MÉDICO QUE ACUMULOU OITO EMPREGOS TERÁ QUE PAGAR MULTA DE R$ 2,2 MILHÕES

José Usan Júnior é ginecologista. A notícia é do UOL:

O Tribunal de Justiça de São Paulo ordenou a execução da pena de um médico que acumulou oito empregos, cinco deles públicos, em quatro cidades no interior de São Paulo. Condenado a pagar R$ 1,1 milhão, os juros e correção monetária entre a condenação e a execução da sentença dobraram esse valor.

Agora José Usan Júnior terá de desembolsar R$ 2.269.704,99. Se o médico exercesse todas as funções para as quais foi contratado, ele não descansaria um único dia no mês: trabalharia 106 horas semanais em quatro cargos e oito empregos distribuídos por quatro cidades: Araçatuba, Guararapes, Birigui e Bilac.

Para a Corte, Usan Júnior era um funcionário fantasma que cometeu improbidade administrativa ao enriquecer acumulando funções que não exercia.

A Constituição permite aos médicos acumular apenas dois cargos com compatibilidade de horário. Procurada pela reportagem, a defesa do médico preferiu não se manifestar.

Na última terça-feira (3), o juiz aceitou o pedido do Ministério Público e executou a decisão tomada em junho. O médico terá 15 dias a partir da notificação para pagar os R$ 2,2 milhões, sob pena de ter os bens penhorados, se não pagar, e 10% de multa sobre o valor, um acréscimo de R$ 220 mil.

O juiz também expediu ofícios para que as prefeituras demitam o médico, que teve seus direitos políticos suspensos por oito anos, o que lhe impede de votar e receber votos em uma hipotética candidatura.

DATAFOLHA: BOLSONARO TEM A PIOR AVALIAÇÃO ENTRE OS PRESIDENTES ELEITOS APÓS O REGIME MILITAR

Com informações da Folha de S. Paulo:

Os números do Datafolha divulgado hoje indicam que Bolsonaro chega ao fim do primeiro ano no cargo com avaliação pior do que a recebida por alguns de seus antecessores no mesmo período do mandato.

Ao final do seu primeiro ano de mandato, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) era aprovado por 41% da população, enquanto Lula (PT) alcançou 42% e Dilma Rousseff (PT) obteve 59% de aprovação a essa altura do primeiro mandato.

Somente Michel Temer (MDB) e Itamar Franco, que não foram eleitos, chegaram ao fim do primeiro ano com reprovação maior do que a de Bolsonaro agora. Um ano após assumir o lugar de Dilma, o ex-presidente Temer era reprovado por 61%.

De outro lado, a pesquisa aponta que reprovação a Jair Bolsonaro parou de crescer, em razão de uma melhoria nas expectativas econômicas. Enquanto a taxa de aprovação oscilou de 29% para 30%, a reprovação, que cresceu de 30% para 38% na pesquisa anterior, dessa vez ficou em 36%, dentro da margem de erro. Para 56% dos entrevistados, Bolsonaro não se comporta adequadamente.

A pesquisa mostra, ainda, que a percepção dos brasileiros a respeito do combate à corrupção pelo governo Bolsonaro piorou bastante em dois meses. A aprovação do desempenho do governo nesse quesito caiu de 34% para 29%, enquanto a desaprovação subiu de 44% para 50%. Ou seja, metade dos brasileiros já não botam a atuação da dupla Bolsonaro/Moro na área do combate à corrupção.

O Datafolha mostra, também, que Bolsonaro não está, na opinião da maioria dos entrevistados, colaborando para melhorar a imagem do Brasil no exterior. Para 39%, a imagem do país piorou, enquanto para 25% a imagem continua na mesma. Já o bloco dos que acham que melhorou contabiliza 31%.

Em dezembro de 2003, no fim do primeiro ano do mandato do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), 53% achavam que seu governo tinha contribuído para melhorar a imagem do país no mundo e somente 7% diziam que ela tinha piorado.

A análise do Datafolha permite concluir que o “gado bolsonarista” – aquele grupo de brasileiros que aprovam cegamente o governo e confiam em tudo o que Bolsonaro diz ou faz – está, atualmente, em 14% da população. A maioria do “gado” está na região Sul e é formada por homens brancos com boa situação financeira.

JORNAL DE JALES: MARYNILDA CAVENAGHI ASSUME PRESIDÊNCIA DO MDB DE JALES

Eis a capa do Jornal de Jales deste domingo, cujo principal destaque é a representação criminal que o advogado Adib Abdouni, reitor da Universidade Brasil, protocolou na Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo, contra o delegado Cristiano Pádua da Silva, da PF de Jales. A representação diz, entre outras coisas, que o delegado teria se infiltrado ilegalmente na Universidade durante as investigações que redundaram na operação Vagatomia. O jornal destaca, também, que a Associação Nacional dos Delegados da Polícia Federal (ADPF) manifestou apoio ao delegado, referendando sua atuação no curso das investigações que apontaram um suposto esquema de fraudes na Universidade.

Outra manchete de capa informa que a Prefeitura de Jales espera investir mais de R$ 26 milhões em melhorias na cidade, durante o ano de 2020. Pelo menos é isso que está previsto no orçamento municipal para o ano que vem, que deverá ser aprovado pela Câmara na sessão dessa segunda-feira, 09. Do total reservado para investimentos, cerca de R$ 10,4 milhões são recursos da própria Prefeitura, enquanto o resto virá da União (R$ 6,7 milhões), do Estado (R$ 3,8 milhões), e do financiamento obtido junto à Caixa Federal (R$ 5,5 milhões). O orçamento de 2020 prevê que as receitas e as despesas do município chegarão a R$ 175 milhões.

O desmantelamento, pela Polícia Federal, de uma organização criminosa especializada no tráfico internacional de drogas, que atuava em algumas cidades da nossa região; a homenagem que a delegada de Formosa-GO, Fernanda Lima, nascida em Jales, recebeu da Assembleia Legislativa de Goiás; o destaque obtido pela professora Paula Cristina Scarpeto Gonçalves, também nascida em Jales, por conta de projeto desenvolvido em São José dos Campos; e a emenda parlamentar de R$ 300 mil que a deputada Analice Fernandes(PSDB), outra conterrânea, está destinando para a APAE de Jales, são outros assuntos do JJ.

Na coluna Fique Sabendo, o jornalista Deonel Rosa Júnior está informando que a companheira Marynilda Cavenaghi Nacca decidiu assumir a presidência do diretório do MDB de Jales, substituindo o ex-vereador Jediel Zacarias, que abdicou do trono para cuidar de assuntos pessoais. O colunista ressalta que Marynilda – que estava sendo cortejada pelo PSDB – resistiu um pouco à ideia, mas acabou convencida por antigos militantes, João Missoni Filho entre eles, a assumir o comando da nau emedebista. Deonel lembra que esse não será o primeiro desafio que Marynilda enfrentará em nome do MDB. Em 2014, quando de encontro realizado no Jales Clube com as presenças de Dilma Roussef e Michel Temer, coube a ela discursar em nome do diretório local.

NEY MATOGROSSO – “HOMEM COM H”

Nascido em Bela Vista(MS) – daí o Matogrosso – Ney de Souza Pereira teria, por força do trabalho de seu pai, um oficial do Exército, morado em Fernandópolis por algum tempo. Os fernandopolenses mais antigos dizem até que ele tinha uma irmã muito bonita e, por isso mesmo, muito paquerada pelos moçoilos casadoiros da ex-Vila Pereira.

Diz a lenda que Ney, sem nenhuma ligação com a música nordestina, quase não gravou “Homem com H”, do compositor paraibano Antonio Barros, um dos maiores sucessos do rebolativo ex-vocalista do Secos & Molhados.

Segundo a lenda, Ney teria recusado a oferta da música. Cecéu, também compositora (autora de “Bate Coração”, da Elba) e esposa de Barros, desmente essa versão. O fato, porém, é que “Homem com H” é a última música do lado B do disco “Viajante”, gravado em 1981. Um empurrãozinho e ela teria ficado de fora.

É fato também que Ney ficou conhecendo “Homem com H” através de um disco de xote do Trio do Nordeste. O cearense Fausto Nilo foi quem mostrou o disco a Ney, sugerindo que ele também gravasse a música de Barros.

Receoso em gravar o xote – afinal, poderia ser contraditório um sujeito de voz fina, cheio de trejeitos, dizendo que “sou homem com agá” – Ney consultou amigos. Gonzaguinha, um dos consultados, foi decisivo ao dizer a Ney que “essa música é a sua cara”.

Antonio Barros, hoje com 89 anos, conta que a inspiração para “Homem com H” veio da novela “O Bem Amado”, do genial Dias Gomes, exibida em 1973 com atuações impagáveis de Paulo Gracindo, Lima Duarte e outros.

Gracindo interpretava Odorico Paraguaçu, um político corrupto (sic!). Em meio a uma conversa com seu secretário, Dirceu Borboleta (Emiliano Queiroz), Odorico, a pretexto de garantir que era cabra macho, sapecou: “Que nada seu Dirceu! Eu nunca vi rastro de cobra nem couro de lobisomem…”.

Com a frase na cabeça, Barros pegou o violão e, em menos de uma hora, estava pronta a música. Ele pensou em entregar a composição a Ney, à época no Secos e Molhados, mas não tinha como chegar ao grupo. Entregou, então, ao Trio Nordestino, o primeiro a gravar.

Oito anos depois de composta, a música chegou, finalmente, ao conhecimento de Ney Matogrosso. O sucesso foi tamanho que, no ano seguinte, Ney gravou “Por Debaixo dos Panos”, de autoria de Cecéu, a mulher de Antonio Barros. Em 2011, “Homem com H” ganhou uma belíssima releitura do Zeca Baleiro.

Abaixo, um vídeo com Ney cantando:

A TRIBUNA: BVLX LANÇA O RESIDENCIAL BELLA VISTA, UM NOVO CONDOMÍNIO FECHADO DE ALTO PADRÃO

No jornal A Tribuna deste final de semana, a manchete principal destaca a abertura da licitação que visa a contratação de empresa para executar a reforma da Praça “Euphly Jalles”. A repaginação irá custar cerca de R$ 1,55 milhão, sendo que o Ministério do Turismo entrará com R$ 1,15 milhão, enquanto os outros R$ 400 mil sairão dos cofres da Prefeitura. A reforma prevê, entre outras coisas, a instalação de uma “fonte interativa musical”, o ítem mais caro da repaginação, orçada em R$ 607 mil, além da colocação de 44 novos bancos de concreto e da construção de novos sanitários e de uma praça de alimentação. A reforma inclui, ainda, o plantio de 2.402 m² de grama esmeralda.

Matéria do repórter Alexandre Ribeiro, o Carioca, explica que a construção de um pontilhão que irá substituir a passagem de nível sobre os trilhos da linha férrea, na Rua Maranhão, Jardim Paulista, é responsabilidade da empresa Rumo e não tem qualquer participação da Prefeitura, que apenas acompanha o projeto. Segundo a matéria, os recursos para a construção do pontilhão não virão de emendas parlamentares, nem tampouco de algum convênio assinado entre o prefeito e o governo. O pontilhão irá ligar os bairros Roque Viola e Jardim São Gabriel.

O lançamento do mais novo empreendimento do grupo BVLX, o loteamento Residencial Bella Vista, um condomínio fechado de alto padrão; a condenação, por posse irregular de armas de fogo, do corretor de seguros envolvido na operação “Farra no Tesouro 2”, que investiga fraudes na contratação de seguros para a frota de veículos da Prefeitura; a informação da Prefeitura sobre os escritórios do Procon e do Iamspe, que deverão se mudar do Teatro Municipal para uma casa alugada; e o caso de uma empresa de asfalto – a Conpav, de Santa Fé do Sul – que está recorrendo à Justiça para receber uma dívida de R$ 145 mil da Prefeitura, são outros assuntos de A Tribuna.

Na coluna Enfoque, destaque para decisão recente do Tribunal de Contas da União(TCU), que condenou o ex-deputado Vadão Gomes a pagar uma multa de R$ 150 mil e devolver cerca de R$ 140 mil aos cofres públicos, por conta de mau uso do dinheiro do Fundo Partidário, referente a 2004, quando ele era o presidente do Diretório Estadual do PP. Na página de opinião, o artigo do doutor Bolan e a sempre atual crônica do blogueiro Hélio Consolaro. E no caderno social, destaque para a coluna do Douglas Zílio, um dos espaços mais disputados do jornal, e para a entrega do prêmio “Destaques do Ano”, que ocorreu na quarta-feira, 04, no Villa Rocca.

ASSOCIAÇÃO MANIFESTA APOIO AO DELEGADO DA PF DE JALES, ACUSADO DE ARBITRARIEDADES PELA UNIVERSIDADE BRASIL

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) divulgou ontem, 06, uma “nota pública” de apoio ao delegado da Polícia Federal de Jales, Cristiano Pádua da Silva, responsável pelas investigações da Operação Vagatomia, que apurou a venda de vagas no curso de Medicina da Universidade Brasil, campus de Fernandópolis, além de fraudes no FIES e outras irregularidades.

Na segunda-feira, 02, o advogado e atual reitor da Universidade, Adib Abdouni, ingressou com uma representação contra Cristiano na Superintendência da Polícia Federal, em São Paulo. Na representação, Abdouni classifica a conduta do delegado como “questionável, antiética e estranha aos padrões regulamentares adotados pela Polícia Federal do Brasil”.

Segundo o advogado e reitor da Universidade, o delegado teria adulterado o conteúdo dos depoimentos incluídos no inquérito para isentar suspeitos que colaboraram com a investigação. Abdouni acusa o delegado por supostas arbitrariedades, como vazamento de informações sigilosas e intimidação de funcionários e alunos da Universidade. 

Ele reclamou, por fim, da forma supostamente jocosa e depreciativa que o delegado teria se referido, em um despacho, ao filho do dono da Universidade. “Num tom de deboche, ele chegou a insinuar que Stephano tinha uma opção sexual diversa da que transparecia”.

Jus Sperniândis? Eis a nota da ADPF:

A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) manifesta apoio ao Delegado de Polícia Federal de Jales (SP), Cristiano Pádua da Silva, quanto à sua atuação no curso dos inquéritos policiais da denominada Operação Vagatomia, em exercício da independência funcional do Delegado de Polícia.

A segurança jurídica de todo cidadão começa no inquérito policial, sob presidência do Delegado de Polícia, o primeiro a observá-la e a garantir a sua efetividade, peça chave no chamado Estado Democrático de Direito, em que o Delegado é investido do poder para investigar um fato e, após formar a sua convicção, tornar o seu autor culpado ou inocente.

Nas palavras do eminente ministro Celso de Mello, “o delegado de polícia é o primeiro garantidor da legalidade e da justiça”, daí não serem aceitáveis as afirmações que sugerem ausência de isenção por parte do Delegado que presidiu o inquérito do caso.

A Polícia Judiciária, no exercício de função essencial à justiça, não tem compromisso com acusação ou com a defesa, mas apenas com a busca da verdade. O Delegado de Polícia decide pelo indiciamento de acordo com sua análise jurídica.

Esse livre convencimento é único e derivado do inquérito policial, que necessariamente contém isenção e imparcialidade, em decorrência dos princípios da impessoalidade e da moralidade, previstos no caput do artigo 37 da Constituição Federal.

Toda decisão de um Delegado de Polícia, baseada nos princípios acima descritos, vem revestida de embasamento jurídico e pormenorizado de tudo o que se apurou nas investigações.

DESDE SAÍDA DE DILMA, GASOLINA JÁ SUBIU 30% EM JALES. E O DIESEL JÁ AUMENTOU 12% DEPOIS DA GREVE DOS CAMINHONEIROS

A foto acima é de abril de 2016, mês que antecedeu o afastamento da então presidenta Dilma Rousseff (o impeachment foi em agosto, mas ela foi defenestrada em maio) da presidência da República. De lá para cá, o preço médio da gasolina já subiu cerca de 30%, nos postos de combustíveis de Jales.

Em maio daquele ano, a gasolina era comercializada em Jales a R$ 3,32, em média, segundo a pesquisa da Agência Nacional do Petróleo (ANP). Já o preço médio praticado nesta semana, segundo a mesma ANP, chegou a R$ 4,29/litro.

Registre-se que o preço médio praticado em Jales é um dos mais baixos do estado de São Paulo. Em Votuporanga, por exemplo, a pesquisa diz que a gasolina está custando, em média, R$ 4,39, ou seja, dez centavos a mais por litro. E em Cubatão, que possui os combustíveis mais caros do estado, o preço médio da gasolina já passa dos R$ 4,50.

Já o preço do óleo diesel, que está irritando os caminhoneiros, aumentou pouco mais de 28% entre o afastamento de Dilma e os dias atuais. Em maio de 2016, o preço médio praticado em Jales era de R$ 2,88. Atualmente, o valor médio de cada litro de óleo diesel nas bombas de combustíveis de Jales já alcança os R$ 3,69.

Em relação aos preços que eram praticados antes da greve dos caminhoneiros, que eclodiu em maio do ano passado, o óleo diesel já subiu 12%. Em abril de 2018, mês que antecedeu a greve, os postos de Jales vendiam o óleo diesel a R$ 3,29, em média, uma diferença de R$ 0,40 por litro, em relação ao preço médio atual.

Como se vê, parece que os caminhoneiros bolsonaristas têm lá suas razões para se sentirem traídos pelo atual governo. 

TRAÍDOS POR BOLSONARO, CAMINHONEIROS PREPARAM GREVE NACIONAL

Só acredito vendo! Os caminhoneiros são, em sua grande maioria, bolsonaristas juramentados e não estão nem aí com mais essa bola nas costas. A notícia é do Correio Braziliense:

Líder dos caminhoneiros autônomos, Marconi França afirmou nesta sexta-feira (6/12) que, à 0h da próxima segunda-feira (16/12), “pelo menos 70%” dos cerca de 4,5 milhões de profissionais autônomos e celetistas vão parar em todo o país. O motivo é a insatisfação da categoria com o governo de Jair Bolsonaro, que, segundo França, não cumpriu o que prometeu aos trabalhadores.

“O governo não cumpriu nada do que prometeu. O preço do óleo diesel teve 11 altas consecutivas, em 2019. Não aguentamos mais ser enganados pelo senhor Jair Messias Bolsonaro, que protege o agronegócio e diz que o caminhoneiro só sabe destruir rodovias“, reclamou França ao Blog. O líder do movimento disse ainda que a duração do protesto não foi definida, ou seja, não se sabe se será prolongado por mais dias.

À tarde, o líder dos caminhoneiros foi à sede da Central Única dos Trabalhadores no Rio de Janeiro (CUT-RJ) pedir apoio para o movimento. Lá, o caminhoneiro gravou um vídeo pedindo apoio da população (assista abaixo). “De todos que usam gasolina, óleo diesel e também gás de cozinha. Jair Bolsonaro esquece que quem transporta os produtos das indústrias e do agronegócio somos nós”, reforçou.

O movimento nacional dos caminhoneiros tem o apoio do presidente da CUT/RJ, Sandro Alex de Oliveira Cezar. O líder sindical destaca que ainda existe um racha na categoria dos caminhoneiros. “Cerca de 30% ainda acreditam no governo e no presidente da República. Mas nós temos certeza de que vão se conscientizar da necessidade de melhores condições de trabalho”, destacou Cezar.

1 2 3 4 5 1.357