Categoria: Política

IPTU VERDE: NICE MISTILIDES PROMETE DESCONTO QUE JÁ EXISTE

Pra falar a verdade, eu ouvi apenas alguns trechos do programa de hoje da candidata Nice Mistilides. E, num desses trechos, me parece que tivemos um senhor de 70 anos de idade nos garantindo que não existem pesquisas falsas. Certamente, esse senhor não lê jornais.   

Ele disse, também, que vai votar em Nice por causa da pesquisa. “Vamos atrás de quem tá na frente”, decretou o experiente eleitor. Realmente, uma boa maneira de se escolher quem vai cuidar dos destinos da cidade pelos próximos quatro anos.

Mas o que me deixou mais embasbacado foi um trecho do programa que eu não ouvi e do qual só fiquei sabendo através de uma amiga. Ela me ligou pra perguntar do que se tratava o tal de IPTU Verde que a candidata Nice teria prometido criar aqui em Jales. Se isso for verdadeiro, Nice precisa mandar revisar urgentemente o seu aparelho de fazer promessas.

Só mesmo um grave defeito no promessômetro da candidata poderia explicar isso. Afinal, o IPTU Verde já existe em Jales desde 2010. Ele foi criado pela lei municipal 3.686, de novembro de 2009. A lei autoriza a redução no IPTU dos proprietários de imóveis que adotem medidas de preservação e recuperação do meio ambiente.

Para aqueles munícipes que tenham árvores no calçamento, por exemplo, a Prefeitura dá um desconto de 3%. Quem utiliza sistema de aquecimento solar também ganha 3% de redução no IPTU. E quem tiver sistemas de captação de água da chuva e de reuso da água, poderá obter descontos de 5% no imposto. Tudo isso, eu repito, já existe em Jales.

Fico me perguntando qual é a capacidade que possui uma pessoa que promete coisas absurdas, como a creche do idoso, ou que propõe benefícios que já existem, como o IPTU Verde. Agora que já estamos a 13 dias das eleições, talvez fosse a hora de os nossos eleitores – principalmente os formadores de opinião – refletirem sobre o que pode vir por aí.

PEDRO CALLADO CONFIRMA TRANSPORTE PARA FAMILIARES DE PRESIDIÁRIOS

No horário eleitoral gratuito de sexta-feira, o programa da candidata Nice Mistilides voltou a falar sobre a proposta de possibilitar transporte aos familiares dos presidiários que estejam cumprindo pena longe de Jales, a fim de facilitar-lhes as visitas aos parentes presos.

A proposta já havia sido anunciada pela candidata em um programa anterior. Na sexta-feira, foi a vez do candidato a vice, Pedro Callado, confirmar o bolsa-transporte que, segundo ele, seria uma medida de grande alcance popular.

Disse mais o doutor Pedro: que, apesar de estar sendo ironizada,  a proposta seria uma iniciativa que contribuirá para a reinserção do preso à sociedade.

Tudo bem, mas será que isso é uma prioridade para a nossa Prefeitura? Será que não temos problemas mais importantes, a ponto de uma proposta dessas ocupar dois programas da candidata Nice?

SUA EXCELÊNCIA, O ELEITOR – IV

Faltando apenas 17 dias para os eleitores irem às urnas, nossos candidatos a prefeito continuam à solta por aí, atrás dos votos que garantirão a vitória no dia 07 de outubro e muitas dores de cabeça pelos próximos quatro anos.

Nice Mistilides e Pedro Callado conferem, solidários, o conserto do caminhão. Numa eleição, é importante que os candidatos demonstrem “entender” um pouquinho de tudo.

Clóvis Viola e Luís Especiato seguram as crianças, de olho nos votos dos pais. Numa eleição, é importante demonstrar carinho e respeito para com nossas criancinhas.

Flávio Prandi se acomoda em uma cadeira para conversar com a eleitora. Em uma eleição é importante demonstrar intimidade com cada eleitor e preocupação com os seus problemas.

JULGAMENTO DE NEUSELI PIRES, DE URÂNIA, OCORREU HOJE NO TRE-SP

O julgamento da ex-vereadora e candidata a prefeita de Urânia, Neuseli Maria de Brito Pires(PTB), esposa do ex-prefeito Joaquim Pires, estava previsto para hoje, no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-SP). O resultado ainda não consta do site do Tribunal, mas, segundo informações extraoficiais, a candidatura de Neuseli teria sido indeferida.

Em Jales, a candidatura de Neuseli havia sido deferida pelo juiz eleitoral, mas a coligação “Para Urânia Continuar Crescendo”, do atual prefeito Francisco Ayrton Saracuza, interpôs recurso, pedindo o indeferimento da adversária. Os problemas de Neuseli é com a Lei da Ficha Limpa, uma vez que ela teria renunciado ao seu mandato de vereadora para escapar a um processo de cassação.

De acordo com o jornal Folha Noroeste, de domingo passado, pesquisa de intenção de votos realizada pelo Instituto Realidade, de Presidente Prudente, apontava que Neuseli estaria em segundo lugar na preferência dos eleitores de Urânia, 15 pontos atrás do primeiro colocado, o prefeito Saracuza.

Caso se confirme o indeferimento pelo TRE-SP, ainda restará a Neuseli recorrer ao TSE. Advogados não lhe faltarão: segundo o que consta do site do Tribunal, nada menos que seis advogados estariam atuando na defesa da candidata.

Post Scriptum: o resultado do julgamento foi publicado às 20:56 horas desta quinta-feira e confirmou as notícias extraoficiais que davam conta do indeferimento da candidatura de Neuseli Pires. Abaixo, a publicação:

20/09/2012 20:56 Resultado da decisão: indeferimento do registro de candidatura.

PESQUISAS ELEITORAIS FRAUDULENTAS PODERÃO GERAR MULTA DE ATÉ R$ 1 MILHÃO

Claro que isso ainda está longe de acontecer. Se tudo correr bem, nosso Congresso levará uns vinte anos para aprovar – se aprovar – o projeto de lei que prevê o aumento da multa. Mas o assunto é interessante e, por isso mesmo, estou reproduzindo, logo mais abaixo, a notícia do site Região Noroeste.

Reparem no que disse o deputado Rubens Bueno(PPS-PR), autor do projeto que eleva a multa, relativamente às eleições 2010: “Em quase todo o País as pesquisas erraram. E a sensação que ficou não foi de um simples erro, mas de fraude, tamanha a discrepância entre os números das pesquisas e o resultado apurado nas urnas.”

Nestas eleições, a Justiça Eleitoral já andou suspendendo a divulgação de pesquisas eleitorais em algumas cidades, em virtude dos indícios de fraude. A tarefa da Justiça Eleitoral não é fácil, uma vez que existem  maneiras de se fraudar pesquisas, sem deixar muitos rastros.

Em muitos casos, as pesquisas eleitorais fraudulentas são utilizadas como estratégia de campanha. É uma maneira de “convencer” os eleitores indecisos ou até mesmo de ganhar aqueles eleitores que não gostam de “perder” o voto.

Em 2004, aqui em Jales, foram publicadas três pesquisas nas vésperas das eleições. As três pesquisas tinham resultados totalmente diferentes. Numa delas, o ex-prefeito Rato aparecia em primeiro lugar, seguido muito de perto pelo então prefeito biônico Hilário Pupim. Abertas as urnas, Hilário foi o quinto colocado, com pouco mais de mil votos. Rato foi o terceiro, bem longe de Flávio Prandi, que ficou em segundo.

Vejamos, agora, a matéria do Região Noroeste:

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou nesta semana o Projeto de Lei, do deputado Rubens Bueno (PPS-PR), que aumenta a multa para quem divulgar pesquisa eleitoral fraudulenta.

Hoje a Lei prevê detenção de seis meses a um ano e multa no valor de 50 mil a 100 mil UFIRs para a empresa de pesquisa e publicidade que cometer esse crime.

A UFIR foi extinta em 2001. Em 2000, ela valia R$ 1,0641. De acordo com a proposta aprovada nesta quinta, a menor multa passa a ser de R$ 500 mil podendo chegar a R$ 1 milhão. O projeto mantém a detenção de seis meses a um ano.

O relator, deputado Jutahy Junior (PSDB-BA), recomendou a aprovação da matéria com um texto substitutivo que faz apenas modificações de técnica legislativa.

“A proposição aperfeiçoa e propicia maior rigor aos instrumentos normativos voltados para a responsabilização das entidades e empresas que divulgarem pesquisas fraudulentas em favor de candidaturas no período eleitoral”, observou.

O projeto põe em cheque pesquisas fraudulentas em períodos eleitorais, muitas vezes utilizado por agências de publicidade caseiras do interior paulista, que vendem previamente essas pesquisas com as intenções de votos e predileções dos eleitores totalmente deturpadas.    

COMENTÁRIO A RESPEITO DE JIM JONES

Fique tranquilo, pois não se trata de mais uma música do sumidíssimo  Belchior. Trata-se apenas de um comentário enviado pelo amigo CHS no post sobre a situação eleitoral da candidata Altamira Maria Guimarães(PSC), que, por interessante, reproduzo abaixo:

CHS
19 setembro 2012 às 13:00

Altamira não gaste dinheiro com recursos, analisando essa coligação que você está, dificilmente conseguirão atingir o QUOCIENTE ELEITORAL, por volta de 2.750 a 2800 votos e, se conseguir ( o que eu não acredito) só se for o ANDRE MACETÃO o beneficiado a ser eleito.
Eu fico indignado, com segundas intenções de certas RAPOSAS da politica, lança-se candidato ou algum parente, leva consigo um monte de pessoas honestas, dignas, mas que não sabem dos bastidores, da malandragem dos interesses pessoais ou familiares, enchendo estas pessoas de ilusão de mentiras, para ajudar na somatória final dos votos para seu benefício ou de parentes.

FICO INDIGNADO, COM OS “JIM JONES DA POLITICA”

“JIM JONES” fundador do “TEMPLO DOS POVOS” (PEOPLES TEMPLE)mentor do suicídio em massa de seus seguidores da comunidade de JONESTOWN, na GUIANA em 18 de novembro de 1.978 onde morreram 918 pessoas (seus seguidores), por envenenamento.

Altamira você é gente boa, não se envolva em grupo politico que tem em seus líderes, o DNA do interesse pessoal, egoístico, e sede de poder( para si mesmo).

Boa tarde para você e sua família e muita paz.

JUSTIÇA ELEITORAL MANDA RECOLHER CAVALETES

Hoje, pela manhã, um caminhão da Sabesp, acompanhado por funcionários do Cartório Eleitoral, saiu pela cidade recolhendo alguns cavaletes que estavam – sob a ótica da Justiça Eleitoral – em situação irregular. Os cavaletes recolhidos encontram-se depositados nos fundos do Cartório Eleitoral, conforme mostra a foto acima.

O recolhimento do artefato com propaganda eleitoral foi determinado pelo juiz Eduardo Henrique de Moraes Nogueira. No sábado passado, o juiz já tinha reunido os representantes das coligações que disputam as eleições em Jales, para pedir moderação no uso de carros de som e cuidados na colocação dos tais cavaletes.

Na tarde de ontem, o juiz andou vistoriando, pessoalmente, algumas ruas da cidade e concluiu que os candidatos não estariam respeitando as recomendações repassadas durante a reunião do sábado. Daí então, a emissão da portaria ao lado, determinando o recolhimento dos cavaletes em desacordo com a lei.

A medida causou correria e alvoroço entre os candidatos e seus  simpatizantes. Muitos cavaletes – como os da foto abaixo – foram poupados pela Justiça Eleitoral, uma vez que estariam dentro das normas. Mas os donos, temerosos, trataram de, eles próprios, sair recolhendo o que sobrou.

    

TSE JULGA MAIS UM CASO DE JALES: CANDIDATA ALTAMIRA PERDE RECURSO

A assistente social e servidora pública municipal Altamira Maria Guimarães é uma das candidatas a vereadora pelo PSC, um dos partidos da família Macetão, que apoiam a candidata a prefeita Nice Mistilides(PTB).

Ela teve o registro de sua candidatura indeferido pela Justiça Eleitoral de Jales, uma vez que havia deixado de votar em uma eleição anterior e não pagou a multa devida por isso. Inconformada, Altamira apelou ao Tribunal Regional Eleitoral(TRE-SP) e perdeu.

Mais uma vez inconformada, ela recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral(TSE), em Brasília. O resultado foi publicado ontem, embora o julgamento tenha ocorrido no dia 11/09. A sentença foi da ministra Nancy Andrighi e, para resumir, terminou assim:

“Forte nessas razões, nego seguimento ao recurso especial eleitoral, nos termos do art. 36, § 6º, do RI-TSE”.

Este é o segundo caso de Jales julgado pelo TSE. Antes, o Tribunal já havia negado seguimento a um recurso do candidato Elcio de Souza Oliveira(PSD), também do time de Macetão. Elcio já recorreu mais uma vez (para quem tem bons advogados, este país oferece mil recursos), mas tudo indica que vai perder novamente.

Além dos casos já julgados de Altamira e Elcio, outros três recursos oriundos de Jales encontram-se no TSE, aguardando julgamento: Maurinho Enfermeiro, Mara Fontes e o saltitante Jojô. Todos esses candidatos continuam fazendo campanha, mas é muito provável que os votos que vierem a ser depositados neles não servirão para nada. 

Prá encerrar: o recurso do vereador José Roberto Fávaro – cuja candidatura continua indeferida – já saiu de São Paulo, mas ainda não chegou em Brasília.  

POLÍTICA É COISA SÉRIA

Em uma eleição, é mister que se tenha criatividade. Vejam o caso da Suelem Aline Mendes da Silva, a Mulher Pêra: candidata a vereadora pelo PTdoB, em São Paulo, ela esboçou sua mais nova tática para atrair o eleitorado paulistano para suas bases eleitorais. E que bases… 

Após atingir a marca de 50 mil seguidores no Twitter, a concorrente a uma cadeira na Câmara da capital divulgou em seu site uma foto em que aparece numa posição ousada, com o número escrito no bumbum – e pedindo votos.

A notícia do portal Terra, sobre a estratégia da Mulher Pêra para conseguir votos, pode ser vista aqui.

E a moça já conseguiu o apoio até de um padre. Afinal, o fruto do pecado continua sendo a maçã, embora a pêra também seja uma tentação. Tá duvidando? Então, veja aqui a notícia da Band.com.

ATENÇÃO PASSAGEIROS COM DESTINO A CURIONÓPOLIS…

Conversei um dia desses com amigos petistas e eles se confessaram decepcionados com a atuação do prefeito Humberto Parini nesta campanha eleitoral. Não que os meus ex-companheiros de PT esperassem grande coisa de Parini, mas eles acham que o prefeito não está se empenhando nem um pouquinho em um quesito fundamental: a arrecadação de recursos para prover as arcas da campanha Clóvis-Especiato.

Não é segredo que, para aqueles políticos que estão exercendo o poder, é muito mais fácil obter – digamos assim – a “compreensão” dos financiadores de campanha. Menos para o PT de Jales, onde o prefeito não está nem um pouco preocupado com o destino dos candidatos oficiais da situação.

Na verdade, Parini parece muito mais preocupado com o seu próprio futuro: nos últimos tempos, sua principal meta é conseguir aposentar-se antes de o julgamento do Caso Facip 97 chegar ao fim. Segundo “entendidos”, uma jurisprudência nova garante que, depois de aposentado, Parini não poderá ser punido com a perda do cargo público de fiscal do Estado. Daí a pressa dele em aposentar-se, mesmo com uma pequena perda salarial.

Por outro lado, parece que os oito anos à frente da Prefeitura serviram para que Parini tomasse gosto pelos negócios. Fontes fidedignas garantem que – no feriado da padroeira, 15 de agosto – Parini teria voado para Curionópolis, no Pará. Evidentemente que ninguém vai ao Pará, num feriado, a passeio. Segundo consta, nosso premiado estadista teria viajado a negócios.

Curionópolis é o município fundado pelo major Sebastião Curió, onde está localizada a famosa Serra Pelada. Há quem diga que, antes mesmo do final do ano, Parini voará novamente para lá.         

1 334 335 336 337 338 413