Arquivos mensais: dezembro 2019

TOSHIRO SAKASHITA É O NOVO PROVEDOR DA SANTA CASA DE JALES

A notícia é da assessoria de imprensa da Santa Casa:

A Santa Casa de Jales reuniu nesta terça-feira, 10 de dezembro de 2019, os membros da irmandade da instituição para eleição da mesa administrativa para biênio 2020 e 2021. Membros da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Jales foram convocados para a eleição que aconteceu em primeira convocação as 9h00.

Com apenas uma chapa inscrita, denominada “A todos, Saúde”, Carlos Toshiro Sakashita foi conduzido ao posto de provedor por dois anos. Todos os membros firmaram compromisso com a instituição e com toda a população que utiliza os serviços. 

O provedor eleito, Carlos Toshiro Sakashita, emocionado, agradeceu a todos pela confiança “Quero retribuir a população tudo o que fizeram por mim durante todos esses anos que resido em Jales, farei o melhor por esta instituição sempre que for necessário e quero contar com toda a equipe que escolhi para ficar ao meu lado durante esses anos”, discursou Toshiro.

O atual provedor, Junior Ferreira, agradeceu pela confiança de todos durante quase 04 anos à frente do hospital e destacou que aprendeu muito sobre saúde “Entrei aqui leigo no segmento, mas aceitei um desafio e hoje estou saindo com o coração apertado, mas com uma gratidão eterna a esta instituição que me acolheu tão bem. A Santa Casa de Jales faz parte da minha vida e eu jamais vou deixar de contribuir, estarei sempre presente quando for possível” relatou ele, emocionado. 

Alguns membros da irmandade fizeram uso da palavra e relataram momentos vivenciados no passado, parabenizaram Junior Ferreira pela excelente gestão e desejaram sucesso ao provedor eleito Toshiro Sakashita nessa nova empreitada. 

Confira a lista dos membros da mesa administrativa: Carlos Toshiro Sakashita (provedor), Edson Roberto da Silva (vice-provedor), Guilherme Soncini da Costa (3º vice-provedor), Antônio José da Cruz (diretor secretário), José Roberto Mansueli (2º diretor secretário), Anilson Aparecido Claudino (3º diretor secretário), Amauri Cruz dos Santos (diretor tesoureiro), Vera Lúcia V.C. Cavenaghi (2º diretor tesoureiro), José Magalhães Rocha (3º diretor tesoureiro).

DATAFOLHA: BRASILEIROS CONFIAM MAIS EM LULA DO QUE EM BOLSONARO

A maioria da população considerou justa a soltura do ex-presidente Lula no início de novembro, aponta a mais recente pesquisa Datafolha, que ouviu 2.948 pessoas em 176 municípios, entre os dias 05 e 06 de dezembro.

De acordo com o levantamento, 54% dos entrevistados entendem que a libertação do petista foi justa, enquanto 42% a consideram injusta. Os que não souberam dizer se a soltura foi justa ou injusta são 5%. Entre os que apoiam o governo Bolsonaro, 30% consideram a soltura de Lula justa.

O Datafolha questionou os entrevistados sobre se eles confiam nas declarações de Lula. 25% disseram que confiam sempre, enquanto 36% afirmaram confiar às vezes. Já os que não confiam nunca no que Lula diz são 37% dos entrevistados.

Por outro lado, a pesquisa constatou um elevado grau de desconfiança em relação a Jair Bolsonaro: 43% disseram que nunca confiam no que Bolsonaro diz, enquanto 37% responderam que só confiam de vez em quando. Já os que confiam sempre são apenas 19%.

A pesquisa mostra que os nordestinos (71%), os pobres (63%), os negros (62%), os jovens (61%) e as mulheres (56%) são os que mais confiam em Lula. Entre os ricos, apenas 38% confiam no ex-presidente.

PRESO DESDE FEVEREIRO DE 2017, EX-PREFEITO DE DOLCINÓPOLIS TERIA OBTIDO A LIBERDADE HÁ UM MÊS

Um amigo deste aprendiz de blogueiro garantiu, na semana passada, que o afamado ex-prefeito de Dolcinópolis, José Luiz Reis Inácio de Azevedo, já está livre como um passarinho. Preso em fevereiro de 2017, no âmbito da operação “Catatau”, da Polícia Federal, José Luiz teria deixado o presídio há menos de um mês.

Segundo o amigo bem informado, José Luiz estaria morando em uma das principais cidades da região. Tudo indica que o novo endereço do ex-prefeito seja em São José do Rio Preto.

Condenado em primeira instância a 11 anos e 04 meses de prisão, José Luiz teve sua pena reduzida para 09 anos e quatro meses pelo Tribunal de Justiça-SP, em outubro deste ano. Segundo a minha fonte, ele já teria cumprido 1/6 da pena. Mas pode ser que tenha sido beneficiado pela decisão do STF sobre 2ª instância.

José Luiz disputa com o ex-prefeito de Mesópolis, Tavinho Cianci, o posto de recordista em processos da região. O ex-prefeito de Dolcinópolis responde a mais de 30 ações na Justiça de Estrela D’Oeste, sendo pelo menos duas delas na esfera criminal.

LEI DO RJ QUE LIMITA JORNADA DE TRABALHO DE ENFERMEIROS EM 30 HORAS SEMANAIS É INCONSTITUCIONAL

A notícia diz respeito aos enfermeiros do Rio de Janeiro, mas nos remete ao que aconteceu aqui em São Paulo.

Os prezados leitores devem estar lembrados que no estado de São Paulo também foi aprovada uma lei que diminuía a jornada de trabalho dos profissionais da enfermagem. Analice Fernandes, nossa ilustre conterrânea, foi a autora da lei, pela qual ela foi, inclusive, homenageada pela Câmara de Jales com uma moção de aplausos. 

Quando a lei – que tramitou em tempo recorde – foi aprovada pela Assembleia, em dezembro de 2018, o assunto obteve ampla divulgação, mas…. Mas, em janeiro deste ano, uma das primeiras medidas do recém-empossado governador João Dória foi VETAR a lei de Analice.

A nova lei traria um impacto financeiro de R$ 4,5 bilhões por ano nas despesas dos estabelecimentos de saúde do estado. Segundo estudos apresentados ao governador, somente as entidades sem fins lucrativos, como é o caso da Santa Casa de Jales, teriam um aumento de R$ 2,2 bilhões em suas despesas, o que provocaria demissões e extinção de leitos hospitalares.

O veto não mereceu, no entanto, a mesma atenção da imprensa, de modo que, para os desinformados, a lei de Analice estaria valendo. Não está! Mas, vamos à notícia sobre a lei aprovada no Rio de Janeiro, publicada pelo Consultor Jurídico:

O Estado não pode legislar sobre jornada de trabalho, porque o tema é de competência privativa da União. Com base neste entendimento, o Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucional a Lei 8.315/19, do Rio de Janeiro, que trata da jornada de trabalho de profissionais de enfermagem.

A norma instituiu pisos salariais para diversos profissionais de enfermagem (auxiliares, técnicos e enfermeiros). A lei foi aprovada pela Assembleia Legislativa do Rio e promulgada pelo governador Wilson Witzel, em março.

No Supremo, a lei foi questionada pela Confederação Nacional de Saúde, que sustentava que a lei trazia risco de demissões e de extinção de postos de trabalho. Isso porque aumentaria os custos para os estabelecimentos. 

Em junho, o ministro Alexandre de Moraes já havia suspendido trechos da lei. O julgamento foi encerrado no plenário virtual em novembro, por 6 votos a 4. Seguiram o relator os ministros Luiz  Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio, Gilmar Mendes e Dias Toffoli.

Votaram pela constitucionalidade os ministros Rosa Weber, Luiz Fux, Luís Roberto Barroso e Celso de Mello.

INVESTIGADO EM VÁRIAS OPERAÇÕES, DOLEIRO QUE TERIA PAGO PROPINA A PROCURADOR DA LAVA JATO NUNCA FOI DENUNCIADO

E essa notícia também é do UOL

Dario Messer (ao lado), conhecido com o “doleiro dos doleiros”, é investigado desde a década de 1980 por suspeitas envolvendo operações financeiras ilegais. No início dos anos 2000, seu nome apareceu naquele que é considerado um dos maiores escândalos de lavagem de dinheiro do país, o caso Banestado.

A investigação foi conduzida pelo MPF-PR (Ministério Público Federal do Paraná) e por procuradores que hoje fazem parte da Lava Jato. Messer, porém, nunca foi acusado na Justiça por eles.

Anos depois, em 2015, quando suas operações financeiras viraram motivo de processo criminal, o mesmo MPF-PR pediu sua absolvição por dúvidas sobre sua culpa.

Ao analisar a história do doleiro em investigações do MPF-PR, vê-se que em diversas situações ele esteve em meio aos casos, mas, mesmo com testemunhos e outras evidências, nunca foi sequer denunciado.

A Lava Jato argumenta que as decisões não sofreram nenhuma influência e seguiram a lógica judicial.

Ainda em 2005, Messer e outros doleiros tiveram suas prisões requeridas na operação Zero Absoluto, considerada uma das mais importantes do caso Banestado. Ao menos 106 pessoas investigadas na mesma operação foram denunciadas. O doleiro, não.

Três ex-investigadores do caso Banestado trabalham hoje na Lava Jato: Deltan Dallagnol (coordenador da força-tarefa), Orlando Martello Junior e Januário Paludo.

Paludo foi citado num relatório recente da Polícia Federal como suspeito de ter recebido propina de Messer para protegê-lo em investigações. A informação foi dada com exclusividade pelo UOL.

MÉDICO QUE ACUMULOU OITO EMPREGOS TERÁ QUE PAGAR MULTA DE R$ 2,2 MILHÕES

José Usan Júnior é ginecologista. A notícia é do UOL:

O Tribunal de Justiça de São Paulo ordenou a execução da pena de um médico que acumulou oito empregos, cinco deles públicos, em quatro cidades no interior de São Paulo. Condenado a pagar R$ 1,1 milhão, os juros e correção monetária entre a condenação e a execução da sentença dobraram esse valor.

Agora José Usan Júnior terá de desembolsar R$ 2.269.704,99. Se o médico exercesse todas as funções para as quais foi contratado, ele não descansaria um único dia no mês: trabalharia 106 horas semanais em quatro cargos e oito empregos distribuídos por quatro cidades: Araçatuba, Guararapes, Birigui e Bilac.

Para a Corte, Usan Júnior era um funcionário fantasma que cometeu improbidade administrativa ao enriquecer acumulando funções que não exercia.

A Constituição permite aos médicos acumular apenas dois cargos com compatibilidade de horário. Procurada pela reportagem, a defesa do médico preferiu não se manifestar.

Na última terça-feira (3), o juiz aceitou o pedido do Ministério Público e executou a decisão tomada em junho. O médico terá 15 dias a partir da notificação para pagar os R$ 2,2 milhões, sob pena de ter os bens penhorados, se não pagar, e 10% de multa sobre o valor, um acréscimo de R$ 220 mil.

O juiz também expediu ofícios para que as prefeituras demitam o médico, que teve seus direitos políticos suspensos por oito anos, o que lhe impede de votar e receber votos em uma hipotética candidatura.

DATAFOLHA: BOLSONARO TEM A PIOR AVALIAÇÃO ENTRE OS PRESIDENTES ELEITOS APÓS O REGIME MILITAR

Com informações da Folha de S. Paulo:

Os números do Datafolha divulgado hoje indicam que Bolsonaro chega ao fim do primeiro ano no cargo com avaliação pior do que a recebida por alguns de seus antecessores no mesmo período do mandato.

Ao final do seu primeiro ano de mandato, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) era aprovado por 41% da população, enquanto Lula (PT) alcançou 42% e Dilma Rousseff (PT) obteve 59% de aprovação a essa altura do primeiro mandato.

Somente Michel Temer (MDB) e Itamar Franco, que não foram eleitos, chegaram ao fim do primeiro ano com reprovação maior do que a de Bolsonaro agora. Um ano após assumir o lugar de Dilma, o ex-presidente Temer era reprovado por 61%.

De outro lado, a pesquisa aponta que reprovação a Jair Bolsonaro parou de crescer, em razão de uma melhoria nas expectativas econômicas. Enquanto a taxa de aprovação oscilou de 29% para 30%, a reprovação, que cresceu de 30% para 38% na pesquisa anterior, dessa vez ficou em 36%, dentro da margem de erro. Para 56% dos entrevistados, Bolsonaro não se comporta adequadamente.

A pesquisa mostra, ainda, que a percepção dos brasileiros a respeito do combate à corrupção pelo governo Bolsonaro piorou bastante em dois meses. A aprovação do desempenho do governo nesse quesito caiu de 34% para 29%, enquanto a desaprovação subiu de 44% para 50%. Ou seja, metade dos brasileiros já não botam a atuação da dupla Bolsonaro/Moro na área do combate à corrupção.

O Datafolha mostra, também, que Bolsonaro não está, na opinião da maioria dos entrevistados, colaborando para melhorar a imagem do Brasil no exterior. Para 39%, a imagem do país piorou, enquanto para 25% a imagem continua na mesma. Já o bloco dos que acham que melhorou contabiliza 31%.

Em dezembro de 2003, no fim do primeiro ano do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 53% achavam que seu governo tinha contribuído para melhorar a imagem do país no mundo e somente 7% diziam que ela tinha piorado.

A análise do Datafolha permite concluir que o “gado bolsonarista” – aquele grupo de brasileiros que aprovam cegamente o governo e confiam em tudo o que Bolsonaro diz ou faz – está, atualmente, em 14% da população. A maioria do “gado” está na região Sul e é formada por homens brancos com boa situação financeira.

JORNAL DE JALES: MARYNILDA CAVENAGHI ASSUME PRESIDÊNCIA DO MDB DE JALES

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cujo principal destaque é a representação criminal que o advogado Adib Abdouni, reitor da Universidade Brasil, protocolou na Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, contra o delegado Cristiano Pádua da Silva, da PF de Jales. A representação diz, entre outras coisas, que o delegado teria se infiltrado ilegalmente na Universidade durante as investigações que redundaram na operação Vagatomia. O jornal destaca, também, que a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) manifestou apoio ao delegado, referendando sua atuação no curso das investigações que apontaram um suposto esquema de fraudes na Universidade.

Outra manchete de capa informa que a Prefeitura de Jales espera investir mais de R$ 26 milhões em melhorias na cidade, durante o ano de 2020. Pelo menos é isso que está previsto no orçamento municipal para o ano que vem, que deverá ser aprovado pela Câmara na sessão dessa segunda-feira, 09. Do total reservado para investimentos, cerca de R$ 10,4 milhões são recursos da própria Prefeitura, enquanto o resto virá da União (R$ 6,7 milhões), do Estado (R$ 3,8 milhões), e do financiamento obtido junto à Caixa Federal (R$ 5,5 milhões). O orçamento de 2020 prevê que as receitas e as despesas do município chegarão a R$ 175 milhões.

O desmantelamento, pela Polícia Federal, de uma organização criminosa especializada no tráfico internacional de drogas, que atuava em algumas cidades da nossa região; a homenagem que a delegada de Formosa-GO, Fernanda Lima, nascida em Jales, recebeu da Assembleia Legislativa de Goiás; o destaque obtido pela professora Paula Cristina Scarpeto Gonçalves, também nascida em Jales, por conta de projeto desenvolvido em São José dos Campos; e a emenda parlamentar de R$ 300 mil que a deputada Analice Fernandes(PSDB), outra conterrânea, está destinando para a APAE de Jales, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior está informando que a companheira Marynilda Cavenaghi Nacca decidiu assumir a presidência do diretório do MDB de Jales, substituindo o ex-vereador Jediel Zacarias, que abdicou do trono para cuidar de assuntos pessoais. O colunista ressalta que Marynilda – que estava sendo cortejada pelo PSDB – resistiu um pouco à ideia, mas acabou convencida por antigos militantes, João Missoni Filho entre eles, a assumir o comando da nau emedebista. Deonel lembra que esse não será o primeiro desafio que Marynilda enfrentará em nome do MDB. Em 2014, quando de encontro realizado no Jales Clube com as presenças de Dilma Roussef e Michel Temer, coube a ela discursar em nome do diretório local.

NEY MATOGROSSO – “HOMEM COM H”

Nascido em Bela Vista(MS) – daí o Matogrosso – Ney de Souza Pereira teria, por força do trabalho de seu pai, um oficial do Exército, morado em Fernandópolis por algum tempo. Os fernandopolenses mais antigos dizem até que ele tinha uma irmã muito bonita e, por isso mesmo, muito paquerada pelos moçoilos casadoiros da ex-Vila Pereira.

Diz a lenda que Ney, sem nenhuma ligação com a música nordestina, quase não gravou “Homem com H”, do compositor paraibano Antonio Barros, um dos maiores sucessos do rebolativo ex-vocalista do Secos & Molhados.

Segundo a lenda, Ney teria recusado a oferta da música. Cecéu, também compositora (autora de “Bate Coração”, da Elba) e esposa de Barros, desmente essa versão. O fato, porém, é que “Homem com H” é a última música do lado B do disco “Viajante”, gravado em 1981. Um empurrãozinho e ela teria ficado de fora.

É fato também que Ney ficou conhecendo “Homem com H” através de um disco de xote do Trio do Nordeste. O cearense Fausto Nilo foi quem mostrou o disco a Ney, sugerindo que ele também gravasse a música de Barros.

Receoso em gravar o xote – afinal, poderia ser contraditório um sujeito de voz fina, cheio de trejeitos, dizendo que “sou homem com agá” – Ney consultou amigos. Gonzaguinha, um dos consultados, foi decisivo ao dizer a Ney que “essa música é a sua cara”.

Antonio Barros, hoje com 89 anos, conta que a inspiração para “Homem com H” veio da novela “O Bem Amado”, do genial Dias Gomes, exibida em 1973 com atuações impagáveis de Paulo Gracindo, Lima Duarte e outros.

Gracindo interpretava Odorico Paraguaçu, um político corrupto (sic!). Em meio a uma conversa com seu secretário, Dirceu Borboleta (Emiliano Queiroz), Odorico, a pretexto de garantir que era cabra macho, sapecou: “Que nada seu Dirceu! Eu nunca vi rastro de cobra nem couro de lobisomem…”.

Com a frase na cabeça, Barros pegou o violão e, em menos de uma hora, estava pronta a música. Ele pensou em entregar a composição a Ney, à época no Secos e Molhados, mas não tinha como chegar ao grupo. Entregou, então, ao Trio Nordestino, o primeiro a gravar.

Oito anos depois de composta, a música chegou, finalmente, ao conhecimento de Ney Matogrosso. O sucesso foi tamanho que, no ano seguinte, Ney gravou “Por Debaixo dos Panos”, de autoria de Cecéu, a mulher de Antonio Barros. Em 2011, “Homem com H” ganhou uma belíssima releitura do Zeca Baleiro.

Abaixo, um vídeo com Ney cantando:

1 2 3 4