aprovada a abertura de comissão para investigar suposta irregularidade cometida pelo prefeito, que deixou de abrir licitação para a recuperação de erosão no córrego Piedade, no bairro Jardim Navarrete. A obra teve custo de aproximadamente R$ 2 milhões.

A denúncia contra Ricci foi protocolada pelo PTN do município. Um dos argumentos contra o prefeito é de que ele teria decidido fazer a obra sem a concorrência pública, mesmo com alerta feita pelo departamento jurídico do Executivo. O caso também é analisado pelo Ministério Público. O presidente da CP, vereador Tiago Henrique Vanzella Rodrigues (PR), afirmou que Ricci será notificado sobre a abertura da investigação. “O prefeito terá 10 dias para apresentar uma defesa preliminar no caso”, afirmou.

Em Fernandópolis, o advogado Fausto Ruy Pinato protocolou na Câmara representação contra o prefeito Luiz Vilar (DEM). Ele é acusado de tentar fraudar licitação da 2ª etapa da obra de construção do prédio da Delegacia da Mulher. Para o advogado, houve suposto direcionamento da licitação à empresa de Elenir de Jesus & Cia Ltda. O valor da licitação foi de R$ 63 mil.

A presidente da Câmara, Creusa Nossa (PDT), afirmou que a representação será analisada no dia 13 de setembro. “Devemos acatar a denúncia. É bom para as partes, para o prefeito provar a sua defesa”, afirmou Creusa. São necessários seis votos para a abertura da comissão contra Vilar, que disse no seu perfil no Facebook que “vai provar na Justiça que nada fez de irregular”.

PPS CRITICA ACENOS DO PSDB A DILMA

Se aqui em Jales a oposição permanece calada, totalmente alheia ao que está acontecendo, em Brasília, como observou o blogueiro Josias de Souza,  a oposição começa a opor-se a si mesma. Vejam a notícia do Valor Econômico:

O deputado federal e presidente nacional do PPS, Roberto Freire (SP), vê na aproximação entre lideranças do PSDB e a presidente Dilma Rousseff, um risco de “adesismo” da oposição ao governo.

Para Freire, a proposta de um pacto de governabilidade entre a administração federal petista e oposição, defendida pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e pelo senador Aécio Neves (MG), é um “grave equívoco”, que “desarma” os partidos opositores. “É o governo que tem de chamar a oposição para um pacto, não o contrário”, comentou ontem. ” E o governo não demonstra ter interesse em fazer um pacto com a oposição”, afirmou Freire.

O presidente nacional do PPS mostrou-se surpreso em relação aos acenos de Aécio e FHC à presidente. “Isso abre espaço para o deboche do PT”, disse. “Não é um líder qualquer. Não entendi”, comentou. ” É necessário fazermos oposição para que a democracia se mantenha”, completou Freire.

Para o dirigente partidário, a oposição deveria buscar melhorar sua relação com o povo e não com o governo. “Em vez de as lideranças da oposição ficarem discutindo a relação com o governo deveriam investir na aproximação com a sociedade. Deveríamos nos mobilizar para combater a corrupção”, disse o parlamentar.

CHEIRO DE PIZZA NO AR: “CEI DA CERTIDÃO FALSA” AINDA NÃO SAIU DO PAPEL

Isso é que é vontade de investigar! Instalada há mais de três meses e tendo como integrantes os onipresentes vereadores Luís Especiato e Rivelino Rodrigues, a chamada “CEI da Certidão” ainda não andou um centímetro sequer. Segundo se sabe, apesar de ter sido inclusive prorrogada por mais noventa dias, os integrantes da CEI ainda não fizeram uma única reunião e, por consequência, ainda não solicitaram um único documento.

Já escrevi várias vezes sobre o assunto, mas não custa repetir: em março de 2009, o prefeito Parini mandou emitir uma Certidão Negativa de Débitos em favor da Instituição Soler de Ensino, que, àquela época, sem contar as  outras empresas do grupo, devia cerca de R$ 50 mil em impostos aos cofres da viúva. Tudo para permitir que a empresa participasse de uma licitação, aqui mesmo, na Prefeitura de Jales.

Levada ao Ministério Público por um ex-vereador, a encrenca já chegou à Procuradoria do Estado, que, de seu lado, solicitou algumas investigações à polícia de Jales. Enquanto isso, na Câmara, aprovou-se a tal CEI, mas, comandada por Especiato e Rivelino, já se sabe que final ela terá. Só nos resta imaginar, afinal, qual o sabor da pizza que sairá do forno do Legislativo. Espera-se que, dessa vez, os dois vereadores sirvam, no mínimo, uma “quatro queijos”. 

EMPRESA DE PARENTES DE ALCKMIN É SUSPEITA DE FRAUDAR PREFEITURA

Dizem que cunhado não é parente. Mas, quando se trata de política, é sempre bom tomar cuidado com os cunhados. Vejam a notícia do UOL:

Uma empresa que tem como sócios parentes de Lu Alckmin, mulher do governador paulista Geraldo Alckmin (PSDB), é investigada sob suspeita de ter se beneficiado de uma fraude de R$ 4 milhões contra a Prefeitura de São Paulo, informa reportagem de Evandro Spinelli e Giba Bergamim Jr., publicada na Folha desta terça-feira. O esquema, que também envolve outras empresas, foi alvo de operação em conjunto da Corregedoria Geral do Município, Polícia Civil e Ministério Público e resultou na prisão de quatro pessoas na última sexta-feira (26).

A prefeitura afirma que a empresa dos parentes de Lu Alckmin –Wall Street Empreendimentos e Participações– falsificou documentos para pagar um valor menor de taxas cobradas para autorizar a construção de prédios. A taxa em questão é a outorga onerosa, dispositivo que permite a construção de imóveis acima do limite previsto, mediante pagamento à prefeitura.

Por conta das fraudes, a Prefeitura de São Paulo promete interditar a partir desta terça-feira (30) as obras de 21 prédios, alguns deles de alto luxo, nas zonas leste e oeste da cidade. Os responsáveis pela Wall Street não responderam aos oito recados deixados pela Folha na empresa ontem.

Editoria de Arte/Editoria de Arte/Folhapress  
1 276 277 278 279 280 308