DILMA VETA R$ 1,8 BILHÃO DE EMENDAS PARLAMENTARES

Construção da Ferrovia Norte-Sul, ligando Belém(PA) a Estrela D´Oeste(SP), teve emenda de R$ 50 milhões vetada por Dilma.

O site de notícias Congresso em Foco divulgou, hoje, a relação de emendas vetadas pelo Poder Executivo. O corte atingiu, indiscriminadamente, as emendas de parlamentares da base aliada e da oposição. Relativamente ao estado de São Paulo – que é o que nos interessa – foram cortados R$ 75 milhões em emendas individuais, R$ 42 milhões em emendas de bancadas e mais R$ 50 milhões da Comissão de Serviços de Infra-Estrutura, referentes à construção da Ferrovia Norte-Sul, que ligaria Belém(PA) a Estrela D´Oeste(SP), totalizando um corte R$ 167 milhões.

“Nunca houve um corte como esse”, diz o deputado Otávio Leite (PSDB-RJ). “A maioria dos parlamentares nem sabe que suas emendas foram canceladas. Geralmente, o que há é contingenciamento. Nesse caso, é possível recuperar mais adiante. Mas, agora, não. Elas foram canceladas. Não tem volta”, reclama o tucano.

O montante de R$ 1,8 bilhão de emendas canceladas faz parte de um grupo maior (R$ 18 bilhões) de emendas parlamentares bloqueadas pelo Executivo. Ao contrário das emendas vetadas, as que são alvo do bloqueio ainda podem ser liberadas ao longo do ano.

Entre os deputados que tiveram emendas vetadas, estão João Dado-PDT (R$ 1,6 milhão), Valdemar Costa Neto-PR (R$ 530 mil), Dimas Ramalho-PPS (R$ 3,3 milhões), Júlio Semeghini-PSDB (R$ 500 mil), Arlindo Chinaglia-PT (R$ 2,1 milhões), Devanir Ribeiro-PT (R$ 800 mil), José Genoíno-PT (R$ 2 milhões) e Ricardo Berzoini-PT (R$ 3,1 milhões), além do senador Eduardo Suplicy-PT (R$ 500 mil).

Entre as emendas vetadas, a única especificamente direcionada a Jales, era de R$ 100 mil, para estruturação da rede de serviços de proteção básica, do deputado João Dado-PDT. Mas é possível que existam outras emendas direcionadas para Jales, entre as cortadas, uma vez que muitos deputados reservam verbas para o estado de São Paulo, mas não especificam as cidades a serem beneficiadas. Além disso, tem também uma emenda de bancada – de R$ 30 milhões – para implantação de projetos de inclusão digital, onde Jales poderia estar sendo beneficiada.

O INSTITUTO QUE PREMIOU O PREFEITO (2)

O Instituto Brasileiro de Verificação de Gestão – IBVG, não tem site na internet, coisa que, hoje em dia, a maioria das empresas ditas sérias possui. Tampouco possui registro na JUCESP, conforme pesquisa feita por um amigo. O IBVG trabalha sempre em parceria com outra empresa, chamada Dalupe Produções Culturais Ltda, de propriedade do jornalista Magno Figueiredo. Aparentemente, a Dalupe também não tem página na internet, mas pelo menos possui o registro na JUCESP, a Junta Comercial do Estado de São Paulo.

No estado do Ceará, que possui um dos TCEs mais organizados do país, é possível verificar que, em 2010, cinco prefeituras cearenses empenharam valores (R$ 11.845,00, no total) para a Dalupe Produções Ltda, com as mais variadas desculpas: seminários de gestão pública, cursos para servidores, etc. Por coincidência, os prefeitos de algumas dessas cidades já foram premiados como “os melhores” do Brasil, pelo respeitável instituto IBVG, como é o caso do prefeito de São Benedito(CE), Brandão Júnior, que já foi premiado duas vezes. Em 2010, a Prefeitura de São Benedito empenhou R$ 2.490,00 para a Dalupe Produções Ltda.

Voltando um pouco no tempo, chegaremos a 2009. Naquele ano, a Prefeitura de Fortim(CE) empenhou R$ 6.000,00 para a Dalupe Produções Culturais Ltda, dos quais, R$ 3.280,00 foram empenhados para fazer face às despesas com a inscrição da prefeita de lá, Adriana Pinheiro Barbosa, em um evento do IBVG, no Hotel Sheraton, do Rio de Janeiro. No ano seguinte, Aninha de Kito, como Adriana é conhecida lá no Ceará, foi agraciada com o “IV Prêmio IBVG de Gestão Pública”, como uma das prefeitas mais eficientes do Brasil. Na foto aí do lado, ela aparece recebendo o prêmio. Uma coisa não podemos negar: pelo menos os critérios para a escolha das meninas que entregam os prêmios parecem ser bastante rigorosos.

O INSTITUTO QUE PREMIOU O PREFEITO

Alguns órgãos de imprensa parecem ter levado a sério a premiação que o prefeito Humberto Parini recebeu do tal Instituto Brasileiro de Verificação de Gestão – IBVG. Segundo a nota distribuída pela Prefeitura, o nosso prefeito mereceu a honraria concedida pelo IBVG, pelo fato de governar uma das cinco cidades que mais crescem no país. A nota foi publicada em alguns jornais da cidade e nos sites de notícias Região Noroeste e Correio Santa Fé. Sobre o assunto, reproduzo abaixo o comentário enviado pelo amigo que se identificou com o singelo pseudônimo de “Me Engana Que Eu Gosto”. Vamos ao comentário:

Vocês sabem que o IBVG é presidido pelo jornalista, radialista, Magno Figueiredo ?
Que o presidente Magno pode ser encontrado no e-mail : ma.figa@hotmail.com ou nos telefones: celular (11) 86269512 e fixo (11)28622021 – Rua Tabapuã 594, ITAIM-BIBI – SP. SP. Cep: 04533-014.
Que o referido instituto não tem site ? Que os eventos de entrega desses prêmios, com jantares e palestras, shows custam muito caro ? Que tudo isso é de graça, e ninguém precisa pagar pelos prêmios recebidos ?
Que segundo o jornalista Ricardo Gallo da Folha on-line, por até R$ 7.000, institutos cobram para premiar empresas, prefeitos e vereadores ?
Os critérios de escolha são vagos. Em geral, os organizadores dizem seguir indicações de clientes, fornecedores e conhecidos do eleito. Quem se diz baseado em pesquisas de opinião não se dispõe a mostrá-las.
Os vencedores são procuradas pelas entidades e informadas de que ganharam o prêmio. A entrega se dá em jantares. Ganha-se troféu e/ou certificado, mais selos de “qualidade”.
À Folha ao menos seis empresas admitiram cobrar dos premiados. Nenhuma, porém, trata o prêmio como pago –é “adesão” ou “contribuição”.

Onde o amigo “Me Engana Que Eu Gosto” disse que ninguém precisa pagar pelos prêmios, acredito que ele quis dizer que os prêmios não são pagos, mas os premiados têm que pagar a chamada taxa de “adesão” que, segundo a matéria da Folha de São Paulo, pode custar até R$ 7.000.

Há alguns anos, um desses institutos ligou para a gerência do Banco do Brasil, onde eu trabalhava, dizendo que este aprendiz de blogueiro tinha sido “escolhido” para receber o prêmio de “Bancário Destaque do Ano”. Fiquei contente, mas aí veio a segunda parte: para receber o prêmio eu teria que “contribuir” com um certo valor para ajudar nas despesas com a festa de entrega. Agradeci a “escolha” e sugeri que entregassem o prêmio ao segundo colocado. Até porque, eu nunca fui destaque em coisa nenhuma.

Volto ao assunto em outro post.

POLICIAIS CONFUNDEM RAPADURA COM CRACK E DÃO VOZ DE PRISÃO À PROFESSORA

Deu na edição on line do jornal carioca Extra,

Um simples tablete de rapadura gerou uma confusão e tanto durante uma operação policial em Ourinhos, cidade a 371 quilômetros de São Paulo. Com informações de que uma mulher iria transportar drogas de São Paulo até a cidade em um ônibus, policiais civis revistaram vários veículos em uma base da Polícia Rodoviária de Santa Cruz do Rio Pardo.

Em um dos ônibus parados durante a operação, eles encontraram o suposto entorpecente dentro da bolsa de uma professora. A polícia deu voz de prisão à suspeita ainda dentro do veículo e ela foi algemada. Segundo Angélica Jesus Batista, a policial que a abordou disse que era muita droga e a algemou na frente de todo mundo enquanto ela era retirada do ônibus.

– A policial parou na porta do ônibus e disse ‘encontramos’. Em seguida, ela me algemou – disse Angélica.
 

Mas o que os policiais pensavam ser crack era na verdade um tablete de rapadura que Angélica levava de presente para o namorado. Depois do mal-entendido, a professora foi liberada. Ela registrou boletim de ocorrência por constrangimento. A verdadeira traficante foi presa horas depois em outro ônibus portando 2 kg de crack. O delegado seccional de Ourinhos, Amarildo Aparecido Leal, diz que os policiais usaram o procedimento padrão diante da situação, mas que, mesmo assim, o caso será investigado.

PARINI DEU SESSENTA DIAS PARA ELITE REGULARIZAR SITUAÇÃO

Conversei com o diretor da Elite, Clayton Campos, na sexta-feira à tarde, e ele me disse que, até aquele momento, não havia nenhuma resposta da Prefeitura quanto ao pedido do vereador Especiato para que o prefeito Parini reavaliasse a solicitação de desocupação da sala onde funciona a Escola, nos fundos do Teatro Municipal.

No entanto, o Jornal de Jales deste domingo está noticiando que o prefeito, atendendo ponderações do vereador Luís Especiato(PT), decidiu dar um prazo de 60 dias para que a Escola Livre de Teatro regularize sua situação como ONG ou como empresa. Não custa lembrar que o prefeito Parini assinou um documento, encaminhado ao Ministério da Cultura e à Secretaria Estadual de Cultura, garantindo que a Elite continuaria ocupando espaço no Centro Cultural. O documento integra a papelada que permitiu à Elite fazer parte do projeto Pontos de Cultura, com aporte de recursos de R$ 180 mil. Se a Elite deixar aquele espaço, poderá perder os R$ 120 mil que ainda estão por ser liberados. A propósito, estou reproduzindo, abaixo, um comentário do amigo Luis Felipe Rodrigues, que estudou na Elite:

“A ELITE não foi simplesmente uma escola livre de teatro onde eu passei bons (ou melhores)momentos da minha vida e eprendi algumas coisas. A ELITE antes de tudo é uma familia, uma familia onde muitas vezes eu me encontrava quando estava perdido, onde eu aprendi a sonhar e aprendi a lutar pelos meus sonhos sem desistir e tendo forças para isso. Aprendi a ser mais eu sem deixar de pensar nos outros. E isso através de uma arte linda que é o TEATRO. As vezes rio sozinho pois antes da minha primeira aula de teatro eu não sabia nada, nada de mim mesmo, não sabia o que queria ser! Não tinha nenhum sonho pra correr atras, mas quando eu sai uma terça-feira a noite com o corpo arrepiado de tanta arte e tanto saber eu tomei a decisão: O que eu quero é o TEATRO!!! E foi essa escola que me deu toda a força para isso… Tirar isso, essa oportunidade de outras pessoas é pior que um crime, é desumano! O importante é saber que não importa, desde que essa FAMILIA continue unida, onde quer que estejamos faremos e seremos TEATRO!
EU SOU DA ELITE.”

E agora, estou indo prá Regional FM, onde apresento o Brasil & Cia. Mais tarde posto outras novidades.

DESTAQUES DOS JORNAIS

Estas foram as manchetes dos jornais locais, neste final de semana:

Folha Noroeste: “Vereadores pedem explicações ao prefeito Parini sobre viadutos prometidos em campanha eleitoral”

Folha Regional: “Jales se tornou referência em controle do desperdício de água para oito países”

Jornal de Jales: “Santa Casa de Jales faz primeira cirurgia de prolapso genital”

A Tribuna: “Vereadores querem mais uma CEI contra Parini”

A Folha Noroeste destacou o pedido de informações que a Câmara está enviando ao prefeito Humberto Parini, a respeito da prometida construção de dois viadutos sobre a linha férrea. Em outra manchete, o jornal destaca que “Governador Puccinelli inaugura a fábrica de refrigerantes Saboraki”. Destaque também para Urânia, onde o prefeito Airton Saracuza e a primeira-dama Marinete Saracuza fizeram a entrega de uniformes, kit de higiene, mochilas e bonés para alunos de duas creches.

A Folha Regional enfocou o Curso Internacional promovido pela Sabesp de Jales, sobre técnicas para prevenção e redução do desperdício de água. O jornal destacou também o encontro do provedor da Santa Casa, José Devanir Rodrigues, o Garça, com o vice-presidente da República, Michel Temer. Garça aproveitou o encontro para solicitar um aumento de R$ 150 mil no repasse mensal do SUS. A Folha Regional também destacou a condenação, pela Justiça Federal, de dois jalesenses envolvidos no caso Denacoop.

No Jornal de Jales, os destaques de primeira página foram para a Santa Casa, onde alguns médicos realizaram uma cirurgia inédita na região, demonstrando o avanço da medicina regional; para a Sabesp de Jales, que realizou palestras sobre técnicas contra perdas de água, com a participação de representantes de oito países; e para a inauguração da Unidade 2 da fábrica de refrigerantes Saboraki, em Cassilândia(MS). Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior divulgou que o PMDB estadual está querendo o provedor da Santa Casa, o Garça, na disputa pela Prefeitura de Jales, em 2012. Na mesma coluna, o jornalista destacou que a comemoração do aniversário do ex-petista José Célio Martini, no Clube do Ipê, teve gente de todas as tribos, menos do PT.  

Já o jornal A Tribuna foi o único a noticiar a nova CEI que está sendo proposta na Câmara, com o objetivo de investigar suposto crime de falsidade ideológica, que teria sido cometido pelo prefeito Humberto Parini. Destaque também para uma matéria do repórter Alexandre Ribeiro, o Carioca, onde a mãe da menina vítima de leishmaniose faz alerta sobre a prevenção contra a doença. O jornal noticiou que o rodeio da Facip 2011 terá dois carros zero quilômetro. Traz também uma matéria sobre a dívida da Prefeitura de Jales com a família Jalles, enfatizando que o prefeito Parini utilizou-se de uma brecha criada pela Emenda Constitucional 62 para prorrogar a dívida. Com isso, a Prefeitura perdeu o desconto de 30% que estava sendo dado pelos advogados dos Jalles. E a página A9, do primeiro caderno, foi totalmente dedicada à inauguração da nova fábrica da Saboraki.

EMPRESA DA PRIMEIRA-DAMA COMEÇA 2011 DE VENTO EM POPA

Nada como ter amigos influentes! Enquanto algumas prestadoras de serviços, que estão no ramo há muito tempo, nem são convidadas para licitações, uma nova empresa vai conseguindo o seu lugarzinho ao sol.

O jornal Folha Regional publicou hoje, em seu caderno de atos oficiais, dois extratos de contratos muito interessantes. Um deles está nas publicações do Município de Santa Salete e diz que a empresa EM FOCO – Cursos Livres Técnicos Profissionalizantes e Comércio Ltda está sendo contratada para prestar serviços junto ao PAIF – Programa de Atendimento Integral à Família. Valor do contrato: R$ 22.440,00. Em um post anterior eu já publiquei uma versão sobre o que teria acontecido em Santa Salete. Não preciso repetir.

O outro extrato de contrato está no espaço dedicado à Prefeitura de Aspásia. Está escrito lá que a mesma empresa – a EM FOCO Cursos Livres Ltda – será a responsável pela aplicação de aulas junto aos membros cadastrados em projetos sociais do PAIF, do projeto Vivendo Cidadania e do projeto CMDCA, todos eles lá de Aspásia. Valor do contrato: R$ 49.546,40.

Tá interessado em saber a quem pertence a EM FOCO Cursos Livres Ltda? A elas mesmas! Pertence à nossa primeira-dama, Rosângela Parini e à sua fiel escudeira, a primeira-ministra Marli Mastelari, que recebe como chefe de gabinete da secretaria de Finanças, mas, na realidade, atua na ante-sala do gabinete do prefeito Parini, como uma espécie de zagueiro-central, bem ao estilo “limpa área”.

Um amigo, lá da Prefeitura, me disse que, para dar mais veracidade às coisas que escrevo, eu devia comprovar que a empresa realmente pertence às duas. Então cliquem em (continuar a ler) e depois, bem no finalzinho do post, cliquem em EmFoco-Contrato. Boa leitura!  Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE JALES CONDENA MAIS DOIS NO CASO DENACOOP

Está na edição do jornal Folha Regional, deste final de semana:

O ex-presidente da Avirjal – Associação dos Viticultores de Jales, Carlos Roberto Morandim e o ex-assessor parlamentar Jonas Martins Arruda, foram condenados pela Justiça Federal de Jales a ressarcir os cofres públicos em cerca de R$ 159 mil, em função de fraude em dois convênios do Denacoop – Departamento de Cooperativismo e Associativismo Rural.

Segundo o Ministério Público Federal, o ex-presidente da Avirjal pediu R$ 33,4 mil para promover o setor de fruticultura de Palmeira D’Oeste, mas a verba acabou sendo desviada para a Festa da Uva de Jales, tendo inclusive um trator sendo sorteado na época. Quanto a Jonas, foi acusado de utilizar-se do livre trânsito que tinha junto ao Ministério da Agricultura para elaborar as propostas dos convênios, recebendo 10% da verba liberada como contraprestação pelos serviços prestados. Os advogados de ambos disseram que vão recorrer.

Observações do blogueiro: o “Caso Denacoop” veio à tona em dezembro de 1996, após matéria da revista IstoÉ, escrita pelo jornalista Gilberto Nascimento.  Várias cooperativas de Jales e região, além de figuras conhecidas aqui em nossa cidade, estão envolvidas no caso que se arrasta há 15 anos. Eis um trecho da reportagem “Cooperativa da corrupção”, da IstoÉ:

“Estima-se que o rombo some pelo menos R$ 10 milhões. Boa parte do dinheiro destinado às cooperativas acabou sendo usada para obras particulares, viagens internacionais, festas do peão de boiadeiro e até compra de meias-calças, saias e blazers numa boutique de Copacabana. Para prestar contas, as entidades alegam a realização de cursos fictícios e usam notas fiscais de empresas fantasmas”

A matéria ainda está dando muitas dores de cabeça, inclusive à IstoÉ, que, em junho de 2008, foi condenada ao pagamento de R$ 250 mil de indenização por danos morais à Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB) e ao então presidente da entidade e ex-ministro da Agricultura, Dejandir Dalpasquale. A OCB foi acusada, na reportagem da IstoÉ, de irregularidades que não ficaram comprovadas. 

Em Tempo: eu mesmo já tive que ir à Polícia Federal e à Justiça Federal para dar algumas explicações. Como caixa da Tesouraria do Banco do Brasil, aqui em Jales, eu paguei alguns cheques de uma cooperativa da cidade e acabei, de certa forma, sendo envolvido no “Caso Denacoop”. Como testemunha.

CARDOSÃO NA PRESIDÊNCIA DO PSDB DE JALES

O ex-vereador Carlos Roberto Cardoso da Silva, o Cardosão, foi escolhido pelos seus colegas do bico grande para ocupar o posto de presidente do diretório municipal do PSDB de Jales. A escolha, por consenso, aconteceu no início da noite de ontem, sexta-feira, em uma reunião no Hotel Geraldelli Center.

O novo presidente vai ter muito trabalho pela frente, já que o PSDB de Jales é um partido dividido em várias tribos. Uma das missões quase impossíveis de Cardosão vai ser encontrar um candidato tucano à Prefeitura de Jales. Nas eleições de 2008, o médico Ivo Batista Ramos foi para o sacrifício como candidato do partido, mas não chegou nem aos 2.000 votos.

Há algum tempo, corriam boatos de que o vereador Rivelino Rodrigues – que é muito ligado ao deputado estadual Carlão Pignatari – estaria se preparando para deixar o PPS e desembarcar no barco tucano. Os boatos aumentaram depois que Rivelino, na última sessão da Câmara, andou dando umas estocadas no prefeito Parini. Outro que pode, a qualquer momento, obter cidadania tucana é o ex-peemedebista Luiz Henrique Macetão, também ligado ao Carlão.

Por outro lado, o único vereador do partido em Jales, José Roberto Fávaro, corre o risco de ficar fora da disputa em 2012, uma vez que a CPI do Lixo Reciclável – urdida pelo prefeito Parini – rendeu ao Jota Erre uma condenação em segunda instância. A condenação, proferida por órgão colegiado do Tribunal de Justiça manchou a alva ficha de Jota Erre e, se ele não conseguir virar o jogo em Brasília, poderá ser defenestrado das próximas eleições pela polêmica “Lei da Ficha Limpa”.

Boa sorte ao Cardosão. Ele vai precisar!

1 1.395 1.396 1.397 1.398 1.399 1.427