PMDB TERÁ QUE DECIDIR HOJE SE MARYNILDA SERÁ OU NÃO SERÁ CANDIDATA A VEREADORA

marynilda e serjãoEsta segunda-feira, 15, é o último dia para registro de candidaturas visando as eleições municipais deste ano. E o PMDB de Jales está chegando a este último dia com uma “batata quente” nas mãos.

Caberá ao partido decidir se a candidatura da servidora aposentada Marynilda Cavenaghi Nacca – que aparece aí na foto, ao lado do marido Serjão Torpedo – será registrada ou não.

Marynilda, que tinha receio de ver sua candidatura contestada porque teria, em tese, perdido o prazo para se afastar do Conselho Consultivo do Instituto Municipal de Previdência, estava em dúvida se deveria candidatar-se ou não.

Na semana passada, porém, ela teria obtido a garantia de que sua desincompatibilização – a quatro meses do pleito – ocorreu no tempo certo. Com a certeza de que está apta a ser candidata, ela providenciou todas as certidões exigidas pela legislação eleitoral e entregou à direção do PMDB.

O PMDB vive uma dúvida atroz. De um lado, parte da direção peemedebista acha que o partido não pode abrir mão de uma candidata que, nas eleições de 2012, esteve entre os cinco mais votados, com mais de 800 votos.

De outro lado, alguns peemedebistas avaliam que a candidatura de Marynilda poderá desagradar o companheiro de coligação, o PPS.

Ocorre que, ao fechar a coligação, o PMDB teria garantido ao PPS que Marynilda estava fora. Uma eventual candidatura dela, a essa altura do campeonato, vai gerar desconforto entre os candidatos do PPS, que consideram Marynilda e Jediel dois fortes concorrentes. 

FOLHA DE S.PAULO DESTACA CANDIDATURA ÚNICA EM JALES

flá e flávio

O caderno Poder, da edição desta segunda-feira, 15, da Folha de S.Paulo, está trazendo matéria – ilustrada com a foto acima – sobre a candidatura única de Flávio Prandi(DEM), em Jales. Eis a matéria: 

O corretor Antonio Alves, de Jales (a 585 km de São Paulo), não tem dúvida. Mesmo a um mês e meio das eleições, já escolheu seu candidato a prefeito. Pudera: como não quer anular ou votar em branco, não tem opção.

Após sucessivos problemas administrativos desde o início dos anos 2000 e discussões entre os partidos e entidades, a cidade chegou a um acordo e resolveu lançar só um candidato a prefeito. Outro postulante chegou a fazer convenção, mas diz que não registrará a candidatura –o prazo vence nesta segunda (15).

Após tentar ser prefeito duas vezes, Flávio Prandi Franco, o Flá (DEM), disputará sozinho a eleição. Além de formar uma coligação com 15 siglas, como PSDB, PSB e PV, terá o apoio informal do PT –que não se une formalmente ao DEM e a tucanos.

A candidatura única é resultado de uma série de problemas políticos enfrentados pela cidade nos últimos anos. Na década passada, dois prefeitos morreram no exercício do cargo. A última eleita, Eunice Mistilides Silva (PTB), foi cassada no ano passado, acusada de irregularidades na contratação da coleta de lixo.

“O próprio povo começou a falar nisso [candidatura única], a pregar o fim da guerra entre os políticos”, diz Flá.

O vice da chapa eleita em 2012, Pedro Callado (PSDB), assumiu e chegou a anunciar uma pré-candidatura. Ele, porém, desistiu para apoiar Flá após reuniões com o Fórum da Cidadania.

O grupo, formado por entidades como OAB, associação comercial, igreja, lojas maçônicas e sindicatos, criou uma campanha contra a corrupção e pela ética e transparência na política.

Coordenador do fórum, Carlos Alberto de Britto Neto diz que a cassação da ex-prefeita partiu de uma denúncia feita no grupo e que a proposta de candidato único surgiu numa reunião em julho.

“Dissemos que não iríamos interferir nas discussões de nomes, mas ajudaríamos a explicar para a sociedade que isso seria importante”, conta. Um segundo encontro, a pedido dos partidos, foi decisivo para definir a candidatura.

“A situação financeira está muito difícil –operamos com deficit mensal de R$ 2 milhões. Se não houvesse a união, a situação poderia virar uma bola de neve, pois a receita só cai e os gastos só crescem”, afirma Pedro Callado.

Em 2012, Flá, que disputava o cargo pela segunda vez e tinha sete siglas na coligação, obteve 46,18% dos votos válidos, contra 48,16% da eleita, índice que o credenciou para ser o escolhido agora.

Nas ruas, Flá já é tratado como prefeito –e cobrado por isso. “O maior problema é o asfalto. Nem bairro novo escapa”, diz o corretor Alves. Para o autônomo Hélio Fernandes, o cenário da eleição permitirá à cidade crescer. “Os problemas todos fizeram Jales parar no tempo. Quem sabe agora melhore.”

Flá fará campanha mesmo sem ter adversários; ele diz que precisa ir às ruas com os 96 postulantes a vereador da coligação –são dez vagas. O teto de gasto na campanha à prefeitura em Jales é de R$ 176 mil; para vereadores, de R$ 20 mil.

‘ESTOU FORA’

Apesar de o candidato do DEM ser tratado como único, outro político levou uma ata de convenção ao cartório eleitoral da cidade.

Mauro Bernardo (PR), presidente do diretório local e primo de Flá, publicou edital num jornal de São José do Rio Preto e fez convenção, mas não registrou a candidatura. Segundo ele disse à Folha e a membros do fórum, não o fará até esta segunda-feira (15), quando termina o prazo.

“Publiquei em Rio Preto porque estava lá, mas não vou ser candidato. A mãe dele [Flá] é minha prima em primeiro grau, vou preservar a família”, afirma, completando que não há chapa de vereadores inscritos para a disputa pela legenda.

Na segunda-feira passada (8), o Fórum da Cidadania fez um ato para apresentar propostas aos candidatos. Flá e cerca de 50 candidatos a vereador foram –Bernardo, não.

Entre as medidas sugeridas estão um serviço de acesso a dados públicos, aprimoramento de licitações, redução de cargos comissionados, criação de corregedoria com mandato não coincidente com o do prefeito e impedimento ao nepotismo.

Em 2012, 18 cidades paulistas tiveram um só candidato a prefeito, mas nenhuma do porte de Jales. Em 14 delas, o total de votos válidos não chegou a 4.000. Jales, de 49 mil habitantes, teve 27.311 votos válidos em 2012.

EM JOGO DA OLIMPÍADA, TORCIDA COBRA MORO SOBRE PROPINA DE ODEBRECHT A JOSÉ SERRA

images_cms-image-000512256

Evidentemente que isso não vem ao caso. A notícia é do Brasil 247:

Torcedores do jogo entre Alemanha e Portugal no Estádio Mané Garrincha, em Brasília, neste sábado 13, pela Olimpíada do Rio de Janeiro, deixaram o Fora Temer de lado por um momento para protestar contra o chanceler interino, José Serra.

O senador tucano foi acusado em delação premiada de Marcelo Odebrecht de receber R$ 23 milhões via caixa 2 durante sua campanha presidencial em 2010. Segundo o ex-presidente da construtora, parte do dinheiro para foi pago a Serra no Brasil e parte por meio de contas no exterior.

Uma faixa levantada na arquibancada do estádio durante a partida cobrava o juiz Sérgio Moro, da Lava Jato, para investigar Serra. E também citava o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, que defende a cassação do PT.

JORNAL DE JALES: CANDIDATURA ÚNICA EM JALES CHAMOU A ATENÇÃO DA FOLHA DE S. PAULO

DSC02131Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, que, como se pode notar, está destacando o encontro realizado na sede da ACIJ, na segunda-feira, 08, para o lançamento da campanha liderada pelo Fórum da Cidadania por ética na política e contra o Caixa 2 e a corrupção na campanha eleitoral. A candidatura única para prefeito e vice de Jales também foi discutida e, segundo o jornal, os candidatos Flávio Prandi(DEM) e Garça(PMDB) foram os primeiros a assinar um termo de compromisso pela ética na campanha.

O abandono do Conselho Tutelar de Jales voltou a ser assunto. Matéria do Rafael Honorato diz que o Conselho continua enfrentando dificuldades, principalmente na parte estrutural. Segundo a matéria, o prédio do Conselho continua sem linha telefônica, a internet é de péssima qualidade e o mato na entrada deixa até mesmo os conselheiros envergonhados. Para efeito de comparação, o jornal diz que o Conselho Tutelar da pequena Vitória Brasil conta até com sinal wi-fi.

A Festa do Motorista, que foi realizada há duas semanas; o prêmio destaque, de âmbito nacional, recebido pela loja Chinelaria, aqui de Jales; os novos equipamentos do Posto de Identificação da Polícia Civil, que estão agilizando a emissão de carteiras de identidade; e a campanha do Jalesense Atlético Clube no campeonato da Liga Paulista de Futebol, são outros assuntos do JJ. O jornal traz, ainda, um especial dedicado ao “Dia dos Pais”.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior destaca a vinda a Jales do repórter Marcelo Toledo, da Folha de S.Paulo. O jornal paulista – a maior tiragem do Brasil – incumbiu o repórter de escrever matéria sobre a candidatura única, depois de fazer um levantamento e descobrir que Jales é a única cidade paulista com população em torno de 50 mil habitantes que terá apenas um candidato a prefeito. Segundo Deonel, o repórter da Folha entrevistou o candidato Flávio Prandi na segunda-feira, 08. 

A TRIBUNA: DECISÃO DO TCE PODERÁ ATRASAR AINDA MAIS A CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES EM JALES

capa tribuna 14.08.16No jornal A Tribuna, a principal manchete destaca o mau exemplo de dois políticos da região – o prefeito e o vice-prefeito de Santa Albertina – que utilizaram carros oficiais para vir a Jales tratar, tudo indica, de assuntos relacionados às suas candidaturas. Vanderci Novelli, o Tuquinha, e Aparecido Cerezzo Zago – que serão candidatos à reeleição, estacionaram os carros nas proximidades do Cartório Eleitoral, onde permaneceram por cerca de uma hora. O uso da máquina administrativa, incluindo carros, para cuidar de interesses eleitorais pode caracterizar improbidade administrativa.

Outro destaque do jornal é para as 99 moradias populares que estão sendo construídas nas proximidades do novo cemitério de Jales. A construção das casas – que já dura quase quatro anos – poderá sofrer mais atrasos graças a uma decisão do Tribunal de Contas que julgou irregular a licitação realizada em 2012, ainda no governo Parini. A procuradoria jurídica da Prefeitura e o prefeito Pedro Callado estão preocupados com as consequências da decisão e vão tentar reverter o quadro a fim de que as obras não sejam paralisadas.

A campanha lançada pelo Fórum da Cidadania contra o Caixa 2 e a favor da ética na política; a decisão do TJ que aumentou o valor da indenização que a Prefeitura terá que pagar à família do jovem motociclista Rafael Goes Luiz, morto em novembro de 2012; e os novos equipamentos da Polícia Civil que irão agilizar a emissão de carteiras de identidade e permitir a inclusão de informações sobre tipo sanguíneo, CPF, etc, no documento, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, destaque para o caso da peemedebista Marynilda Cavenaghi, que não está na lista de candidatos do partido, mas ainda poderá disputar uma cadeira de vereadora nas eleições deste ano. Na página de opinião, o elétrico Marco Poletto escreve um artigo jurídico sobre parentescos, enquanto o santista Victor Pereira escreve sobre a torcida do Corinthians. No caderno social, destaque para a disputadíssima coluna do Douglas Zílio e para a inauguração da loja “Pijamaria“, da empresária Cláudia Cuciol.    

RADIALISTA CUSTÓDIO MORENO FALECE AOS 69 ANOS

custódio moreno

O velório de Custódio será na Câmara Municipal. A notícia está postada no portal da Rádio Assunção:

Faleceu na manhã de hoje, sábado, dia 13 de agosto de 2016, no Hospital de Base de Rio Preto, o locutor das rádios Assunção AM e Regional FM de Jales, Custódio Pinto de Oliveira, o popular Custódio Moreno. Ele tinha 69 anos e há algum tempo vinha tratando de problemas de saúde. Desde o início do mês estava internado no HB em São José do Rio Preto.  

Atualmente o locutor apresentava aos sábados na Regional FM o programa “Sabadão Sertanejo”, das 16 às 20 horas, e o “Amanhecer na Fazenda”, na Rádio Assunção, de segunda a sexta-feira das 5 às 8 horas da manhã. 

Filho de Agostinho Pinto de Oliveira e Maria Luiz de Jesus, Custódio trabalhou durante mais de 20 anos nas rádios Regional e Assunção. Teve sua primeira participação nas referidas emissoras no período de 01/09/1987 a 24/10/1992.

Retornou aos microfones da Regional e Assunção no dia 01/01/1999, e até hoje conquistou milhares de ouvintes e se mantinha na liderança de audiência com sua alegria e irreverência. 

Custódio deixa esposa, filhos, netos e bisnetos.

‘FORA TEMER’ VOLTA COM FORÇA NO MINEIRÃO

images_cms-image-000512147

A notícia é do Brasil 247:

O jogo de futebol feminino entre Brasil e Austrália pela Olimpíada do Rio de Janeiro, que terminou em vitória para o Brasil nos pênaltis, nessa sexta-feira 12 no Mineirão, em Belo Horizonte, foi dominado por protestos contra o presidente interino, Michel Temer, nas arquibancadas.

Os registros foram feitos no mesmo dia em que a Justiça manteve liminar que permite a realização de protestos políticos nas arenas dos Jogos. Com a decisão, a Justiça Federal (TRF 2) rejeitou recurso do Comitê Rio 2016 que pretendia derrubar a liminar que permite os protestos.

Em um vídeo publicado pelo Mídia Ninja, uma orientação nova aos torcedores manifestantes: “Temer vocês podem erguer à vontade! Mas tem símbolo da Globo, aí não pode!”.

DEU NA FOLHA NOROESTE DE HOJE

folha noroeste 13.08.16O jornal Folha Noroeste deste sábado destaca sessão do STF, de quarta-feira, 10, em que os ilustres ministros e ministras decidiram o que eu já imaginava decidido há muito tempo, ou seja, que cabe exclusivamente às câmaras de vereadores julgar as contas dos prefeitos. A decisão diz que ao Tribunal de Contas cabe o papel de auxiliar o Poder Legislativo municipal, emitindo parecer prévio e opinativo, que somente poderá ser derrubado por decisão de 2/3 dos vereadores. A decisão esclarece que o parecer do TC não pode tornar nenhum prefeito inelegível, se não for aprovado pela Câmara.

Na coluna FolhaGeral, o redator e editor Roberto Carvalho –  um implacável lateral esquerdo dos anos 60 – está informando que, em Jales, “alguns tucanos não conseguiram entender ou compreender o que aconteceu com o seu partido”. Segundo o colunista, “existe a perspectiva de vários tucanos deixarem o partido ainda neste ano, até o fim do mandato do prefeito tucano”. Ainda de acordo com o Roberto, os tucanos que ameaçam abandonar o ninho, em revoada coletiva, “alegam que o partido está muito submisso para eles se manterem na sigla”. Será que somente agora eles perceberam que o PSDB de Jales tem uma dona?

PRESIDENTA? ALEXANDRE GARCIA CITA TEXTO ATRIBUÍDO A PROFESSORA DE PORTUGUÊS. QUE NÃO É AUTORA DO TEXTO, NEM PROFESSORA DE PORTUGUÊS

professor pasqualeEu até procurei na internet, sem sucesso, o comentário de hoje do urubólogo Alexandre Garcia, para ter certeza de que ouvi direito o que ele disse no Antena Ligada desta sexta-feira. Segundo o que ouvi, o renomado comentarista – em sua cruzada contra o uso do termo “presidenta” – apelou a um texto de uma professora da Universidade Federal do Paraná.

O texto – que circula na internet desde 2010 e menciona particípios ativos e derivativos verbais – já foi desmentido até pela própria suposta autora – Miriam Rita Moro Mine – que, na verdade, nem é professora de português, mas professora de cursos de Engenharia da UFPR.

Se tivesse pesquisado, Alexandre Garcia encontraria no blog do Noblat, seu colega de Globo, o esclarecimento no qual a professora diz que jamais escreveria algo que não fosse de sua área de atuação. O esclarecimento é de 2011. É provável, porém, que, encantado com o sobrenome da moça – Moro – o comentarista deduziu que nem seria necessário checar a veracidade da autoria.

Em seu comentário, onde fala em arrogância daqueles que insistem em utilizar o termo “presidenta”, o urubólogo cita um trecho do texto atribuído à professora que não é professora de língua portuguesa – “…o particípio ativo do verbo atacar é atacante, de pedir é pedinte, o de cantar é cantante, o de existir é existente, o de mendicar é mendicante…” – para, ao final, concluir que, quem preside só pode ser presidente, jamais presidenta.

Arrogância talvez seja considerar que filólogos do calibre de Antônio Houaiss e Aurélio Buarque de Hollanda estejam equivocados. Que gramáticos como Cegalla e Sacconi sejam ignorantes. Ou que Cândido Figueiredo tenha se revelado arrogante ao registrar em seu dicionário, de 1899, que “presidenta” é a mulher que preside ou o feminino de presidente.

Ou ainda, que o nosso maior escritor, Machado de Assis – fundador e primeiro presidente da Academia Brasileira de Letras – tenha agredido propositalmente a língua pátria ao utilizar, em 1880, a forma feminina “uma presidenta” em Memórias Póstumas de Brás Cubas (Capítulo LXXX). Menino arrogante esse Machado!

Nesse ritmo, não está longe o dia em que o festejado urubólogo irá apelar a outra sandice que corre na internet, na qual se atribui ao professor Pasquale Cipro Neto a frase idiota que acompanha a foto lá de cima. O que o professor  disse, na verdade, é que as duas formas – presidente e presidenta – estão corretas (veja aqui).

E, para encerrar – por enquanto – o assunto, sugiro que o prezado leitor veja aqui um texto publicado ontem pela revista Exame, a propósito da utilização do termo “presidenta”.

Em tempo: questões vernaculares à parte, o urubólogo – que não soltou um único pio sobre o caso J.Hawilla – ainda não nos brindou com sua imprescindível opinião sobre os R$ 23 milhões da Odebrecht que teriam abastecido o caixa da campanha de José Serra, em 2010.

Segundo um “matemático”, os R$ 23 milhões (ou R$ 34 milhões, em dinheiro de hoje) seriam suficientes para comprar 13 tríplex e mais 13 sítios em Atibaia. Reparando bem, acho que daria até para comprar uma das dezenas de fazendas que o Lulinha mantém abarrotadas de gado.

HOSPITAL DE CÂNCER RECEBE MAIS UMA GRANDE DOAÇÃO DA AVCC

SAMSUNG CAMERA PICTURES

A notícia é da assessoria de imprensa do Hospital de Câncer:

O Hospital de Câncer de Barretos – Unidade III em Jales, recebeu na última segunda-feira, dia 08, mais uma grande doação da AVCC – Associação de Voluntário de Combate ao Câncer de Jales, que realiza um lindo trabalho em prol do Hospital de Câncer há mais de 11 anos.

O departamento de nutrição recebeu como doação uma geladeira industrial de 1200 Litros, que irá ajudar na conservação de muitos alimentos, já que o Hospital diariamente serve aos pacientes e seus acompanhantes 5 refeições incluindo café da manhã, tarde e noite, almoço e jantar.

“O trabalho que AVCC realiza junto ao HC é a de muita importância para nós. Estamos vivendo um período de crise o qual o hospital está sem verba para aquisição e atualização de equipamentos e a AVCC, junto com o seu bazar, tem nos ajudado nessas ocasiões que, sem elas, teríamos muita dificuldade de manter a qualidade oferecida aos mais de 1000 atendimentos diários que realizamos na Unidade de Jales”, afirmou o gerente administrativo Roger Dib.

Já a presidente da AVCC, Cidinha Iglesias, diz que tudo isso só é possível graças aos projetos que são realizados em prol ao Hospital. “As pessoas acreditam no nosso trabalho e contribuem muito para com nossos projetos. Graças a Deus o bazar da AVCC tem sido muito procurado, assim como os demais trabalhos que realizamos.”, afirmou.

ACIJ APOIA MOBILIZAÇÃO POR ELEIÇÕES MUNICIPAIS LIMPAS

ACIJ FOTO 1

A notícia é da assessoria de imprensa da ACIJ:

O lançamento da campanha pela ética na política, contra o caixa 2 e combate à corrupção, no dia 8 de agosto, na sede da Associação Comercial e Industrial de Jales foi um passo importante para a conscientização dos eleitores sobre as questões eleitorais e a necessidade de reflexão para eleger candidatos realmente comprometidos com as melhorias para a população, como afirmou o presidente da associação, Carlos Roberto Altimari.

Carlinhos lembra que, mais uma vez, a ACIJ cumpre seu compromisso de acompanhar os movimentos de interesse da comunidade, desta vez não só apoiando a iniciativa do Fórum da Cidadania, mas mobilizando a classe empresarial para que participe dessa importante campanha que com certeza contribuirá para que, com união e eleições limpas, a cidade retome o rumo do desenvolvimento.

Durante o encontro, o presidente da ACIJ destacou que a sociedade precisa participar cada vez mais, ficando atenta para o que acontece na política. Nesse sentido, Jales, mais uma vez sai na frente, iniciando esse movimento na região, dando exemplo para que outras cidades façam o mesmo.

A ACIJ, como lembrou Carlinhos, não poderia deixar de aderir a uma campanha como essa que só traz benefícios para a comunidade. “É preciso que essa mobilização comece pelas bases, ou seja, pelos municípios, se quisermos mudar a situação política do país”, completou.  

POLÍCIA CIVIL DE JALES PRENDE LADRÃO E RECUPERA SEMIJÓIAS FURTADAS NO PÁTIO DO PROENÇA

polícia civil IMG_0421

A notícia é do Jornal do Povo, no portal da Rádio Assunção:

A Polícia Civil de Jales recuperou parte das semi-joias que foram furtadas na noite da ultima sexta feira, em uma banca que fica no pátio do supermercado Proença.

 O delegado Sebastião Biazi explica que o individuo confessou o crime, e disse ter deixado as jóias escondidas após o furto.

Segundo o delegado, o prejuízo do empresário, se levado em conta o valor de venda dos produtos, seria de aproximadamente R$50 mil.

PRESIDENTE OU PRESIDENTA? EX-MINISTRO DIZ QUE PREFERE O PORTUGUÊS DE CARLOS DRUMMOND AO DE CARMEM LÚCIA

images_cms-image-000511947

O urubólogo Alexandre Garcia – que ainda não falou um “a” sobre os R$ 23 milhões que a Odebrecht diz ter dado ao caixa 2 de José Serra – continua insistindo que “presidenta” não existe. Os melhores dicionários e os maiores gramáticos do país – como já informei aqui – admitem que o uso de “presidenta” está correto.

Mas, vejamos o comentário de hoje do ex-ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, sobre o deselegante xiste da ministra Carmem Lúcia:

O ex-ministro da Educação Renato Janine Ribeiro postou um comentário nas redes sociais nesta quinta-feira 11 em resposta ao pedido da nova presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, de que não queria ser chamada de “presidenta” porque era “amante da língua portuguesa”, em uma alfinetada clara à presidente Dilma Rousseff.

Em meio a um julgamento nesta quarta, o presidente da corte, Ricardo Lewandowski, passou a palavra à ministra e perguntou: “Concedo a palavra à ministra Cármen Lúcia, nossa presidenta eleita… ou presidente?”. Ela respondeu: “Eu fui estudante e eu sou amante da língua portuguesa. Acho que o cargo é de presidente, não é não?”, disse, rindo.

Renato Janine comentou: “Gosto da ministra Carmen Lucia mas, entre o português dela e o de Carlos Drummond de Andrade, fico com o do poeta – que, na sua tradução de Choderlos de Laclos, usa ‘presidenta’ sem nenhum problema. Obs.- Eu prefiro usar presidente, mas respeito Drummond, um de nossos maiores escritores”.

Mais tarde, ele postou ainda o seguinte texto:

Presidente ou presidenta, parodiando Guimarães Rosa, é questão de opiniães…
As duas formas estão no dicionário e nos melhores escritores.
Usar uma ou outra é apenas preferência pessoal, gosto que não se discute, assim como cores.
Acusar quem usa presidenta de ignorante é, isso sim, ignorância.
Mas cada um usa a que prefira. Livre para Dilma, livre para Carmen. 

Em espanhol, presidenta é de uso pacífico, assim como présidente em francês e, em alemão, Präsidentin. Em inglês, não há flexão. 
Em português, presidenta aparece há muito tempo como mulher do presidente. Sim, presidenta como titular do poder é recente, mas o fato é recente, antes mulheres não ocupavam o cargo.

Presidenta pode chocar certos ouvidos, e portanto alguns ou muitos podem preferir presidente. É meio como chefe, uns usam chefa para mulher, outros empregam chefe.
O que é errado é dizer que uma das formas é errada.

E é mentira, isso posso dizer como testemunha, que Dilma obrigava os ministros a chamá-la de presidenta. Já disse: Aldo Rebelo, Kátia Abreu, Luiz Adams usavam a forma presidente, na frente dela, sem nenhum problema.
Por favor, nem mentira nem ignorância.

ELEIÇÕES 2016: POLÍTICOS USAM CARROS OFICIAIS PARA IR AO CARTÓRIO ELEITORAL TRATAR DE CANDIDATURAS

DSC02099-ed

Quem procurou o Cartório Eleitoral – ou qualquer outro órgão da Justiça Federal – nesta quinta-feira, deu com os burros n’água. Hoje, embora estejamos no período de registro de candidaturas, todos os cartórios eleitorais do país estão fechados para comemorar o “Dia da Justiça Federal”.

A partir de amanhã, no entanto, os cartórios não terão mais folga até o dia 20 de dezembro. Nesse período, eles funcionarão inclusive aos sábados, domingos e feriados. No caso de Jales, por exemplo, o Cartório Eleitoral funcionará no final de semana e no feriado de segunda-feira, 15, dia da “Padroeira da Diocese” e último dia do prazo para registro de candidaturas.

DSC02098-edOntem, o Cartório Eleitoral de Jales estava lotado de representantes de partidos e candidatos, todos registrando candidaturas ou buscando informações sobre essa fase da campanha eleitoral. Como se sabe, a Zona Eleitoral de Jales – a 152ª – é a maior do estado em número de municípios (dez).

Do lado de fora, podia-se ver como os nossos políticos dão bons exemplos. Por volta das 15:00 horas, quando estive por lá, pelo menos dois carros oficiais estavam estacionados nas proximidades do Cartório. Lá dentro, um prefeito da região – candidato à reeleição – tratava de assuntos que interessavam mais a ele do que ao seu município.

EM URÂNIA, CANDIDATO ÚNICO QUASE PERDEU PARA VOTOS BRANCOS E NULOS

fLÁ CALLADO ANALICE-ed

A Folha de São Paulo mandou um repórter a Jales, nesta semana, para reportagem sobre a candidatura única de Flávio Prandi Franco(DEM). Segundo se sabe, o repórter andou entrevistando Flá e o prefeito Callado, mas, depois de ir ao Cartório Eleitoral e ficar sabendo da possibilidade da candidatura de Mauro Bernardo Perfetto(PR), resolveu deixar a matéria em compasso de espera.

O interesse do jornal decorre do fato de a candidatura única ser algo raríssimo em cidades do porte de Jales. Em 2012, o estado de São Paulo teve candidaturas únicas em 18 municípios, mas nenhum deles com o número de eleitores próximo aos 37.680 de Jales.

Mesópolis foi um desses municípios. Em 2012, apenas o tucano Leandro Aparecido Polarini disputou os votos dos eleitores mesopolenses. Leandro obteve 81,55% dos votos. Vitória Brasil também já teve uma candidatura única. Foi em 2008, quando Eliseu Alves da Costa(PTB) foi eleito com 68% dos votos. Brancos e nulos somaram 32%.

domingos de rosisUm caso curioso aconteceu em 1968, em Urânia, quando os candidatos únicos – Benedito Braga (prefeito) e Elvo Pigari (vice), ambos da ARENA – quase perderam para os votos brancos e nulos.

Além de ser o fundador da cidade, Benedito Braga, o Zico Braga, tinha também o apoio do prefeito da época, Hermínio Martini. No entanto, para desassossego de Zico e Elvo, surgiu uma oposição. Um vereador – Domingos de Rosis Filho, o Dominguinhos (foto ao lado) – iniciou um movimento pelos votos brancos e nulos. Resultado: 53% para Zico Braga x 47% para brancos e nulos.

Há quem diga que, com mais uma semana de campanha, o opositor Dominguinhos teria conseguido sucesso em sua tarefa. Por sinal, Domingos de Rosis Filho é nome de rua aqui em Jales, no Jardim do Bosque. Antes de eleger-se vereador em Urânia, Dominguinhos foi vereador em Jales – na legislatura 1953-1957 – representando o então distrito de Urânia.

Em tempo: Pela legislação eleitoral atual, não existe mais a possibilidade de um candidato único não ser eleito caso perca para os votos brancos e nulos. De acordo com a lei, o candidato único pode ser eleito com apenas um voto válido.      

1 2 3 4 5 642